Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Alta Magia Cabala A Cabala Mística A Existência Negativa

A Existência Negativa


A Cabala Mística - Dion Fortune

1. Quando o esoterista procura formular a sua filosofia no intuito de comunicá-la aos outros, defronta-se ele com o fato de que o seu conhecimento das formas superiores de existência resultou de um processo diferente do pensamento habitual a de que esse processo só tem início quando se ultrapassa o próprio pensamento. Portanto, é apenas nessa região da consciência transcendente ao pensamento que podemos conhecer a compreender a forma superior das idéias transcendentais, a apenas aqueles de nós que são capazes de utilizar esse aspecto da consciência estão aptos a comunicar essas idéias em sua forma original. Se procuramos comunicar tais idéias a pessoas que não tiveram experiência alguma desse modo de consciência, precisamos cristalizá-las na forma, pois do contrário não conseguiremos comunicar nenhuma impressão adequada. Os místicos utilizaram todos os símiles imagináveis na tentativa de comunicar suas impressões; os filósofos perderam-se num labirinto de palavras, a tudo isso de nada serviu para o adestramento da alma não-fulminada. Os cabalistas, contudo, utilizam outro método. Eles não tentam explicar à mente um conteúdo com o qual ela não é capaz de trabalhar, mas dão-lhe uma série de símbolos em que deve meditar, a estes lhe permitem armar gradualmente uma escada cognitiva para com esta subir às alturas que estão fora de seu alcance. A mente é tão incapaz de compreender a filosofia transcendental quanto o olho o é de ver a música.
2. A Arvore da Vida - e devemos enfatizar esta afirmação _ constitui antes um método do que um sistema. Aqueles que a formularam estavam perfeitamente cientes de que, para se obter a clareza de visão, cumpre circunscrever o campo dessa mesma visão. Muitos filósofos fundaram seus sistemas no Absoluto, mas essa é uma fundação movediça, visto que a mente humana não pode definir ou compreender o Absoluto. Outros tentaram utilizar uma negativa como fundamento, declarando que o Absoluto é e sempre será incognoscível. Os cabalistas não empregam qualquer desses artifícios, limitando-se a afirmar que o Absoluto é desconhecido para o estado de consciência normal dos seres humanos.
3. Por conseguinte, em função dos objetivos de seu sistema, os cabalistas lançam o véu sobre certo ponto da manifestação, não porque nada há aí para descobrir, mas porque a mente, como tal, não pode ultrapassar esse ponto. Quando a mente humana atingir o seu estágio mais alto de desenvolvimento, a quando a consciência conseguir desligar-se dela, ficando, por assim dizer, sobre seus ombros, poderemos então penetrar os Véus da Existência Negativa, como são eles chamados. Mas, tendo em vista os propósitos práticos, só podemos entender a natureza do cosmo se estivermos dispostos a aceitar os Véus como convenções filosóficas, compreendendo que eles correspondem a limitações humanas a não a condições cósmicas. A origem das coisas é inexplicável nos termos de nossa filosofia. Por mais longe que remontemos em nossas pesquisas às origens do mundo da manifestação, encontraremos sempre um estágio de existência anterior. É apenas quando aceitamos lançar o Véu da Existência Negativa sobre o caminho que remonta aos primórdios que podemos obter uma base na qual se pode fundar a Causa Primeira. E essa Causa Primeira não é uma origem desprovida de raízes, mas, antes, uma Primeira Aparição no plano da manifestação. A mente não pode it mais além, mas devemos lembrar sempre que cada mente remonta a distâncias diferentes e, para algumas, o Véu deve ser lançado num determinado ponto e, para outras, em outro bem distante. 0 homem ignorante não vai além da concepção de Deus como um ancião, de longa barba branca, sentado num trono dourado a dando ordens à criação. 0 cientista caminhará um pouco mais antes de se ver obrigado a lançar um véu a que chama éter, e o filósofo avançará ainda mais um pouco antes de lançar um véu a que chama Absoluto, mas o iniciado caminhará mais do que todos, pois aprendeu a avançar por meio dos símbolos, a os símbolos são para a mente o que as ferramentas são para as mãos - uma aplicação ampliada de seus poderes.
4. 0 cabalista toma como ponto de partida a Kether, a Coroa, a Primeira Sephirah, que ele simboliza pelo número Um, a Unidade, a pelo Ponto no Círculo. Sobre essa Sephirah, ele lança os três Véus da Existência Negativa. Esse processo difere bastante da tática de começar no Absoluto, tentando remontar à evolução, e, embora possa não comunicar um conhecimento imediatamente claro a completo da origem de todas as coisas, ele faculta, não obstante, um ponto de partida à mente. E sem um ponto de partida não temos esperança de chegar a um fim.
5. O cabalista, portanto, começa, quando pode, no primeiro ponto que está ao alcance da consciência finita. Kether equivale à forma mais
transcendental de Deus que podemos conceber, cujo Nome é Ehieh, traduzido na Versão Autorizada da Bíblia como "Eu sou", ou, mais explicitamente, o Ser Puro, Que Existe por Si Mesmo.
6. Mas essas palavras não passam de palavras e, como tais, são incapazes de comunicar uma impressão à mente. Para que tenham sentido, é precise relacioná-las a outras idéias. Só poderemos compreender Kether quando estudarmos Chokmah, a Segunda Sephirah, sua emanação; a só quando contemplarmos o desenvolvimento completo das Dez Sephiroth estaremos prontos para nos aproximar de Kether, mas, dessa vez, aproximar-nos-emos com os dados que nos fornecem a chave de sua natureza. Quando se trabalha com a Árvore, é mais sábio manter a marcha do que se deter num único ponto até dominá-lo, pois uma coisa explica a outra, e é da compreensão das relações entre os diferentes símbolos que surge a iluminação. Repetimos novamente: a Árvore é um método de utilizar a mente, não um sistema de conhecimento.
7. Mas, por enquanto, não nos estamos ocupando do estudo das Emanações, a sim das origens que a mente humana é capaz de penetrar. Por mais paradoxal que possa parecer, podemos remontar muito mais às origens quando lançamos os Véus sobre elas do que quando tentamos penetrar as trevas. Portanto resumiremos a posição de Kether numa sentença, a qual talvez tenha pouco sentido para o estudante que se aproxima do assunto pela primeira vez, embora ele a deva conservar na mente, pois seu significado só ficará mais claro posteriormente. Ao faze-lo, atemo-nos à antiga tradição esotérica de dar ao estudante um símbolo para incubar até que este rebente a casca, dentro da mente, porquanto uma instrução explícita nada lhe diria. A sentença germinal que lançamos na mente subconsciente do leitor é essa: "Kether é a Malkuth do Imanifesto". Diz Mathers (op. cit.): "0 oceano sem limites da luz negativa não ,procede de um centro, pois não o possui. Ao contrário, é essa luz negativa que concentra um centro, o qual é a primeira das Sephiroth manifestas, Kether, a Coroa."
8. Essas palavras, em si mesmas, contêm contradições a são incompreensíveis; a luz negativa é simplesmente uma maneira de dizer que a coisa descrita, embora tendo certas qualidades em comum com a luz, não é, no entanto, luz tal como a entendemos. Essa sentença é bem pouco elucidativa no que respeita àquilo que pretende descrever. Ela nos diz para não cometer o erro de pensar na luz como luz, mas não nos diz como devemos concedera-la em sua essência, a isso pela simples razão de que a mente não está equipada com as imagens que podem representá-la; por conseguinte, devemos deixá-la até que o nosso crescimento nos permita faze-lo. Não obstante, embora essas palavras não nos falem tudo o que gostaríamos de conhecer, elas comunicam certas imagens à imaginação; essas imagens caem na mente subconsciente a daí são evocadas quando as idéias correlatas penetram essa Esfera. 0 método cabalístico, utilizado praticamente como a ioga do Ocidente, permite, desse modo, o crescimento progressivo da compreensão.
9. Os cabalistas reconhecem quatro planos de manifestação, a três planos de ~estação, ou Existência Negativa. O primeiro destes chama-se ALIV, ou Negatividade; o segundo,ALNSOPH, o Ilimitado; e o terceiro,AIIV SOPHAUR, a Luz Ilimitada. É este último plano que concentra a Sephirah Kether. Esses três termos correspondem aos três Véus da Existência Negativa que pendem sobre Kether; em outras palavras, eles são os símbolos algébricos com os quais podemos pensar naquilo que transcende o pensamento, mas que ocultam, ao mesmo tempo, o que representam; são as máscaras das realidades transcendentes. Se pensarmos nos estados de existência negativa nos termos de algo que conhecemos, incorreremos em erro, pois, seja o que for que eles possam ser, eles não podem ser o que pensamos, porquanto são imanifestos. A expressão "Véus", por conseguinte, ensina-nos a utilizar essas idéias como fichas, desprovidas de valor em si mesmas, mas úteis para nós em nossos cálculos. Essa é a verdadeira utilização de todos os símbolos; eles velam o que representam, até que possamos reduzi-los a termos compreensíveis, permitindo-nos utilizar, em nossos cálculos, idéias que de outra maneira seriam inconcebíveis. E como a essência da Árvore reside no fato de que seus símbolos se elucidam mutuamente graças às suas posições relativas, esses Véus servem como o andaime do pensamento, habilitando-nos a marcar nossas posições em regiões ainda não-cartografadas. Esses Véus, ou símbolos não-concretos, não têm nenhum valor para nós, a menos que um lado do Véu confine com uma terra conhecida. Os Véus, embora ocultem o que representam, permitem-nos ver claramente aquilo para o que servem de estrutura. Essa é a sua função, a única razão pela qual são utilizados. É apenas devido às nossas limitações que necessitamos desses símbolos insolúveis, mas a mente disciplinada na filosofia esotérica aprende rapidamente a trabalhar com essas limitações, aceitando o véu como símbolo daquilo que está além de seu alcance. Assim é o Caminho do desenvolvimento da sabedoria, pois a mente cresce com aquilo de que se alimenta, até que, subindo um dia a Kether, possa ela erguer os braços, desvendar o Véu a contemplar a Luz Ilimitada. 0 esoterista não limita a si mesmo declarando que o Desconhecido é Incognoscível, pois ele é, acima de tudo, um evolucionista, a sabe que o que está fora de nosso alcance hoje poderá ser alcançado no amanhã do tempo cósmico. Ele sabe, também, que o tempo evolutivo
é um assunto individual nos planos internos, sendo medido (não regulado) pela revolução da Terra em tomo de seu eixo.
10. Esses três Véus - AIN, Negatividade; AIN SOPH, o Ilimitado; e AIN SOPH AUR, a Luz Ilimitada -, embora não possamos esperar compreendê-los, sugerem, não obstante, certas idéias às nossas mentes. A Negatividade implica o Ser ou a existência de uma natureza que não podemos compreender. Não podemos conceber uma coisa que é e que, no entanto, não é; por conseguinte, devemos conceber uma forma de ser da qual nunca tivemos qualquer experiência consciente; uma forma de ser que, de acordo com nossos conceitos de existência, não existe e, no entanto, se assim podemos nos expressar, existe de acordo com a sua própria idéia de existência. Para empregar as palavras de um grande sábio: "Há muito mais coisas no céu a na Terra do que as sonhadas por nossa filosofia".
11. Entretanto, embora digamos que a Existência Negativa está fora do alcance de nossa compreensão, isso não significa que estejamos fora do âmbito de sua influência. Se assim fosse, poderíamos rejeitá-la por não-existente no que nos diz respeito, a nosso interesse por ela terminaria em definitivo. Ao contrário, embora não tenhamos acesso direto ao seu ser, tudo o que conhecemos como existente tem suas raízes nessa Existência Negativa, de maneira que, embora não possamos conhecê-la diretamente, temos dela uma experiência indireta. Em outras palavras, embora não possamos conhecer-lhe a natureza, conhecemos seus efeitos, da mesma maneira como ignoramos a natureza da eletricidade, embora sejamos capazes de utilizá-la em nossas vidas, estando habilitados, pela nossa experiência sobre seus efeitos, a chegar a certas conclusões concernentes pelo menos às qualidades que ela deve possuir. Aqueles que penetraram mais profundamente no Invisível comunicaram-nos descrições simbólicas por meio das quais podemos virar nossas mentes na direção do Absoluto, ainda que não possamos alcançá-lo. Eles falaram da Existência Negativa como Luz: "Ain Soph Aur, a Luz Ilimitada." Falaram da Primeira Manifestação como Som: "No princípio era a Palavra." Certa vez, disse-me um homem - um adepto, se é que jamais houve algum: "Se quer saber o que Deus é, posso dizê-lo numa única palavra: Deus é pressão." Imediatamente, uma imagem brotou em minha mente, seguida de uma compreensão. Pude conceber a corrente da vida fluindo por todos os canais da existência. Senti que uma compreensão genuína da natureza de Deus me tinha sido comunicada. E, no entanto, se alguém tentar analisar as palavras, nada há nelas; não obstante elas tiveram o poder de comunicar uma imagem, um símbolo, à mente, e a mente, operando no reino da intuição, situado além da esfera da razão, alcançou uma compreensão, ainda que essa compreensão não possa ser reduzida à esfera do pensamento concreto senão como uma imagem.
12. Precisamos compreender claramente que, nessas regiões altamente abstratas, a mente não pode utilizar senão símbolos: mas esses símbolos têm o poder de comunicar compreensões às mentes que sabem como utiliza-los; eles são as sementes de pensamento, de onde brota o entendimento, ainda que não sejamos capazes de expandi-los a uma realização concreta.
13. Pouco a pouco, como uma maré ascendente, a compreensão vai concretizando o Abstrato, assimilando a expressando, nos termos de sua própria natureza, coisas que pertencem a outra Esfera; a cometeríamos um grande erro se tentássemos provar, com Herbert Spencer, que, por ser uma coisa desconhecida em razão da capacidade mental que no presente possuímos, essa coisa será para sempre Incognoscível. 0 tempo e a evolução aumentam não só o nosso conhecimento, como também a nossa capacidade; e a iniciação, que é a casa de força da evolução, antecipando a produção das faculdades necessárias, permite à consciência do adepto atingir vastas compreensões, até então abaixo do horizonte mental humano. Essas idéias, embora claramente apreendidas por ele através de um outro modo de conscientização, não podem ser comunicadas a alguém que não partilha desse modo de conscientização. Ele só pode expressá-las numa forma simbólica; mas toda mente que, de alguma maneira, experimentou esse modo mais amplo de funcionamento será capaz de assimilar essas idéias, embora seja incapaz de traduzi-las na esfera da mente consciente. É por essa razão que, na literatura da ciência esotérica, encontramos idéias germinais como "Deus é pressão" a "Kether é a Malkuth da Existência Negativa". Essas imagens, cujo conteúdo não pertence à nossa Esfera, são como os germes masculinos do pensamento que fecundam o óvulo da compreensão correta. Em si mesmas, elas brilham momentaneamente na consciência como um relâmpago fugidio de compreensão, mas sem elas o óvulo do pensamento filosófico seria infértil. Ao contrário, impregnado por elas, embora sua substância seja absorvida a perdida no próprio ato de impregnação, esse óvulo se transforma, pelo crescimento, no germe sem forma do pensamento e, por fim, após a devida gestação além do limiar da consciência, a mente dá à luz uma idéia.
14. Se desejamos obter o melhor de nossas mentes, devemos aprender a conceder-lhes esse período de latência, essa impregnação por alguma coisa que está fora de nosso plano de existência, permitindo-lhe a gestação além do limiar da consciência. As invocações de uma cerimônia de iniciação têm por objetivo atrair essa influência impregnante para a consciência do candi-
dato. Eis a razão por que os Caminhos da Árvore, que são os estágios de iluminação da alma, estão intimamente associados ao simbolismo das cerimônias iniciáticas.


Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.

Conteúdo relacionado