Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Envie seu texto
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Alta Magia Cabala A Cabala Mística O Trabalho Prático sobre a Árvore da Vida

O Trabalho Prático sobre a Árvore da Vida


A Cabala Mística - Dion Fortune

1. Se, entre os leitores que seguiram até aqui os nossos estudos sobre a Cabala, há algum que esteja bem familiarizado com o ocultismo ocidental, terá ele encontrado, sem dúvida, mais coisas familiares do que novas ou originais. Ao trabalhar com esse depósito de conhecimento antigo, achamo-nos na posição dos escavadores que trabalham no sítio de algum templo soterrado; descobrimos antes fragmentos do que um sistema coerente; pois o sistema, embora coerente em seus dias, se fragmentou a se espalhou, deformando-se por causa das perseguições de vinte séculos de .fanatismo ignorante e de inveja espiritual.
2. No entanto, há muito mais trabalhos a respeito desses fragmentos do que poderíamos imaginar. Mme. Blavatsky reuniu uma enorme massa de dados a os expôs à opinião pública, que os compreendeu tanto quanto uma criança que contempla as vitrinas de um museu a se maravilha com as coisas estranhas que elas contêm. A obra erudita de G. R. S. Mead deu-nos muitas informações a respeito da Gnose, a tradição esotérica do mundo ocidental durante os primeiros séculos de nossa época; o monumental livro da Sra. Atwood revelou-nos o significado do simbolismo alquímico. Nenhum deles, contudo, expôs a tradição ocidental como um iniciado nessa tradição, abordando-a, ao contrário, de fora a juntando-lhe os fragmentos, ou, como no caso de Mme. Blavatsky, interpretando-a por analogia à luz do sistema mais familiar de outra tradição.
3. Aqueles que estudaram o assunto de dentro - isto é, com as chaves iniciáticas - e o empregaram como um sistema prático para a exaltação da consciência, mantiveram, em sua grande maioria, o segredo, comportamento que, embora pudesse ser não apenas justificável, mas mesmo essencial nos dias em que a Sagrada Inquisição recompensava essas pesquisas com a fogueira, não se pode atribuir a qualquer motivo mais crível em nossa era liberal do que ao desejo de criar a manter o prestígio. Um "monopólio" muito efetivo da prática ocultista, se não do conhecimento oculto, se estabeleceu entre os povos de fala inglesa no último quarto de século, "monopólio" que efetivamente minou o impulso espiritual que teria propiciado o renascimento dos Mistérios durante os últimos vinte a cinco anos do último século. Conseqüentemente, estando a terra pronta para a semeadura mas não tendo recebido o trigo, os quatro ventos trouxeram sementes estranhas à terra, dando nascimento assim a uma flora tropical, a qual, não tendo raízes na tradição racial, murchou ou desenvolveu formas estranhas.
4. 0 templo soterrado de nossa tradição nativa foi, na verdade, exumado em parte, mas os fragmentos que puderam ser resgatados não foram postos ao alcance dos estudantes de acordo com as honoráveis tradições da erudição européia, tendo sido, ao contrário, reunidos em coleções privadas, permanecendo as suas chaves em poder de indivíduos que abriram a fecharam as portas de uma maneira inteiramente arbitrária. Não tenho dúvida de que estas páginas causarão rancor em alguns indivíduos cujas coleções privadas ficarão dessa forma depreciadas. Mas também não tenho dúvida de que os inúmeros estudantes que ensaiaram em vão o Caminho ocidental poderão encontrar nestas páginas as chaves para o que não eram capazes de compreender no método no qual foram treinados. Falando por mim mesma, levei dez anos de trabalho nas trevas para encontrar as chaves, a eu apenas as encontrei porque era suficientemente sensitiva para captar os contatos com os planos interiores. É difícil acreditar que, por algum propósito útil, seja conveniente desorientar o estudante ou recusar-lhe as chaves a as explicações que são essenciais à sua obra. Se o estudante é indigno de receber o treinamento, não o treinemos. Se ele o é, treinemo-lo adequadamente.
5. Nas páginas seguintes, fiz o que pude para elucidar os princípios que governam a utilização do simbolismo mágico. A utilização prática do método cerimonial só deve ser tentada sob a direção de alguém que já tenha experiência em sua utilização; trabalhar só ou com colegas igualmente inexperientes é correr riscos desnecessários. Mas não existem razões para que uma pessoa não possa experimentar o método meditativo.
6. Para poder utilizar eficazmente os símbolos mágicos, o estudante deve entrar em contato com cada símbolo em separado. É de pouca utilidade fazer uma lista de símbolos a proceder à construção de um ritual. Na magia, como na execução do violino, precisamos "achar as nossas notas", pois não as encontramos prontas como no piano. O estudante de violino precisa aprender a "fazer" cada nota individual antes de poder executar uma melodia. Ocorre o mesmo numa operação oculta: precisamos saber como encontrar a construir as imagens mágicas antes de podermos operar com elas.
7. 0 iniciado emprega os grupos de símbolos associados a cada um
dos Trinta a Dois Caminhos para construir as imagens mágicas; é necessário que ele conheça esses símbolos não apenas na teoria, mas também na prática; ou seja, ele precisa não apenas tê-las perfeitamente enraizadas em sua memória, mas precisa também ter realizado meditações sobre elas individualmente até ter-lhes penetrado o significado a experimentado a força que representam. Conhecer o vasto elenco de símbolos associados a cada Caminho é naturalmente trabalho de toda uma vida, mas o estudante deve conhecer os símbolos-chave de cada Caminho como passo preliminar de seu estudo; ele será, então, capaz de desenvolver-se em dois aspectos: em primeiro lugar, no conhecimento do simbolismo em suas infinitas ramificações; e, em segundo lugar, na filosofia da interpretação desse simbolismo. Uma vez que tenha dominado o conhecimento prático dos conceitos da cosmogonia esotérica e tenha fixado em sua memória o esquema geral do simbolismo atribuído a cada Sephirah, estará o estudante equipado com o sistema de classificação e poderá começar a arquivar o material, coletando-o em todas as fontes imagináveis da arqueologia, do folclore, da religião mística, dos relatos dos viajantes a das especulações da filosofia antiga a moderna a da ciência ultramoderna.
8. 0 não-iniciado poderá indagar como é possível conservar essa enorme massa de dados na memória. Em primeiro lugar, o estudante sério que utiliza a Árvore como seu método meditativo deve trabalhar com ela regularmente todos os dias. Além disso, descobrirá ele, pela experiência, que a atribuição de símbolos a cada Sephirah tem uma peculiar base lógica oculta em alguma profundidade na mente subconsciente, a que as seqüências de símbolos não são tão difíceis de memorizar como se poderia supor, especialmente se as utilizamos na meditação. Alguns desses símbolos se referem aos conceitos da filosofia esotérica; alguns outros, aos métodos de projetar a consciência na visão; a outros, ainda, à composição do cerimonial. 0 estudante deve lembrar, contudo, que os símbolos jamais comunicarão seu significado apenas à meditação consciente, por mais correto a completo que seja o seu conhecimento; devem-se utilizá-los como os iniciados pretendiam que o fossem - para evocar imagens da mente subconsciente na área consciente.
9. Uma seqüência de símbolos é atribuída às Dez Sephiroth Sagradas e outra seqüência aos Vinte a Dois Caminhos que as unem. Alguns desses símbolos, contudo, aparecem em ambas as seqüências, interligando-se por meio das correlações astrológicas a numéricas. Isso pode soar muito complicado, mas, na prática real, é mais simples do que parece, porque o trabalho não é feito com a mente consciente, a sim com a mente subconsciente, e importa muito pouco a maneira pela qual os símbolos são nela introduzidos, porque o estranho demônio que se senta atrás do censor os classifica à sua maneira, tomando aquilo de que precisa a rejeitando tudo o mais, até que, finalmente, um padrão coerente reapareça na consciência, requerendo apenas uma análise para comunicar seu significado, exatamente como num sonho.
10. Uma visão evocada por meio da Árvore é, na verdade, um sonho desperto, artificialmente produzido, deliberadamente motivado a conscientemente relatado por algum assunto escolhido, graças ao qual não apenas a área subconsciente mas também as percepções superconscientes são evocadas a tomadas inteligíveis à consciência. Num sonho espontâneo, os símbolos surgem ao acaso da experiência; na visão cabalística, contudo, a imagem é evocada a partir de um grupo limitado de símbolos ao qual a consciência é rigidamente restringida pelo hábito altamente treinado da concentração. É esse poder peculiar para manter a mente em determinados limites que constitui a técnica da meditação oculta, a ela só pode ser adquirida pela prática constante num período considerável de tempo. É isso que constitui a diferença entre o ocultista treinado e o não-treinado; a pessoa não-treinada pode ser capaz de desvincular a consciência do controle da personalidade diretora a assim permitir o surgimento das imagens, mas ela não tem o poder de restringir a selecionar o que aparecer, e, conseqüentemente, tudo pode aparecer, inclusive uma proporção variável da área subconsciente. 0 ocultista treinado, contudo, acostumado a utilizar esse método em suas meditações, é capaz de liberar-se imediatamente da área subconsciente normal, a menos que seja perturbado pela emoção e, nesse caso, ele pode enredar-se em suas malhas; mas, mesmo nesse caso, seu método é sua proteção, pois ele é capaz de reconhecer imediatamente o simbolismo confuso nas imagens, visto que dispõe de um padrão definido com o qual compará-las.
11. Ao estudar a Árvore, o estudante deveria sempre pensar em cada Sephirah sob o aspecto tríplice, que já mencionamos (da filosofia, do psiquismo a da Magia); para esse fim, deveria sempre pensar na Esfera em primeiro lugar como representante de um certo fator na evolução do cosmo no passado imemorial do tempo cósmico, que permanece em manifestação, que desapareceu ou que ainda não chegou ao nível da matéria densa.
12. Com esse aspecto da Árvore também se ocupam os criptotextos da Sepher Yetzirá, dos quais há um para cada Caminho. Essas sentenças desconcertantes têm uma curiosa maneira de comunicar relâmpagos súbitos de iluminação à meditação a não devem jamais ser rejeitadas como tolices, por mais incompreensíveis que possam parecer à primeira vista.
Apreender que ele significa, na verdade, a vontade dinâmica, a capacidade executiva, a destruição do fraco a do desequilibrado.
24. Cada Sephirah a cada Caminho têm animais, plantas a pedras preciosas simbólicas. É necessário que o estudante conheça essas atribuições por duas razões: em primeiro lugar, porque elas fornecem importantes chaves para o relacionamento entre os deuses dos diferentes panteões a as Sephiroth; e, em segundo lugar, porque fazem parte do simbolismo dos Caminhos Astrais a servem como pontos de referência quando viajamos na visão espiritual. Por exemplo, se alguém visse um cavalo (Mane) ou um chacal (Lua) na esfera de Netzach (Vênus), saberia que houve uma confusão de plano e que a visão não era digna de fé. Na Esfera de Vênus, só poderíamos ver pombas ou algum felino, como um lince ou um leopardo.
25. Poder-se-ia pensar que a associação dos animais simbólicos aos deuses a deusas nos mitos antigos é inteiramente arbitrária a fruto da imaginação poética, que, como o vento, sopra de qualquer parte. A isso o ocultista responde que a imaginação poética não é uma coisa arbitrária, a remete o cético às obras do Dr. Jung, de Zurique, o famoso psiquiatra, a aos ensaios do poeta irlandês "A. E.", em particular a Song and its Fountains, em que ele analisa a natureza de suas próprias fontes de inspiração. Pela natureza intrínseca de sua poesia a pelas muitas referências que perpassam por sua obra, penso que esse poeta pertence a um desses grupos que se nutriram da Cabala Mística. Pelo menos o que ele tem para dizer é boa doutrina cabalística e extremamente esclarecedora para o nosso presente argumento.
26. O Dr. Jung tem muito a dizer a respeito da faculdade mitopoética da mente humana, e o ocultista sabe que isso é verdade. Ele sabe também, contudo, que suas implicações têm muito mais alcance do que a psicologia jamais suspeitou. A mente do poeta ou do místico, que reside nas grandes forças a fatores naturais do universo manifesto, penetra, graças à utilização criativa da imaginação, muito mais profundamente nas causas a fontes secretas do ser do que o faz o cientista; não é sem razão que a imaginação racial, operando assim, chegou a associar certos animais a certos deuses; um breve exame dos exemplos citados serve para mostrar a base da associação. Os pombos de Vênus mostram seu aspecto gentil, a os felinos, sua beleza sinistra.
27. A associação das plantas aos diversos Caminhos repousa numa base dupla. Em primeiro lugar, há plantas tradicionalmente associadas às lendas dos deuses, como é o caso do milho com Ceres a do vinho com Dionísio; esses mesmos elementos estão igualmente associados às Sephiroth com que se relacionam as funções desses deuses - o milho com Malkuth e o vinho com Tiphareth, o centro cristológico, com o qual se associam todos os Deuses Sacrificados a Dadores de Luz.
28. As plantas associam-se de maneira diversa às Sephiroth; a antiga doutrina das rubricas atribuía várias plantas à presidência de vários planetas de uma maneira um tanto quanto errática. Em alguns casos, houve uma genuína associação; em outras, ela foi arbitrária a supersticiosa. 0 velho Culpeper a outros antigos herbanários têm muito a dizer sobre o assunto, e algumas interessantes pesquisas estão sendo feitas nas fazendas experimentais antroposóficas.
29. De maneira similar, certas drogas são associadas às Sephiroth; e aqui precisamos distinguir novamente o supersticioso do místico. A atribuição arbitrária de drogas não pode ser sempre justificada pela experiência real, mas podemos com certeza dizer que todas as classes de drogas estão sob a presidência de certas Sephiroth, pois partilham da natureza de certos modos de atividade que são classificados sob essas Sephiroth. Por exemplo, todos os afrodisíacos poderiam ser justamente atribuídos a Netzach (Vênus), e todos os abortivos a Yesod em seu aspecto Hécate; os analgésicos a Chesed (Misericórdia); a os irritantes a os cáusticos a Geburah (Severidade).
30. Isso abre um aspecto muito interessante do estudo da matéria médica - o aspecto psíquico a psicológico da atividade da droga. Esse aspecto foi especialmente estudado pelos médicos iniciados como Paracelso, a foi o abuso ignorante a supersticioso desse aspecto, pelos médicos não-iniciados, que conduziu às extraordinárias aberrações da medicina popular.
31. 0 ocultista sabe que há um aspecto psicológico em toda ação e função psicológica; ele sabe também que é possível reforçar poderosamente a ação de todas as drogas por meio da ação mental apropriada, a que certas substâncias quimicamente inertes se prestam eficazmente à transmissão e acumulação de atividades mentais, assim como outras substâncias são condutoras ou isolantes eficazes de eletricidade.
32. Essa consideração leva-nos à questão da associação de certas pedras a metais preciosos às Sephiroth, associação que é determinada tanto pelas considerações astrológicas como pelas químicas. Como bem o sabem os sensitivos, as substâncias cristalinas, os metais a certos líquidos são os melhores meios de acumular a transmitir as forças sutis. A cor exerce um importante papel nas visões induzidas pela meditação sobre as Sephiroth, e descobre-se, pela experiência, que um cristal da cor apropriada é o melhor material com o qual se pode fazer um talismã; um rubi cor de sangue para as ígneas forças marcianas de Geburah; uma esmeralda para as forças naturais do Raio Verde de Netzach.
33. Outra fonte de iluminação encontra-se nos títulos adicionais das Sephiroth, tendo cada um de uma a três dezenas de epítetos. Esses títulos são nomes gráficos descritivos aplicados às Sephiroth pelos antigos rabinos e que se encontram disseminados pela literatura cabalística, a eles nos falam muitas coisas. Por exemplo, os títulos "Segredo dos Segredos" a "Ponto Primordial", que são aplicados a Kether, revelam muitas coisas a quem saiba buscá-las.
34. Podemos também, depois de nos familiarizarmos com o simbolismo, atribuir às várias Sephiroth os deuses equivalentes de outros sistemas e, quando observarmos os símbolos, as funções, os conceitos cósmicos e o método de adoração atribuído a essas divindades, obteremos uma torrente de iluminação. Utilizando um bom dicionário de mitologia ou uma enciclopédia, o Golden Bough [0 ramo dourado], de Frazer, e a A doutrina secreta e Isis sem véu, de Mme. Blavatsky, podemos, pela simples aplicação da diligência, desvendar muitos enigmas que no início pareciam insolúveis, e o exercício é fascinante. Quando é assim utilizada, a Árvore tem um valor peculiar porque sua forma diagramática nos faz ver as coisas em suas relações mútuas, elucidando, desse modo, umas às outras.
35. Para manipular o aspecto psíquico da Árvore a seus Caminhos, o ocultista utiliza imagens, pois é por meio de imagens a dos Nomes que as evocam que a visão é formulada. Ele associa a cada Sephirah um símbolo primário, que é a sua Imagem Mágica. Em seguida, associa a ela, em sua mente, uma forma geométrica que, por diversas maneiras, informa suas características e, quando compõe o símbolo, utiliza essa forma como base. Por exemplo, Geburah, Marte, a Quinta Sephirah, tem um pentágono ou figura de cinco lados. Qualquer símbolo de Geburah, seja ele um talismã, um altar a Marte ou uma imagem mental de um símbolo, deverá ter a forma de um pentágono colorido em uma das cores da escala de cores de Marte.
36. As formas mais importantes da Árvore, contudo, são aquelas associadas aos quatro Nomes do Poder atribuídos a cada Sephirah; a esses são associadas quatro cores que se manifestam simbolicamente em cada um dos quatro Mundos dos Cabalistas. 0 mais elevado deles é o Nome de Deus, que se manifesta em Atziluth, o plano do espírito, e é o supremo Nome do Poder dessa Esfera Sephirótica que domina todos os seus aspectos, sejam eles cósmicos, evolutivos ou subjetivos. Ele representa a idéia que subjaz ao desenvolvimento da manifestação nessa Esfera; a idéia que percorre toda a evolução subseqüente a se expressa em todos os efeitos a manifestações posteriores.
37. 0 segundo Nome do Poder é o dos Arcanjos da Esfera, a represento a consciência organizada do ser, graças a cujas atividades a evolução dessa fase foi inaugurada a dirigida. Embora esses seres sejam representados pictograficamente como formas humanas, embora etéreas, não se deve acreditar que a vida e a consciência tal como as conhecemos correspondem à sua natureza. Eles são semelhantes em essência às forças naturais, mas, se os considerarmos simplesmente como energia carente de inteligência, não teremos um conceito adequado de sua natureza, porque eles são essencialmente individualizados a inteligentes. Ambas essas idéias devem penetrar nosso conceito, modificando-se mutuamente, até que, finalmente, cheguemos a um entendimento que difira completamente daquele a que o pensamento ocidental está acostumado.
18. 0 terceiro Nome do Poder denomina não um ser, mas toda uma classe de seres - os coros de anjos, como os chamavam os rabinos -, que representa também forças naturais inteligentes.
39.0 quarto denomina o que chamamos de Chakra Cósmico, ou seja, o objeto celestial que consideramos como produto da fase particular de evolução que ocorre sob a presidência dessa Sephirah a que a representa.
40. 0 terceiro aspecto sob o qual consideramos as Sephiroth é o aspecto mágico, que é essencialmente prático. Para chegar a ele, pensamos no que pode ser experimentado sob a presidência desses diferentes aspectos de manifestaçãe da divindade, a nos poderes que podem ser manipulados pelo mago que dominou suas liçôes.
41. Cada Sephirah é atribuída a uma virtude, que representa seu aspecto ideal, o dom que concede à evolução; a um vício que é o resultado do excesso de suas qualidades. Por exemplo, Geburah, Marte, tem como virtudes a energia e a coragem, a por vícios a crueldade e a destrutividade. 0 estudante de Astrologia reconhecerá facilmente que as virtudes a os vícios atribuídos às várias Sephiroth derivam das características dos planetas que lhes são associados, a descobrirá que nessa correspondência se abre toda uma nova linha de abordagem da Astrologia.
42. A experiência espiritual, como prefiro chamá-la, ou poder oculto, como a chama Crowley, consiste numa profunda compreensão de algum aspecto da ciência cósmica a constitui a essência da iniciação do grau atribuído a cada Sephirah, pois nos Mistérios Maiores do Ocidente os graus estão associados às Sephiroth.
43. Os cabalistas medievais atribuíam também uma pane do corpo a cada Sephirah, mas não devemos tomar literalmente essas atribuiçôes; a chave real encontra-se na compreensão de que as Sephiroth representam fatores da consciência e, se tomamos Geburah como o braço direito, devemos com-
44. Os perfumes, especialmente o incenso, também se associam às Sephiroth. Como já observamos, certas experiências espirituais a certos modos de consciência são atribuídos a cada Esfera da Árvore; é bem sabido que nada induz mais eficazmente os estados mentais ou estimula mais a consciência parapsíquica do que os odores. "Os perfumes operam com mais segurança do que a vista ou os sons para vibrar o coração", afirma o mais objetivo dos poetas, e a experiência dos ocultistas práticos comprova que isso é verdade. Existem certas substâncias aromáticas associadas pela tradição a diferentes deuses a deusas, a elas são muito potentes para estimular o humor que está em harmonia com a função da divindade.
45. As armas mágicas também se incluem nas longas listas dos símbolos a substâncias associados a cada Caminho. Uma arma mágica é um instrumento que se utiliza na evocação de uma força particular, ou é o veículo de sua manifestação, tal como a vara do mago ou a bacia de água ou a esfera de cristal do vidente. A atribuição das armas mágicas aos Caminhos pode-nos dizer muitas coisas sobre a natureza dos Caminhos, pois podemos deduzir delas a espécie de poder que opera na esfera particular em questão.
46. Como já observamos, os vários sistemas divinatórios têm sua relação com a Árvore a nela encontram suas pistas mais sutis. As associações da Astrologia traçam-se facilmente por meio do simbolismo dos planetas, dos elementos a das suas triplicidades, casas a regências; a Geomancia vincula-se à Árvore por meio da Astrologia; e o Tarô, o mais satisfatório de todos os sistemas de adivinhação, surge da Árvore a nela descobre a sua explicação. Essa pode parecer uma afirmação dogmática para o historiador erudito que busca os traços da origem dessas cartas misteriosas, e, podemos acrescentar, sem ter conseguido encontrá-los; mas, quando se compreende que o iniciado opera conjuntamente com o Tarõ e a Árvore, a que ambos se completam mutuamente em todos os ãngulos imagináveis, descobre-se que a ordem das correspondências não é nem arbitrária, nem fortuita.
47. Um aspecto muito interessante a importante do trabalho prático da Árvore diz respeito à maneira pela qual o cerimonial e a Magia Talismânica são utilizados para compensar as descobertas das ciências divinatórias. Cada símbolo geomãntico, cada carta do Tarô a cada fator horoscópico têm seu lugar próprio nos Caminhos da Árvore, e o ocultista, com o necessário conhecimento, pode compor um ritual ou desenhar um talismã para compensar ou reforçar cada um desses aspectos.
48. É por essa razão que a adivinhação praticada por não-iniciados pode acarretar má sorte, uma vez que eles põem em movimento forças sutis, ao concentrarem suas mentes nessa arte, sem compensarem, pelo esforço mágico apropriado, o que está desequilibrado.


Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.

Conteúdo relacionado