Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Alta Magia Hermetismo Iniciação ao Hermetismo O Universo B

O Universo B


Rubens Guimarães

Total Eclipse of the Heart"There is no dark side of the moon, really. Matter of fact, it's all dark. The only thing that makes it look light is the sun." Álbum: The Dark Side of the Moon – Pink Floyd

Na verdade não existe um lado escuro da lua, de fato toda a matéria é escura. A única coisa que a faz parecer iluminada é o sol.

Pode parecer ficção científica, mas o universo possui um lado B. Este camada mais profunda da realidade subjaz ao mundo cotidiano. Podemos classificar o universo em três regiões: o conhecido, o desconhecido e o incognoscível. O conhecido é o universo cotidiano do dia, o universo como o conhecemos hoje. Este se expande conforme a ciência avança.

Vejamos um exemplo: na Europa Medieval se acreditava que a terra era o centro de um universo limitado a sete planetas: Sol, Lua, Mercúrio, Vênus, Marte Júpiter e Saturno, (eles classificavam o Sol e Lua como planetas) pregados a esferas transparentes, e algumas estrelas também grudadas a sua própria esfera, acima da esfera das estrelas era o céu, onde ficavam Deus , os anjos, e as almas dos fiéis. No centro da terra ficava o inferno, o diabo e a almas condenadas, o mundo tinha sido criado há uns poucos milhares de anos. Hoje sabemos que só na Via Láctea existem aproximadamente 200 a 500 bilhões de estrelas. Se você imaginar que a nossa galáxia é do tamanho dos Brasil, o nosso Sistema Solar seria do tamanho de uma moeda de dez centavos, e o Sol, de uma partícula de poeira! Devem haver no Universo entre 1500 a 2500 bilhões de galáxias, e o numero total de estrelas no Universo é de mais de 100 trilhões de bilhões Tente imaginar então o tamanho do Universo! Os astrônomos ponderam que seria lógico assumir que o Universo, tem aproximadamente 13 bilhões de anos.

Mas mesmo com todo o nosso avanço científico ainda há um infinito número de coisas que não sabemos, mas quem sabe um dia viremos à saber, este é desconhecido. Um exemplo disso é nova ciência da parapsicologia, ainda pouco acreditada nos meios científicos mais conservadores, Há uma tradição dentro do senso comum que sustenta que os mundos subjetivo e objetivo são completamente distintos, sem que haja qualquer implicação entre eles. O subjetivo existe “aqui, dentro da cabeça”, enquanto que o objetivo existe “lá, no mundo externo”. A Parapsicologia é o estudo de fenômenos que sugerem que talvez o subjetivo e o objetivo não estejam tão separados como normalmente se pensa. Pode a mente interferir na matéria? Do ponto de vista da ciência do século XIX a resposta era definitivamente não. Para a ciência clássica a mente nem mesmo existia, era só um epifenômeno, uma falsa sensação criada no cérebro por descargas elétricas e compostos químicos chamados neuro transmissores. Só o que existia era a matéria bruta. Tudo que não fosse passível de medição não podia ser real. Mas hoje nem os físicos acreditam mais nisso, a ciência moderna mostra que o universo é mais misterioso que parece, conforme a física moderna, matéria se transforma em energia e vice versa, elétrons aparecem em dois lugares ao mesmo tempo, um elétron pode assumir a forma de onda ou partícula e o que determina isso é o observador, viajantes com velocidades próximas a da luz podem viajar no tempo, partículas surgem do nada como mágica por causa do fenômeno chamado “flutuação quântica”, e muitas outras esquisitices. Um fenômeno interessante estudado pela parapsicologia é poltergeist esse fenômeno envolve ocorrências físicas tais como chuvas de pedras, movimentação, quebra, aparecimento e desaparecimentos de objetos, pirogenia (Surgimento espontâneo e inexplicável de fogo), aparecimento de água, sons e luzes sem nenhuma explicação "normal" para esses eventos. Modernamente, os parapsicólogos atribuem a determinadas pessoas vivas a origem dos fenômenos de poltergeist. Tais indivíduos, denominados epicentro, seriam dotados de excepcional poder telecinético (Poder de mover objetos com a mente). Em certas ocasiões, em virtude de algum trauma emocional, esse poder se manifestaria em forma de ação física sobre os objetos próximos. Normalmente o indivíduo que provoca o fenômeno poltergeist, não tem consciência de que ele é fonte da perturbação, pois o mecanismo do fenômeno é inconsciente.

E ainda existe um número infinito de coisas que nunca poderemos saber, este é o incognoscível. Embora nosso enorme orgulho quanto a nossa razão, a mente humana é limitada, e portanto nosso conhecimento racional será sempre limitado! Segundo O filosofo Emanuel Kant, o númeno, a realidade em si mesma, seria incognoscível, já que conhecemos o real apenas como objeto de nosso conhecimento e portanto sujeito às determinações da estrutura de nossa consciência.

 Segundo Carlos Castañeda o bruxo yaque Don Juan teria dito algo muito semelhante a Kant :

A primeira verdade sobre a consciência é que o mundo exterior não é realmente como pensamos. Achamos que é um mundo de objetos, mas não é. Não é tão sólido e real como nossa percepção foi levada a crer, mas também não é uma miragem. O mundo é uma ilusão, como tem sido dito; ele é real por um lado, e irreal por outro. Preste muita atenção nisso, pois isso deve ser compreendido, e não simplesmente aceito. Nós percebemos. Isto é um fato concreto. Mas o que percebemos não é um fato concreto, porque aprendemos o que perceber.

Algo lá fora afeta nossos sentidos. Esta é a parte que é real. A parte irreal é o que eles dizem estar lá. Tome uma montanha, por exemplo. Nossos sentidos dizem-nos que se trata de um objeto. Ela tem tamanho, corpo, forma. Nós temos até várias categorias de montanhas, extremamente precisas. Não há nada de errado com isso; a falha está simplesmente em que nunca nos ocorreu que nossos sentidos desempenham apenas um papel superficial. Eles percebem do modo como o fazem porque uma qualidade específica de nossa consciência força-os a atuar desse modo.
O filosofo Nietzsche também faz uma feroz crítica ao atomismo materialista de se tempo:

“Toda a nossa ciência se encontra ainda sob a sedução da linguagem, não obstante seu sangue-frio, sua indiferença aos afetos, e ainda não se livrou dos falsos filhos que lhe empurraram os ‘sujeitos’ (o átomo, por exemplo, é uma dessas falsas crias...)”

A fonte de toda a realidade escapa totalmente a mente racional, isso é um fato. Só a nossa vaidade não nos deixa perceber isso, somos vaidosos de de sermos seres racionais. Segundo a Cabala Qliphotica, esse outro lado se chama Sitra Ahra. “No Princípio era o Caos”. Todas as mitologias antigas começam assim. Saber como surgiu o universo sempre foi uma pergunta que perseguiu o ser humano, o universo deveria ter tido um começo afinal “nada surge do nada”. Foi aí que o ser humano criou os “deuses”, eles eram a explicação perfeita para a pergunta de como o mundo surgiu. Mas em todas as antigas mitologias antigas as forças da escuridão antecedem a luz e os deuses sempre devem derrotar essa forças caóticas para impor o ordem ao universo. Mas a despeito da nossa pretensão de exorcizá-las, as forças do Caos permanecem o que sempre foram e vez por outra emergem para a nosso “túnel de realidade” como que para nos provar que o Universo conhecido se encontra em um frágil equilíbrio pronto a esfacelar-se e revelar a face sombria das forças das “emanações esquerdas”. O universo é todo escuro, ou seja, caótico, sombrio, é só a luz das nossas mitologias religiosas ou científicas, que ele parece luminoso. Mas existe uma brecha para este outro lado caótico. Uma rachadura no universo convencional que conduz a este reino escuro. Essa rachadura é conhecida como Daath (Eu sempre achei interessante como Daath é parecido com Darth, o título de nobreza dos guerreiros Sith em Star wars, será só coincidência, ou o nome soa parecido de propósito? “Venha para o Lado Negro da Força”. Brincadeirinha...). Esta é a porta de passagem para o mundo sinistro. Daath tambem eh “Conhecimento”, ou seja, a pura Gnose. Daath é como um labirinto de espelhos onde vemos imagens distorcidas de todas as coisas, inclusive de nós mesmos. Essa passagem escura é a morada de muitos demônios como Chorozon que o Mago de Mão Direita teme e deve vencer para atingir as sephirot da tríade superior. Mas para o mago de mão esquerda não há nada o que temer, pois em Daath, ele simplesmente deve se deixar arrastar pelas correntes infernais que o levaram cada vez mais fundo e o farão passar para o outo lado. Quanto mais fundo o mago desce o túnel escuro mais a mente do mesmo se torna confusa e mais ele se debate na angústia daquilo que seu intelecto não consegue compreender. Este estado de confusão mental, angústia e total desespero diante do incognoscível é o que se conhece como experiência de Choronzon.

A passagem por Daath é como um batismo negro onde você “morre” para o universo A (o conhecido), onde você é uma mera criatura, e “renasce” no universo B, onde você se torna seu próprio criador e seu único deus. Os demônios de Daath são inimigos do mago de mão direita, mas para o mago de mão esquerda eles são só anjos negros tentando libertá-lo. Eles consomem o eu antigo do mago, para que o novo eu possa nascer. Se a passagem pela brecha se compara a um novo nascimento, os demônios seriam os parteiros, que ajudam no processo! Tudo isso não quer dizer que todo o processo não seja um tanto quanto traumático, enfrentar seus demônios nunca é totalmente isento de dor, mas quando você nasceu para esse mundo, também foi um grande trauma, só que você não se lembra.

Quando você renascer em Sitra Ahra, você verá o mundo com seus novos olhos, e tudo permanecerá igual e paradoxalmente tudo parecerá diferente. Você dispertará “poderes” que nem suspeitava que possuía. Você é que não vai mais reconhecer você mesmo!

Pena que chegar a Daath não seja uma tarefa simples, Naturalmente existem pessoas melhores dotadas (como em tudo na vida) que tem maior facilidade para atravessar para o lado B, mas normalmente essa tarefa demanda muitos anos e um enorme esforço. Também é preciso ressaltar que passar para o lado B não é para todos. Na verdade é para uma pequena minoria. É uma escolha pessoal que exige imensa coragem e autoconfiança, e nós sabemos que a maioria das pessoas não tem isso, além do mais todo mundo tem livre arbítrio e pode fazer oque bem entender.

Fontes: Cabala Qliphotica e Magia Goética Thomas karlsson


Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.