Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Envie seu texto
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Alta Magia Magia Cerimonial Os 23 Livros Essenciais sobre Magia Tratado Elementar de Magia Prática

Tratado Elementar de Magia Prática




23 Livros Essenciais sobre Magia

 

Tratado Elementar da Magia, PapusPapus, 1898

O primeiro livro de nossa lista das 23 obras essenciais da magia foi escrito por Papus, ou Gerard Encausse, como foi batizado por seus pais, o químico francês Louis Encausse e Irene Perez, a descendente de ciganos espanhola. Ele fez parte da primeira geração de ocultistas influenciados pelos escritos de Eliphas Levi. Desde jovem se interessou pelo ocultismo e passou grande parte da adolescência estudando Cabala, tarot, magia e alquimia, acabando por ingressar na Sociedade Teosófica, criada recentemente por Blavatsky. Depois de um período envolvido com os ensinamentos da ordem acabou abandonando-a: ele não gostava da ênfase que era dada ao ocultismo ocidental; o mesmo motivo que o levou a, 3 anos depois de ter ingressado e largado uma das maiores fraternidades ocultistas do ocidente e criar sua própria ordem, a Ordem Cabalistica da Rosa Cruz, assim como inúmeras outras ordens e grupos que começavam a surgir. Foi neste época que ele começou a registrar suas impressões e seu conhecimento.

O Tratado Elementar de Magia Prática foi o sexto livro escrito por ele e se tornou um guia indispensável para ocidentais estudantes de magia. O tomo está dividido em 3 partes distintas, Teoria, Realização e Adaptação.

A parte que versa sobre teoria é a mais curta de todas, mas nem por isso a mais fraca. De forma sucinta, porém extremamente didática, ele trata dos fundamentos da magia e a relação dela com o homem enquanto ser físico, dando especial destaque para o adestramento do Mago, cujo fundamento é o exercício de um forte senso de disciplina.

Na parte de ‘Realização’ ele expõe todos os princípios práticos da arte. Algo que pode ser considerado até curioso em relação a seus textos é que muito de seus assuntos, apesar de serem de cunho ocultista e mesmo alquímico, como suas tabelas planetárias e seus trabalhos com metais, o foco do autor é sempre a utilidade da magia e como colocá-la em ação na vida cotidiana. Ele trata de tópicos que incluem vegetarianismo, o uso de haxixe, ópio e morfina, a confecção dos objetos e armas mágicas e a astrologia. Em toda a obra é perceptível a importância relegada a eterna busca do auto controle e auto superação.

Na parte final, ‘Adaptação’ vemos como colocar a prática mágica, até agora explicada de maneira impecável, na vida cotidiana. O estudioso aprende como se aplicar a magia para conseguir uma melhor aceitação e interação profissional, pessoal e pública. Como usá-la para lidar com as pequenas e práticas coisas do dia a dia. Os antigos rituais em latim para consagrar a tudo, como criar o próprio papel para fazer as anotações mágicas, como colher materiais específicos em horas, dias e circunstâncias meticulosamente específicas... tudo isso fica onde pertence, no passado.

Papus é didático o suficiente para que o leitor entenda o que é Magia e como ela funciona. Também fornece preciosos ensinamentos sobre a estrutura holística do ser humano e a interação e o domínio de seus "corpos": o físico, de matéria densa e os astrais-etéricos-mentais, de matéria sutil. Papus deixa claro um dos maiores segredos da magia: toda prática ritual têm como objetivo, unicamente, educar a vontade do operador para que ele seja capaz de concentração do pensamento e irradiação posterior. Não é o planeta Vênus que derrama seus fluidos sobre um amuleto; é a Vontade do Mago! Se vai conjurar, fale em sua língua! Se vai preparar um amuleto, mantenha-se concentrado e seja discreto. É o que basta! A lição mais importante deste livro é que a magia precisa ser acima de tudo, algo útil.

Bônus:


Conteúdo relacionado