Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Alta Magia Magia Cerimonial Autodefesa Psíquica Métodos de Defesa contra o Ataque Psíquico

Métodos de Defesa contra o Ataque Psíquico


Autodefesa Psíquica

MÉTODOS DE DEFESA CONTRA O ATAQUE PSIQUICO 

 

Distinguimos já vários tipos de ataque psíquico, descrevemos os métodos que  podem ser empregados para executá-los, e observamos também as várias formas  de delírio, de fraude e de auto-sugestão que podem complicar o problema.  Estamos, agora, em posição para discutir a questão da diagnose. Consideremos  todo o assunto do ponto de vista prático. Supondo-se que um estranho nos  venha com uma história de ataque psíquico, qual deveria ser o nosso  procedimento? Devemos em primeiro lugar ter em mente que é preciso ter cautela em presumir  que um ataque psíquico está sendo efetuado. Os ataques psíquicos são coisas  relativamente raras. Não devemos presumir que estamos lidando com um até  que tenhamos excluído todas as outras hipóteses. Não muito tempo atrás  deparei-me com um caso de pretensa obsessão, que era na verdade uma  constipação negligenciada e que foi efetivamente exorcizada com óleo de  rícino. Quando se observam sintomas físicos no caso, mesmo que eles se  resumam a uma cor má ou a um mau hálito, um médico qualificado deveria  fazer um diagnóstico, pois mesmo que a perturbação tenha um elemento  psíquico predominante, a sua origem pode ser física. Os focos sépticos são  realmente centros de decomposição, e como tal eles abrem a porta para formas  inferiores de vida elemental cuja função é tomar parte na volta do pó ao pó. As  impurezas da corrente sanguínea podem envenenar o cérebro. Tumores e  abscessos podem desregular suas funções. Essas coisas só podem ser  reconhecidas pelo homem que compreende o corpo; diante de sintomas  semelhantes, o homem treinado é o melhor homem, e o homem com o melhor  treinamento é o homem certo, e o único lugar em que um treinamento adequado  em diagnose pode ser obtido é um hospital geral. Além disso, se as coisas não  correrem bem, a única pessoa que pode tirar a sardinha com a cauda do gato é a  pessoa cuja assinatura as autoridades aceitarão num certificado. Supondo-se que  o paciente se revele um lunático, o que é que o praticante não-qualificado pode  fazer com ele? Muitos casos de pretenso ataque psíquico são na verdade casos  de insânia e histeria. A sandice incipiente é algo muito difícil de detectar; a  histeria é muito astuciosa e plausível; um médico que lida com a natureza  humana todos os dias de sua vida detectará esses dois estados muito mais  rapidamente do que o leigo que jamais os viu antes .

 Pode-se objetar que é muito difícil encontrar um médico que tenha uma atitude  simpática para com o ocultismo. Utilizar esse argumento é falsear a questão .

 Não se pede ao médico que coopere com qualquer operação oculta, mas que examine o distúrbio físico e, quando o encontrar, que o cure. Ele está tão  preocupado com as medidas ocultas que se tomam em benefício do paciente  quanto com a igreja que este freqüenta .

 Se o médico não encontra nenhuma evidência de um distúrbio orgânico, ou de  alguma doença como veias varicosas, que obviamente nada tem a ver com o  estado mental, pode-se dizer que o caso passou pelo primeiro teste, e podemos  estar certos de que cumpre-nos passar à investigação psíquica. Se o caso tem  mau aspecto, ou se a perturbação dura já há muito, o médico provavelmente  descobrirá que o paciente está debilitado, mesmo que não haja nada  definitivamente errado, e irá proceder ao tratamento adequado. Isso é muito  bom, pois, quanto melhor for o estado físico do paciente, maior controle mental  e resistência ele terá. Os soporíferos deveriam ser evitados, se possível, mas, se  forem necessários, o paciente deverá então ser vigiado enquanto dorme por  alguém que saiba como manter uma guarda ocultista, e o quarto em que ele  dorme deverá ser purificado e selado. Normalmente, se uma pessoa que está no  astral depara com um ataque oculto, ela volta para o seu corpo como um coelho  para a toca e desperta como que  de um pesadelo; mas se o sono se tornou  artificialmente profundo devido à ingestão de um soporífero, ela não poderá  despertar, e ficará presa no astral, por assim dizer, que é a última coisa que se  deseja no caso de um ataque psíquico. Se o soporífero é considerado  absolutamente necessário, já que é impossível ficar sem dormir  indefinidamente, a pessoa que está vigiando o paciente deverá observar  cuidadosamente todos os sinais de que o sono está sendo perturbado por sonhos,  e se ela perceber resmungos e contorções, deverá imediatamente realizar os  esconjuros necessários e sussurrar em seus ouvidos sugestões calmantes e  tranqüilizadoras como as que Coué recomenda que se façam no caso das  crianças. Uma das características mais aflitivas de um ataque psíquico consiste  no fato de que a vítima teme dormir porque sente que no sono ela está indefesa.  Aqueles que leram a terrível história de Kipling, “The End of Passage”, devem  lembrar-se de que a vítima do ataque oculto nela descrito sempre ia para a cama  usando  esporas para que com elas pudesse ferretear-se e despertar na  eventualidade de estar pelejando com o seu inimigo invisível durante o sono .

 Há muitas coisas que se podem fazer no piano físico para auxiliar a pessoa que  está sofrendo um ataque oculto, e esses métodos físicos estão dentro das  providências que um médico pode tomar quando o caso está aos seus cuidados.  A luz do sol é extremamente valiosa porque fortalece a aura e a toma muito  mais resistente., As pessoas são sempre aconselhadas a se retirarem para o  campo por essa razão, mas, para a vítima de um ataque oculto, a reclusão no  campo pode não ser a atitude mais sábia, pois as forças elementais são muito  mais potentes fora das cidades, e se essa vítima corre o perigo de sofrer uma  investida de forças atávicas, o melhor que ela tem a fazer é agarrar-se à morada dos homens. O mar é igualmente uma força elemental que será melhor evitar,  pois a água é um elemento que está intimamente associado ao psiquismo.  Quando se recomenda uma recuperação saudável para uma pessoa que sofre de  um distúrbio psíquico, as grandes massas de água e as montanhas elevadas  devem ser evitadas. O melhor lugar é um balneário no interior do país. Jogos,  treinamento físico, massagens, tudo que melhora o estado do corpo é útil, mas  as longas caminhadas solitárias devem ser evitadas porque ela sempre o risco do  suicídio. A pessoa que sofre de um ataque psíquico deveria a todo custo evitar a  solidão .

 Há uma outra medida simples que proporciona imenso alívio nos casos de  interferência psíquica. E óbvio que o ataque é feito através dos centros  psíquicos, portanto tudo que feche esses centros tornará a vítima relativamente  imune. É sabido que uma pessoa embotada e materialista pode viver  impunemente em casas assombradas que levam o  sensitivo à loucura e ao  suicídio. É também sabido que o trabalho psíquico não pode ser realizado se há.  alimento no estômago; os melhores resultados são sempre obtidos em jejum. O  corolário óbvio desses fatos é que, se desejamos manter os centros psíquicos  fechados, não deveríamos permitir que o estômago ficasse vazio. A pessoa que  está enfrentando um ataque psíquico não deveria ficar mais do que duas horas  sem ingerir algum alimento .

 Certos importantes centros psíquicos localizam-se na cabeça. Uma das maneiras  mais simples de testar a sua atividade é retirar o sangue da cabeça. Isso pode ser  feito tomando-se um banho quente ou colocando-se os pés em água e mostarda  quente. Outro importante centro psíquico é o plexo solar; durante um ataque  psíquico, sente-se que ele está quase sempre tenso e confrangido. Uma grande  garrafa de água quente, bem cheia de modo que seja tão pesada quanto quente,  deposta sobre o plexo solar, que é o espaço da largura da mão entre a boca do  estômago e as costelas, aliviará efetivamente a tensão nesse ponto. Além disso,  a pressão sem calor trará alívio, e eu soube de casos em que uma almofada  firme presa no local por um cinto de espartilho trouxe muito conforto .

 Acima de tudo, os intestinos deveriam ser mantidos livres enquanto se enfrenta  um ataque psíquico, porque não há nada que ponha alguém em tão grande  desvantagem quanto a acumulação de matéria estéril no corpo .

 Todos esses simples remédios físicos são absolutamente úteis. Eles não darão  uma cura para as patologias psíquicas, nem uma completa defesa contra o  ataque psíquico, mas podem trazer um grande alívio para a aflição; eles  permitem à vítima oferecer uma resistência muito mais efetiva, e aliviando a  tensão eles aumentam a sua resistência. Em muitos casos de ataque psíquico,  aquele que resiste por mais tempo triunfa; os ataques psíquicos realizados por seres humanos não são coisas que podem ser mantidas indefinidamente, pois  utilizam muita energia .

 Diz um velho adágio: “Nunca utilize uma grande pá se uma pequena pá pode  fazer o serviço”. Os métodos físicos de defesa envolvem muito menos  dispêndio de energia do que os métodos psíquicos, portanto é psiquicamente  econômico fazer tanto uso dela quanto possível. Por que devemos nos  preocupar com exorcizar os elementos da terra por meio de um ritual se  podemos fazê-lo com uma pílula? A questão da dieta também precisa ser considerada a esse respeito. A  propaganda muito difundida da Sociedade Teosófica fez com que o  vegetarianismo fosse visto como um sine qua non do treinamento ocultista. Isso,  contudo, não é verdade. A Tradição Esotérica ocidental não inclui o  vegetarianismo como parte de seu sistema, mas ensina que um homem deveria  comer frugalmente e moderadamente os alimentos da terra em que se acha.  Pessoalmente, estou propensa a pensar que ocultismo e vegetarianismo podem  constituir uma mistura insensata para um europeu, tendo como conseqüência  uma super-sensibilidade que torna a vida muito difícil em nossa árdua  civilização .

 O vegetarianismo deve ser absolutamente bem compreendido e extremamente  bem realizado para ser bem sucedido, e mesmo assim há muitas pessoas que são  incapazes de digerir as proteínas vegetais, que não são tão facilmente  assimiláveis quanto as substâncias animais. Nada a não ser a experiência pode  mostrar se uma dieta vegetariana se adapta a uma dada pessoa. A indigestão não  é o único indício de que algo não vai bem. A perda de apetite, a perda de  energia, a perda de peso ou uma flácida corpulência podem causar uma má  saúde crônica. Uma pessoa pode dar-se muito bem com o vegetarianismo no  início, mas pode descobrir, depois de um considerável período de tempo,  possivelmente anos, que estão se tomando sujeitas a neurites, a nevralgias, a  dores ciáticas ou a uma ou outra das dores nevrálgicas. Essa é uma indicação  segura de que uma dieta vegetariana está fornecendo insuficiente nutrição, não  porque ela não contenha as unidades alimentícias necessárias, mas porque a  digestão é incapaz de assimilá-las e elas estão passando inalteradas pelo  organismo. Sempre que há uma história de dores nevrálgicas complicando um  caso de distúrbio psíquico, costumo suspeitar de uma má nutrição crônica como  causa de um psiquismo hipertrofiado. Nesses casos, descobrir-se-á  provavelmente que uma volta gradual à dieta mista trará uma redução da hipersensiblidade, os contatos indesejáveis que se formaram desaparecerão e o estado  orgânico voltará ao normal. A mudança de dieta, no entanto, deveria ser sempre  feita gradualmente para que a digestão não seja perturbada.Todo aquele que está tendo problemas com um distúrbio psíquico deveria  imediatamente cessar todas as práticas ocultistas e abandonar suas meditações  habituais, retornando às preces de sua infância ou aos métodos do Novo  Pensamento. Não é hora de abrir os centros psíquicos quando há uma  perturbação astral. A coisa a fazer nesses casos é regressar ao plano físico e aí  ficar, resolutamente. Havia um desenho num velho número de Punch que no  meu modo de ver expressa a atitude correta para uma pessoa atormentada pela  perturbação psíquica. Á frente de uma antiga cama de baldaquino está uma  feroz mulher armada com um rolo de pastel, e embaixo da sanefa aponta a  cabeça do marido, que diz: “Você pode me bater e me quebrar, mas não pode  reprimir a minha personalidade, pois eu não sairei”.  Se a vítima de um ataque oculto se concentra em coisas mundanas, ela se  transforma num osso duro de roer para qualquer feiticeiro. O que pode o  feiticeiro fazer se no momento em que opera a arte negra, a sua vitima está no  cinema rindo às gargalhadas com as momices de Carlitos? Reza o velho ditado  que um prego empurra o outro. Se você tem medo de perigos invisíveis,  dedique-se a um esporte que tenha algum elemento de risco .


Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.

Conteúdo relacionado