Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Envie seu texto
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Alta Magia Magia Cerimonial História da Magia Processos de Magia

Processos de Magia


História da Magia


"Só há um bem verdadeiro a desejar,a sabedoria, só há um mal a temer, é loucura."

O mal moral com efeito, a maldade, o crime não são outra coisa que uma loucura ...e o padre Hilário Tissot tinha sua dose razão quando diz emsuas brochuras ...que em lugar de punir os criminosos seria preciso tratá-los e curá-los. [Entretanto] ...nossa razão protesta contra esta interpretação demasiado caritativa do crime... Comparamos a loucura à embriagüês e considerando que a embriagüês é quase sempre voluntária, concordamos com a sabedoria dos juízes que, desconsiderando a perda momentânea da razão, punem sem piedade os delitos e crimes cometidos na embriagüês. Virá o dia em que a embriagüês será contada entre as circunstâncias agravantes [O ocultista acertou: o Código Penal Brasileiro considera a embriagüês como condição de agravamento da pena nos crimes em geral, como no caso de atropelamentos e acidentes outros do trânsito de automóveis]

Coitado do homem que se embriaga seja de vinho, seja de orgulho, seja de ódio, seja de amor! Ele é cego, é injusto, é joguete da fatalidade; é um flagelo que caminha, calamidade viva. Ele pode matar, pode violar, é um loucosem cadeias. Cuidado com ele! A sociedade tem direito de defender-se; é mais do que um direito, é um dever porque ela tem filhos.

Leis & Magia

[Quando se fala de processos, de poderes juídicos aplicados a condutas ligadas à magia, freqüentemente fala-se de loucura e de embriagüês.] ...A Igreja foi por demais acusada, e a sociedade também, de morticínio judiciário praticado em loucos; admitimos que os feiticeiros eram loucos; mas eram loucos de perversidade; se entre eles pereceram alguns doentes inocentes, são desgraças [inevitáveis em uma realidade construída por seres imperfeitos e falíveis]. Todo homem condenado segundo as leis de seu país e as formas judiciárias do seu tempo é justamente condenado... Sócrates, condenado a morte, teria podido fugir e seus próprios juízes facilitariam sua fuga; mas ele respeitou a leis e quis morrer.

É às leis e não aos tribunos da Idade Média que se deve responsabilizar pelo rigor de certas sentenças. Porém, crimes com o de Gilles de Laval - O Barba Azul, deveriam permanecer impunes em nome de uma loucura questionável? Eram inocentes estas horríveis multidões que compunham filtros com os miolos das criancinhas? Naquela época, a Magia Negra era a loucura geral. ...A feitiçaria, em muitas localidades, tornava-se epidêmica e os suplícios pareciam multiplicar os culpados.

Os condenados são na maioria alucinados e idiotas; mas são idiotas maus e alucinados perigosos. As paixões eróticas, a cupidez e o ódio são as causas principais de transvio da razão. Os feiticeiros medievais eram capazes de tudo. Diz Spencer que as feiticeiras se entendiam com as parteiras para lhes comprar cadáveres de recém-nascidos. As parteiras matavam estes inocentes no momento mesmo de seu nascimento. [À noite, as estriges iam resgatar os bêbes enterrados.] ...Ferviam o cadáver com ervas narcóticas e venenosas... [Por outro lado] ...quando se vê a credulidade e a crueza dos juízes, as falsas promessas de perdão que empregavam para obter confissões, as torturas atrozes, as visitas obcenas... e depois de tudo isso, a fogueira na praça pública... [Diante de tais fatos] ...só a religião permanece santa... os homens [sejam juízes ou réus, podem ser] igualmente idiotas e celerados.

Casos Notáveis

1599, Dôle - Uma mulher, Antide Aollas, foi queimada porque sua conformação sexual tinha alguma coisa de fenomenal que não se podia explicar senão por um comércio infame com Satã. A infeliz, posta e reposta em tortura, despojada, sondada, visitada em presença de médicos e juízes, morta de vergonha e dores, confessou tudo para acabar com aquele martírio.

Rolanda de Vernois - Esta mulher de 35 anos foi esquecida numa prisão tão glacial que prometeu confessar-se culpada de magia se a deixassem aproximar-se do fogo. Ao sentir o calor, caiu em convulsões terríveis, teve febre, delírio e nesteestado, foi levada à tortura. Ela disse tudo que mandaram dizer e foi arrastada, moribunda, até a fogueira.

Luis Gaufridi - Foi o processo mais escandaloso do começo do século XVII. Gaufridi era cura da paróquia des Accoules, em Marselha. Era um sacerdote acusado por sacerdotes! [Assim deu-se o caso:] ...Em dezembro de 1610, uma moça de Marselha, Madalena de la Palud, tendo ido em peregrinação a Saint-Baume, em Provença, foi ali tomada de êxtase e convulsões. Outra devota, Luiza Capeau, foi logo atingida pelo mesmo mal. Dominicanos e Capuchinhos julgaram que era o demônio e fizeram exorcismos: ...elas gritavam, torciam-se e pediam que lhes batessem e pisassem. [Dizia Madalena que] ...entregara-se ao diabo de corpo e alma; era noiva do demônio [e tudo isso] por intermédio de um sacerdote chamado Gaufridi.

Em vez de enclausurarem esta louca, ouviram-na; e os padres capuchinhos despacharam para Marselha três agentes para informarem secretamente os superiores eclesiásticos do que se passava em Saite-Baume e trazer, se possível, sem violência nem escândalo, o cura Gaufridi para acareá-lo com os pretensos demônios. Enquanto isso, registravam por escrito as inspirações infernais das duas histéricas, discursos de uma devoção ignorante e fanática... As possessas pareciam narrar os sonhos dos que as interrogavam, como no fenômeno das mesas falantes e médiuns de nosso tempo [o autor escreve no século XIX, quando a doutrina espírita proliferava na França]. Na presença destes demônios feitos à sua imagem e semelhança, os padres não duvidaram mais da possessão e da veracidade dos espíritos infernais; e foi assim que receberam o infeliz Gaufridi.

Gaufridi era um sacerdote assaz mundano, figura agradável, caráter fraco e de moralidade mais que suspeita. Ele fora confessor de Madalena de la Palud e inspirara-lhe uma profunda paixão. Esta paixão, transformada em ódio pelo ciúme, ...arrastou o sacerdote à fogueira. ...Tudo o que podia dizer o acusado para defender-se voltava-se contra ele. [Submetido à tortura] ...prometeram-lhe perdão se ele assinasse as declarações de Madalena de la Palud. O réu, desatinado, enganado, esmagado, assinou tudo; assinou o bastante para ser queimado...
 
Urbano Grandier - A história de Urbano Grandier aconteceu quando reinava o terrível Cardeal de Richilieu. Na província de Loudoun, um havia um eclesiástico notável e de grande caráter; tinha ciência e talento mas pouca circunspecção. Richilieu o via como perigo em potencial, um possível sectário. O protestantismo sacudia a França e o cura Grandier, por demais disposto às idéias novas e pouco devotado ao celibato, podia tornar-se um pregador mais brilhante e mais audacioso que Calvino e Lutero.

As religiosas ursulinas de Loudun tinham por superiora, sob o nome de mãe Joana dos Anjos, uma certa Joana de Belfiel. Não era uma religiosa fervorosa e seuconvento tinha fama de não ser dos mais regulares: passavam-se lá cenas noturnas que se atribuíam aos espíritos. Os pais começavam a retirar as pensionistas e a casa ia fechar em pouco tempo.

Grandier tinha casos amorosos e rumorosos. As pensionistas ursulinas ouviam falar deles ...e ficavam preocupadas com o personagem escandaloso. Elas o viram durante a noite aparecer nos dormitórios com atitudes conforme o que se dizia de seus costumes. As freiras julgaram-se obsedadas: eis o diabo em casa. As diretoras dessas moças, inimigas mortais de Grandier, viram que podiam tirar partido da situação no interesse de seu rancor e no interesse do convento. Fizeram-se exorcismos; primeiro em segredo depis, em público.

Os amigos de Grandier sentiam que se tramava alguma coisa e insistiam com ocura a deixar Loudun... Mas Grandier era um homem valente, não sabia o que era ceder à calúnia. Ficou e foi preso uma manhã quando entrava numa igreja vestido com seus hábitos sacerdotais. Foi tratado como criminoso de Estado. Seus papéis foram apreendidos, seus móveis selados e ele mesmo conduzido debaixo de vara à fortaleza de Angers. Durante este tempo preparava-se-lhe em Loudun um cárcere que parecia feito mais para uma fera do que para um homem.

Se a conduta do cura fora a de um mundano, a atitude de Grandier, prisioneiro e acusado de magia, foi a de um herói e de um mártir. Escreveu à sua mãe:

"Eu suporto minha aflição com paciência e lastimo mais a vossa que a minha. Sinto-me muito incomodado por não ter leito; tratai de mandar-me trazer um porque se o corpo não repousa o espírito sucumbe. Enfim, enviai-me um breviário, uma Bíblia e um Santo Tomás, para minha consolação; quanto ao mais, não vos aflijais, eu espero que Deus mostrará minha inocência..."
Não façamos, entretanto, os homens piores do que eles são... Os inimigos de Grandier não acreditavam em sua inocência... julgavam perserguir um grande culpado. Os fenômenos histéricos eram então mal conhecidos e o sonambulismo, de todo ignorado. As contorções das religiosas, a segunda vista aterradora [clarevidência], tudo isso era de natureza a convencer os menos crédulos.

...O sofisma dos exorcistas de Loudun era este absurdo paralogismo que Mirville ousa sustentar ainda hoje [no século XIX]: "O diabo é o autor de todos os fenômenos que não se explicam pelas leis conhecidas da natureza". A este aforismo antilógico, eles ajuntavam um outro de que faziam artigo de fé: "O diabo devidamente exorcisado é forçado a dizer a verdade e pode-se admití-lo a dar testemunho em juízo".

Grandier estava entregue a loucos furiosos. ...Nunca escândalo semelhante houvera afligido a Igreja: religiosas uivando, torcendo-se, blasfemando. Grandier, calmo, defendeu-se com dignidade. ...Três religiosas, em momento lucidez, foram prostar-se em frente ao tribunal gritando que Grandier era inocente; julgou-se que o demônio falava por suas bocas. ...Tal foi o "processo Grandier". Sua morte foi o crime da ignorância e dos preconceitos de seu tempo e foi mais uma catástrofe que um assassinato. Urbano Grandier foi queimado vivo em 18 de agosto de 1634.

Começara o século XVIII e queimavam-se ainda homens. ...Em 1731, uma moça, Catarina Cadiére, acusou seu confessor, o padre Girard, jesuíta, de sedução e de magia. Esta moça era uma extática estigmatizada [aprensentava o fenômeno dos estigmas] que passara muito tempo por santa. Houve toda uma história de ataques lascivos, flagelações secretas, contatos luxuriosos... La Cardiére não foi acreditada e o padre Girard escapou aos perigos de uma condenação.

As pessoas supersticiosas tinham, até então, explicado os fenômenos extraordinários pela intervenção do diabo e dos espíritos. ...Em todos os tempos, perturbações físicas acompanham certas moléstias nervosas. Os loucos, os epiléticos, os histéricos têm faculdades excepcionais, são sujeitos a alucinações contagiosas e produzem, por vezes, quer na atmosfera, quer nos objetos que nos cercam, comoções e desarranjos.
 


Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.