Brasileiros Confiam Mais Em Meios de Comunicação do Que em Deus — Morte Súbita inc.
Morte Súbita
Mudando de canal desde 1996

Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Blog Brasileiros Confiam Mais Em Meios de Comunicação do Que em Deus

Brasileiros Confiam Mais Em Meios de Comunicação do Que em Deus


Mudando de canal desde 1996

Você com certeza não deve ter ouvido falar do grupo Kantar, mas eles já ouviram falar de você. O Kantar é uma das maiores redes de pesquisa do mundo, contando com talentos de mais de 20 empresas de pesquisa e consultoria eles possuem uma cobertura de 96% do PIB na américa latina, 92% na Europa e 78% na Ásia e Pacífico. E claro que uma empresa, se é que podemos chamar isso de empresa, deste tamanho e com estes recursos ia se ocupar de mercado consumidor. Para se especializar em nós, pobres latinos, eles contam com o LatinPanel que trabalha com painéis de consumidores muchachos - nós lusos inclusos.

Agora, para que toda esta informação? Bem, conscientes que seus "clientes estão em constante busca por novas metodologias, novas ferramentas de valor agregado e novos produtos" o LatinPanel está sempre "em inovação e melhoria, aumentado o nível de conhecimento, a fim de ajudá-los a compreender melhor seus consumidores". A idéia por trás disso é: ver como fazer as pessoas consumirem mais fazendo seus clientes ganharem mais e manter assim a grande roda girando. O engraçado é que para isso é necessário, entre outras coisas apurar em quem o povo confia, afinal escolher Alexandre Nardoni para vender um iogurte desenvolvido para que seu filho cresça feliz e saudável não traria o melhor dos retornos financeiros.

Vivemos em uma sociedade em que confiança é a base para um bom negócio e por isso precisamos ver onde está a confiança. E assim chegamos em Deus e em um resultado que chega a surpreender.

Como foi publicado por Guilherme Barros em seu site, as pesquisas da LatinPanel revelaram que a população da America Latina a Igreja Católica é a segunda instituição que mais inspira confiança, com os meios de comunicação aparecendo em terceiro lugar. Se nos lembrarmos do que é a América Latina e que tirando os grandes centros de turismo que tipo de vida leva o cidadão médio isso não chega a ser surpresa, golpe pós golpe, tirano pós tirano, exploração atrás de exploração, a Igreja continua lá, o resto muda de acordo com quem está tentando dominar o mundo (latino) no momento.

A surpresa a que nos referimos diz respeito a nós, brasileiros, povo cheio de orgulho. Aqui a Igreja Católica está como a terceira instituição de maior confiança, perdendo para os meios de comunicação, que ficaram em segundo lugar. Enquanto no resto da América Latina a Igreja Católica teve aprovação de 37% dos entrevistados, aqui foram 28%, invertendo o quadro os meios de comunicação lá fora inspiram confiança em 30% das pessoas, aqui em 37%.

Isso nos faz pensar em duas coisas: o que é melhor? Um povo que aceita cegamente o que a instituição criada por Pedro diz - vejam não é confiar em Deus, é confiar no que homens de vestidos dizem que Deus diz - ou um povo que se entrega para o sorriso de Pedro Bial, para a sinceridade de Zeca Camargo e Patricia Poeta, a humildade de Silvio Santos ou de grandes publicações como Veja, Isto É e outras.

A igreja, por um lado, ainda não precisa de anunciantes para se manter, Fausto Silva, por outro, não olha estranho para o seu filho cada vez que cruza com ele na rua. Uma questão difícil.

Mas nem tudo está perdido, apesar de Deus e os Jornais e revistas estarem em um braço de ferro quase empatado, a instituição que gera maior confiança em ambos os cenários ainda é a boa e velha instituição familiar, o índice chega a 77% na América Latina e a 87% no Brasil. Afinal Robertos Marinhos vem a vão, o Vaticano cria seus concílios sempre que um Papa decide mudar seus poderes ultramontanos, mas todo mundo sempre vai ter pai e mãe, mesmo que eventualmente te joguem pela janela.

Agora  algo interessante é: Brasileiro confia mais na família do que o resto da América Latina, isso talvez seja bom para nós, mas de onde a "intituição família" tira seus valores hoje em dia para passar para aqueles que confiam nela?



Ações do documento