Empresa da Dinamarca desafia norma islâmica — Morte Súbita inc.
Morte Súbita
Tirando o véu desde 1996

Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Envie seu texto
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Blog Empresa da Dinamarca desafia norma islâmica

Empresa da Dinamarca desafia norma islâmica


Tirando o véu desde 1996

"Que Maria inviolada seja despedaçada sobre rodas: por causa dela que todas as mulheres castas sejam completamente desprezadas entre vós!"
- Livro da Lei, III, 55-56

Este trecho do 'Liber al vel legis' parecia absurdo e distante quando Crowley o trouxe ao mundo eno início do século XX. Mas diversos incidentes ao redor do mundo e em nossas vidas diárias mostram que, para alegria dos adeptos do caminho da mão esquerda, esta é uma realidade cada vez mais próxima.

Basta lembrar que segundo interpretações ortodoxas da religião islâmica o rosto de uma mulher só deveria ser visto pelo seu marido e familiares e que essa antiga norma está sendo posta cada vez mais a prova.

O mais recebnte dos questionadores levandou sua voz esta semana na Dinamarca. A partir de agora todas as mulheres muçulmanas do país que entrarem nos ônibus da companhia Danish de transporte coletivo terão que remover seus véus para se identificar aos funcionários antes de embarcar. É o que informa a Agência Focus de notícias.

Danish é uma das maiores empresas de ônibus do país e decidiu tomar a medida para a segurança dos usuários depois de dois incidentes que acabaram nos tribunais de motoristas se recusaram a permitir a entrada de mulheres de rostos cobertos com o niqab nos veículos da empresa. Em declaração pública  Martin Wex, porta voz da compania declarou que "Todas as empresas de trasporte público debem concordar que é normal que passageiros que usem o benefício de transporte carregando documentos e fotos de identificação ou passaporte devem se identificar ao motorista."

O caso embora aparentemente trivial é um retrato representativo da situação tensa em que a religião e a cultura ocidental se encontram atualmente. Em breve a comunidade islâmica da Dinamarca deve se manifestar legalmente contra esta decisão.


Ações do documento