França de Sarkozy pode proibir véu islâmico — Morte Súbita inc.
Morte Súbita
Mostrando os rostos desde 1996

Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Blog França de Sarkozy pode proibir véu islâmico

França de Sarkozy pode proibir véu islâmico


Mostrando os rostos desde 1996

Esta semana o mundo assistiu mais um golpe na luta crescente entre os valores ocidentais e expansão do islamismo. Nicolas Sarkozy que fez uma série de declarações contra a assimilação francesa de um dos mais simbólicos costumes das leis de Maomé. O Presidente francês foi enfático em se posicionar contra o uso da tradicional vestimenta islâmica entre as mulheres de seu pais.

Segundo declarações feitas e, uma sessão especial do parlamento de Versalhes e noticiadas pela BBC, Sarkozy disse que a burka cobrindo as mulheres da ponta do pé ao topo da cabeça as reduz a uma posição de servitude e diminui sua dignidade como seres humanos.

"Não podemos aceitar em nosso pais mulheres presas nesta rede eliminadas de toda vida social e privadas de suas identidades. Esta não é a ideia que a república da França tem de dignidade da mulher."

O presidente disse ainda que "A burka não é um sinal de religiosidade, mas de submissão." Mas esqueceu que para o muçulmano não há diferença alguma entre estas duas palavras.  “Islam”, do árabe "Aslam" quer dizer (submeter) e a palavra ""muslim", que quer dizer muçulmano/muçulmana significa literalmente “aqueles que são submissos”.

As declarações de Sarkozy foram feitas uma semana depois de o governo francês aceitar discutir uma lei banindo o uso da burka no país. A França tem hoje aproximadamente cinco milhões de muçulmanos e em 2004 já baniu o uso dos véus das escolas públicas. Estas últimas declarações são apenas sintomas de uma situação que está insustentável. Conforme os ânimos esquentam nos próximos dez anos apenas dois futuros são possíveis para o país. Ou a França será alvo de um atentado sem precedentes da militância armada islâmica ou ela começará uma nova revolução francesa em favor dos valores ocidentais.


Ações do documento