O racismo no submundo das eleições dos EUA — Morte Súbita inc.
Morte Súbita
Pintando a casa branca de preto desde 1996

Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Blog O racismo no submundo das eleições dos EUA

O racismo no submundo das eleições dos EUA


Pintando a casa branca de preto desde 1996

A última grande propaganda dos Estados Unidos se chama Obama. Um presidente negro para América representando uma nação multicor. Que lição para o mundo! Mas como lamenta Marilyn Manson vivemos ainda em um grande e mundo branco. A revista Esquire publicou na última semana uma série de declarações de lideranças racistas que ainda afirmam com todas as letras a supremacia branca da América. Confira algumas dessas declarações:


- Ron Edwards, membro do Imperial Klans of America:

A maioria das pessoas está com medo de dizer no que realmente acreditam. Elas sentam à mesa e falam de uma forma, mas quando estão em publico, elas mostram outra face, emitem outra opinião. Ele (McCain) é contra um monte de coisas as quais eu sou a favor, Mas meu voto é republicano, e o da maioria dos meus companheiros também é.

- Tom Metzger, diretor do grupo Resistência Ariana Branca:

"O Obama, de acordo com o seu livro Dreams Of My Father, é racista, mas eu não tenho nenhum problema com racistas negros. O problema é que ele está sendo desonesto sobre visões raciais. Eu iria respeitá-lo se ele dissesse: 'sim, eu sou um racista negro'. Eu não sou da esquerda nem da direita. Eu odeio as corporações transnacionais."

- Erich Gliebe, chefe da Aliança Nacional contra a integração entre as raças:

"Com Obama, as pessoas irão perceber que os não-brancos também podem ter orgulho de ser como são. Eu estou dando meu crédito a Obama. Ele é muito inteligente, um excelente orador e tem carisma. McCain não tem nada disso. Talvez o melhor para os brancos seja ter um presidente negro."

- Rocky Suhayda, chefe do Partido Nazista Americano:

"Obama é o típico negro que eu respeito. Ele é um homem negro que ama os seus semelhantes, pertence a uma religião nacionalista-negra e é casado com uma mulher negra. Quando uma pessoa proeminente abraça suas heranças raciais de uma maneira positiva, é bom para todas as raças"

- Yahanna, chefe do Israeli School of Universal Practical Knowledge:

"A Escolha de Obama como candidato é um dos mais tristes da história negra, outro legado de morte para os negros está prestes a começar, assim como nos anos 1960, com Martin Luther King. Todo líder negro que obtém alguma forma de poder dá à raça uma falsa esperança, quando, de fato, quanto mais perto eles chegam da situação branca, mais eles se tornam um inimigo das pessoas negras. Os negros precisam sair dessa situação e se dirigir a uma mudança moral. Obama, em primeiro lugar, nem é uma pessoa negra assim como a própria raça se define."


Ações do documento