Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Cultos Afros Rituais Afros Evocando o Exu Pessoal

Evocando o Exu Pessoal


por Ligia Cabús

Assim como no Candomblé, onde cada pessoa tem seu destino regido por determinados orixás, na Quimbanda, reino de numerosos Exus, cada pessoa tem afinidade com uma entidade específica. O Exu pessoal, preferencialmente, deve ser descoberto por um Quimbandeiro porém Morte Súbita inc trás até você uma cerimônia que pode ser realizada sem o auxílio dos sacerdotes. Os procedimentos desse ritual são descritos abaixo:

Em uma sexta-feira, depois do por do sol, à noite, reúna os seguintes materiais: uma vela vermelha, uma velha negra, uma xícara de café forte, um copo de rum branco. coloque todas essas coisas no chão: são oferendas.

Acenda as velas e bata no chão três vezes, como se estivesse batendo em uma porta. Diga ou chame: "Exu, Exu, Exu.... Levante-se e, mantendo uma postura ereta, apresente-se: diga simplesmente seu nome, a data e o local de seu nascimento.

Continue o ritual convidando seu Exu pessoal para trabalhar com você. Fale porquê deseja a colaboração dele e mostre que trouxe as oferendas para ele. peça que o Exu apareça em seus sonhos, que lhe ensine seus mistérios e reitere seu pedido de colaboração. Prometa que daquela noite em diante oferecerá as velas e as bebidas em todas as noites de sexta-feira. Peça-lhe que abra seus caminhos para que possa aprender a tradição da Quimbanda apropriadamente e, que se for necessário, que você seja guiado até uma casa ou terreiro, se você achar que isso é necessário ou se o Exu achar que é o certo para você.

Vire-se de costas para a oferenda e, sem olhar para trás, vá dormir. Deixe as velas queimando. Pela manhã, remova as oferendas e deposite os restos em uma encruzilhada próxima à sua casa. Seja fiel à promessa e não deixe de oferecer as velas e bebidas todas as sextas-feiras à noite. [DOS VENTOS, Mario. Na Gira do Exu: The Brazilian Cult of Quimbanda, Trad. Ligia Cabús.]

ATENÇÃO: Se depois de fazer este ritual o leitor começar a ver coisas, ouvir vozes, se seus sonhos se transformarem em pesadelos, a responsabilidade será inteiramente daquele que resolveu apelar para o sobrenatural, buscando soluções fáceis na magia primeva, ao invés de encarar seus problemas com um mínimo de bom senso.

Sobre as Encruzilhadas

A tradição da Quimbanda indica encruzilhadas e cemitérios como locais adequados para fazer os despachos, embora haja exceções, como as oferendas a determinadas pombasgiras, depositadas nas praias. Segundo o autor umbandista W.W. da Matta e Silva [Mestre Yapacany], esses procedimentos são extremamente perigosos para a saúde física e mental.

Isso porque as encruzilhadas são pontos de concentração do que há de "mais baixo no astral inferior", "sugadouros" de pensamentos e não raro, abrigam estabelecimentos que comerciam bebidas alcoólicas e onde se reúnem as pessoas para compartilham comportamento pouco edificante.

Os cemitérios são ainda piores: ali habitam larvas, cascões astrais, espíritos presos à carne putrefatas dos próprios corpos aprisionados em sepulcros, ansiosos por contato com os vivos de quem sugam a energia vital. São almas penadas, de suicidas, homicidas, vítimas de mortes violentas, espíritos tomados por sentimentos de ódio, culpa, remorso, vingança.


Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.