Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Cultos Afros Textos Afro-Religiosos A Revolução Astral da Quimbanda

A Revolução Astral da Quimbanda


El Negro

Quimbanda Existe um segredo sobre o plano vingativo de justiça dos orixás que é passado de geração em geração. A saber, o de que a quimbanda é uma revolução astral, física e histórica em oposição as religiões dominantes e opressão social. Para termos uma idéia melhor deste fato, vejamos algumas leis promulgadas em meados do século XIX:

'"Todo indivíduo, branco, índio ou preto forro, que em sua casa fizer ajuntamento de pretos que dizem feitiçarias ou Bangalez, ainda mesmo que consista em sua casa desamparada por esta forma de seus senhores, incorrerá em pena de 15 dias de prisão e dez mil-réis de condenações pagos na cadeia (Lei de Posturas Municipais de 1831)

"Todo o que a título de curar feitiços, ou de adivinhar, se introduzir em qualquer casa, ou receber na sua algum para fazer semelhantes curas por meios supersticiosos e bebidas desconhecidas, ou para fazer adivinhar e outros embustes será multado, assim como o dono da casa” (Lei de Posturas Municipais de 1845)

Pode parecer coisa da inquisição espanhola, mas até muito recentemente, qualquer reconhecimento público de ser bruxa, feiticeira, ou de qualquer relação com o diabo, podia resultar em severa punição no Brasil. Na melhor das hipóteses poderia significar uma vida razoável a custos de com pagamentos e de um certo desprestigio social.

Mais é nos bastidores dos círculos dos pais na roda dos mistérios e na gira dos significados que os chefes Exus incorporados revelam e explicam detalhadamente que esta revolução começou social começou no plano astral. Segundo as sentenças de Oxalá e Omulu, em demanda a todas as portas que foram fechadas para os negros e índios na sociedade toda a opressão vivida e por isso eles fecham as mesmas portas para os brancos mantendo os na ignorância quanto aos segredos dos primórdios sustentando assim um clímax de curiosidade e envolvimento completo destes na quimbanda.

A quimbanda é um presente dos Orixás e Exus aos negros que através dela podem e devem dominar pelo conhecimento de praticas e feitiços aqueles que antes os dominaram. Os senhores trocam de lugar e os antigos servos recebem assim todo o lucro que nunca foi pago pelo seu trabalho escravo (por isto o uso da palavra trabalho nos terreiros e tem trabalhos que são cobrados 5 mil ou muito mais sendo que a consulta inicial é dez por cento deste valor ).

Todas as pessoas que procuram o terreiro são entendidas e recebidas como devedoras e por isso estão ali para quitar suas dividas astrais adquiridas em outros planos existenciais e no passado. Esta informação é um segredo de uma família que esta na quimbanda a 4 gerações e passados somente aos herdeiros da coroa. Nem os filhos de fé (pessoas "membros"dos terreiros gente de fora, ricos, professores, políticos, empresários, comerciantes etc..) não sabem deste fato, pois eles mesmo é que sustentam muita coisa.

Esta servidão não é apenas financeira mais ocorre em muitas outras esferas, como quando trazem suas filhas lindas e leigas que aos poucos se tornam fascinadas pelo poder dos filhos das trevas dos terreiros com seus colares pretos e vermelhos e com seus corpos suados tocando seus tambores, saudando e pactuando com "os maiorais". Com olhar malicioso e liberdade, pra quem já freqüentou uma gira formosa num reduto bem feito sabe o quanto impactante e sensual isto é. Todos os rituais principalmente os que visam conquistas amorosas são envolvidos com toques incessantes por todo o corpo do visitante e muitas vezes em zonas erógenas o que torna uma consulta extremamente excitante para uma mulher insatisfeita sexualmente ou carente. Isso é realizado desta maneira e minuciosamente ditado pelos Exus que explicam ser isso uma paga as "nossas" negras virgens que foram estupradas nas senzalas pelos senhores de engenho. Os chefes são categóricos em dizer principalmente o Exu Capapreta: "Eles o fizeram com força e covardia e nós vamos fazer com jeito e magia héhéhé". Muitos destes membros trazem muito dinheiro,trazem suas esposas gostosas,cheirosas e macias para o mesmo "fim" das filhas!

Enfim a quimbanda é satanicamente  indulgente e vingativa nos seus bastidores os chefes exus ditam as normas e segredos indefectíveis. Pode ter certeza que muitos chefes de terreiros não tem nada de ignorantes nem de gentinha; muito pelo contrario. Estão tendo o "melhor" desta terra! Por isto não recomendo a procura destas praticas por que são caminhos obscuros escravistas desde sua gênese que jusfica sua existência por vingança e por atos extremamente perninciosos que favorece materialmente e unilateralmente os exus e seus respectivos "filhos". Ao pai de santo é permitido viver estas praticas indulgências sem pudor e com ostentação sem esconder os preços astronômicos e sem esconder a capacidade de envolvimentos sexual com as pessoas que se mostrarem sugestionáveis e atraídas ao acasalamento. Na maioria das vezes em práticas sexuais envolvendo o pai de santo e os visitantes os próprios chefes exus se manifestam várias vezes dentro do ato sexual por isto justifico minhas frases de que estes chefes são verdadeiramente indulgentes.

Assim termino temporariamente este assunto alguns relatos históricos do rio de janeiro meados do século passado que confirmam o envolvimento de pessoas da alta sociedade com os quimbandeiros. Nina Rodrigues, pioneiro nos estudos da religiosidade afro-brasileira, nos deixou o seguinte registro:

“Todas as classes, mesmo a dita superior, estão aptas a se tornarem negras. O número de brancos, mulatos e indivíduos de todas as cores e matizes que vão consultar os negros feiticeiros nas suas aflições, nas suas desgraças, dos que crêem publicamente no poder sobrenatural dos talismãs e feitiços, dos que em muito maior número, zombam deles em público, mas ocultamente os ouvem, os consultam, esse número seria incalculável... ”

O cronista João do Rio, contemporâneo de Nina Rodrigues,  disse a respeito da sociedade do  Rio de Janeiro:

“Eu vi senhoras de alta posição saltando, às escondidas, de carros de praça, como nos folhetins de romances, para correr, tapando a cara com véus espessos, a essas casas; eu vi sessões em que mãos enluvadas tiravam das carteiras ricas notas e aos gritos dos negros malcriados que bradavam. (...) Vivemos na dependência do Feitiço, dessa caterva de negros e negras de babaloxás e yauô, somos nós que lhes asseguramos a existência, com o carinho de um negociante por uma amante atriz. O Feitiço é o nosso vício, o nosso gozo, a degeneração. Exige, damos-lhe; explora, deixamo-nos explorar e, seja ele maitre-chanteur, assassino, larápio, fica sempre impune e forte pela vida que lhe empresta o nosso dinheiro.”

Esforcei-me ao máximo para passar a idéia da revolução astral da quimbanda neste artigo. Encontrei muitas dificuldades em passar esta mensagem sendo visto que é um tema "delicado"e complexo e que mostra na minha opinião a razão para a existência destas praticas. É uma boa explicação metafísica já que nunca tivemos justiças de todos os abusos cometidos contra as milhares de pessoas humilhadas e exploradas na história. Este mistério muitos pais revelam momentos antes de sua morte podendo estar presentes somente o primogênito de sua prole.


Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.