Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Envie seu texto
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Demonologia Estudos de Demonologia Kali e Lilith

Kali e Lilith

KalilithKali e Lilith, duas deusas geográfica, histórica e culturamente tão distantes são também assustadoramente muito parecidas.

Kali é a outra esposa de Shiva. A primeira esposa de shiva foi Sati, e ela imolou a si mesmo para tentar trazê-lo ao mundo. Shiva é também casado com ParvatI, vista as vezes com a reencarnação de Shiva, e as vezes como Durga (embora nesses casos, ela tenda a tornar-se Parvati). Parvarti é a esposa perfeita, ela sofre com s mudanças de humor de Shiva. Ela cuida da casa, ela o acalma quando está nervoso, ela lhe deu filhos (embora não da maneira tradicional pois em todos os c

sos as crias podem ser questionadas como sendo filhas apenas de um dos dois), e ela cuida destes filhos. Ela é a dona de casa perfeita. Ocasionalmente Parvati fica nervosa e esta raiva se manifesta como algo externo, geralmente como a própria Kali. Kali é de fato a filha ou pelo menos um dos aspectos de Parvati. Parvati é conhecida como “A Escura” porque sua pele é negra e seu marido gosta de a provocar por isso. Ela então se afasta dele por um tempo e remove a pele escura tornando-se “A Dourada”, a pele escura retirada se transforma em Kali, nome que literalmente também significa “Escura”. A pele raivosa de Parvati é ocasionalmente invocada quando Parvati vê algo que n
�o lhe agrada. Kali é portanto também esposa de Shiva e força Shiva a atuar no mesmo papel que Parvati atua para lidar com ele. Parvati acalma Shiva, mas Shiva tem que acalmar Kali. Kali aparece com a mais poderosa figura neste triângulo. Shiva é eclipsado por sua esposa. Ela é mais incontrolável do que ele é.


Lilith foi a primeira esposa de Adão. A úlrima esposa de Adão, Eva, era mais submissa e mais agradável a Adão. Lilith era igual a Adão. O ser original criado tinha duas metades, o Adão Hermafrotida antes do adão Macho era composto de duas criaturas que foram separadas em Lilith e Adão, Lilith era o complemento perfeito de Adão, sua “metade feminina”. Entretanto, Adão não aceitou que sua metade fosse igual a ele. Já que os dois vieram do mesmo ser e Adão é visto como o parceiro dominante de Eva, tanto ele como Lilith tentaram dominar o relacionamento. Lilith queria dominar adão e Adão queria dominá-la. Eles eram muito iguais e concorrentes para serem bons parceiros. Lilith percebeu que a relação estava condenada e que Adão não desistiria de dominá-la e então partiu. Lilith a mulher rejeitada que por sua vez rejeitou Adão partiu para explorar sua própria vida sem ele. Outra mulher foi criada de Adão, desta vez de metade da sua metade. O lado feminino já havia sido removido de Adão, havia menos para se pegar agora e assim Eva não nasceu como um indivíduo tão forte. Ela tinha entretanto uma curiosidade inerente, provavelmente tirada dele, pois ele havia dado nome a todas as coisas vivas mas depois que elas nasceu não parecia mais muito ativo. Foi ela que decidiu tentar o fruto da arvore do conhecimento do bem e do mal pois era curiosa. Parecia uma boa idéia, uma vez que Adão tinha enganado ela ao dizer que ela iria morrer, mesmo se só tocasse na árvore numa tentativa de controla-la. Na cultura comtemporanea Lilith é ocasionalmente ligada a serpente  e geralmente neste contexto a serpente uma boa coisa. A serpente, Lilith, sabe que a árvore não a mataria. Sabe que a árvore poderia lhe erguer e a capacidade de enfrentar Adão


Tanto Kali como Lilith são “a outra mulher”. Ambas tem tem maridos que são casados com outras. Estas outras são mais associadas com seus maridos do que elas mesmas. Kali é mais do tipo solitário e Lillith nem mesmo aparece nos textos canônicos da Bíblia. Nenhuma destas mulheres se encaixa no papel de esposa, ambas são independentes demais para ocupar este papel.


Mulher Poderosa


Kali é a força incontrolável. Ela é a energia definitiva. O marido dela, Shiva, é aquele que geralmente tem que ser impedido de destruir o mundo, mas com Kali é o contrário. Ele tem de apaziguá-la. Ele tem que deitar-se como se estivesse morto debaixo de seus pés dançantes e ser pisoteado. Ele tem que acalmar essa mulher com sua própria submissão. Esta é uma inversão completa de sua relação com Parvati, no qual ela é a única que lhe acalma, ela é a dona de casa e pacifica Shiva na vida da casa, longe da destruição. Kali é a força destrutiva e incontrolável ativa aqui. Ela perturba o equilíbrio normal do poder entre os deuses e deusas hindus, em que a deusa é o poder por trás do deus, mas não age sozinha. Aqui Kali é tanto o poder e a ação. Ela não precisa de um homem para fazer. Ela precisa de um homem para que ela pare de fazer.


Lilith era a mulher que no início da criação a abandonou. Ela abandonou o marido, o homem que foi criado com o mesmo ser que ela antes que fossem separados em dois. Ela queria a igualdade. Ou talvez até mesmo a superioridade. No sexo, ela queria estar no topo. Mas Adão queria alguma medida de controle sobre ela, então ela o deixou. Ela foi a primeira mulher a ter o poder de sair quando a relação não se adequasse a ela, e encontrar sua própria vida. Ela saiu e encontrou demônios para satisfazer seus prazeres. Ela escolheu com quem ela queria estar e decidiu o curso de sua própria vida. Deus, seu "pai", não teve o direito de impor seu casamento arranjado com Adão. Ele viu ela partir, ao contrário da maioria dos pais com casamento arranjado na sociedade judaica tradicional, embora é claro cheio de objeções. E foi inclusive depois de ter estado "casada" ou pelo menos noiva, que ela optou por sair. Este divórcio foi iniciado pela mulher. Ela não ficou muito satisfeita, então foi embora.

 

Ambas, Kali e Lilith representam o poder que muitas vezes não é aberto para uso das mulheres nas sociedades antigas. Elas são mais poderosas do que os homens, são elas que optam por usar este poder. Elas são perigosas e usam seu poder de forma destrutiva. Assim, elas foram tomadas como modelos de mulheres poderosas, o poder tantas vezes negado ao sexo oposto. Estas duas deusas provaram não só que são mulheres poderosas, mas também que nem por isso precisam virar homens.

 

Por cima


Na maior parte da iconografia de Kali, ela é retratada dançando em cima de forma caída de Shiva. Mas há algo além disso. Ela não está só dançando sobre seu corpo, mas a dança também é uma dança sexual. Kali está montando sobre Shiva. Ela está no topo. Ela está no controle. Ele é passivo, permitindo-lhe estar no controle. Ele sacia seu desejo de destruir, oferecendo seu sexo, um sexo em que ela está no controle. Ele é usado. Se Shiva não ceder á Kali, e a deixar no controle, ela irá destruir o mundo. Em relação a forma de Parvati da Shiva é o "chefe da família" Parvati, é quem deve impedi-lo de destruir o mundo. Mas com Kali os papéis são invertidos. Ela é até mais desinibida do que Shiva. Ela vai mais longe do que ele, e ele tem que reconhecer que ela é mais perigosa do que ele próprio. Como tal, ele assume o papel de Parvati, a esposa do sofrimento perfeito, com Kali, para ‘tentar’ acalmá-la e mantê-la feliz.


Lilith deixou Adão por causa do sexo. Eles foram criados a partir da mesma forma, e Lilith não viu nada de errado em ficar no topo. Na verdade, era isso que ela queria. Mas Adão não queria deixar sua outra metade em uma posição de superioridade, e levantou objecções. Lilith não queria ser rejeitada, ela não quis saber por que deveria ficar submissa em vez de divertir-se plenamente como instigadora do sexo. Assim ela partiu. Adão queria controlá-la, e isso era algo que ela não aceitaria. Lilith fugiu e encontrou um grupo de demônios no Mar Vermelho. Com esses demônios encontrou a gratificação sexual, e deu à luz uma série de demônios, mais de uma centena por dia, homens e mulheres, Lilins e Liliths. Estas crianças demônio, nascidas de sua união ilícita, foram condenados a morrer, cem por dia, em troca de capacidade de Lilith de atacar crianças humanas quanto estiverem impuras. Lilith vingou-se de Adão também depois que ele deixou o  jardim do paraíso durante seu periodo de penitencia, Lilith veio a ele. Ela enviou-lhe seus espíritos e demônios de sua criação. Espíritos masculinos, talvez os filhos de Lilith, vieram a Eva e deu ao mesmo tempo. Lilith é a mulher definitiva em poder sexual. A Succubus definitiva, quase sua definição. Ela expressa sua liberdade através de seu deleite sexual, mas ainda sim tem que assistir a uma centena de seus filhos morrer por dia, e ser banida para fora da sociedade humana.


Kali e Lilith tomaram o controle no sexo. Elas o revelaram. Não mais sexo é uma “tarefa” a ser executada, ou algo que existe para o prazer do homem. Elas controlam o sexo.  Elas tem total controle de sua propria sexualidade, e não abrirão mão disso pelo capricho de seus parceiros. Elas encontram liberdade e poder no controle de si mesmas e de seus corpos.



Deusas livres


Kali é descontrolada, Kali é livre. Controle é algo extremamente valorizado na sociedade hindu. Use o controle para alcançar a iluminação, não o deixe escapar ou você pode ter que voltar por um milhão de vidas, e ficar muito mais longe da meta final. Kali joga tudo isso fora. Ela é o avatar definitivo da inconsequência. Divirta-se. Ela não se preocupa com o que aconteceu, o que vai acontecer ou acontecerá. Se através de sua liberdade ela destruir o mundo, que assim seja. Sua dança é uma extensão de sua liberdade, sem restrição. O único homem na vida dela é Shiva, e ele não pode controlá-la. Ele tem que se deitar e deixá-la fazer o que ela quiser, e esperar ela se acalmar.


Quando Adão tentou controlar Lilith, ela o deixou. Ela não queria ser controlada por Deus, então deixou seu plano para com a humanidade e se recusou a voltar quando os anjos foram atrás dela. Ela se recusou a ser destruida por ter partido e ficou por sua própria conta. Ela decidiu escapar dos planos de Deus e de ser controlada por quem que que fosse, nem mesmo por seu próprio criador. Ela decidiu que faria o que quisesse e largaria a humanidade para viver livre. Ela se reuniu com demônios e por isso deu a luz aos filhos que perseguem a humanidade, mas ela não se importa.


Kali e Lilith são a expressão máxima da liberdade feminina. Elas deixaram para trás todas as tentativas dos outros de controlá-las. São suas próprias donas. Elas negam o fato de que pertencem ou poderiam pertencer a alguém. Elas são livres para fazer o que querem. Tão livres, de fato, que ignoram as conseqüências, e até mesmo a possibilidade de prejudicar os outros. Elas levam a liberdade aos seus extremos, e as vezes longe demais.


A Casa da Mulher perigosa


Kali tradicionalmente vive nas terras da cremação, fora da sociedade, porque a sociedade não consegue lidar com ela. Ela é muito incontrolável para ser aceita na sociedade, ela iria derrubá-la. Ela empurrou os limites porque é uma ameaça. Ela é energia incontrolável que destrói o que toca. O mundo é da sociedade e  tem de ser protegido . Ela é inaceitável na sociedade, porque ela é muito perigosa. Frequentemente Kali tem sido associada como a "inaceitável " e perigosa. Rebocadores , bandidos que iriam atacar as pessoas para sacrifícios a Kali , entre outras coisas, a origem da nossa palavra " bandido ", eram adoradores de Kali . Pessoas de castas mais baixas pode ir para Kali . Kali passou por uma grande ampliação de seu poder . Ela se moveu lentamente para as cidades , a sociedade aceitável pode adorá-la agora . Calcutá tornou-se "a sua cidade", eles adoram Kali . Kali pode agora ser Kali Ma , a mãe . Ela pode ser uma mãe cruel , ela pode ser uma mãe severa , mas ela é uma mãe . Ela é a mãe que é apenas um pouco louca ( ou muito) , e pode ser muito severa em suas punições . Ela é a mãe destrutiva , a mãe severa , a disciplinadora , a mãe vingativa . Ela é a mãe que precisa destruir para criar , devorando para criar um novo mundo. Hindus  compreendem a necessidade de reabastecimento. Nada vem do nada , tudo tem que ter vindo de algum lugar. Nada de novo pode ser criado sem destruir o velho, e esta mãe sabe que intimamente em seu aspecto destruidor ela ainda é um criador, mesmo que seja um criador de caos. Kali é magra , sempre criando ,sempre com fome , sempre precisando de mais para manter-se com suas criações . Ela nunca pode ser completa. Ela sempre precisa de mais .


Lilith era também muito perigosa para a sociedade. Quando ela deixou Adão ela voou para o Mar Vermelho, um lugar de má fama , habitado por demônios. Ela também disse ter uma casa debaixo d'água , a qual ela retorna para quando ela quiser. Ela é a última pessoa de fora , depois de ter recusado a se tornar mãe da raça humana , ela é evitada a partir dele inteiramente. Ela também é perigosa, faz visitas a humanidade , mas quando ela faz isso é para causar problemas. Ela mata crianças , promove nascimentos de demônios com  homens e persegue homens e mulheres. A maternidade de Lilith é de uma espécie totalmente diferente , ela é mãe de demônios. Ela não parece importar-se com os seus filhos, uma centena deles estão condenados a morrer a cada dia , em troca de sua capacidade de rapina sobre a humanidade e se manter vivo. Ela não está vinculado a seus filhos , ela não se importa com eles . Eles são apenas os subprodutos de seu próprio prazer . Lilith também está passando por uma mudança, para ser aceita mais na sociedade, especialmente nos círculos feministas.


Lilith e Kali eram demasiadamente perigosas para serem permitidas na sociedade. Mas nós estamos vendo nossas sociedades cada vez mais perigosas, e por isso achamos que podemos aceitá-las. Elas são como nós. Elas se encaixam em nosso novo mundo mais do que as deusas do passado. Nós nos vemos refletidos nelass, por isso temos de perguntar-lhes em nossas casas.


Deusas estrangeiras

 

Kali pode realmente ser ter uma origem ndígena da Índia mais do que muitos dos deuses da tradição védica . Muitas das divindades, especialmente os deuses masculinos, são tidos como tendo sido importados pelos arianos que invadiram (ou apenas migraram) para a Índia. A cultura indígena foi subvertida , seus deuses e deusas foram esquecidos . Pensa-se que Kali pode ser uma reemergência de uma dessas velhas deusas . Kali pertence a Índia mais do que muitos deuses do panteão . Mas ela foi posta de lado, feita uma estranha, uma forasteira. Ela vive nas terras da cremação, é a deusa perigosa , tradicionalmente, é demasiadamente perigosa para ser incluída na sociedade. Curiosamente, Shiva tem uma história semelhante , também é um deus indígena , também é tradicionalmente, um estranho um solitário, a morte de sua primeira esposa Sita vem dos arianos e tradições Brahminicas , mas ele ainda era visto como perigoso e estrangeiro demais para ser aceitável. A recuperação de Kali na sociedade é ainda mais recente, mas ela está gradualmente se movendo em relação à aceitação geral da sociedade. Às vezes, essa sociedade tenta domá-la. Muitos dos fiéis contemporâneos de Kali, especialmente no Ocidente , ignoram algumas de seus caracteristicas mais temíveis e cruéis . Esquecem-se de que ela é a destruidora.

Lilith por outro lado, é  muito mais provavelmente uma Deusa adotada a posteriore. Há uma referência na saga de Gilgamesh para uma criatura chamada Lilith, que compartilha algumas das características da Lilith hebraica , e é provável uma deusa / demônio da Babilônia que doi adotada pelos judeus pelo contato com os babilônios. Há um refencia bíblica para Lilith, como uma criatura que habita o deserto  mas é curta a questionavel, e presume-se que neste  tempo Lilith era uma figura popular o suficiente para que as pessoas pudessem entender quem era sem entrar em detalhes, pois não há nenhum. Lilith mudou com a adoção judaica , ela se tornou a primeira mulher de Adão. Alguns de seus aspectos demoníacos já  estavam provavelmente em vigor, e os judeus apenas adotaram essa figura e acrescentaram o que eles viam como a uma história em sua própria tradição.

Kali e Lilith são muito parecidas. Mesmo que venham de diferentes tradições e tenham evoluido separadamente , elas compartilham muitos aspectos. Ambos são sedutoras o suficiente para serem adotadas por outras de suas próprias tradições. Uma pergunta surge então , seria uma mera coincidência ? Ou há algo tão profundamente arraigado na mente humana que temos que criar poderosas deusas do sexo feminino para amar e temer? Deusas fora de controle e destrutivas, exemplos negativos para alertar as mulheres que poderiam obter se tentarem sair da linha ou encorajamento para que façam isso? Nós temos que criá-las , e nós temos que temê-las . Às vezes tentamos domá-las . Nós tentamos domar Lilith, de certa forma, empurrando-a para um lado, ela não é tanto uma deusa da noite, mas uma mulher demoníaca , escondendo-se das pessoas e representando os seus maiores medos. Estamos tentando domar Kali no Ocidente, enfatizando seu lado de mãe e esquecendo seu lado destruidor . Mas ela vai permitir isso/?


Lilis e  Matrkas


Os machos lilin (ou lili) e as femeas liliths são os demônios filhos de Lilith. Junto dela, eles possuem o poder de amaldiçoar recém nascidos enquanto impuros, no caso dos meninos nos oito dias que precedem a circunsisão e para meninas nos vinte dias após o nascimento. Durante esta época eles são presas dos lilins e liliths. As mulheres em certas partes da vida também são presas das fêmeas. Quando ainda virgens durante a menstruação (um reflexo da ideia judaica de pureza). Gravidas também estão nos reinos de Lilith e assim como seus bebês precisam de proteção. Se um homem não é puro em seus pensamentos enquanto deita com sua mulher, e pensa em outra mulher, a criança que pode nascer é uma presa fácil para os lilins e liliths. Amuletos foram criados  com o nome dos três anjos que foram enviados a Lilith para pará-la, mas que ela convenceu que seu propósito era mesmo matar as crianças. Os lilins são os os íncubos e as liliths as sucubus da mitologia judaica. Eles perseguem não apenas as crianças matando as que não forem protegidas, mas também caçam homens e mulheres para sexo. As leis judaicas contra a masturbação e poluções noturnas dão as caras aqui, os lilins e liliths podem usar isso para gerar ainda mais demônios. Estes incubos e sucubos podem se agregar a homens e mulheres e prejudicá-los para que encontrem o divorcio. Eles tem ciúme das companhias humanas e podem causar abortos e complicações no parto.


Os Matrkas são os irmãs de Kali. Elas também nasceram de Durga, embora estas crias não possuam muito identidade próprias. Elas são mais como um grupo, cujo o número esta sempre em estado de fluxo crescendo ou diminuindo conforme muda a fúria de Durga. Elas também perseguem as crianças. Elas são o monstro debaixo da cama que pode sair e estrangular os filhos à noite. Mas elas não assustam tanto as crianças quanto seus pais. O medo constante de que sua criança pode parar de respirar a noite, da doença que chega sem fazer alarde e leva os filhos embora. A mortalidade infantil é atribuida aos Matrkas. Em muitas culturas existe a figura do estranho, em geral uma mulher, que aparece para raptar as crianças e bebês, Em culturas onde existe uma alta taxa de mortalidade infantil em geral estas mortes são atribuidas a uma mulher forasteira que deseja roubar as crianças por inveja as famílias de todos.  Nestas situações as culturas sempre criam alguém para culpar, pois aceitar mortes injustas como as das crianças não é algo fácil. As Matrkas perseguem as crianças até a idade de dezesseis anos quando então assumem o papel inverso e tornam-se suas protetoras. O que não mata lhe faz mais forte assim que atinge a idade adulto as pessoas passam a receber a proteção das Matrkas. Os motivos que levam eles a atacarem os infantes é discutivel. Segundo alguns, trata-se de uma  fúria vingativa por não poderem ter seus próprios filhos, outros por serem desprezadas por seus maridos, ou ainda apenas porque nasceram da fúria de sangue de Durga e escolheram as crianças como suas vítimas. Aos dezesseis as crianças já passaram pela idade de risco e estão fortes o bastante para sobreviver a mais doenças e dificuldades. Assim, seus antigos inimigos tornam-se seus aliados.


A figura do predador de crianças é comum em várias culturas. Geralmente trata-se da figura de uma mulher demoníaca, mas nem sempre. Tanto os lilis e liliths como os matrkas são uma ameaça para as crianças pequenas e indefesas. Recém nascidos são mais frágeis a doenças e aos ladrões silenciosos da noite. A morte de uma criança é sempre algo difícil e sempre buscou-se um culpado, alguém em quem lançar sua raiva e indignação. Tanto as liliths como as matrkas servem a este propósito.


A Era de Kali


Recentemente Kali saiu de sua casa nos poços de cremação para as cidades. Hoje ela é adorada por mais fiéis e é mais "respeitável" na sociedade. O Ocidente também a adotou. No processo a imagem de Kali também mudou. Alguns tentam negar seu frenesi. Alguns não estão tão dispostos a aceitar Kali como uma força destrutiva assustadora e perigosa. Eles passaram uma mão de tinta hippie sobre ela tentando fazer Kali algo mais benevolente. Mas eu acho que a sua popularidade brota justamente do seu aspecto muito assustador. Nosso mundo está um caos. Não só estamos vivendo na era de Kali (Kali Yuga), recentemente, a tecnologia nos tem jogado em um frenesi de atividade e progresso. Nós temos a bomba atômica. Temos armas nucleares. Nós temos AIDS. O mundo é um lugar muito assustador. Pode até não ser pior do que costumava ser, é apenas uma escala maior de terror agora. Sempre tivemos desnutrição mas hoje podemos ver as pessoas do outro lado do mundo morrendo de fome. Temos destruição em uma escala maior do que nunca. Kali personifica todos os nossos medos. Ela é a deusa do caos. Ela é a força incontrolável que ameaça destruir o mundo em sua dança frenética. Nós adoramos ela para tentar acalmá-la. Nos deitamos como Shiva. Queremos acalmá-la, para que ela não acabe com todos nós.


Lilith foi adotada pelo movimento feminista como a mulher poderosa por definição, a primeira feminista pois afinal foi a primeira a rejeitar o que lhe foi imposto. Seu nome é usado hoje em uma revista feminista de Israel.  Existe hoje a “Lilith Fair” uma feira feminista criada pela ativista Sara MacLaughlin. Sua presença não é mais usada para assustar as crianças e deixar as mães preocupadas. Conforme o avanço da medicina não precisamos mais de bodes expiatórios para justificar nossos medos e raivas como costumávamos fazer. Lilith é hoje vista também como uma figura ecológica de consciência da mãe natureza, e sendo associada com a serpente está mudando a imagem da mesma aos poucos também. A serpente de Lilith pode ter oferecido o fruto para Eva para ajudá-la. Torna-la consciênte de si mesmo, conhecedora do bem e do mal e capaz de pensar por si própria. Assim, Lilith até é usada hoje para reinventar o papel de Eva. Ambas são cada vez mais vistas de maneira positiva, seguindo as conquistas e crescimento do movimento feminista. Com a ascensão do poder feminino, instala-se o reino de Lilith. Ela pode ainda ser uma figura assustadora, mas não é mais vista como uma ameça a sociedade. Nós ignoramos a parte terrível e lembramos apenas que ela teve coragem de abandonar Adão, e tomar controle do seu próprio destino.


Nós queremos deusas em nossa época com quem possamos nos relacionar. Buscamos modelos hoje que mostrem que  as mulheres podem ter poder e parearem com os homens. Mas estes modelos não são comuns de se achar na antiguidade e assim precisam ser buscados com cuidado. Geralmente achamos estes modelos poderosos demais e tentamos diluí-los. Tentamos esquecer as partes que nos incomodam ou inventar algo para justificá-las. É justamente o limite dos nossos medos que as tornam tão desejáveis. Talvez em nossos tempos modernos, quando o caos reina, as deidades tenham mesmo que ser tão assustadoras quando nossa época.

Bibliografia:


Hawley, John Stratton and Wulff, Donna Marie (ed.). Devi: Goddesses of India. (University of California Press, Los Angeles:1996).

Hawley, John Stratton and Wulff, Donna Marie (ed.). The Divine Goddess. (Berkeley Religious Studies Series, Berkely:1986).

Blidstein, Berald J. In the Rabbis' Garden. (Jason Aronson Inc., New Jersey:1997).

Patai, Raphael. The Hebrew goddess. (New York,Ktav Pub. House:1968).

Gaiman, Neil. The Sandman. no. 40, "Parliament of Rooks" (DC Comics).

Note: I am including a comic book in my bibliography because it is a good comic book, and in fact includes a lot of real information.


Fonte: 
http://reli350.vassar.edu/trover/author.html

 

Florence Trover

Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.

loading...