Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Envie seu texto
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Demonologia HE(a)LL DA FAMA Phosphorus

Phosphorus


Por Michael Ford - Notas e Tradução, por Fernando Guerra a.k.a: King Wyrd Vryl Albiorix.

phosphorus.jpgLúcifer, a pálida estrela da manhã – Phosphorus – “O precursor da chama do sol vespertino”, como Blavatsky tão elegantemente o definiu, é a fundação da base de magick. Magick por si só significa “ascensão” através da luz divina. Deus por si mesmo definido como self individual e a luz do conhecimento.

O símbolo da sabedoria nos dado por pesquisa é Lúcifer, o portador da luz. Todos nós procuramos pela percepção. A Sabedoria é uma filha de Lúcifer. Os astrólogos caldeus, os sacerdotes egípcios, os brâmanes hindus (indianos); também foram suas crianças. Assim o primeiro homem tornou-se seu filho, quando a serpente o ensinou sobre o bem e o mal. O que eles vieram a saber pela percepção foram os sagrados mistérios cósmicos. Em frente disso, ajoelhavam-se em devoção. Esta foi a luz que lhes mostrou às suas almas, o seu destino. Na devoção, eles receberam sabedoria que se tornou fé, religião. O que Lúcifer trouxe a eles, brilhou divinamente através de seus olhos físicos. Devido a Lúcifer eles chegaram a deus. Isso significa desunir o coração e a mente se deus for considerado como inimigo de Lúcifer. Nossos antigos adeptos não elevaram a percepção da mente para a devoção religiosa, eles paralisaram o entusiasmo do coração.

Para aqueles que estão em busca da luz do espírito, Lúcifer poderá ser um mensageiro. Ele não irá falar sobre uma fé alheia à percepção. Ele não bajulará os corações para afastar os guardiões da ciência: Ele irá respeitá-los. Ele não pregará piedade ou benção divina, mas nos mostrará caminhos para o conhecimento, para transformar-se em sensação divina. Na devoção do espírito cósmico. Lúcifer sabe que o sol radiante apenas se levantará nos corações dos indivíduos; mas ele também sabe que os caminhos da percepção é que levarão este indivíduo à montanha onde o sol aparece em sua divina radiação. Lúcifer não é um demônio que leva Fausto aos infernos; “Ele pode ser considerado um (Awaker)[1] daqueles que acreditam no conhecimento, quem deseja transformar ouro em sabedoria divina”. Luzifer Gnosis – Rudolph Steiner.

Lúcifer mantém-se no limiar entre a aurora e o crepúsculo. O portador da luz, símbolo das forças thelêmica e sabedoria divina emerge. A era de Lúcifer é a ascensão do que Blavatsky definiu “Phosphorus”, a força cósmica da iluminação e luz. Lúcifer é a força do ar, enquanto que Satan o duplo, a forma corrompida do “Light Bringer”[2] é o fogo ativo. Esta dualidade é a essência transformadora da nossa progressão e evolução.

O Lúcifer romano emerge como o “Bringer of Light”[2], Lucem Fero... O portador da tocha. Um deus gnóstico; a bíblia menciona pouco sobre ele nas suas bases de origem:

“Você que é o Cherub que protege; eu o estabeleci; você estava nas montanhas sagradas de deus. Você foi perfeito, de sua própria forma, desde o dia em que você foi criado; até que a iniqüidade foi encontrada em você.” (Bíblia – Ezequiel).

Após isso a estrela matutina, como era chamado tornou-se o dragão e o demônio. Shaitan foi a base para essa materialização, o que significa opor-se, acusar. Lúcifer foi invariavelmente o primeiro rebelde.

Lúcifer é o espírito da luz, pelo qual o objetivo da magia luciferiana é ascender através da divindade. A luz do espírito é baseada na percepção e claridade de um Self desperto. A percepção é um veículo do conhecimento onde o indivíduo pode via a compreender. O cristianismo ensina o aniquilamento da percepção e repressão da mente desperta. O entusiasmo da consciência direcionada encarrega-se do brilho da luz luciferiana. Leva todos os indivíduos a tornarem-se deuses por si mesmos.

Lúcifer é o anjo caído da luz. Nascido nas luzes do espírito divino, sua coroa sustenta a mais linda das jóias terrenas. Sua essência foi o sol, a sabedoria divina e a iluminação que brilhava em seu redor. Nenhum outro anjo ou Seraphim brilhou como ele.

Como todos os seres de luz e vontade, um grande fogo emerge dele. Ele tencionou tornar-se deus, ascender a uma divindade. Nisso um grande rebelde nasceu. Permanecendo contra as hierarquias sagradas, Lúcifer reuniu muito de seus seguidores seraphins: Leviathan, Belial, Astaroth, Asmodeus/Samael, Mephistopheles, Dagon, Sorath/Shaitan, Beelzebub e uma série de outros para manter-se na luz do Self Superior e opor-se a aqueles que se mantêm contra o brilho individual; a infinita possibilidade da existência.

Uma grande batalha ocorreu, etéreos e astrais corpos foram devorados pelos ataques agressivos. Os seraphins que vislumbraram o trono divino deram tudo sob a bandeira de Lúcifer. Nada se manteria nos caminhos da liberdade individual e a luz do caminho divino; O nada é a base para a destruição e o início da criação. A estrela matutina estava erguendo-se, as frentes angélicas temeram esses seres luminosos.

Finalmente o anjo sagrado Miguel (o qual se provou útil em magia de cura) e sua grande horda superaram os espíritos luciferianos. Estes últimos foram lançados para além dos portões dos céus, próximos a terra e com eles caíram os Nephilim. Descendendo, os espíritos perderam toda a percepção de tempo e espaço; sabendo a grande perda que ocorreu. Lúcifer acordou antes dos outros. Sua coroa, estraçalhada; perdida na luta pelo trono do caminho divino, estava em algum lugar sobre esta nova terra. Ele permaneceu ereto, mantendo unidos seus sentimentos e senso de Self. “Eu permaneço e emerjo. Os segredos do universo serão meus e a luz ocultada é a mim destinada”. Os outros permaneceram inconscientes, ameaçando penetrar no grande abismo sem forma que jazia em um aperíodo de tempo.

“Eu os chamo agora para acordarem e levantarem-se, deuses na luz do paraíso. O inferno é nosso e nós deveremos torná-lo um paraíso por nossas próprias mãos. O universo é supremo e nós deveremos sempre supri-lo... Levantem-se, juntem-se a mim. O mundo poderá ser nosso sob nossa luz... Levantem-se”.

Os caídos começaram a levantar-se e tomar forma. Eles deveriam espalhar-se em várias partes da terra e do abismo. Das cinzas deveriam os deuses e deusas levantar-se. Muitos descenderam ainda mais, outros se tornaram como anjos de luz; Leviathan e Samael decaíram, Lúcifer tornou-se um anjo de luz. Belial tornou-se um espírito preso à terra que se transformaria em demônio. Astaroth, vagando pela terra, em um grande dragão. Leviathan, um demônio que se tornou do oceano e que existia simultaneamente no plano astral e nas profundezas do mar. Leviathan junto com os outros anjos caídos, tornou-se um ideal, um foco de energia cujo poder ainda jaz em todos nós. Esperando o momento do acontecimento, estes atavismos demoníacos existem em níveis subconscientes da mente. A abertura dos portões do abismo, levam à psique aproximar-se deles e tornar-se algo em uma evolução progressiva.

Lúcifer permanece como a fonte da mente e Astral Magick (projeção astral, controle dos sonhos). Lúcifer é a balança entre as instâncias da sombra e da luz, o sangue vermelho e o raio negro. Lúcifer é a cor da mente desperta e esclarecida. A psique que está aberta à inspiração mágica.

Blavatsky compreendeu a significância da balança entre o indivíduo e ao ascender ao “indivíduo” (Self-Superior) provindo de qualidades bestiais inerentes ao nosso subconsciente. Ela escreveu: “Então está provado que Satan, ou o dragão vermelho de fogo, o “Lord of Phosphorus” e Lúcifer, ou “Light Bearer” está em nós; É nossa mente nosso desafio e retenção, nossa inteligência libertadora e salvadora do animalismo puro”.

Asmodeus/Ahriman é a fonte chave para a feitiçaria da terra baseada em magia negra. Asmodeus é o deus da feitiçaria negra, magia, necromancia e diabolismo. A balança entre Ahriman/Asmodeus é unir o lado carnal, material da vida com o espiritual ou luciferiano. Falhar em qualquer dos dois lados poderá resultar na destruição do Self. A magia negra é a fonte de se fazer à psique imortal, sobrevivendo à prisão terrena após a morte. A Magia Luciferiana é o foco da projeção astral e magia sagrada. Ascensão é o primeiro objetivo para projetar-se em direção à divindade.

O rito de Lúcifer foi desenvolvido através de minha experiência pessoal a afetar o indivíduo em muitas formas. A mudança é sempre reversível se o Self não está no mesmo nível que o restante. Isso pode traduzir que a mudança deve ocorrer em todos os níveis moleculares. O todo deve ser atingido por todos os lados.

Lúcifer deve ser absorvido e esquecido. A queda é simplesmente onde os Seraphins, descendo à carne, ao cérebro do mago. Lúcifer deve ser conectado ao espírito e ser alinhado com o SAG para uma união completa. A produtividade então ergue-se e um forte senso de caráter é construído assim. Os indivíduos que pretendem prosseguir com esses ritos devem estar preparados para os danos caso uma falha venha ocorrer, pois os danos são bem reais. Insanidade, a qual é o desbalanceamento dos muitos “Eus” que formam a união são corrompidas e a insanidade toma o Self. O mago deve estar plenamente equilibrado em ordem de evitar os perigos que tentarão a mais estável das mentes.

A sombra vindoura de Lúcifer ocorre quando o Self o absorve e esquece o espírito. A posterior ressurgência atavística irá convocar Lúcifer e o anjo caído se tornará você em todas as formas. Isso poderá ser completo após que o espírito é convocado e através da “Postura da Morte”[3] um realinhamento poderá ser feito.

Considere essa absorção espiritual como sendo nos tempos modernos um download de um programa em seu computador. Uma vez que isso seja feito, para tornar-se a parte desse espírito os muitos “eus” deverão estar de alguma forma conectados. O espírito é esquecido e se manterá profundamente no subconsciente que se chama abismo. Quando chegar o momento para esse espírito se erguer e tornar-se totalmente uma parte do Self, o “Programa” só poderá funcionar se o computador for desligado e reiniciado. A mente trabalha com essa capacidade em consideração à semelhança. O espírito através da Postura da Morte irá se re-alinhar e os poderes se tornarão ao seu dispor para a prática.

Muitos espíritos da ascensão dos caídos operam de maneira similar exceto este que é o mais perigoso. Muitos outros espíritos são invocados onde muitos deles são energias demoníacas que deverão ser absorvidas através da vontade e do controle.

Crowley nos deu a síntese moderna e fundação do pensamento luciferiano. “Faze o que tu queres e há de ser o todo da lei” e “Amor é a lei, amor sob vontade”. Os estatutos os quais claramente são postos em movimento, a ascensão da busca individual para a divindade. Em seu poema “Hino à Lúcifer” Crowley apresenta o portador da luz em um aspecto thelêmico... Não mais o homem deverá servir a uma religião a qual poderá destruir sua fundação e direito de escolha pessoal.

O dogma é sempre uma armadilha a qual poderá levar à estagnação espiritual. O crescimento é necessário através da liberdade e de uma abertura, onde através da vontade e direcionamento poderá modificar-se, tomar forma e correr em seu curso natural.

O indivíduo luciferiano é de coração (em seu interior) um predador, mas que balanceia ação e pensamento com perspicácia e tolerância quando as emoções se manifestam. Um indivíduo thelêmico é por definição livre para decidir o curso adequado pelo qual a sua vida irá desenvolver-se.

Freqüentemente vários clubes, ordens e outras doutrinas irão enganar o indivíduo e faze-lo aceitar um código e uma “desinformação” das mentes. Isso deverá acontecer apenas se for uma forma, um objetivo no qual a progressão e evolução individual é plausível. Caso não, qual seria a diferença entre uma organização que se intitula oculta e um entusiasta cristão?

A essência da bruxaria em nossa era parece adormecida e não muito clara. A Wicca apresenta a natureza em um semblante bonito e fictício (cinematográfico), o que na verdade não é o caso. A natureza é bela, positiva e luminosa, assim como destrutiva, predatória e negra. Esse é um ponto extremamente significante pelo qual os indivíduos devem ficar atentos e serem capazes de refletir com atenção.

A Wicca é uma poderosa ferramenta para aqueles os quais em última instância delicados de coração, aqueles que utilizam a magia em conjunto com a própria vida para uma finalidade específica. A bruxaria negra ou magia sabática, constitui um equilíbrio de energias de luz e treva.

A bruxaria é uma ferramenta para o espírito luciferiano, e as formas divinas da magia sabática são muito familiares para a exploração do Self à procura da divindade rumo à ascensão.

A feitiçaria é uma extensão da bruxaria e é baseada nos poderes da terra, associados com os da água, do ar e fogo. Estes unidos, levam os indivíduos a um ponto alto do entendimento e se trabalhados propriamente poderão levá-los à magia sagrada.

O vampirismo é uma ferramenta interessante na evolução humana, porque o coloca em perfeita harmonia do Ser Mutante com o equilíbrio natural. Para ascender, alguém deve devorar as energias que lhes foram apresentadas. O vampirismo sustenta a sua fundação no sonho e mito, formando uma realidade consciente a qual poderá ser conhecida. A feitiçaria vampírica é uma magia poderosa, mas perigosa de se controlar, pois testará todos os pontos da força mental que o adepto tiver desenvolvido. Se não interrompida, poderá adicionar mais força a aquele que se direciona a divindade. Deveremos aprofundar nas profundezas da psique (abismo) de forma a equilibrar a luz sagrada. Thelema inadvertidamente suporta e fornece uma fundação significante para os indivíduos espirituosos que por ela procuram.

O feiticeiro vampírico não é aquele, que uma vez imagem do self, a fachada é retirada. Ele irá simplesmente desaparecer através da lacuna da substância. O feiticeiro deverá ter desenvolvido um poderoso corpo de luz através da magia astral e da terra e emanar esta força através dele. Mas, o Self deverá permanecer em constante mudança e fluxo, no entanto a aparência física poderá ser eliminada não importando o seu núcleo que poderá ser revelado cada vez mais nessa significância.[4]

O indivíduo luciferiano é bem sucedido nos métodos de Magick e ascensão, uma vez que domine tanto a magia branca quanto a negra.

Chaos magick é de extremo interesse devido a sua diversidade, mas deveremos ir além dos métodos no treinamento do self e vontade e desenvolver uma força e disciplina a qual normalmente é ignorada por muitos magos modernos. A ascensão através do vigor e um poderoso direcionamento, não simplesmente por impulso e circunstâncias inavaliadas.

O egoísmo no entanto é um possível defeito e superestima do self. O crescimento luciferiano deverá atentar para o ego. Isso poderá ser entendido que mesmo o humilde, deverá compreender o grande conhecimento do self. Crowley definiu “Black Brother” aqueles que se fecharam para o universo e a cúpula de Babalon à qual é evolução.
O mago negro é como Crowley definiu um “Black Brother”. O estudo essencial e a prática para o crescimento é significativo pelo ponto que o indivíduo deverá crescer em seus estudos para tornar-se misto. O self, o qual é conhecido como “KIA” (Austin Spare – “The Book of Pleasure”), poderá ser explorado em todos os possíveis níveis, entendendo-se a fundação para o despertar da consciência conhecida como “Eu”.

Lúcifers existem no âmago de todos os seres. Ele é “seu” presente para nós. Aqueles que entram em contato com sua luz individual são abençoados por si mesmos. Aqueles que procuram as plataformas de adepto na busca mágica irão inadvertidamente perceber a base do enquilíbrio entre a luz e as trevas. Os anjos e demônios devem estar unidos, o caos irá formar-se e semelhante é a genética e psique feita do adepto.

A face de Lúcifer tem mudado e se formado dentro de uma Plethora de desreputável imagem, pela psique cristã nos tempos modernos. A mensagem ideal recebida do astral deverá ser “eu irei ascender” e não “eu sou pertencente ao mal”. Ambas as doutrinas de “bem e mal” são desculpas para não se lidar com o núcleo do indivíduo. É apenas explorando o mais perigoso, o mais poderoso e a mais excitante parte do Self que a sombra será trazida à luz e poderá um deus ou deusa surgir.

Lúcifer mantém-se na balança entre a carne e o espírito. O ego ou “Eu” constantemente em mudança deve continuar a manifestar-se consciencialmente em forma positiva. Como Aleister Crowley observou no artigo intitulado “The Initiated Interpretation of Ceremonial Magick), publicado no “Goetia”.

“Os espíritos da goecia são porções do cérebro humano. Seus selos representam (Cubo Projetivo de Mr. Spencer) métodos de estímulo ou regulação destes particulares pontos (através do olho).

a) Os nomes de Deus são vibrações calculadas para estabelecer controle sobre o cérebro humano. (Estabelecimento das funções relativas ao mundo sutil).

b) Controle sobre o cérebro em detalhe (Ranking ou tipo de espírito).

c) Controle de uma porção especial (nome do espírito).


Controle é o mapa do fortalecimento e da ascensão. Uma direção é assim confirmada, e poderá ter início à localização em associação com a progressão e evolução? Este ponto sutil é baseado na lenda de Lúcifer. Ao ser banido do paraíso, uma pessoa poderá apenas desesperar-se ou se revelará através da liberdade o auto-amor que fora herdado através deste desafio (oposição).

A chama negra que existe no fundo do Self há muito aspira crescer e iluminar o indivíduo que esteve preparado para viajar através da fantástica experiência da iluminação e divindade. Toda mulher e homem têm sua própria órbita; sua própria estrela para desenvolver nesta terra. Nada é rejeitado o qual desenvolve integridade e força interior de espírito.

Com o sigilo de Varcolaci, a imagem do vampiro é apresentada como uma marca que aponta em direção à evolução e divindade. O sigilo do trapezóide de Varcolaci abre os portões das sombras através da magia negra. O sigilo foi desenhado para manifestar a essência do Vampiro Varcolaci, o ser astral que ascende da carne do feiticeiro para chegar à noite negra. O pentagrama inverso que Varcolaci segura é o olho de Lúcifer, um “devilcosmo” que poderá arder com a divina luz da divindade de si mesmo. O pentagrama inverso é um símbolo em si de4 exploração e controle dos poderes negros que existem em todo homem e mulher. Os cristãos costumam rotular Lúcifer como um deus de morte que apenas prova a extensão da lavagem cerebral a qual apenas ilustra (reflete) seus desejos subconscientes a se limitarem, a frágil e subdesenvolvida chama a ser extinta.

Lúcifer ao ser o príncipe dos poderes do Ar, estabelece sua forma divina como a fonte magna da magia astral. O sigilo de Varcolaci ou devilcosmo é um espelho de Lúcifer, o portador da luz que através da projeção astral e busca pelo equilíbrio através do conhecimento. As aplicações desse tipo de magia poderá ser usada em todas as facetas da vida de alguém. É apenas limitada pela imaginação. “Ain Soph” de fato!!!

Os preceitos e formação de Thelema por Crowley são baseados no próprio luciferianismo. O portador da luz, através do indivíduo, pelo qual a estrela poderá encontrar seu único caminho. “Faze o que tu queres e há de ser o todo da lei”. Pelo qual ninguém deverá negá-lo.

Então um brilhante sistema pode ser encontrado no desenvolvimento posterior de livros como “Magick, teoria e prática”, “O livro da Lei”, “O Tarot de Thoth” e em vários trabalhos editados como o “Goetia”.

O mapa para a divindade logo virá em clara e inalterada percepção. A Percepção é existente através do uso de todos os sentidos. A experiência e conhecimento são as chaves faustianas para o próximo passo evolucional.


Notas:


[1] Awaker – pode ser considerado como um condutor, mestre ou até mesmo SAG que irá guiar o indivíduo, mas sempre sob vontade.

[2] Bringer of Light – Aquele que traz a Luz. Aqui no caso é Lúcifer, a “Força” pela qual iremos alcançar e ascender à luz.

[3] Postura da Morte – A postura da morte corresponde a uma poderosa prática de conhecimento do self e do subconsciente, aliando duas divindades muito utilizadas por Freud na psicanálise – Eros e Thanatos. Essas duas divindades são utilizadas pois são as duas questões mais procuradas e mais inatas ao subconsciente, o Amor e a Morte. Ver Austin Osman Spare – A pornografia da morte ou Postura da Morte – Zos Kia Cultus. Spare acreditava que apenas através do desenvolvimento da postura da morte teríamos um pleno desenvolvimento e controle sobre o ego e assim chegaríamos ao Self.

[4] Vampirismo – Não vamos confundir aqui o vampirismo empregado pelo autor, com um teor mitológico e mágico, com o vampirismo psíquico e práticas a drenar e se aproveitar de pessoas. O vampirismo aqui empregado utiliza uma ótica de transformação constante e imortalidade pela qual poderemos alcançar o SAG através da desconfiguração do Eu visando alcançarmos o núcleo. O sigilo de Varcolaci, visa exatamente essa comunhão com Lúcifer. Onde Varcolaci segura o olho de Lúcifer, pelo qual tenta obter a chave para o conhecimento.


Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.