Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Envie seu texto
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Lovecraft Mitos de Cthulhu A Natureza dos Grandes Antigos

A Natureza dos Grandes Antigos

snipt sniptPara compreender os Antigos temos que primeiro olhar ao redor e tentar compreender a realidade que nos cerca. Seria extremamente restritivo imaginar que existe apenas uma grande realidade, pense em peixes abismais e criaturas que vivem tão profundamente no oceano que nunca sequer cruzaram com um ser humano, uma praga que parece infestar a superfície de nosso planeta ou então na imensa colônia de ácaros que vive no seu travesseiro e passa pelo menos sete horas por noite ao seu lado sem que você se dê conta.

Para começarmos vamos focar nossa atenção a alguns questionamentos básicos. Existe apenas um universo ou mais de um? Existe apenas um conjunto de leis da física ou mais de

m? Na hipótese mais simples nós existimos em uma realidade que abriga apenas um universo, o nosso, e esse universo é regido por apenas um conjunto de leis da física que são invariáveis - a luz viaja agora na mesma velocidade que amanhã, a gravidade faz os planetas orbitarem em nosso sistema solar da mesma forma que planetas do outro lado do universo.

O problema com essa suposição é que se baseia em nossa ignorância. Nós não compreendemos quais são essas leis e como elas funcionam ainda; claro que temos fórmulas e observações e aceleradores de partículas, mas estamos basicamente tateando no escuro. Não sabemos do que o universo é feito em seu aspecto mais básico.

Os Antigos sabem. Existem forças invisíveis, cordas quânticas, hipergeometrias, dimensões que dobram-se e desdobram-se sobre si mesmas. Nós apenas conjecturamos tais coisas, fazemos modelos matemáticos e computacionais. Os Antigos não apenas percebem esses aspectos alienígenas da realidade como também os manipulam. Eles vivem em cantos recônditos do universo, mas sempre que possível curvam o espaço e vão de um canto ao outro. Apesar de poderem existir agora, tem como ir ao passado ou ao futuro distante, da mesma forma que você vai à padaria comprar cigarros ou ao super-mercado comprar papel-higiênico.

Agora, suponha que em nossa realidade existam diferentes leis da física, as que percebemos e inúmeras outras que nosso sistema nervoso e a parafernália que criamos e programamos com nosso sistema nervoso não são capazes de perceber. Além das leis que permanecem constantes em todo o universo e em todo o tempo, desde que foi criado até o momento que ele terminar, vamos chamá-las de leis superficiais, existem outros conjuntos de leis mais profundos, conjuntos que, juntamente com o nosso, regem a hiper realidade. 

Hoje acredita-se que o universo tenha aproximadamente 13.500.000.000 de anos de idade. Para se ter idéia do quanto é isso, se você receber um saco com um treze bilhões e quinhentos milhões de bolinhas de gude e tiver que tirar uma por uma, levando um segundo para esse trabalho, e não parar para comer, dormir ou ir ao banheiro até terminar, você terá completado sua tarefa em aproximadamente 428 anos. E isso foi apenas para contar quantos anos se passaram desde o BigBang até hoje. Além disso leve em consideração que o primeiro macaco que se parecia com um homem moderno apareceu a 200.000 anos, aproximadamente, e levou mais 150.000 anos para de fato poder ser considerado um ante-passado nosso. Então ha apenas 50.000 anos é que o homo-sapiens saiu da prancheta da natureza e entrou em produção em série. Os primeiros hominídeos a formarem sociedades sedentárias apareceram a aproximadamente 12.000 anos (supostamente a época de Moisés). O aparecimento da escrita surgiu ha mais ou menos 6000 anos, que é quando começamos a registrar nossa história. No século XVII começavamos a catalogar as leis da física. No século XIX começam a aparecer os avôs dos computadores modernos. No século XX o mundo teve duas guerras mundiais, mandamos naves tripuladas para o espaço, inventamos a telefonia celular, lasers e seriados de televisão. Essa breve história serve de termômetro para vermos como uma civilização "inteligente" se desenvolve tecnologicamente em um ritmo cada vez mais rápido e louco.

Nosso planeta surgiu ha apenas 4.500.000.000 de anos. O que significa que o universo já estava em pleno funcionamento a pelo menos 9 bilhões de anos. A raça humana não completou nem 1 milhão de anos ainda, na verdade não completamos nem meio milhão de anos neste planeta, e de homens que comiam bichos mortos crus para seres elegantes que fazem crediário nas casa Bahia para comprar televisões LED de 60 polegadas não precisamos nos esforçar muito. E hoje já começamos a brincar de controlar essas leis físicas que percebemos, aceleramos partículas, estamos começando a teleportar fótons, etc.

Imagine uma civilização de um planeta que se formou ha 9 bilhões de anos atrás. Os seres inteligentes que surgiram teriam bilhões de anos a mais do que nós para evoluir, tanto organicamente quanto tecnologicamente. Não é à toa que os chamaríamos de Os Antigos. Tais seres teriam uma habilidade muito superior à nossa de impor a própria vontade às leis do universo, leis que nem suspeitamos existir. Claro que isso não significa que eles controlem o universo ou a realidade, apenas que podem, em uma proporção muito maior do que a nossa, dobrar ou manipular algumas dessas leis. Assim essa manipulação também tem que obedecer leis mais profundas. Podemos fazer a luz cortar uma placa de aço maciço, mas apenas porque a natureza da luz permite isso. Podemos bloquear o som, mas apenas porque a natureza do som permite isso. Não podemos fazer o som ficar molhado ou a luz começar a correr por todo o universo de forma diferente, ao menos não com o nosso conhecimento atual da luz e do som. Assim esses Antigos seriam capazes de impor sua vontade, mas ainda estariam sujeitos às leis que os regem.

Agora imaginemos que existam múltiplos universos, mas ainda apenas um conjunto de leis universais. Se essas realidades se sobrepõe e se tocam, poderíamos explicar muitas coisas estranhas, como por exemplo ângulos que se curvam e se tornam nada, portais para mundos exóticos, seres que não podem ser observados ou percebidos no dia a dia. Assim se mover entre esses universos é mais uma questão de entrar em sintonia do que de viajar de fato. Ou é como viajar sem se mover.

E finalmente poderíamos ter vários universos, cada um com suas próprias leis naturais. Cada Antigo possui sua própria realidade que controla da melhor forma com seus "poderes" ou tecnologia, mas se conseguisse ir para outro universo seus poderes ou technologia seriam aumentados ou diminuidos dependendo das leis existentes no universo em questão. Por exemplo em um universo onde não existem fótons, uma arma laser seria tão útil quanto um peso de papel. Em um universo que o som não é físico, um sonar não passa de uma tela em branco. Em um universo onde carbono entra expontaneamente em combustão, nós seríamos usados para acender churrasqueiras. Em um universo onde ondas mentais moldam a matéria da mesma forma que ondas eletromagnéticas afetam a matéria no nosso universo, quem pensasse teria o poder de Deus.

E claro, existe a opção Nenhuma das Anteriores.

Seja qual for a opção escolhida vamos tentar respoder agora à questão "o que é um Grande Antigo?". Para não perdermos o controle do texto vamos nos centrar no Grande Cthulhu, a estrela do panteão Lovecraftiano, e chegando a uma conclusão sobre ele, podemos extrapolá-la para todos os outros.

Resposta A: Cthulhu é um Demônio.

É mais do que natural que tentemos entender o universo pela lente de nossa cultura e educação. Sendo assim, pessoas com uma religiosidade abraamica certamente verão em Cthulhu uma figura infernal. Contudo, se encararmos o ponto de vista da demonologia moderna, onde a definição de demônio é bem mais abrangente então somos obrigados a concordar que todos os grandes antigos podem ser encarados assim. Eles não apenas demonstram uma completa indiferença para com a moral e a ética humana, mas também conseguem atrair para si a adoração do homo sapiens em forma de cultos e sacrifícios, e teriam poderes para controlar e influenciar eventos e pessoas mesmo não estando presentes fisicamente no local. São chamados através de rituais e respondem a certas fórmulas mágicas.

Resposta B: Cthulhu é uma Egrégora.

Cthulhu é uma forma de pensamento criada pelo escritor de ficção H.P. Lovecraft e alimentada por todos os seus fãs e leitores. Ele cresceu exponencialmente em poder e influência no último século graças as produções derivadas dos Mitos de Cthulhu e a uma forma de compartilhamento de imagens, músicas e vídeos muito mais ampla e abrangente dos dias modernos, e tornou-se ainda mais forte no chamado mundo astral a partir do momento em que começou a ser invocado e usado em diversos rituais por magos pós-modernos como caoistas e satanistas. Sua influência se torna assim cada vez mais palpável, sendo hoje de fato adorado e cultuado em alguns cultos e seitas obscuros. No mundo astral não existem limitações de tempo e espaço, sendo portanto possível que Lovecraft tenha sido influenciado e até manipulado pela sua própria criação.

Resposta C: Cthulhu é um Deus. 

Seres primitivos personificavam forças da natureza - como o sol, o vento e o relâmpago - e prestavam culto a elas. Antes de ser banido pelos Deuses Mais Antigos, Cthulhu era adorado por seu poder. Capaz de se comunicar telepaticamente com seus seguidores ele manteve vivo seu culto, para que preparassem a Terra para seu retorno, quando voltará a reinar em seu Templo em R'lyeh.

 

Resposta D: Cthulhu é um ser fodidamente poderoso e foderoso de outro universo.

No passado ele reinou sobre a Terra, mas os Deuses Mais Antigos fecharam o portal entre seu universo e o nosso, o prendendo em muitos aspectos. Separado de sua fonte de poder/força Cthulhu está em um estado de hibernação ou animação suspensa em sua prisão. Até que as estrelas estejam novamente alinhadas, ou seja que as condições físicas que unem os dois universos ocorra novamente e ele possa despertar.

 

Resposta E: Cthulhu é um alienígena espacial, preso na Terra por causa da gravidade, por estar fraco demais ou pela falta de um transporte adequado.

Cthulhu é uma criatura nativa de nosso universo e após um conflito com os Deuses Mais Antigos ficou preso na Terra, por falta de transporte ou algum fator físico ele perdeu contato com suas "tropas", e aguarda, em hibernação ou animação suspensa, que o contato seja estabelecido. Até lá criou a raça humana para que não fosse esquecido e que pudessem ajudar, de alguma forma, em sua libertação - seja como lacaios, seja como alimento.

 

Resposta F: Cthulhu é uma célula monstruosa. 

Imagine que a primeira célula primordial ao invés de crescer por multiplicação crescesse por osmose, por absorção. Muitas criaturas da mitologia lovecraftiana parecem ser unicelulares. No Chamado de Cthulhu quando o barco atravessa sua cabeça ela não se despedaça, se dissolve, como se fosse líquida, ou uma célula se rompendo e depois se reparando. Agora, se os Grandes Antigos são criaturas unicelulares de onde viriam? Poderiam ter sido parte de um único ser que foi desmantelado pelos Deuses Mais Antigo. Eles trabalham em conjunto, como partes aparentemente separadas de um ser impensável de muitas dimensões que atravessou nosso universo de "quatro" dimensões? Seriam como células brancas do universo combatendo infecções como a humanidade ou seriam eles próprios uma infermidade?

 

Resposta G: Cthulhu é uma força da natureza. 

Diferente dos deuses antropomórficos ele teria o controle de partículas quânticas. A natureza randômica da atividade sub-atômica se derivaria do constante embate entre essas forças. Eles apenas foram percebidos por nós quando começamos a compreender a natureza real de nossa própria realidade.

 

Resposta H: Nenhuma das anteriores. 

Qual a sua teoria?

 

por Shub-Nigger, A Puta dos Mil Bodes

loading...