Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Envie seu texto
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Lovecraft Mitos de Cthulhu All You Need is Love Craft

All You Need is Love Craft

All you need is love craft

À parte da insondabilidade de suas criações, a própria carreira de Howard Phillips Lovecraft apresenta um certo mistério. Por que é que um escritor elitista, excêntrico e racista, que se dedicava a um gênero marginal de literatura - o horror cósmico - prosperou e cresceu onde outros, que poderiam ser considerados muito melhores do ele, foram atirados ao esquecimento?

No final dos anos trinta ninguém, nem o próprio Lovecraft, teria apostado no sucesso futuro de seus contos e histórias. Claro que muito de seu material gozou de alguma popularidade, e é inegável que ele inspirou muitos jovens escritores, mas quando o câncer em seu estômago o matou ele se

encontrava na miséria, doente e vivendo na obscuridade. Roger Luckhurst chegou a chamá-lo de "um escritor marginal desconhecido e sem sucesso", cujo último trabalho havia sido publicado um ano antes da própria morte - em 1936 - e cujas melhores obras se encontravam em um passado distante.

Ele descansou em paz por algum tempo, mas apenas oito anos após sua morte, Edmund Wilson escreveu uma crítica selvagem onde declarava que Lovecraft não passava de um picareta. Dizia-se que Clark Ashton Smith possuía um estilo literátrio muito superior. Muitos consideram as histórias de horror de Algernon Blackwood muito mais assustadoras e Olaf Stapledon era um artesão incomparável no c

mpo da ficção científica. Então, por que Lovecraft sobreviveu? Por que não Smith ou Blackwood ou Fritz Leiber? Isso sem mencionar Nictzin Dyalhis e outros escritores que publicavam nas mesmas revistas que traziam os contos de Lovecraft?

Como o nerd de Providence ganhou tanta influência a ponto de em 2012, um fóssil vegetal datado da era cretácea ser batizado de Millerocaulis tekelili. Uma vespa receber o nome de Nanocthulhu lovecrafti Buffington, e uma aranha, antes disso em 1987, de Pimoa cthulhu Hormiga. Dois simbiontes que vivem nas entranhas de cupins, quando observados sob o microscópio, levaram também os biólogos a batizarem-nos de Cthulhu e Cthylla graças à sua aparência, mais especificamente: Cthulhu macrofasciculumque e Cthylla icrofasciculumque. E note que estamos falando de biologia um campo que Phillips nunca se interessou. Quão mais influente ele não é no mundo da ficção?

Esse é justamente seu mistério. Existe uma linha tênue que separa a ficção da nossa estranha realidade e Lovecraft apagou esta linha. Ele escreveu:

"Eles adoravam […] os Grandes Antigos, que viveram muitas eras antes da existência do homem e que chegaram ao recém-criado mundo vindos do céu. Esses Antigos haviam agora desaparecido no interior da terra e sob o mar; porém, mesmo mortos, haviam transmitido seus segredos em sonhos ao primeiro homem, que instaurou um culto que jamais morrera […] até o tempo em que o sumo sacerdote Cthulhu, de sua escura morada na poderosa cidade de R’lyeh, sob as águas do mar, se levantasse e pusesse de novo a terra sob seu domínio.

 

"O tempo seria fácil de reconhecer, pois por essa época a humanidade já teria se tornado como os Grandes Antigos: livres, selvagens, além do bem e do mal, ignorando leis e preceitos morais, com todo mundo gritando, matando e farreando em meio a feroz alegria. Então os Antigos, libertados, ensinar-lhes-iam novas formas de berrar e matar e farrear com alegria desenfreada, e toda a terra se inflamaria num holocausto de êxtase e liberdade. Até lá, cabia ao culto, mediante ritos apropriados, manter viva a memória daqueles procedimentos antediluvianos e prefigurar a profecia da volta d’Eles."

Ele não estava brincando. Em 1977 é publicado um livro, transcrito por um monge louco chamado apenas de Simon. Na introdução do livro Simon nos conta como ele e seus conhecidos foram apresentados à tradução grega de um texto antigo, uma série de rituais que pré datavam grande parte das religiões conhecidas. O nome do livro, Necronomicon. Este mesmo livro, uma década mais tarde estava sendo apresentado em corte como evidência no julgamento de Roderick Ferrell e Glen Mason, acusados de assassinatos, de assassinato. Ferrel alegou que usava o livro durante rituais e cultos satânicos.

 

Nos anos oitenta do século XX, Steven Greenwood, usando o pseudônimo "Randolph Carter", publicou o Manifesto do Aeon de Cthulhu, anunciando a reaparição da Ordem Esotérica de Dagon e no início da década de 1990, uma equipe chefiada pelo arqueólogo Nicholas Clapp, pelo aventureiro Ranulph Fiennes, pelo arqueólogo Juris Zarins e pelo advogado George Hedges, anunciou terem descoberto a cidade conhecida na antiguidade como Irem dos Mil Pilares, destruída na antiguidade por desastres naturais. 

 

Lovecraft não era um mero escritor ou revisor de textos. Algumas pessoas o classificam como um médium perturbado, outros como um profeta do caos. Ele não era meramente um criador de mundos estranhos, mas um artesão da realidade. Seus textos provaram ter o poder não apenas de influenciar mentes ao redor do mundo, mas de mudar o mundo. Hoje podemos ver os tentáculos lovecraftianos se infiltrando em quase todos os aspectos da sociedade. Seus contos, atuais como nunca, inspiram escritores, designers, magos, cinegrafistas, estilistas, atores, músicos, e como vimos, até cientistas. Mesmo a política, como provou a campanha Vote Cthulhu já começou a sentir o gosto abissal de seus apêndices shoggothianos. E o fenômeno é global, do cinema pornô japonês ao black metal britânico suas "criações" se reproduzem na mente das pessoas como vírus alienígenas, altamente contagiosos. Como um pesadelo que toma conta da boca de quem o sonha e o acorda sussurrando: Eu sou real.

Cada uma dessas manifestações, por mais sutil que seja, se torna um sol na enorme constelação criativa e psíquica, desvelada pelo escritor americano. Uma estrela distante que encontra seu lugar na configuração do Caos que ele nos mostrou. E como prometido em seus textos, as estrelas estão corretas novamente, os antigos vivem, e cabe a cada um de nós ajudá-los a pisar novamente em nosso mundo!

Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.

loading...