Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Magia do Caos Textos Caóticos Chaos Magick

Chaos Magick


Ray Sherwin Tradução Pássaro da Noite

Magia do Caos tem suas raízes em toda tradição oculta e no trabalho de muitos indivíduos. Se alguma pessoa pode ser dita responsável , ainda que não intencionalmente, pela presente atmosfera de opiniões, esta pessoa seria Austin Osman Spare, cujo sistema mágico foi baseado inteiramente na sua imagem de si mesmo e sobre um modelo egocêntrico do universo. Ele não pretendia que o sistema que ele inventou para seu próprio uso pudesse ser usado por outros, uma vez que estava claro para ele que dois indivíduos não poderiam beneficiar-se do mesmo sistema. Nem caiu ele na armadilha de presumir que a informação revelada para ou por ele era pertinente para toda humanidade como todos os messias fizeram. Aleister Crowley veio a olhar para ele como um ´Irmão Negro´ puramente porque ele recusava-se a aceitar a Lei de Thelema de Crowley, preferindo ao invés disto  trabalhar além de dogmas e regras, baseando em intuição e informação levantada das
profundezas do ser.

Detalhar os métodos de Magia do Caos seria espúrio desde que eles são tratados adequadamente nas publicações disponíveis. Entretanto seria útil apontar uma popular mal concepção que tem sido desintencionalmente encorajada por pessoas escrevendo para revistas especializadas. Tem existido alguma confusão sobre a palavra ´Caos´, alguns escritores acreditando que a palavra tem sido usada neste contexto para descrever as próprias técnicas (da magia do caos). Nada pode estar mais distante da verdade. Enquanto é correto que alguns modos de gnosis são efetivos porque confundem as funções racionais, em última análise eles levam a clareza, e magistas envolvidos na corrente do Caos tendem a ser meticulosos na maneira que organizam seus programas de trabalho. Isto é um legado herdado do sistema ´93´.

Formulamos o termo ´Magia do Caos´ para indicar a aleatoriedade do universo e as relações dos indivíduos com ele. A antítese do Caos, cosmos, é o universo adequadamente definido pelo magista para seu próprio propósito e esta definição está debaixo de exame constante e pode ser mudada regularmente. Caos é expressão desta filosofia e reinforça a idéia que não existe um modelo permanente para as relações do indivíduo com tudo que ele não é. A palavra (Caos) encobre não somente as coisas que conhecemos serem verdades mas também aquilo que suspeitamos poder ser verdade tanto quanto o mundo de impressões, paranóias e possibilidades. 

Se existisse algo como um credo do Caos, ele seguiria as seguintes linhas: Eu não acredito em nada. Eu sei que eu sei (gnosis) e eu postulo teorias que podem ou não entrar meu sistema de crenças adaptadas quando tais teorias estiverem sendo testadas. Não existem deuses ou demônios, exceto aqueles que eu tiver estipulado dentro de um reconhecimento e aqueles que eu tiver criado para eu mesmo. Eu crio e destruo crenças de acordo com sua utilidade. Nas palavras do sábio ´Nada é verdadeiro, tudo é permitido!´  - contanto que elas interfiram com ninguém.

Em nível de grupos obviamente um consenso de algum tipo deve ser alcançado. Eu uso a palavra ´consenso´ advertidamente pois outras descrições do tipo ´realidade compartilhada´ seriam desencaminhantes, desde que nenhuma noção além do que é concreto pode ser compartilhada. Ela (a realidade compartilhada) pode, no máximo, ser apreciada. Orientação em técnicas é sempre útil mas a confiança em livros, mesmo livros de Magia do Caos, é melhor ser deixada no mínimo em preferência do trabalho por instinto.

Trabalhos em grupo usualmente caem em quatro categorias - experimental, iniciatório, repetição de ritual e celebração (para o
qual muitos grupos podem juntar-se), embora de jeito nenhum  todos grupos incluam todas as quatro categorias em seus repertórios. Mais importante para um grupo trabalhando qualquer tipo de magia é criar e manter uma atmosfera que excite e inspire a imaginação. Os grupos já em existência tem, em larga escala, distanciado-se das idéias determinantes dos anos setenta de que armadilhas teatrais não são necessárias. Eles tendem a usar qualquer dispositivo que contribua com a atmosfera mágica que desejam criar. As armas mágicas tradicionais são usadas algumas vezes mas, mais freqüentemente, algumas novas armas peculiares para cada grupo são construídas. Máscaras e robes são eficazes e portanto largamente usados, embora nudez não seja rejeitada (Veja o ´Cardinal Rites of Chaos´). Até onde compete a magia experimental, sigilização tem sido o assunto mais amplamente pesquisado, mas telecinese, ESP e telepatia tanto quanto muitos métodos de angariar poder tem sido examinados dentro de vários níveis de detalhe.

Magia do Caos não é procurar por convertidos mas qualquer um que já está inclinado para aventura mágica e que está preparado para romper um novo terreno seria acaloradamente aceito pelos grupos existentes.

Livros em Magia do Caos:
LIBER NULL - Pete Carroll
PSYCHONAUT - Pete Carroll
THE THEATRE OF MAGICK - Ray Sherwin
THE BOOK OF RESULTS - Ray Sherwin
CARDINAL RITES OF CHAOS - Paula Pagani



Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.