Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Envie seu texto
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Magia do Caos Textos Caóticos O Nascimento do Deus da Cerveja

O Nascimento do Deus da Cerveja


Autonomatrix.org. Tradução e Adaptaçãor: Laurent Gabriel

CervejaAtravés da história humana, os bares foram tanto o lugar da comunidade quanto do espírito guerreiro. É o lugar onde os juramentos são feitos, as idéias trocadas, os planos traçados. As divindades conectadas com a fabricação de cerveja geralmente têm importância no mythos de uma determinada cultura (p.ex. Sekhmet e Ninkasi), ou essa atribuição era ligada a uma divindade importante (p.ex. Thor). Além disso, a cerveja foi usada até como pagamento, como durante a construção das pirâmides do Egito. Sem dúvida alguma ela detém algum tipo de energia “especial”, e certamente é capaz de inspirar estados gnósticos. 

O propósito deste trabalho é triplo: um rito para criar laços, para criar/construir uma egrégora específica para um grupo e para destroçar “verdades absolutas” percebidas sobre si mesmo e sobre os outros participantes. 


Preparação:

Pesquisar divindades relacionadas à cerveja. O ideal seria cada participante trazer o símbolo de uma divindade diferente.

 

Material:

  • Cerveja o bastante para cada participante quase desmaiar.
  • Copos que não quebrem se chocados constantemente. (N.t. A idéia é bater os copos na mesa várias vezes, sugiro canecas de metal.)
  • Papel cortado em pequenos quadrados (1 por participante)
  • (opcional) Um ambiente largo, pouco iluminado e uma mesa grande o bastante para que todos os participantes se sentem.
  • Símbolos das Divindades da Cerveja espalhados no perímetro desta sala

 

O Rito:

 

1. Os participantes se encontram no “Bar”. O local deve estar iluminado somente com velas ou luz de fogo.

 

2. Um Vórtex ou um Raio Gnóstico é direcionado a cada um dos Símbolos das Divindades da Cerveja. (N.t.: Cada participante poderia fazer direcionado ao símbolo da divindade que trouxe)

 

3. Enchem-se os copos.

 

4. O primeiro participante fica de pé, levanta seu copo e foca toda a sua atenção nele.

 

5. O participante faz um brinde para a divindade conectada ao símbolo que ele/ela trouxe. Enquanto ele/ela o faz, os outros participantes devem bater seus copos na mesa e ritmicamente cantar "SIFAM" (transformar).

 

6. Quando o primeiro participante terminar seu brinde, a percussão cessa abruptamente, e todos falam alto:

 

CHOBUZU CHO SIFAM (Que se faça abundância na transformação).

 

7. Todos os copos são virados e enchidos.

 

8. Repetir de 1 a 3 para cada participante.

 

9. Quando todos os participantes tiverem feito seu brinde, todos começarão a se gabar de coisas que fizeram. Todas as regras de etiqueta devem ser descartadas, os participantes devem interromper quando outro estiver falando sempre que possível, e gritar uns com os outros sempre que tiverem vontade.

 

A voz mais alta leva.

 

10. Os participantes devem continuar a beber e se gabar até que cada um esteja próximo de apagar ou vomitar. Nessa hora, cada participante olha para seu pedaço de papel e escreve a primeira letra do alfabeto que vier na cabeça.

 

11. Os pedaços de papel são colocados em uma sacola ou cumbuca e o participante que estiver mais fudido vai pegando eles e colocando na ordem em que foram tirados.

 

12. Este mesmo participante declara:

 

CHO OXO VAWEJ CHAXNY UTHEDUS _______. (A pronúncia mais perto possível das letras tiradas da sacola preenche esse espaço.)

 

("O Nome de Nosso Deus é certamente ______.")

 

13. O participante (que tirou as letras) faz então uma promessa de fazer alguma coisa específica para este novo Deus. A promessa deve ser encarada como uma Declaração de Intento, e o que quer que o participante tenha prometido deve ser encarado com a máxima urgência até que seja feito. É cumprindo a promessa que a nova egrégora ganha poder, e desta forma o grupo e todos seus indivíduos se fortalecerão de alguma forma. 

 

14. Cada participante, um de cada vez, faz um juramento (ou promessa).

 

15. Se os Vórtices tiverem sido abertos, que eles sejam fechados.

 

16. Banimento por gargalhada, vômito, ou apagando.

 

Nota: Seria legal que todos pudessem dormir no local. Certamente ninguém deve voltar dirigindo pra casa, a não ser que queira realmente voltar pro Caos Primal levando alguns junto com ele.


Interessado em magia do caos? Conheça alguns livros a respeito.