Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Magia Sexual Textos Sexuais Magia Sexual Grupal: Magick Tamanho Família

Magia Sexual Grupal: Magick Tamanho Família


Raquel D'Arruda "Bastet"

Minha primeira experiência sexual envolvendo covens Wicca aconteceu 9 anos atrás em um coven antigo em Belo Horizonte, dominado por um homem egoísta e controlador que dizia aos quatro ventos que "para ser um líder neste grupo é preciso ter ego inflado."  Para ser sincera ele nunca se proclamou "líder espiritual" e embora defendesse sexo como uma forma de iniciação, nunca pediu nada as novas adeptas além do tradicional ritual de iniciação. Em muitos casos ele convencia as iniciantes a dormir na sua casa, uma atividade "extra curricular".  Certa noite ele se aproximou de uma recém chegada e ela saiu correndo do acampamento no meio da noite (pouco depois entrou numa Igreja evangélica). Já minha segunda experiência aconteceu  no Coven Freya Mavoris, grupo do qual faço parte até hoje. Inicialmente a magia sexual não era uma pratica oficial mas havia uma "seção privê" aos interessados depois de alguns rituais do grupo. Não sabiamos muito bem o que estavamos fazendo e na prática era sexo grupal sem nenhuma relação com a prática magicka. O ponto aqui é destacar a forma infantil como alguns grupos lidam com Magia Sexual. Apenas com o tempo desenvolvemos uma visão segura e eficiênte do sexo grupal como ferramenta mágicka.

Magia Sexual não é Orgia

A primeira, e talvez, única coisa que o magista deve ter em mente é que magick é mágick, sexo é sexo. O sexo pode ser utilizado como uma ferramenta em um ritual, mas ele passa disso, uma ferramenta. Um ato de magia sexual grupal não deve ser uma mera desculpa para uma orgia. Inclusive se você precisa de uma desculpa para participar de uma orgia você tem problemas muito mais sérios para resolver. Procure casas de trocas de casais ou sites que promovem sexo grupal, acredite essas coisas existem e anunciam, você vai resolver seus problemas sem interferir com gente séria que deseja algo mais do que uma simples experiência. Bacanais deveriam bastar a si próprios, mas um ato de magia sexual grupal deve ser tomado com seriedade, por um grupo de pessoas dedicadas com um objetivo bem definido em mente. O fato de magick trabalhar de forma sinérgica é uma boa razão para um grupo unido se aventurar nesta prática.

Consenso e Conforto

É preciso um consenso. Ninguém no mundo pode obrigar qualquer pessoa a realizar um ato de magia sexual contra a própria vontade. Da mesma forma que simplesmente armar uma orgia, ou mesmo uma trepada com uma única pessoa, não é magia sexual, mesmo que existam pentagramas e cálices espalhados pelo local. Mas vocês devem considerar que para muitas pessoas o comportamento social ensinou que qualquer expressão sexual é errada e pecaminosa por natureza, fazendo até mesmo com que muitas pessoas evitem mostrar sua própria nudez ou sexualidade em público. Então a grande questão que deve ser respondida é: Quão Natural é sua aversão ao sexo grupal?

Um ritual coletivo de qualquer espécie é um assunto de magistas avançados, no caso da magia sexual uma maturidade ainda maior é necessária. Cada participante deve saber como elevar, controlar e direcionar sua própria energia sob o risco de cair na dispersão improdutiva. Todos os participantes devem estar no controle de si mesmos. Em um ritual grupal é absolutamente impossível cruzar barreiras, forçar a barra.. o grupo deve concordar com os limites de cada um antes de iniciarem qualquer coisa. Se alguém faz algo que para outro elemento do grupo é desconfortável, então toda cadeia de energia é comprometida e o ritual se tornará inócuo, uma grande perda de tempo.

Algumas Práticas de Magia Sexual Grupal

Quanto à metodologia não existe muita diferença. Geralmente o grupo pode usar técnicas descritas para o trabalho solo e duplo de magia sexual. Para grupos que estão começando, uma boa idéia é o "círculo masturbatório", pois ele respeita os lilimites auto-impostos de cada um.  Nosso histórico mostrou que esta é curiosamente uma prática muito eficiênte em termos de resultados, mas por algum motivo a eficiência tende a diminuir após algumas repetições.

Com o passar do tempo a tensão gerada pelo círculo não resulta na mesma eficiência, e outras abordagens serão naturalmente exploradas, sem contar que o stress da antecipação de um ritual onde várias pessoas farão sexo passa a ser atenuado, os participantes acabam ficando à vontade com a presença do grupo e quando o passo seguinte se tornar necessário ele virá com mais naturalidade. Uma prática popular intermediária nestes casos é o que chamamos no Freya Mavoris de "Oroboros Completa": uma cadeia de sexo oral que ligue todos os participantes. Cada participante entra em um aordem específica e é recebido em um organismo em crescimento. Além disso é por demais importante estabelecer uma atmosfera amigável de contato e confiança entre todos os membros do grupo. Por esta razão é sempre recomendável preceder o ato mágicko por um grupo de meditação, dar as mãos em círculo ou talvez cantar um mantra em uníssono.

Um alerta que se faz necessário é que diferente do que muitas pessoas imaturas imaginam um ritual sério de magia sexual não é um ritual pessoal de iniciação ao sexo. As pessoas não são modelos depravados ansiosos por roubar a virgindade e inocência dos novos participantes. Quando se fecha o círculo você se verá diante de pessoas normais, com corpos normais. Outro alerta é que em um ritual grupal a pessoa não está em busca de seu parceiro sexual ideal, o objetivo é gerar e direcionar a energia sexual, o orgônio gerado e isso pode implicar que vários membros irão se estimular. Homossexualismo, heterossexualismo, pansexualismo... isso tudo fica para fora da câmera ritual, uma vez que o ritual se inicie todo e cada membro se torna um gerador consciente de energia sexual.

O Papel do Líder

Um grupo grande terá inevitavelmente um líder. Nas experiências que tive é melhor que esta pessoa não participe do ritual, mas seja uma espécie de guia do grupo. O líder deve ser alguém centrado, em com uma atitude saudável com relação a sexualidade. Grupos com tendências sado-masoquistas (como o que participo) verão nisso um fator estimulante ainda maior. O líder deve fazer os banimentos e cuidar do tempo e de todo processo do ritual, fazer as evocações necessárias e canalizar a energia gerada para o objetivo do grupo. Isso dará ao grupo a oportunidade de elevar-se a um nível muito acima do que poderia ser possível sem um coordenador externo, dificilmente um grupo concegue se concentrar e se sincronizar de forma correta. O líder irá de tempos em tempos pedir ao grupo que espalhe a energia criada por todos ou que a direcione e concentre por algum tempo em primeiro lugar. No auge da energia sexual gerada o líder deve levar todos a coordenar o orgasmo do grupo. Por fim, o líder também irá usar sua Vontade dominante para direcionar a energia levantada em direção ao objetivo inicialmente definido.

Importância do Desapego

Por fim, um alerta aos praticantes.  É necessária uma boa dose de desapego. Pessoalmente acredito que casais não devam participar de rituais em grupos, pois já vi alguns se desfazerem em pouco tempo. Embora seja indiscutivelmente diferente de uma mera orgia, um ritual sexual coletivo pode afetar algumas pessoas emocionalmente.  Assim como a prática de Magia Sexual pode aproximar um casal, nenhum grupo passa indiferente pela experiência. Por outro lado, existe a possibilidade de causar complicações nas relações pessoais de alguns dos envolvidos ou mesmo levantar questinoamentos psicológicos que desestabilizem a mente de um praticante não maduro o suficiente. Esta é uma outra ótima razão para primar pela maturidade de todos os envolvidos.


Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.