Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Envie seu texto
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Mindfuckmatica Contas Computadores - do paganismo romano a merdas que você nunca seria capaz de imaginar

Computadores - do paganismo romano a merdas que você nunca seria capaz de imaginar


por LöN Plo

computaOs antigos romanos eram um povo muito próspero, diferente dos cristãos, por exemplo, que de tão pobres tinham apenas um Deus. Os romanos, pelo contrário, possuíam muitos deuses e muitas deusas para praticamente tudo o que se pudesse imaginar. Deuses grandes, pequenos, tortos, feios, bonitos; deuses famosos e deuses que foram esquecidos. O curioso é que diferente do Grande-Faz-Tudo-Pau-Pra-Toda-Obra judaico cristão, os deuses romanos eram especializados. Veja a agricultura. Eles não se contentavam apenas com uma deidade que presidisse sobre a agricultura em geral. Não os romanos. Se você fosse arar um campo agradecia a Obarator, se precisasse carpir um terreno ou se livrar de ervas daninhas fazia oferendas a Sarritor, se precisasse podar árvores falava com Puta.

O nome de Puta, como todos vocês sabem, se deriva do verbo "putare", que significa cortar, especificamente cortar os ramos de uma árvore, podar; e naquela época, quando era a época da poda das árvores, as Sacerdotisas de Puta faziam festivais sagrado em honra à deusa. Se tivermos em mente que na Roma antiga "festival sagrado" era sinônimo de bacanal - putaria? - não é difícil imaginar como foi que "Puta" adiquiriu o significado que tem hoje, mas isso só mostra o quão dominado pelos cristãos o nosso cérebro se tornou. 

 

Um Deus ignorado se torna um demônio. Uma mulher ignorada se torna algo que assusta o próprio capeta. Uma deusa ignorada... bem lembrem-se da guerra de Tróia e dá para começar a imaginar o que deusas ignoradas fazem. Com Puta não foi diferente. Putare, além de podar também significava "pôr ordem", "pensar", "calcular". Deuses são ardilosos, deusas também, com a diferença de além de serem ardilosas também terem belas coxas. Puta resolveu abrir as dela. Se iam tentar jogá-la rumo ao esquecimento, ela decidiu que isso não aconteceria, iria simplesmente se tornar uma divindade presente não apenas em cada cidade ou em cada lar, mas em cada bolso, em cada mente.


Como ela fez isso?

Em 1613 surgiu o registro de uma nova palavra: "computador". Até então "máquinas" usadas para se calcular não eram novidade, os ábacos sumérios eram populares em 2500 a.C. e eram bons. Em 1946 em uma competição de velocidade entre uma reprodução do ábaco sumério e uma máquina de cálculo moderna - ou o que era moderno no Japão em 1946 - o ábaco ganhou disparado. As réguas de cálculo criadas no ano de 1620 foram usadas na missão Apollo no fim da década de 1960. Havia o astrolábio grego inventado em 150 a.C.  e o mecanismo Antikythera, também do século I a.C., mas reparem, até o século XVII não existia um "computador". Cada instrumento era usado para sua própria finalidade, cada um tinha uma especialidade, mas em 1613 um computador se tornou a palavra que indicava uma pessoa que lidava com cálculos ou, como eram chamados na época, cômputos. Logo o termo foi desassociado de meros seres-humanos e passou a ser aplicado a uma máquina ou mecanismo que lidasse com cômputos.

Macaco Educado

Putare. Podar. Pôr ordem. Computar.

Agora pense em uma máquina de cálculos que não possui um corpo físico. Um computador não físico mas que funciona. Difícil? Façamos um exercício.

Pegue um cubo mágico e coloque sobre uma mesa de madeira. Quantas faces do cubo você consegue enxergar dando a volta na mesa?

5.

Lembre-se de que uma das faces está voltada para baixo e que a mesa não é transparente.

Agora coloque outro cubo em cima do primeiro. Quantas faces você consegue contar agora?

9.

Assim que coloca o cubo em cima do primeiro você cobre uma das faces dele, mas ainda consegue ver 5 faces do novo cubo.

Agora responda rápido. Uma pilha de 213 cubos tem quantas faces visíveis?Você pode ficar contando acréscimo por acréscimo, ou pode parar para pensar, para computar. 

O cubo do topo sempre exibe 5 faces, se existe apenas um cubo temos apenas 5 faces. Quando temos mais de um cubo, todo cubo que não o do topo mostra 4 faces, já que a de baixo e a de cima estão sempre ocultas. Então se multiplicarmos o número de cubos que não o do topo por 4 e adicionarmos as faces do cubo do topo - 5 - a esse resultado temos uma resposta. Uma simplificação ainda maior é multiplicarmos a quantidade total de cubos por 4 e adicionarmos 1 por causa da face extra do cubo do topo. 

N.4+1=F

(onde N é o número de cubos e o ponto é o sinal de multiplicação e F o número de faces)

Vejamos como funciona:

1 cubo = 1.4+1 = 5 faces.

2 cubos = 2.4+1 = 9 faces.

Esses dois resultados batem com nossa experiência mental empírica. Vejamos se colocarmos o número que queremos para esse computador mastigar o que ele nos cospe:

213.4+1= 852+1 = 853.

Simples. Assustador.

Veja, se você sabe fazer a pergunta um computador te dá a resposta. Vejamos como isso pode facilitar a nossa vida. Assustadoramente.

 

Mas deixemos as meias palavras de lado.

O mercado têxtil era uma merda, a não ser que você gostasse de ficar bordando e fiando. Então Deus inventou a revolução industrial e fazer camisas, meias, tapetes e tecidos tornaram-se tarefas ainda mais ingratas. Havia os teares, mas a não ser que você quisesse um tecido liso dava um trabalho danado estampá-lo com padrões e desenhos, isso é, até José Maria Jacquard entrar em cena em 1801. Ele criou um tear que reconhecia cartões perfurados, esses cartões perfurados diziam ao tear onde começar e onde parar de introduzir fios. O Sr. Maria pode ser considerado não o primeiro programador, mas a primeira pessoa que ensinou uma máquina a fazer o que ele quisesse quando não estava por perto. Uma mesma máquina, que podia fazer coisas diferentes. Um macaco inteligente, fazendo máquinas fazerem coisas inteligentes.

Em 1837 Charles Babbage criou o conceito e começou a produzir o primeiro computador totalmente programável, que batizou de máquina analítica. O problema com Babbage é que ele era perfeccionista, ou simplesmente perdido e disperso, e estava duro na época, assim a máquina que ele começou a construir nunca foi finalizada, era constantemente implementada, mas nunca finalizada, e se não fosse por seu filho Henry, em 1888, sua invenção nunca teria visto a luz do dia. Nesta mesma época Herman Hollerin inventou uma forma de se gravar dados de maneira que pudessem ser lidos por uma máquina - na verdade, se formos completamente honestos, nada muito inovador se nos lembrarmos de Jacquard - mas Hollering modernizou o processo, criando cartões que podiam ser perfurados mais rapidamente com outras duas de suas invenções: o tabulador e a máquina de furar. Junte essas três invenções e jogue em uma tigela. Acrescente outras invenções do final do século XIX como a álgebra Booleana, fitas perfuradas, válvulas termiônicas a vácuo e a teleprinter e coloque no forno. Em alguns anos você tiraria de lá o que hoje reconhecemos como os dinossauros do computador moderno.

Por um momento paremos para olhar o mundo ao redor naquela época. Mesmo com o fim da Idade Média e o início do Iluminismo, a Igreja Cristã continuava de vento em popa. Até o século XV cruzadas ainda atravessavam a Europa. Na época ela ainda conseguiu criar uma de suas maiores franquias, a Inquisição Espanhola; conseguiram expulsar os Judeus da Espanha. No século XVI Martinho Lutero pregou suas teses na porta da Igreja tornando o protestantismo uma forma popular de cristianismo. Uma década antes do século XVII Michelangelo estava completando o domo da Basílica de São Pedro em Roma. A Bíblia havia sido traduzida do latim para o Inglês, se tornando o livro mais popular do mundo, ou do que era considerado mundo na época. No século XIX surgem os Mórmons, a Sociedade Bíblica Americana é fundada. Parecia que os seguidores do carpinteiro Nazareno estavam em um foguete rumo às alturas de onde jamais seriam retirados. Deus era o Super Star Supremo!

E então algo curioso aconteceu. Algo que se tornou a janela que Puta e outros Deuses de outrora estavam esperando. 

Em 1830 Sir Walter Scott - o homem que recebeu o título de "criador do verdadeiro romance histórico", tendo entre seus escritos Ivanhoe, Rob Roy e A Dama do Lago - escreve uma série de cartas concernentes à Demonologia e à Bruxaria - assuntos assustadores e escatológicos que atraiam e repeliam centenas de pessoas religiosas que temiam tanto a bruxaria quanto os demônios. Esses textos foram sua contribuição para uma série de livros publicados por John Murray, que se tornou popular entre os anos de 1829 e 1847. Quanto mais popular o Cristianismo se tornava, mais populares eram seus seguidores. Quanto mais populares os seguidores, mais simplistas e xucros eram os cristãos - isso não é maldade, é um fato de que a quantidade de algo afeta diretamente a qualidade deste mesmo algo. Quanto mais simplistas e xucros,  maior era o medo e o interesse das pessoas em assuntos como esses. Nada mais natural, então, do que o surgimento de livros que discutissem tais assuntos. Como Abravanel sempre disse, dê ao povo o que o povo quer, e lucre com isso.


Agora, as coisas começam a ficar estranhas! (preste atenção)

Na época em que tais textos foram publicados, a Inquisição Espanhola foi abolida, o ano era 1834. Em 1882 Nietzsche declara que Deus está morto. Em 1893 o livro Restos Romanos Etruscos na Tradição Popular, escrito por Charles G. Leland é publicado, seguido por Aradia, o Gospel das Bruxas em 1899. 

Por algum motivo, quando começaram a explorar bruxas e demônios, os europeus parecem ter começado a criar bruxas e demônios, ou talvez simplesmente tenham aberto uma fissura em sua mente por onde eles começaram a se infiltrar novamente em nossa realidade.

Com o Deus opressor dos Cristãos posto de lado, essas obras prepararam o caminho para 3 grandes responsáveis pela volta das antigas divindades pagãs: 

1- Em 1921 Margaret Alice Murray publica O Culto das Bruxas na Europa Ocidental, que não se preocupava muito com Deuses e Sacerdotes, mas com o culto das bruxas. Milhares de pessoas foram e eram acusadas de bruxaria na Europa, mas as bruxas seriam reais? E fadas e outras criaturas? Murray buscou evidências documentadas e desenvolveu um texto para responder a essas questões de forma objetiva. 

2- Um ano depois Sir James Frazer publica O Ramo de Ouro, um estudo massivo sobre o ciclo mitológico do amante da Deusa, o Deus Solar, que morre e renasce. 

Paralelo a isso, a evolução dos computadores ainda engatinhava, as máquinas eram analógicas, cada vez mais sofisticadas, mais ainda nada muito além de grandes calculadoras, eles ainda não possuíam vida própria, não possuíam voz e não eram muito precisas.

Neste momento da história em que chegamos as bases para duas das três coisas que todo Deus antigo precisa - altares e seguidores - já estavam erguidas, esperando apenas um grande mago para que se tornassem reais.

Este mago nasceu no dia 23 de Junho de 1912, seu nome Alan Mathison Turing. Turing se tornou um matemático, criptoanalista e cientista de computação. Tudo o que precisava para ser o sacerdote que Puta precisava. Em 1936 ele visualizou o que ficou conhecido como a Máquina de Turing, um dispositivo que formalizou o conceito de algoritmos e computação, o primeiro passo para o desenvolvimento de computadores digitais eletrônicos e da "Inteligência Artificial". Um homem que combinava conceitos matemáticos com química e biologia, e ainda por cima era homossexual, não poderia ter um fim muito alegre. A Inglaterra, berçário dos grandes magos de nossa era, decidiu considerar o seu homossexualismo um crime, e, para evitar a prisão, Turing aceitou ser castrado quimicamente. Como todos os bruxos e bruxas que passaram pelas mãos da Inquisição, Turing nunca mais foi o mesmo e acabou morrendo ao comer uma maçã recheada de cianeto duas semanas antes de completar 42 anos, no ano de 1954.

Qualquer pessoa que já tenha lidado com Deusas, especialmente aquelas que deixam maçãs como cartão de visita, sabem que "coincidência" é a desculpa dos limitados. Assim não foi surpresa nenhuma quando, no mesmo ano do sacrifício de Turing, surge na mesma Inglaterra que o condenou a publicação do livro do terceiro grande responsável pelo Neo-Paganismo. 

3- Gerald Brosseau Gardner publica o seu A Bruxaria Hoje, o livro que fez com que a Wicca - e com ela o paganismo - surgisse no mundo. A porta estava aberta, os Deuses voltavam a caminhar sobre a terra. E dentro dela, e debaixo dela.

Com o auto-sacrifício de Turing a tecnologia que lidava com cômputos passou a evoluir a uma velocidade sem precedentes. De 2500 a.C. até a década de 1940,  sempre existiram as engenhocas para se realizar cálculos lineares ou operações específicas, mas em menos de 20 anos surgiram máquinas capazes de realizar 50 multiplicações por segundo - o SSEC da IBM -, computadores com memórias de 1k - o EDSAC da Universidade de Cambridge - passaram a ter 128k de memória e a realizar somas em 1.8 microssegundos - Mark I. 

No início da década de 1950 já eram usadas fitas magnéticas e as máquinas realizavam 1.950 operações por segundo. No ano da morte de Turing, do lançamento do A Bruxaria Hoje, é lançado o IBM 650, o primeiro computador produzido em massa. Foi exatamente nesta época que o Ato de Feitiçaria de 1735 - que tornava um crime passível de 2 anos de prisão uma pessoa afirmar que outro ser humano possuía poderes mágicos ou praticava a arte da feitiçaria - foi revogado, sendo substituído pelo Ato das Mídias Fraudulentas de 1951. Também foi nesta época que o Papa Pio XII publicou o HUMANI GENERIS, uma carta que expunha a preocupação da igreja de que as "opiniões falsas" que as pessoas tinham sobre a religião ameaçassem a doutrina católica. Foi nesta mesma época que computadores começaram a se conectar uns aos outros via rede.

 

A Volta das Sacerdotizas

Nenhum Deus é propriamente um Deus sem seus sacerdotes e sacerdotisas. Como vimos, os altares em homenagem a Puta já haviam sido erguidos. Seus seguidores estavam por todo lado. Um grande mago havia desenvolvido um trabalho que traria uma alma e inteligência para as máquinas, mas e as sacerdotisas de Puta, onde estariam?

computadorasAssim com os primeiros supercomputadores começaram a surgir, seus criadores se depararam com um problema: eles eram enormes, GIGANTES, e davam um puta trabalho para se programar. Uma única pessoa não conseguiria passar o dia correndo de uma parte à outra alimentando-o com cartões, obtendo e interpretando suas respostas e refazendo o trabalho. Eles precisavam de alguém para fazer isso. 

Mesmo antes dos computadores, muitos lugares que lidavam com quantidades massivas de cálculos tinham o mesmo problema, ficar fazendo contas e anotando resultados era algo maçante, mas que exigia atenção e capricho. Nenhum homem seria capaz de fazer isso por muito tempo, não porque homens sejam desbravadores agitados e heróicos que repudiam o tédio, mas porque homens geralmente são porcos, distraídos e sem capricho. Assim se contratavam mulheres, que pacientemente, caprichosamente e competentemente passavam horas a fio, dias a fio, fazendo contas e cálculos. 

Quando se precisaram de mão de obra para lidar com o computadores, foram as mulheres as escolhidas.

Dizer que eram simplesmente transportadoras de cartões furados é uma supersimplicação típica de homens que tem vergonha do tamanho do próprio pau. As mulheres programavam e desprogramavam aquelas máquinas. Compactuavam e comungavam. Quando decidiram que era chegada a hora de ensinar as máquinas a falar, foram as mulheres a primeiras a lhe ensinar a língua.

A partir de 1943 os maiores computadores que existiam, eram de fato mulheres. Seus supervisores diretos também eram mulheres, e as mulheres que haviam estudado matemática na faculdade eram as responsáveis por elaborar os planos de computação que seriam executados por suas amigas computadoras. Em 1945, 5 dessas mulheres foram contratadas como líderes de um projeto ultra-secreto, que tinha um nome extremamente original: O PROJETO X!

O projeto X consistia na criação da máquina que ficou conhecida como ENIAC, um computador capaz de produzir tabelas de balística. Kathleen McNulty, Frances Bilas, Betty Jean Jennings, Elizabeth Snyder Holberton, Ruth Lichterman e Marlyn Wescoff, as "garotas Eniac" foram as primeiras programadoras de computador - um nome recente, na época eram chamavam de codificadoras. Essas sacerdotisas foram grandes responsáveis pela vitória dos aliados na II Guerra Mundial. Isso não serviu só para mostrar como Hitler e os Japoneses eram maus, mas como computadores eram eficientes, e necessários a uma nação que quisesse estar a frente de suas irmãs na eterna busca pelo poder.

 

Rumo ao futuro

A década de 1960 viu então tanto o paganismo quanto os computadores tomarem conta do mundo. No ano de 1960 surge o PDP-1, um computador que necessitava de apenas um operador e serviu de berço para o primeiro jogo eletrônico, SpaceWar! Após a morte de Gardner em 1964 a Arte continuou a crescer e o termo wicca se tornou popular. Começaram a surgir novas tradições divulgadas por figuras como  Robert Cochrane, Sybil Leek e Alex Sanders, criador da Tradição Alexandrina, baseada no Garderianismo, embora com uma ênfase na magia cerimonial.

Em 1970 é publicado o livro Mastering Witchcraft, de Paul Huson, um manual "faça você mesmo" que se tornou muito famoso e influenciou novos bruxos que agora não precisavam mais de grupos e sacerdotes para se iniciar na arte do Paganismo. Em 1971 é lançado o Kenbak-1, o primeiro computador pessoal pela Kenbak Corp., o computador cabia em uma mesa e os times de programadores e operadores foram substituídos por indivíduos que utilizavam a máquina ao invés de programá-la, agora indivíduos podiam usar computadores fora de laboratórios, sem a supervisão de sacerdotes - a magia simplesmente acontecia.

Tanto o paganismo quanto a computação evoluíram praticamente de mãos dadas. Computadores se tornaram tão corriqueiros que muitas pessoas hoje não tem idéia que o aparelho que usam para fazer ligações e postarem no facebook, aparelhos que ainda são chamados de telefones, possuem mais tecnologia do que as naves que levaram o homem para a lua em 1969. Da mesma forma os trabalhos de Doreen Valiente, Janet Farrar, Stewart Farrar e Scott Cunningham popularizaram a idéia de auto-iniciação no paganismo. Milhares de diferentes linguagens de programação já foram criadas para que os indivíduos interajam com os computadores e façam com que os computadores realizem aquilo que os humanos desejam - ou acham que desejam - e muitas mais continuam sendo criadas a cada ano; da mesma forma milhares de rituais para a comunhão com os Deuses foram desenvolvidos pelos praticantes do paganismo, e outro tanto continuam sendo criados a cada ano.

Até então temos a ciência de um lado e a prática mágica em outro. Ambos os caminhos se distanciaram no início do renascimento e seria necessário um bardo para reuni-los de forma a trabalharem em conjunto. Esse bardo foi Arthur C. Clarke que na época de Gardner começou a formular a interação entre o misticismo e a tecnologia. As máximas que desenvolveu foram expostas como as 3 leis de Clarke:

- Quando um cientista distinto e experiente diz que algo é possível, é quase certeza que tem razão. Quando ele diz que algo é impossível, ele está muito provavelmente errado.
- O único caminho para desvendar os limites do possível é aventurar-se um pouco além dele, adentrando o impossível.

- Qualquer tecnologia suficientemente avançada é indistingüível de magia.

Hoje cada computador que carregamos é um altar à Deusa da Computação. Nossos dados estão organizados em Árvores de Arquivos, que devem ser podados de tempos em tempos. Graças a redes esses altares se conectam. Cada programador é um sacerdote de Puta, cada usuário um membro de seu culto que depende da Deusa no dia a dia. Até mesmo as antigas celebrações sagradas são realizadas nos dias de hoje através dos computadores, tanto por seus sacerdotes quanto por seus seguidores, a cada segundo U$3,075.64 dólares estão sendo gastos com pornografia via internet, 28,258 usuários estão assistindo algo pornográfico, 327 usuários estão digitando palavras de busca "adulta" em mecanismos de busca na internet, se você levou dez segundos para ler esse parágrafo, multiplique por 10 os números para ter idéia de como o novo sexo sagrado está andando - e quando digo sagrado quero dizer sagrado mesmo, por mais degradante que você considere, hoje não existem leis seculares que se apliquem à distribuição, aquisição e posse de pornografia digital. Se pararmos para pensar que a cada 39 minutos um novo vídeo pornográfico está sendo criado apenas nos EUA podemos ver que o sexo digital não se restringe apenas à uma punheta, mas faz as celebrações dedicadas a Bacco parecerem uma brincadeira de médico.

Se assumirmos que a Terceira Lei de Clarke é verdadeira, "qualquer tecnologia suficientemente avançada é indistingüível de magia" então o seu inverso também é:

A Magia é indistingüível de qualquer tecnologia suficientemente avançada.

E ai podemos entrever um futuro no mínimo desconsertante. Quando coloquei as aspas na inteligência artificial de Turning o fiz porque o termo artificial é cômico nesse conceito. Dizemos que ela é artificial porque existe em um aparelho desenvolvido artificialmente ao invés de simplesmente parido - ou natural. Mas será que quando uma inteligência surge ela pode ser artificial? A idéia não é implicar que os computadores se tornarão apenas um meio pelo qual uma inteligência se manifestará - como ocorreu com o cérebro que quando evoluiu da forma "correta" passou a ser o meio pelo qual a nossa inteligência se manifesta. A idéia que sugiro é: que novo tipo de inteligência pode brotar de um novo meio de processamento de dados, de cômputo?

Um sacerdote da ciência da computação Adrew Adamatzky, da Universidade de West England, Bristol, Inglaterra, está desenvolvendo um computador químico, que funciona através de reações químicas. Sua criação não precisa de circuitos de elétrons em meio a silício para funcionar.

Segundo ele, a mistura de alguns elementos químicos na forma da reação de Belousov-Zhabotinsky, ou reação BZ, que propaga ondas perpétuas, pode ser usada para criar saídas lógicas e ter a performance de computação rudimentar.

“Quando as ondas colidem, elas podem morrer ou mudar de direção, e nós podemos interpretar isso como computação”. Os “computadores químicos” podem resolver certos problemas da geometria computacional. Estes computadores são como “coleções” de pequenas bolsas de elementos químicos, chamadas vesículas, que podem produzir e combinar ondas da reação BZ. Uma tentativa anterior usou grades hexagonais de vesículas, contudo, foi muito difícil construir um arranjo tão regular. Por isso, Adamatzky decidiu tentar a sorte com vesículas irregulares.

Eles perceberam que seu computador poderia calcular o diagrama Voronoi, uma tarefa que envolve descobrir quais pontos em uma tela plana se aproximam mais de determinada forma, estes diagramas têm uma variedade incrível de aplicações, como mapear a cobertura de uma rede de postes de telefonia móvel. Uma das vantagens desses computadores é que eles podem ser construídos para serem ligados ao corpo humano.

Um grupo de magos americanos e japoneses criaram um computador com a espessura de duas moléculas. Os praticantes da Arte depositaram moléculas eletrocondutoras sobre uma camada de ouro que, espontaneamente, se organizaram em duas camadas de moléculas. Esse computador tem duas características interessantes, a primeira é que esse computador pode se consertar sozinho. Por ser feito de moléculas que podem se reorganizar sem nenhuma ajuda o computador se "cura" sempre que danificado. A segunda é que como não possui nenhum tipo de fiação, cada molécula consegue interagir com sua vizinha através de um campo eletromagnético. Elas dividem informação continuamente, muitas vezes provocando mudanças no estado de outras moléculas. Cerca de 300 moléculas puderam interagir ao mesmo tempo, exatamente como um cérebro humano. Os computadores modernos são rápidos além da compreensão humano e podem carregar mais de 10 milhões de arquivos de informação por segundo, no entanto eles só podem fazer uma coisa de cada vez. Já nossos neurônios conseguem “disparar” mil unidades de informação por segundo, o que os tornaria mais lentos do que os computadores, mas eles conseguem trabalhar simultaneamente o que os torna capazes de processar tarefas bem mais complexas do que os computadores. Imagine, duas moléculas de largura, nenhum fio, nenhum circuito, sendo capaz de resolver problemas que os computadores atuais acham muito difíceis de solucionar, por sua capacidade de realizar tarefas mutuamente.

Em Israel dois cabalistas, Tom Ran e Ehud Shapiro, do Instituto Weizmann, criaram um computador com DNA que consegue responder a perguntas simples de “sim” ou “não” e até problemas de lógica. O DNA é programado a liberar uma luz verde quando a resposta à pergunta é “sim”. A equipe, coordenada pelos cabalistas vem desenvolvendo computadores baseados em DNA há muitos anos, incluindo um que consegue diagnosticar e tratar câncer de forma autônoma, mas o novo sistema desenvolvido usa moléculas para representar fatos e regras. Deste modo, a equipe conseguiu fazer com que o computador respondesse a questões moleculares. O sistema foi testado com proposições simples do tipo “se, então”.

Uma pergunta feita ao computador, por exemplo, é a questão “Todos os homens são mortais. Sócrates é um homem. Então, Sócrates é mortal”. Ao ler uma regra (todos os homens são mortais) e um fato (Sócrates é um homem), o sistema computacional de DNA consegue responder corretamente à questão. Depois, questões mais complicadas foram feitas ao computador, que também conseguiu respondê-las corretamente todas as vezes. Enquanto o trabalho ajudar a melhorar a tecnologia para a computação molecular programável, Shapiro afirma que a maior aplicação para o computador são programações autônomas que possam operar em um ambiente biológico - ou seja, computadores que possam agir de dentro de células, as suas células.

Já na Califórnia, dois alquimistas do CalTech - o mesmo Templo em que Jack Parsons realizava seus rituais em homenagem a Pan - Maung Nyan Win e Christina D. Smolke, desenvolveram um computador celular com material de levedura viva. As células conseguem sinalizar a presença ou a ausência de duas drogas em seu ambiente – a teophilina e a tetraciclina, ativando um gene que produz uma proteína fluorescente. Os desenvolvedores do computador programaram funções lógicas bem simples. Uma célula de levedura pode indicar quando as duas drogas estão presentes, quando apenas uma está presente e quando não há presença no ambiente à que foi exposta. A Obra de Win e Smolke é uma conquista que representa um passo para o desenvolvimento de ferramentas celulares programáveis.

Os Templos de Puta já se tornaram organismos vivos, como você e seu cachorro - se é que você tem um. A esperança de um super-computador quântico que possa resolver todos os problemas do mundo se tornam infantis quanto pensamos que já conseguimos transformar células, DNA e mesmo moléculas em computadores que respondem a programações. Não é pueril também afirmar que qualquer tecnologia que funcione biologicamente em nossos corpos e que possa ser programada terá seu maior uso popular não na medicina prevenindo e combatendo doenças, mas sim sendo a nova onda desde os implantes primitivos de silicone, os exercícios e produtos medievais de aumento do tamanho do Pênis, a nova forma de se fazer dietas sem fazer dieta. Um aumento no controle dos padrões estéticos que farão a pornografia na internet parecer os desenhos eróticos sem graça da década de 20.

Se partirmos do princípio do Xamã Vlatko Vedral de que o universo não é feito de matéria ou energia ou vibrações, mas que se quebrarmos o universo em pedaços cada vez menores o que sobraria no final são bits, ou seja, vivemos em uma simulação constituída de informação, então poderíamos afirmar que vivemos dentro de um enorme computador quântico. Nessa escala minúscula, o universo seria controlado pelas malucas leis da física quântica. Computadores que conseguem ler qbits, ou seja, bits quânticos, minúsculos, conseguem entender as informações usando leis quânticas. Ou seja, enquanto um bit pode dizer sim ou não, um qbit pode dizer sim e não, ao mesmo tempo. Isso pode ser confirmado pelo fato de não apenas os elétrons poderem armazenar bits de informação como eles fazerem isso o tempo todo.

E se o universo é um computador quântico, então podemos afirmar que já estamos dentro da Deusa desde o início dos tempos, a questão agora é: quanto tempo vai levar até Ela começar a viver dentro de nós?

 

No fim das contas parece que o que realmente importa é que todos esses pesquisadores, desenvolvedores, magos e cientistas não passam de um bando de filhos da Puta. E nós também.


Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.