Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Miscelânia Textos Diversos 23 Razões para Agradecer (de joelhos) aos Católicos Bebidas Alcoólicas

Bebidas Alcoólicas


23 Razões para Agradecer (de joelhos) aos Católicos

Papa cerveja“Do suor do Homem e do amor de Deus veio a cerveja ao mundo"
- Santo Arnaldo, sec VI

Esta pode ser uma razão polêmica e na verdade não vai agradar os mais puritanos. Mas a verdade é que a Igreja não é contra a bebida alcóolica, e sim contra seu abuso, basta ver que o primeiro milagre de Cristo foi transformar água em vinho, e não o oposto. No catecismo 2290: A virtude da temperança leva a evitar toda a espécie de excessos, o abuso da comida, da bebida, do tabaco e dos medicamentos. Aqueles que, em estado de embriaguez ou por gosto imoderado da velocidade, põem em risco a segurança dos outros e a sua própria, nas estradas, no mar ou no ar, tornam-se gravemente culpados. "Não é o álcool que envergonha o homem, mas, ao contrário, é o homem quem envergonha a bebida" diria G. K. Chesterton. Fica claro que não é o uso, mas o abuso do álcool que causa seus males. Abuso esse no fundo é uma modalidade da Gula.

Esse preâmbulo foi necessário porque a grande verdade é que as bebidas alcoolicas só temo status que tem hoje graças a atuação direta do catolicismo.

O vinho, por exemplo, sempre simbolizou alegria para o povo de Israel, e essa simbologia foi universalizada para todos os povos logo no primeiro milagre contado pelas Sagradas Escrituras, e imortalizada como o sacramento da comunhão na Última Ceia, revivida em cada missa celebrada. Não é de se espantar portanto que após um período de obscuridade do fim do Império Romano, a produção de vinhos tenha renascido, se desenvolvido e se aprimorado nos vinhedos que existem até hoje em mosteiros franciscanos, beneditinos e cistercienses.

Mas a queda de Roma também serviu para disseminar o consumo da cerveja, e a Igreja teve um papel importantíssimo na sua história graças ao chamado renascimento carolíngio. Os padres perceberam logo sua popularidade e alguns mosteiros buscaram maneiras de se especializarem sua produção. No início da idade média fazer cerveja era uma tradição envolta em mistério. Os pagãos não tinham uma idéia exata de sua preparação, sabiam apenas que se misturassem alguns ingredientes a cerveja poderia aparecer. Foi pelo esforço dos padres e monges da baixa idade média que aos poucos o domínio da técnica de preparação se estabeleceu e nasceram os mestres cervejeiros. Santo Arnaldo, foi um destes homens, e  ganhou o título de padroeiro da cerveja pois em seus sermões incentivava os camponeses a bebê-la no lugar de água dadas as baixas condições de higiene da época e pelos processos de purificação envolvidos na preparação. De fato, até o século XII, se você quisesse uma boa cerveja, teria que bater nas portas de um monastério.

Hoje dificilmente você entra em uma cervejaria européia que não possua um santo padroeiro ou crucifixos nas paredes. Outra prática comum era o uso da estrela de davi nas marcas, as primeiras cervejas procuzidas no brasil traziam todas a estrela de seis pontas nos rótulos.

Os frades  franceses nos deram o champagne. Chartreuse ainda é feita pelos monges cartuxos. Jägermeister esta sob eterna patronagem dos de Santo Hubertus e Santo Eustacio. Os monges beneditinos da Abadia de Buckfast, na Escócia, criaram um “vinho tônico" Buckfast Tonic Wine e o próprio nome e embalagem do Frangelico deixa claro suas origens franciscanas.

Existem até blogs católicos que se dedicam a analisar e fazer reviews de cervejas. O amor dos Católicos pela bebida é tanto que no Rituale Romanum, o livro de rituais oficiais da igreja, possui uma bênção para a cerveja, endossada pelo papa:

P. Abençoado seja o nome do Senhor.
T. Criador do céu e da terra.
P. Que o Senhor esteja convosco.
T. e com teu espírito.
Vamos rezar.
Abençoa, + ó Senhor, esta criatura de cerveja, que tu se dignou a produzir a partir da docura do grão: que ela se torne um remédio salutar para a raça humana, e conceda, através da invocação de Teu santo nome, para que, quem quer que beba, saúde do corpo e uma salvaguarda segura para a alma. Através de Cristo, nosso Senhor. amém
Para os mais puristas segue o original em latim:
V. Adjutorium nostrum in nomine Domini.
R. Qui fecit caelum et terram.
V. Dominus vobiscum.
R. Et cum spiritu tuo.
Oremus.
Bene+dic, Domine, creaturam istam cerevisae, quam ex adipe frumenti producere dignatus es: ut sit remedium salutare humano generi: et praesta per invocationem nominis tui sancti, ut, quicumque ex ea biberint, sanitatem corporis, et animae tutelam percipiant. Per Christum Dominum nostrum. Amen

Além disso, se você vive no ocidente e pode beber qualquer bebida alcóolica, lembre-se de agradecer aos Cruzados pelo fato de não estarmos sob a proibição islâmica de seu consumo.





Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.