Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Miscelânia Textos Diversos A improvável história do macaco que virou gente

A improvável história do macaco que virou gente


Tamosauskas

Macaco lindo

Em algum momento entre o período Paleolítico Médio (antes de 40 mil anos) e o Paleolítico Superior (40 mil anos atrás em diante) algo de extraordinário aconteceu.

Algo tão surpreendente quando o próprio surgimento da vida na terra ou do próprio nascimento do universo e suas leis. Mas assim como o Cosmos e a Vida este algo está tão presente que, como a água que não é enxergada pelos peixes que nadam nela, também passa desapercebida por nós, que raramente questionamos o que é ou de onde vem. 

Este período, que antecede e prepara a Revolução Neolítica, é claramente tão mais diferente e bizarro de tudo o que houve antes que faz a explosão do cambriano parecer um passeio no parque. 

Antes, dele, por muitíssimo tempo, vivíamos não muito diferente de qualquer outro primata de cérebro razoavelmente desenvolvido. Nossa única preocupação era nos manter vivos e nos reproduzir. Por dezenas de milhares de anos usamos as mesmas ferramentas simples de pedra e nos escondemos nos mesmos buracos em montanhas. Mas então algo aconteceu, começamos a apresentar um comportamento único. 

Esse período marca o nascimento da arte, da guerra e da religião. Começamos a fazer rituais, praticar magia e a enterrar os mortos . Onde antes só haviam conchas começamos a fazer colares e criamos moedas de troca. Onde antes só havia cavernas começamos a fazer pinturas dos céus e dos animais e dos deuses. E mais importante ainda, onde antes só havia pedra começamos a fazer estátuas de mulheres peitudas peladas. Foi quando nasceu a Inteligência.

Não me refiro à inteligência cotidiana e vulgar, essa sempre existiu tanto em nós quanto em praticamente tudo o que existe. Assim como nos antepassados dos cães, sempre que alguém maior, mais forte e com uma voz mais alta ordenava SENTE, nós nos sentávamos. Tínhamos a mesma noção aritmética de pássaros e outros mamíferos. Também conseguíamos prever as estações e migrar ou nos proteger de acordo. Quando falo do Nascimento da Inteligência falo daquilo que nos separou de praticamente todas as formas de vida nativas deste planeta. Falo daquilo que até hoje é motivo de discussão entre macacos que conseguiram diplomas: "o que nos diferencia dos outros macacos?". Ora, são os diplomas!

A primeira coisa curiosa quando tentemos responder essa questão é o período em que esta explosão cultural da macacada aconteceu; Pois embora o Homo Sapiens tivesse atingido o pico de sua modernidade anatômica cerca de 200 mil anos atrás foi só a 40 mil anos que aparentemente adquirimos uma mente moderna. Trocando em miúdos: se é nosso cérebro que nos permite usar o fogo para cozinhar a carne e o computador para criar o jogo de Tetris, por que passamos mais de 150 mil anos com o mesmo cérebro e corpo que temos sem nenhuma grande inovação, vivendo praticamente como um animalzinho social não muito mais esperto do que os outros que nos rodeavam? Não quero com isso dizer que o nascimento da cultura humana aconteceu do dia para noite e que não houve nenhum a evolução no período anterior. Contudo é inegável que alguma coisa aconteceu em nossas mentes, algo que se acendeu em nossos cérebros apenas depois de 150 mil anos de ócio e tédio e que nos fez dominar o fogo, a pesca e a pornografia.

 

Espertos para a idade

 

Os antropólogos de hoje, graças ao registro fóssil existente, conseguem desenhar os estágios da pré-história humana, mas são incapazes de explicar qualquer coisa além disso, como por exemplo, o momento do nascimento ou a causa para este fenômeno acontecer. O melhor que podem fazer é dizer coisas como "O homem desenvolveu sua inteligência porque isso era necessário para sua sobrevivência". Vamos dissecar esta idéia, preparem-se pois a cena pode não ser muito bonita.

De acordo com essa teoria os proto-homens não possuíam velocidade, força, dentes e garras ou outros atributos necessários a sobrevivência. De acordo com o Cânon da Genética Moderna, Mutantes com mais inteligência teriam mais chances de sobreviver, procriar e sustentar seus descendentes, enquanto os grupos menos inteligentes seriam eliminados no processo. Este processo repetido por cinco milhões de anos resultou no homo sapiens que conhecemos hoje. A este cânon damos o nome de teoria antropogênica.

Pois bem, existem pelo menos três problemas com a crença antropogênica moderna. O primeiro deles é esta dependência do tempo. Algum cientista deve ter deixado um prato de comida, digamos um sanduíche de aliche, em cima de sua mesa de trabalho durante o fim de semana e, quando voltou para o escritório dias depois, descobriu que aquilo havia praticamente ganhado vida. Se alguns dias são o suficiente para transformar um delicioso sanduíche em algo pavoroso, peludo e verde, com certeza um macaco esperto depois de cinco milhões de anos se tornaria um humano como nós. Mas cinco milhões de anos é um período grande o bastante para qualquer coisa se transforme em qualquer outra coisa. Além disso os antropólogos dirão que o processo inteiro deve ter demorado cerca de cinquenta milhões de anos pois o despertar da inteligência seria lento e gradual e não do dia para a noite. 

Se criamos cérebros porque não tínhamos garras e presas não seria muito mais prático criar garras e presas? Por que viramos nerds e não gorilas?

O segundo problema é que o proto-humano era apenas um entre muitos animais lutando para sobreviver a cinco milhões de anos. Se seu cérebro cresceu tanto pelo processo de seleção natural por que o de outras criaturas não se desenvolveu da mesma maneira? Se isso é verdade, então por que não temos por ai outros humanos que evoluíram de outros animais sem velocidade, garras e força? Por que além de humanos que vieram do macaco não temos humanos que evoluíram de gambás, de Guaxinins ou de Ratos do Campo? 

O registro fóssil mostra que o cérebro das outras criaturas permaneceu praticamente do mesmo tamanho enquanto que a cavidade cerebral do ser humano quase dobrou entre o Pitecantropus Erectus e o Cro-Magnon em um pulo de de 900 cc para 1700 cc. Se a seleção natural e a evolução são processos cegos e aleatórios, deveríamos ter mais algumas espécies apresentando a mesma evolução. Mas mesmo outros mamíferos de cérebros grandes como os paquidermes não mostram um crescimento expressivo entre os mamutes e os elefantes de hoje, por acaso eles também não precisaram lutar para sobreviver?

Uma terceira problemática surge quando aplicamos um dos bastiões do próprio Darwinismo. A regra de que a natureza sempre escolhe o caminho mais fácil, ou seja, a regra de que a seleção favorece as adaptações mais simples e econômicas em lugar das mais complexas e custosas. Isso é tão importante que vou rescrever de forma de que até mesmo eu possa entender: Tudo o que existe necessita de energia para existir. Um ovo largado em um balcão não vira uma omelete do nada, é preciso que energia seja aplicada ao ovo, seja essa energia um cozinheiro ou um terremoto que o faça rolar e cair dentro de uma frigideira que está no fogo. Da mesma forma uma semente não vira uma árvore sem energia. Um feto não vira um animal adulto sem energia. Você não consegue se levantar da poltrona e ir ao banheiro sem energia. De acordo com o Darwinismo, se você mora a uma quadra de uma padaria e precisa de pão, você sai de casa e ruma para a padaria usando o caminho mais curto, ou seja, a linha com a distância de duas quadras, ao invés de ir na direção oposta onde teria que dar a volta ao mundo para chegar nela, porque isso faria a energia gasta não compensar o pãozinho que você precisava. Da mesma forma, qualquer mudança evolutiva que ocorra segue a lei do uso mínimo de energia: uma girafa não precisa de um pescoço retrátil, precisa de um pescoço grande. Não é estranho termos gasto uma quantidade enorme de energia para desenvolver um cérebro capaz de criar computadores e compor sinfonias quando tudo o que precisávamos era nos manter vivos e procriar?

Não há explicações dentro da mera seleção natural que justifique a evolução da inteligência, porque ela mesma (a evolução) não é nada inteligente. A seleção natural não é e, de acordo com darwinistas, geneticistas e os outros istas diplomados, não pode ser criativa - caso isso acontecesse teriam que começar a sustentar a idéia de uma criatividade existente antes da vida surgir, que está presente em todos os lugares e é responsável por tudo o que acontece, e como sabemos esses istas não se sentem muito confortáveis com este tipo de idéia. Ela apenas age no sentido de promover ou eliminar as mutações que surgem aleatoriamente. Desta forma ela não chega a ser um processo ativo ou dinâmico, apenas a confirmação de que uma espécie continua viva enquanto outras não. Poderíamos então tentar admitir, para nossa sanidade, que algum evento de especiação estritamente neurológico e estritamente focado ocorreu há cerca de 40 mil anos e que fez surgir uma entidade nova, com capacidades cognitivas únicas e simbolicamente expressiva. O problema com essa teoria é que a escala de tempo que resta até digamos o Neolítico, não nos permite isso. Pois isso exigiria que uma nova espécie humana fisicamente idêntica, mas intelectualmente superior aparecesse e começasse a se disseminar por todo velho mundo e eliminasse totalmente a espécie predecessora em um período muitíssimo curto de tempo.

 

Essa boa vida vai te te transformar em um molengão

null

Um Homo Sapiens já evoluído tentado sobreviver a um ambiente hostil valendo-se de suas novíssimas e custosas mutações cerebrais morreria muito antes de seu infinitésimo acréscimo de inteligência lhe dar alguma vantagem competitiva. 

Sim, caros ouvintes, é isso mesmo. Até hoje, todas as explicações que temos para sermos capazes de nos reconhecer em espelhos, de questionarmos "quem sou eu?", de usarmos calças é a de que nosso cérebro se desenvolveu para que sobrevivêssemos ao meio ambiente hostil. Mas faça um teste simples: pegue um amigo seu - um homo sapiens moderno que tem a vantagem de cinqüenta mil anos de evolução cerebral - e coloque dentro da jaula com um leão. Para deixar o experimento mais próximo da realidade dê a seu amigo todos os materiais que teria acesso durante o Paleolítico Superior. Depois forneça um anti-ácido ao grande felino. Se o a mente racional é tão poderosa que um pequeno crescimento dela valeria mais do que a força bruta por que ela ainda sucumbe à força bruta?

Na verdade conforme nossa inteligência tornou nossa vida mais fácil, nos tornamos ainda mais fracos e vulneráveis fisicamente. Nossa vida é confortável e longa porque nossa inteligência nos permitiu produzir remédios e nutella de ovomaltine. Mas arranque essa inteligência e a humanidade estaria extinta em poucas gerações ou ainda pior nossa inteligência está tão pouco ligada à sobrevivência que se amanhã houver uma explosão solar que causa um pulso eletromagnético grande o suficiente para fritar todo e qualquer circuito elétrico da face da terra, nos veríamos em um planeta sem dinheiro e sem computadores, por quanto tempo acha que você conseguiria sobreviver? Por causa de nosso cérebro a evolução natural do resto do nosso corpo não só foi desacelerada mas invertida como mostra este estudo. A regra da natureza é uma constituição física cada vez mais forte e uma fisiologia cada vez mais imune as doenças. Novamente nós fugimos à regra.

Desta forma, mesmo que queiramos acreditar na explicação padrão de que a inteligência é fruto da evolução natural somos obrigados a admitir que a adquirimos de uma maneira que foge completamente aos padrões evolutivos aceitos hoje. Somos uma verdadeira aberração na natureza. O surgimento da inteligência é algo tão improvável quanto o surgimento da vida e do universo. Entretanto aqui estamos nós nos questionando, vivos, no universo. 

Mas um cérebro grande aliado a um polegar opositor é realmente tudo o que precisamos? Temos alguma prova de que foi nosso poderoso poder mental que nos permitiu chegar onde chegamos? Como já foi dito no começo do artigo nosso cérebro já estava pronto cerca de 150 mil anos antes da inteligência aparecer, incluindo o tamanho do nosso cérebro, nossa estrutura vocal complexa e nosso polegar opositor. Além disso, temos um registro histórico que nos deixa claro que existe algo além nessa história. Quando os Tasmanianos foram contatados pelos europeus no século XVI eles não tinham descoberto o fogo, não tinham escrita, crenças, nem qualquer conceito de música. Era cerca de 1600 depois de cristo, mas isolados do resto do mundo eles não tinha sequer desenvolvido ferramentas feitas de pedras. E eles tinham o mesmo cérebro e corpo que o nosso e muitas, muitas pedras.

Por outro lado sabemos de casos de macacos que aprenderam a falar a linguagem de surdos mudosproduzir ferramentas e jogar video-games. Curiosamente, em todos os casos de sucesso não foi feito um esforço concentrado para aumentar a inteligência dos animais, mas simplesmente eles foram colocados em um ambiente onde a linguagem e a inteligência eram usados ao seu redor. Quando isso aconteceu cada um destes estudos mostrou que a inteligência têm algo de contagioso. Mas quem teria nos contagiado?


Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.