Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Miscelânia Textos Diversos maldições História das Maldições

História das Maldições


O Grande Livro das Maldições

ahhhhhhhDedicamos grande parte da vida a lidar com nossa maldição, a jogar com as cartas que nos foram dadas que não são boas. Isso nos tranforma em monstros ou conseguimos encarar isso de forma serenam ou aindam aceitamos esse fato e simplesmente seguimos com a vida?

O autor da frase acima é o pai de um dos monstros mais conhecidos do cinema - ou que na minha humilde opinião deveria ser o monstro mais conhecido do cinema. Não tenho condições de afirmar até onde Wes Craven realmente acredita no que disse, se é de fato tão fatalista ou, de um ponto de vista cínico, tão realista quanto às vezes ele deseja aparentar ser, claro que estando envolvido com o cinema de horror, essa aura lhe cai bem, mesmo que apenas como forma de marketing de seus produtos, mas algo que qualquer um pode constatar é que ele há dácadas lida como poucos com maldições.

Se de fato dedicamos grande parte da vida a lidar com elas, ou simplesmente fazemos tempestades em copos d'água não há como negar que, de uma forma ou outra, as maldições estão presentes ao nosso redor, quer queiramos ou não. Mas ao que parece são poucas as pessoas, se é que existem, que param para pensar nelas. As maldições sempre existiram? São reais? Precisam de pessoas para existirem ou tem uma vida independente? Ela pode ser arremessada para se atingir alguém, ou colocada em um prato de comida apra ser ingerida? É mera crendice ou um vírus que não se reproduz em meio físico?

Pegue dicionários e o consenso geral é de que uma maldição é algo especificamente ruim. Algo associado ao sofrimento e à desgraça. Isso por si só levanta algumas questões interessantes. Deixando de lado por um momento a legitimidade de uma maldição, é curioso ver que ela serve, de uma forma ou de outra, como uma arma ofenciva. No primeiro episódio da série Mr. Deity [www.mrdeity.com], vemos Deus, o Senhor Deidade, conversando com seu engenhrio chefe, logo após a criação do universo e decidindo sobre que males permitiriam, ou Deus permitiria, que existissem em sua criação, e de acordo com a ata da última reunião viram que Deus havia chegado à conclusão de que não permitiria que as pessoas machucassem uma às outras usando apenas o pensamento. A conversa seguia então mostrando como, apesar do que parecia ser uma primeira decisão sábia, Deus permitia então que outros males como terremotos, guerras e síndrome de Down existissem. Como já se é possível imaginar o programa, criado para a internet, consistia de uma série de quadros satíricos curtos parodiando vários aspectos da religião - essencialmente o cristianismo. O ponto discutido brevemente neste episódio é interessante porque, humor ateu posto de lado, as pessoas tem um ímpeto de querer causar a desgraça a outros e se pudessem usar apenas a mente para isso estariam ainda mais satisfeitas. Você com certeza já viveu momentos da vida quando imaginou como seria bom conseguir descascar uma pessoa como uma banana, tirando fatias de pele e a deixando no chão, sem ter que sair de casa ou sujar as mãos. Quem aqui nunca teve um momento em que pensou "como eu gostaria que fulano morresse gritando em chamas enquanto anões tortos mijam na boca dele" que atire a primeira pedra. 

Este primeiro episódio de Mr. Deity é engraçado neste aspecto, porque se por um lado tenta mostrar a "insensates" que Deus seria, comparando um mal absurdo como matar alguém com a mente com males aparentemente mais cruéis como doenças degenerativas, catástrofes da natureza e Celine Dion, por outro ele passa batido, como aparentemente toda a nova leva de ateus céticos agnósticos, por um ponto interessante. Nós vivemos em um mundo onde pessoas maltratam, machucam e mesmo matam outras usando apenas a mente. Através de rituais sociais, como o ostracismo e o preconceito, através de rituais profissionais, como "fazer a caveira", "fritar" ou "puxar o tapete" de alguém, através de rituais psicológicos, como minar a confiança e auto-estima de alguém. Em novembro de 1992 uma adolescente de 13 anos, Megan Taylor Meier, se matou por causa de conversas com um garoto inexistente através da rede social MySpace. Claro que em todos esses casos existe ao menos uma forma de comunicação, são necessarias ferramentas, contato entre o atacante e a vítima, e o ataque não acontece em um plano inteiramente mental. E em todos os casos eles necessitam de certa repetição, a pessoa que ataca tem que manter o ataque por um certo tempo. A menina que se matou passou incontáveis horas conversando com o garoto, e dificilmente você consegue quebrar mentalmente uma pessoa com apenas um insulto. Imagine como seria se você pudesse fazer um alto executivo de sucesso perder tudo o que tem simplesmente passando ao lado dele e dizendo: FRACASSADO!

Uma maldição teria este poder. Mas isso nos faz voltar ao ponto anterior de questionar se uma maldição é algo real.

Os responsáveis pelo que chamamos hoje de maldição é um grupo que faria Wes Craven parecer um vendedor de cocos nos farois do Alasca. Eles foram os criadores dos maiores monstros da história da humanidade, e não apenas do cinema. Eles criaram as dimensões mais assustadoras, as torturas mais inimagináveis, os monstros mais bizarros, e diferente do Freddy Krueger de Craven, fizeram as pessoas de fato acreditarem no que inventaram.

A palavra "maldição" tem sua origem no latim, em duas outras palavras: male, “mal” e dicere, “dizer, falar”. Juntas elas significavam mal dizer alguém, ou seja, falar mal de alguém. "Fulana é uma vagabunda!", "Beltrano é um cafajeste!" Pronto acabamos de mal dizer duas vezes. Isso de fato poderia afetar a vida da pessoa, mas apenas se o maldicere fosse sustentado pela máquina da fofoca. Mas então vieram os cristãos, e a coisa ficou feia. Com o cristianismo maldizer alguém se tornou sinônimo de execrar alguém - e execrar por sua vez também é composta por outras duas palavras latinas: ex, “fora”, e sacer, “sagrado”. Com o cristianismo alguém maldito era alguém afastado do sagrado, e tudo o que se afasta do sagrado é considerado detestável e ruim, no mínimo. 

Mas de onde surgiu um salto tão grande? De alguém cujas pessoas falavam mal para alguém que recebeu o pior castigo e foi afastado de tudo o que é bom e decente? Vamos dar uma olhada na Bíblia para isso.

O oposto de uma maldição é uma benção (do Latim BENEDICTIO, “ato de abençoar”, de BENE, “bem”, mais DICTIO, de DICERE, “dizer”); e diferente do que a maioria das pessoas, e talvez mesmo você, pensa, uma benção não é apenas algo que se possa sair dando por ai. Uma bênção, originalmente era um dom sobrenatural, como meio de salvação ou satisfação. É considerado um dom sobrenatural porque viria direto de Deus, e não pode ser usado por ai, "abençoo você, sua família, seu carro e seu cachorro! Próximo... abençoo você, sua filha, sua mãe, etc..." porque a bêncão é muito mais do que simplesmente falar, é um dom que é passado adiante. Isso fica claro no episódio do Gênesis, todo o capítulo 27, quando Isaque em sua velhice, estando praticamente cego, chama Isaú e pede que ele vá caçar e prepare um guisado para que o próprio Isaque comece e então sua alma pudesse abençoar Isau na face do Senhor antes que morresse. O problema é que a mãe de Isau, mulher de Isaque, ouviu a conversa e achou que seria melhor que a bênção fosse para Jacó, irmão de Isaú. Resumindo a história ela preparou um guisado, vestiu Jacó com as roupas do irmão, tomou conta de certos detalhes que os diferenciaram mesmo para um homem cego e o mandou levar a comida para o pai moribundo. Resultado da história, Jacó recebeu a bênção no lugar de Isaú. QUando Isaú voltou da caçada e levou o guisado para o pai descobriu que haviam lhe passado a perna e pede ao pai: "Abençoa-me também a mim, meu pai!" ao que Isaque responde: "Veio teu irmão e com sutileza tomou a tua bênção." Isaú se desespera e depois de curto diálogo pede de novo: "Porventura tens uma única bênção, meu pai? Abençoa-me também a mim, meu pai." E vendo que aparentemente o pai possuia uma única bênção "levantou Esaú a voz, e chorou".

Curiosamente neste texto existe um diálogo apontando para a equivalência inversa de bênção e maldição quando Jacó ao ouvir o plano da mãe de enganar o pai cego, teme ser apanhado e "e serei a seus olhos como enganador; assim trarei sobre mim uma maldição, e não uma bênção." Isso mostra que se uma bênção era um dom enviado pela criador e passado direto pela alma de seu portador para alguém, uma maldição seria o oposto disso. Para entender melhor isso basta perceber que a religião, neste aspecto, passou a perna na física em pelo menos 4000 anos. 

Enquanto o assunto de radiação, como um fenômeno físico onde partículas ou ondas de energia viajam através de um meio ou do espaço propagando assim sua energia é algo relativamente recente na história da ciência, os antigos patriarcas falavam já de formas de energia que passavam por certos condutores, vindo de determinada fonte, e eram transmitidas. O sol emite radiação solar, especificamente radiação eletromagnética, metade desta energia é emitida como luz visível e a outra metade como energia invisível (que se fora da frequência visível do espector eletro magnético). Por mais difícil que seja imaginar, a luz que você vê hoje não é a mesma que vê amanhã, na verdade a luz que você vê em um instante não é a mesma que você vê no instante seguinte, cada fóton é emitido, viaja e chega aqui onde o vemos. Um mesmo fóton não ilumina o mesmo lugar duas vezes. É como a água que sai de uma torneira. Se uma gota te molhou, não vai sair de novo e te molhar de novo. A história de Jacó e Isaú nos mostram que a visão de uma bênção é muito próxima disso. Isaque possuia UMA bênção, uma vez usada não pode usá-la com outro filho, ou simplesmente sacar yuma segunda bênção do nada. Neste aspecto fica fácil de entender que assim como um fóton é um objeto real, físico e até mensurável em certos aspectos para um físico, uma bênção também é algo real, físico e até mensurável para os que lidam com isso. Neste aspecto, também fica fácil de compreender porque não muito tempo atrás, afirmar que algo ou alguém era maldito era uma ofença extremamente séria. 

Já que uma bênção era algo que poderia fazer alguém se tornar o próspero patriarca de uma nação, uma maldição poderia condenar alguém ao pior tipo de existência imaginável, e assim passou a ser entendida como a ação efetiva de um poder sobrenatural, caracterizada pela adversidade que traz, sendo geralmente usada para expressar o azar ou algo ruim na vida de uma pessoa. Na época do Antigo Testamento, Deus era responsável por tudo de bom e de ruim que acontecesse na vida de uma pessoa. Com a criação do cristianismo Deus passou a ser visto como uma criatura de amor, e caiu ao diabo a vontade de trazer o mal para o mundo. Assim foi natural que Satã (ou um de seus infinitos nomes ou equivalentes) se tornasse a fonte do poder sobrenatural de onde se originava a maldição. Dai é fácil imaginar o que aconteceu a seguir: as religiões patriarcais (judaismo e cristianismo) se institucionalizaram.

A base de qualquer instituição é simples: um chefe e um bando de empregados produzindo algo para o resto do mundo. Se todo mundo pudesse ser padre viveríamos em um planeta repleto de igrejas, todas elas vazias. Aparentemente o Deus dos abrahâmicos não é um Deus popular. Assim muito poucas pessoas tinham um acesso às bênçãos. Isso mudou quando na época do protestantismo aparentemente todo mundo se tornou capaz de ser um padre/pastor e o número de bênçãos cresceu. Por outro lado, sempre foi do conhecimento de todos que o Diabo não era tão exigente em relação a seus escolhidos, praticamente qualquer um podia se relacionar com ele, assim maldições sempre foram algo que podiam ser lançadas a torto e direito por qualquer um. Uma pessoa que quisesse sua casa, seus filhos, seu casamento abençoado teria que procurar um padre ou um rabino. Já se qualquer pessoa te olhasse feio e te amaldiçoasse, você estava em maus lençóis. A maldição não poderia ser revogada até que um poder espiritual superior interviesse trazendo libertação.

 

Origem das Maldições na História Humana

 

Texto Gn 2.17: “mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás; porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás.”

A primeira maldição concreta que surge na Bíblia foi lançada em um objeto e em quem entrasse em contato com esse objeto, pelo próprio Deus. Fica claro que a primeira maldição, então, estava vinculada à desobediência. Se me obedecer, vive no paraíso, se me desobedecer, terá a morte. Era um fato. Uma lei que não poderia ser quebrada impunemente. Por causa de uma distorção da percepção que as pessoas passaram a ter de Deus, uma das maiores fontes de desobediência passaram a ser o ato de desobedecer ao Senhor; já que Deus era bom, ele não poderia causar o Mal, o Mal viria do ato das pessoas.

Com a institucionalização da religião pessoas que tem autoridade passaram a poder amaldiçoar também. Pais podiam amaldiçoar filhos. Líderes amaldiçoar aqueles a quem liderava, Professores amaldiçoar alunos. Sempre seguindo o princípio da desobediência, como castigo para uma ordem não acatada. Pense bem: assim que Adão e Eva desobedeceram a Deus, eles não apenas contraíram a maldição para si como a transmitiram para todos os seus descendentes, que tecnicamente seríamos todos nós humanos. Assim nós temos também o poder de passar a maldição adiante, para quem quisermos, como uma batata quente. É como se por direito divino, cada um de nós nascêssemos com um revólver contendo apenas uma bala, claro que com o tempo poderíamos conseguir mais munição e mesmo armas maiores.

Davi, por exemplo, em Salmos 2 1:21 profere uma maldição conte os montes de Gilboa: "Não caia sobre vós nem orvalho e nem chuva, a fim de que a terra ficasse estéril". Claro que podemos encarar isso como uma forma primitiva de tentar compreender porque aqueles montes são estéreis, mas também podemos aprar para pensar por que, mesmo hoje com toda a tecnologia que Israel possui no campo do reflorestamento, não consegue sucesso em reflorestar os montes de Gilboa.

 

Tipos de Maldições

Assim, as maldições podem afetar as pessoas de diferentes maneiras e vir de diferentes lugares, podemos classificá-las para estudar melhor isso.

Maldições Hereditárias

O melhor exemplo é o já citado caso de Adão e Eva, que ao serem amaldiçoados, amaldiçoaram toda a raça humana. Agora podemos ver isso sob um aspecto mais moderno. Imagine um pai alcoólatra, qual chance ele tem de criar um filho que seja propenso ao alcoolismo? Se esqueça por um momento do aspecto "sobrenatural" da maldição. O pai pode influenciar seus filhos geneticamente, pode influenciar os valores que os filhos terão, pode influenciar o cotidiano dos filhos. A informação alcoolismo pode ser interpretada de várias maneiras mas tecnicamente é um pacote de informação que será passado adiante, como um programa de computador, e será processado por outra pessoa com os mesmos resultados. Crie um processador de textos e instale em 4 computadores diferente, em cada um ele funcionará do mesmo jeito. Neste caso o alcoolismo será processado de maneira semelhante (por ser analógico e não digital com eventuais diferenças) por pessoas que forem alimentadas com ele.

Assim uma maldição lançada, pode ser desenvolvida para afetar não só sua vítima, mas os decendentes da vítima.

 

- Maldições Indiretas

Tecnicamente esse é um tipo de maldição não lançada diretamente a alguém. Lembre-se que tecnicamente todos possuem o poder de amaldiçoar. Ao ser descuidada, uma pessoa pode lançar uma maldição a algo ou alguém, seja através de palavras ou atos. No ocultismo existe o lema de SABER OUSAR SABER CALAR. Palavras tem poder, se usadas indevidamente podem trazer consequências desastrosas. Muitos magos, por esse motivo, não dizem "a última vez que vi determianda pessoa" e sim "a vez mais recente que vi determiada pessoa", não dizem "estou morrendo de vontade" e sim "quero muito". Não é nem necessário se acreditar nessa "besteira supersticiosa", a cada mês mais e mais estudos de como nomes dados a crianças afetam sua vida. Desde a espectativa dos pais sobre a criança - imagine pais que batizam um filho de Magno e outros que nomeiam o filho de Jaguncinho - até o sucesso profissional e sexual na vida da pessoa, estudos que mostram que certos nomes não passam confiança em curriculos enviados a empresas ou que, por exemplo, nos Estados Unidos um levantamento mostrou que pessoas batizadas de Michael, James e David conseguem muito mais relações sexuais do que pessoas chamadas George e Paul (a não ser que os Georges e Pauls sejam Beatles).

Marta Suplicy pode ter sido ou não uma grande política, mas quando proclamou a fórmula Relaxa e Goza para justificar o caos nos aeroportos de fim de ano, teve sua popularidade e seu respeito dramaticamente reduzidos. Outro exemplo clássico foi a afirmação de que "Este navio nem Deus afunda" feita para o Titanic logo antes de sua primeira, e última, viagem.

E nem paramos para pensar o que deve ser uma criança que cresce sendo chamada por nomes como "diabrete", "imprestável", "imbecil", "preguiçoso", por pessoas que tem autoridade sobre ela - pais, professores, etc. Ou mesmo depois de adultas e ai já entram no hall de amaldiçoadores os sócios, conjuges, amantes, colegas, superiores do exército, chefes, etc.

 

- Auto-Maldições ou Maldições que se Auto-Realizam

É muito parecida a Maldições Indiretas, mas neste caso ocorrem quando a maldição é lançada sobre a própria pessoa que a profere. São pessoas que passam a se achar burras, incapazes, desastradas. É como o português da piada que ao ver a casca de bananas na calçada já profetiza: "Ai meu Deus... outro tombo!". Uma forma popular de auto maldição muito mais comum é a do tipo: "quero ser mico de circo se isso não é...", quando a pessoa em determinada situação proclama algo de ruim ou sinistro a si mesma em decorrencia a um ato banal. "Nossa, como eu não vi isso antes! Eu devia apanhar por causa disso!", "Nossa, se isso é uma pepita de ouro legítima eu sou um cachorro sarnento!" ou outros similares. Um outro exemplo clássico, para os fãs de citações bíblicas, ocorre em Mateus 27:24-25, quando Pilatos, após lavar suas mãos do destino de Jesus diz para o povo presente que eles serão responsáveis pelo destino de Cristo, ao que eles respondem dizendo: “O seu sangue caia sobre nós e sobre nossos filhos”. Se Jesus era ou não o filho de Deus, ou a encarnação de Deus, ou se seu julgamento foi justo ou não, não interessa agora, mas basta olharmos a história e a atualidade do povo Judeu para ver que os presentes no julgamento deveriam ter escolhido outras palavras naquele momento.

Em 1995 foi a vez de Paulo Maluf de entrar no Hall dos que deram um tiro no pé. Naquela época, prefeito de São Paulo, lançou Celso Pitta para o substituir nas eleições que aconteceriam em 1996. Em campanhas publicitária políticas profetizou na televisão: "Se ele não for um grande prefeito, nunca mais votem em mim". Pitta foi eleito, governou entre janeiro de 1997 e maio de 2000, foi afastado do cargo acusado de várias irregularidades, reassumiu em julho de 2000 e terminou o mandato naquele ano. Assim como Maluf, chegou a ser preso, mas deixou a cadeia. Maluf, que depois de abonar Pitta na campanha nunca mais foi eleito para cargos executivos, apesar de tentar ser governador e prefeito, conseguiu apenas se eleger deputado federal. 

 

- Maldição Adquirida

Existem casos de pessoas que por um motivo ou outro pegaram para si uma maldição destinada a outra pessoa. Uma mãe que sabendo que o filho foi amaldiçoado pede para que o filho seja poupado e a maldição recaia sobre ela. Ou alguém que clama para si uma maldição destianada a uma pessoa amada.

Mais Bíblia? Voltando para Gênesis capítulo 27, Jacó temeu ser amaldiçoado por Isaque quando este percebesse que o tinha abençoado no lugar de seu irmão; então Rebeca declara: “Caia sobre mim essa maldição, meu filho; atende somente o que eu te digo...” . Esta maldição recai sobre ela que nunca mais vê seu filho, quando Jacó retorna, ela já é morta.

Menos Bíblia? Seu filho precisa de um transplante por causa de algum acidente ou doença, e você decide doar seu coração para ele, por exemplo. Ou você assume o erro de algum colega para que ele não perca o emprego, ou uma futura promoção ou algo parecido.

 

- Maldições Sem Causa

São as maldições que não conseguimos compreender porque foram lançadas, nem por quem foram lançadas, ou como escolhem suas vítimas.

 

Mas São Reais?

Até agora apenas discorremos sobre maldições, alguns exemplos concretos, outros religiosos, mas nenhum deles serve como prova concreta de sua existência. Afinal, praticamente toda maldição pode ser explicada como uma coincidência, certo?

Bem, "coincidência" é apenas uma maneira educada e culta de se dizer MAS QUE MERDA É ESSA? EU NÃO TENHO IDÉIA DE COMO EXPLICAR ISSO! Coincidências podem ser entendidas como simultaneidade de diversos acontecimentos, não necessariamente relacionados. Você deixa um ovo cair no chão e do outro lado do mundo alguém cai do terceiro andar e sua cabeça se abre como um melão na calçada. Até algum tempo atrás apelar para coincidências era uma maneira fácil de se tirar um peso incômodo dos ombros. Não havia um meio de se provar que algo havia acontecido por mero acaso ou se estava ligado a alguma outra coisa. Alguém enfiava uma agulha em um boneco de cera e o rei tinha dores de cabeça, grande coisa o rei vive tendo dores de cabeça, eventualmente alguém diria ou faria algo contra ele que coincidiria com uma de suas crises certo? Pessoas se acidentam o tempo todo, logo a chance de alguém ser amaldiçoado e algo acontecer a essa pessoa é pequena, mas uma chance real. Pense por outro lado: de todas as pessoas amaldiçoadas, quantas sofrem a "maldição" e quantas passam a vida sem serem incomodadas nem por um resfriado?

Bem, essa é uma ótima questão e ai está justamente uma resposta para podermos medir uma maldição. Uma ferramenta para medirmos intensidades, alcance e durabilidade, ou seja a existência e a eficácia de uma maldição e discartarmos de uma vez por todas essa falsa noção de coincidência. Basta que para isso estudemos as estatísticas de um caso e vejamos como isso se aplica em determianda situação.

 

Raios

Entre 2001 e 2010, 280 pessoas foram atingidas por raios nos Estados Unidos em média por ano. Com base nesses números se fizeram mais dois levantamentos, uma estimativa de quantas pessoas, que sobreviveram ou não, teriam sido atingidas. Isso é interessante porque se uma pessoa leva um raio na cabeça e morre no meio do deserto sozinha, ela não entraria na lista de mortes por raios registradas, mas teria, mesmo assim, sido atingida por um raio. Assim chegaram a um número um pouco maior de pessoas que PODERIAM ter sido atingidas por raios nesse período de anos: 400 em média por ano.

Isso nos dá uma série de probabilidades interessantes. Suponha que você é um americano, quais as chances de você:

A) ser atingido por um raio em um dado ano (baseado nos registros)?
B) ser atingido por um raio em um dado ano (baseado nas estimativas)?
C) ser atingido por um raio durante a sua vida?
D) ter sua vida afetada por alguém que já foi atingido por um raio (tendo como base que uma pessoa atingida afeta dez outras pessoas)?

A população estadunidense foi estimulada em 310.000.000 de habitantes no anos de 2011. As respostas então para as perguntas são:

A)1/1.000.000 (uma chance em um milhão)
B)1/775.000 (uma chance em setecentos e setenta e cinco mil)
C)1/10,000 (uma chance em dez mil, levando-se em conta uma estimativa de vida de 80 anos)
D)1/1000 (uma chance em mil)

Isso nos mostra que levar um raio na cabeça não é tão raro assim, mas vejamos dois casos interessantes:

Suponha que exista uma pessoa X. Para ficar mais claro de se visualizar, imagine que essa pessoa é um homem, que esse homem seja um oficial do exército e que ele se chame Summerfold. Major Summerfold. Enquanto estava no meio de uma batalha, montado em seu cavalo, em 1918, Summerfold foi atingido por um raio. Felizmente - ou não - ele sobreviveu.

Antes de continuar tenha em mente também que isso não é tão absurdo quanto parece, no levantamento de pessoas atingidas por raios de cada 241 atingidas, apenas 39 morreram (em média por ano), ou seja de cada 6 pessoas que levam um beijo de Thor na testa, 5 sobrevivem para contar a história.

Continuando com Summerfold, após ser atingido ele ficou paralizado da cintura para baixo. Anos depois, 6 para ser exato, enquanto pescava em um rio, voltou a ser atingido por um raio, o que paralizou todo o seu lado direito. Sua recuperação levou tempo, mas dois anos depois ele era capaz de passear por ai, em parques por exemplo, e foi em um desses parques que em um verão de 1930 ele foi atingido pela terceira vez por um raio, que o deixou permanentemente paralizado. Ele morreu dois anos depois. Apenas para interromper seu processo mental que deve estar começando e formular exclamações como "Caceta! Que azarado!", em 1936, durante uma tempestade que se formou na região onde ele vivera, um raio atingiu o cemitério local, destruindo um dos túmulos, quebrando a lápide de pedra. Adivinhe quem estava enterrado ali?

O segundo caso envolve uma família. 

Na virada do século passado um homem caminhava por uma rua. Foi atingido po um raio. Ele fazia parte da minoria que não sobrevive para contar a história. 30 anos depois, seu filho, andando pela mesmo rua, foi atingido por um raio, morrendo também. No dia 8 de outubro de 1949, um homem caminhava pela mesma rua, é atingido por um raio e morre, esse homem era filho da segunda vítima, ou seja, neto da vítima original.

Agora que leu isso, pare e pense. Coincidência? 

Coincidências supostamente ocorrem quando algo acontece sem uma conexão causal definida. Uma forma de sincronicidade. Por exemplo, você acorda, olha para o despertador e vê que são 5:15 da manhã, vai para o trabalho no ônibus 515 e poe ai a fora. Agora e quando existe algo que ofereça uma conexão causal aos eventos?

Enquanto Jacques Demolay era amarrado para ser quiemado vivo, ele gritava para a multidão que assistia:

" - Vergonha! Vergonha! Vós estais vendo morrer inocentes. Vergonha sobre vós todos".

Enquanto DeMolay queimava na fogueira, ele disse suas últimas palavras:

"- Nekan, Adonai!!! Papa Clemente... Cavaleiro Guillaume de Nogaret... Rei Filipe; Intimo-os a comparecerem perante o Tribunal do Juiz de todos nós dentro de um ano para receberdes o seu julgamento e o justo castigo. Malditos! Malditos! Todos malditos até a décima terceira geração de suas raças!!!

Após essas palavras, Jacques DeMolay, inclinou a cabeça sobre o ombro e morreu.

Quarenta dias depois, Filipe e Nogaret recebem uma mensagem: "O Papa Clemente V morrera em Roquemaure na madrugada de 19 para 20 de abril, por causa de uma infecção intestinal". O Rei Filipe IV, o Belo, faleceu em 29 de novembro de 1314, com 46 anos de idade, quando caiu de um cavalo durante uma caçada em Fountainebleau. Guillaume de Nogaret acabou falecendo numa manhã da terceira semana de dezembro, envenenado. Após a morte de Filipe, a sua dinastia, que governava a França ha mais de 3 séculos, foi perdendo a força e o prestígio. Junto a isso veio a Peste Negra e a Guerra dos Cem Anos, a qual tirou a dinastia dos Capetos do poder, passando para a dinastia dos Valois.

Coincidência?

Claro que podemos observar a coisa pelo outro ângulo: e todas aquelas maldições vociferadas em momentos de raiva cega que todo mundo profere todos os dias e que nunca se concretizam? Isso não mostra que comparado com o número das maldições que de fato acontecem, essas últimas devem ser obras do acaso?

Para responder isso pense no seguinte: quem nunca tentou fazer um bolo que solou? Quem nunca jogou em alguma loteria, inspirado por um palpite e não ganhou? Quem nunca tentou montar algo que não funcionou? Isso não significa que a culinária, a intuição ou palpite ou a engenharia não funcionem, isso apenas significa que essas pessoas não tinham a habilidade necessária para que sua empreitada desse certo. 

Para deixar as coisas ainda mais claras, vejamos agora alguns exemplos de maldições e você decide quais podem ser simples "coincidências", e quais estão além do mero acaso.


Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.