Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Envie seu texto
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Miscelânia Textos Diversos Quando não existiam shopping centers.

Quando não existiam shopping centers.


Lembro que na cidade em que nasci, até os meus 10 ou 11 anos de idade não existiam shopping centers.

Nessa época a cidade era pacata e o meu bairro era muito calmo, não havia incidências de crimes e apesar de ter uma favela próxima, não sentíamos uma agressão proveniente dali. Pelo contrário, havia festas em conjunto, quermerces da igreja católica onde as pessoas dos dois lados do bairro se encontravam sem muita distinção, e as danças típicas de festa junina. A praça era frequentada de dia e a noite, sem problemas. Naquela época também não havia muitas drogas e delinquência, quando isso acontecia era algo raro. Consequentemente havia pouca polícia, mais confiança e mais paz. As pessoas sentavam na frente de casa e conversavam, jogavam cartas até tarde da noite. Os jovens pouco trabalhavam, deixando para mais tarde entrar no mundo do trabalho, dependendo de suas famílias até os vinte anos. As mulheres também quase não trabalhavam, ficavam mais em casa com os filhos. Convivíamos bem com nossos pais e eles pareciam pouco preocupados, os parentes se ajudavam e os problemas normais da vida eram menos devastadores. As pessoas tinham problemas como todo mundo tem, mas o instinto comunitário era muito forte.

Os bens de consumo eram pouco acessíveis em uma cidade “atrasada” no sentido capitalista do termo. Era muito comum, por exemplo, que mandássemos fazer roupas nas costureiras. Camisas e calças sem marcas de indústrias, não apresentavam nenhum sinal claro de status que crianças e adolescentes pudessem identificar de forma simples, através de símbolos, como nas roupas industrializadas com suas etiquetas e logos de marcas famosas. Algumas famílias também passavam roupas de irmão pra irmão e de pai pra filho. Bicicletas e brinquedos também eram partilhados. Na hora de comer, fazíamos um lanche alí na esquina, na barraca de cachorro quente do pai do nosso amigo. As verduras eram compradas na quitanda da amiga das nossas mães, os móveis eram feitos nas marcenarias do bairro e os presentes de natal podiam ser coisas bem simples. Se nossos pais não tivessem dinheiro, era só pedir emprestado de um parente mais rico, ou comprar fiado com o vizinho. Era difícil cobiçar coisas.

Até que foi inaugurado o primeiro shopping center na cidade.

A partir dai, nenhuma criança, adolescente ou jovem queria deixar de usar as marcas de produtos oferecidos pelas novas lojas que chegaram. Foi uma mudança completa. As camisas de botão de tecidos listrados deram lugar a roupas transadas com estampas chamativas (estilo anos 90), os lanches feitos ali na esquina deram lugar ao Mclixo. A praça se esvaziou de crianças, que agora jogavam videogame, os grandes supermercados substituíram as quitandinhas e os mercadinhos. Tudo passou a ser industrializado, os móveis, as roupas, a comida, os brinquedos. A propaganda se tornou massiva, incidiosa, e tomou conta das nossas vidas. Ninguém mais jogava cartas até tarde, mas assistia muita televisão. Todos queriam estar parecidos com as pessoas das propagandas.

Até ai tudo bem, nossos pais compravam o que queríamos e os mais velhos entre nós trabalhavam pra comprar (meu irmão era um deles), poderia ter corrido tudo muito bem, afinal de contas era legal ser mais parecido com as pessoas dos filmes americanos. Isso se não houvesse um deterioramento das relações.

Derepente as pessoas não podiam mais estar “fora da moda” usando roupas feitas a mão, a comida não industrializada passou a ser vista com suspeita. A regra agora era comprar roupas de marca, comer em fast food, prender as crianças em casa com jogos eletrônicos, consumir mais e mais coisas. Os pequenos negócios de nossos vizinhos faliram e seus filhos viraram funcionários assalariados das grandes empresas que chegavam. Nossos país pararam de pedir ajuda aos parentes e passaram a fazer empréstimos em financeiras, viraram vítimas da usura, se endividavam e viviam mais preocupados, distantes, irritados.

Para todas as coisas novas era necessário dinheiro, então as pessoas tiveram que trabalhar mais, a vida se abstraiu, todos passaram a viver do sonho de possuir marcas. Nossos pais e irmãos mais velhos sumiram, o diálogo das pessoas se esvaziou de experiências reais, passando a macaquear propagandas. As crianças passaram a ostentar seus brinquedos como marcas na escola e brigar por isso. Quem não estivesse disposto a fazer parte deste circo, por falta de dinheiro ou por se sentir inadequado, sofria de baixa autoestima.

Foi a partir dai que uma coisa rapidamente mudou em nosso bairro: a segurança. De uma hora pra outra, os jovens da favela, e até nossos vizinhos que não conseguiam arrumar um emprego, se tornaram agressivos.

O numero de assaltos subiu exponencialmente na região, os mais pobres desejavam aquelas marcas, aquele estilo de vida, e estavam dispostos a matar para se sentir incluídos naquele novo paraíso.

A bela igreja católica do bairro, em formato hexagonal com pinturas simpáticas, que eu frequentava com minha família, ficou vazia. Ninguém mais queria saber da teologia da pobreza, amor e humildade, as igrejas evangélicas pseudocristãs chegaram com sua teologia do dinheiro, da arrogância e da mentira, e fizeram sucesso. As ruas se tornaram selvagens. A drogas pesadas chegaram e junto veio a polícia, a violência, a vigilância de nossos pais e censuras de comportamento, a obrigação de trabalhar mais cedo, mais tempo, ter mais dinheiro. Ai veio a insegurança e o medo de não corresponder a tudo isso, a alienação e a depressão. Eu mesmo me tornei um estranho em minha família, não compreendia nada. Os parentes já não se ajudavam tanto, as pessoas iam se esquecendo das antigas relações, as quermerces sumiram, as danças típicas saíram de moda, a favela se distanciou do bairro, as pessoas não se conheciam mais e não sabiam porquê, era um mundo de estranhos.

Quando adveio a grande crise econômica daquela época, o Plano Collor, a situação chegou ao extremo. As pessoas não tinham mais dinheiro nem emprego que sustentasse aquelas ilusões, e nada que aquele mundo novo oferecia podia existir sem dinheiro, a propaganda havia mentido. As pessoas ficaram desesperadas, quando buscavam ajuda, descobriam que os laços familiares haviam se arruinado, pessoas cometeram suicídio, a violência cresceu assustadoramente. Um dia, chegou a notícia que um adolescente havia sido morto a facadas por outros jovens na pracinha, motivo? O tênis de marca que ele usava.

A comunidade, a tribo, havia sido destruída. O capitalismo a matara.


Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.