Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Envie seu texto
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Bruxaria Textos Pagãos Apollo Thanatos -

Apollo Thanatos -

ApolloApollo Thanatos ou como a luz pode ser terrivelmente obscura e a escuridão incrivelmente esclarecedora.

 

               Bem que todos conhecem Apollo, certo? Aquele jovem olimpiano, “Deus do Sol” (errado, Hélios é o Sol – Apollo é a Luz Solar e seus efeitos - ). Mas como todo Deus, Apollo é muito mais do que isto, indo além  do conceito de que Deuses são representações humanas, interpretações de nuances energéticas na terra/universo, vamos falar de Apollo como se ele fosse uma pessoa, um amigo – no meu caso e também uma dinâmica.

   &nbs

;           Apollo é a representação de tudo o que a luz pode fazer/trazer. A luz por si só não é boa nem má, estes são conceitos humanos. A luz é o que é e ponto. A luz não tem a consciência julgadora que os humanos tem, lidar com a luz é simples pois trabalha com quem souber trabalhar com ela, a luz é uma Prostituta. Apollo é o cara da luz, é Ele quem vem quando buscamos “nos iluminar” e “esclarecer” as idéias. Mas como a Luz, Apollo é o que é, não se importa com quem o busca, Ele realiza seu trabalho e ponto.

               Ent

�o eu lhes convido para um belo banho de sol. Agora, meio-dia de um verão atípico brasileiro. Fiquem 1h hora e depois voltem.  (tic-tac). Agora me digam, quão gostosa é essa luz solar? Posso tentar adivinhar que o maior desejo de vocês foram 2 – água e sombra -, certo?

               Apollo é esse cara que esclarece tudo, sua luz desbrava horizontes, seus raios – flechas – rasgam o céu todas as manhãs... Apollo é caçador, é assassino de Python, conquistador. Mas como um dos seus principais ensinamentos - μηδεν αγαν (meden agan, "nada em excesso") – devemos saber dosar o que buscamos, o quanto nos expomos e aos poucos ir nos aprofundando nos mistérios do universo e de nós mesmos, por mais redundante que isto possa parecer.

               Eliphas Lévi tem uma frase em seu “Dogma e ritual de Alta Magia” que expõe muito bem a natureza de Apollo – Dizer a verdade para aqueles que não a entendem é mentir para eles, explicar esta verdade é profaná-la! – eu não acredito em profanação, para falar a verdade, mas esta frase é a explicação para a metáfora do corvo e a luz, onde a luz mostrada ao um corvo na noite o cega e o espanta. Numa relação e conceito dicotômico, Apollo – A luz – seria a verdade, de fato um de seus maiores atributos e seu oposto Apollo Thanatos (morte) – A Escuridão – é a dúvida, por mais irônico que pareça, sendo a morte a única certeza da vida – cada coisa leva em si a semente do seu oposto – como numa fita de Moëbius, a verdade inevitavelmente leva a dúvida e a dúvida inevitavelmente leva à verdade.

               Nesta relação entre um e outro a dinâmica de existência acontece, pode ser cíclica ou mesmo horizontal. Só não pode ser assimétrica! E essa é uma lição que Apollo vem trazer nestes últimos tempos. Quem busca somente a luz acaba cego, acaba rígido, acaba aprisionado em conceitos sem entendê-los ou compreendê-los. O mesmo acontece para quem busca somente as Sombras. O caso aqui é que Luz e Sombras – Apollo Aegletes e Apollo Thanatos são duas faces da mesma moeda. Na verdade não existe moeda. Existe a experiência.

               Uma das máximas mais famosas de Apollo é γνωθι σεαυτον (gnothi seauton, "conhece-te a ti próprio"), isso significa que em nossa inteireza refletimos o cosmos, o padrão e dinâmica de tudo que é, foi e será. É um convite – (Re)Conheça-se Deus!! – Conheça a sua essência! Em nossa inteireza somos luz e sombra, nuances cósmicas. Em nosso âmago (ou nem tanto) está tudo o que precisamos saber.

               Inteiração é a palavra chave quando o assunto é libertar-se. É necessário interagir com a verdade e com a mentira, com a loucura e com a sanidade. Nunca iremos reconhecer verdadeiramente alguma coisa lendo sobre ela. Precisamos experiênciar tudo o que o universo carnal tem a oferecer em sua pluralidade, fazendo sempre um contraponto, estando pautados em nosso centro, por que do contrário é ignorância pura se entregar aos prazeres da carne sem que se esteja firmado em seu centro, sem que se saiba quem se é. Eu estou no centro do Universo e para que o Universo gire realmente ao meu redor isto precisa estar bem claro.

               Apollo é um Deus da comunidade, foi adorado juntamente com os processos inter-relacionais, é a “ordem” política (de polis – cidade) é o poder da razão, então Thanatos é o incentivo a ir além dos conceitos humanos, a dúvida. Questione tudo aquilo que se tem como certo. As coisas mais banais – E se o Sol não nascer amanhã?  E se a Terra parar de girar? E se na verdade for o sol que gira em torno da terra e não ao contrário? Você já parou para pensar nisso? Você acredita nisto por que alguém te disse para acreditar e como “fez sentido” para a sociedade, “faz sentido” para você. Apollo é o bom pastor, Apollo cuidou do rebanho do rei de Tróia como um castigo de Zeus. Você é uma ovelhinha que acredita em tudo o que dizem sem questionar. Você acha que o sol vai nascer amanhã, por que desde que você nasceu – e antes – isso aconteceu. Quantas vezes as coisas que temos como certas nos decepcionam? Um dia, eu te garanto, o sol não irá nascer.

               Ao nos entregar a este conceito de Thanatos nos abrimos ao maravilhamento mágico/espiritual que a vida ao nosso redor oferece! As coisas não precisam ser sempre iguais por que foram assim desde sempre! Você é livre para buscar a interação com o novo desde que saiba quem se é, caso contrário o novo sempre será uma ameaça a integridade desta falsa imagem que você tem de si mesmo. Não existem verdades – é tudo diversão – como citou belamente nosso Inkubus King. Mas só quem sabe se divertir é quem sabe o que precisa para se divertir e isto vem com auto-conhecimento, do contrário é excesso e o excesso leva a ignorância, a alienação – a humanidade. A entrega, o re-conhecer-se leva a sabedoria – a vir-a-ser – Deus.

               Papus em “Tratado elementar de Magia prática” diz que se alguém quer aprender Magia, deve começar a analisar o mundo ao redor. Eu apoio esta idéia. Tudo está ai, para quem tem olhos de ver e ouvidos de ouvir. Então pare de ouvir somente o que você quer ouvir e ler somente o que você quer ler. Pare de ver o mundo como você é e comece a fazer um esforço e se colocar no lugar do outro, no lugar da pedra, do sapo, do prego, da árvore... Rompa com este conceito minúsculo que você tem do que é real e do que não é, do que é certo e do que é errado. No final das contas nada disto importa por que o Universo não se importa (Sinto muito ser eu a te dizer isto). Esta idéia de Deus-Cristão é a maior furada! Não existe ninguém escutando suas preces, não existe ninguém julgando suas ações. O Universo é muito melhor que isso, é muito mais esperto e sábio. Existem Leis – Apollo – que regem o Universo justamente para que ninguém se preocupe com ninguém, para que cada um faça o que é de sua natureza fazer. Então eu te pergunto – Qual é a sua Natureza? Qual é sua Vontade (com V maiúsculo como coloca Crowley) – Faça o que for de sua Vontade pois é o todo da Lei! Falta você descobrir qual é a sua Vontade e não o seu capricho. O mundo está cheio de hipócritas caprichosos, poucos conhecedores de suas vontades.

               Apollo Thanatos é o amigo que te incentiva a reivindicar o poder de sua sombra e a se tornar inteiro. É a escuridão acolhedora depois de uma longa jornada num deserto escaldante que é a nossa sociedade – cheia de não podes e não deves – rígida e dura, implacável como somente a luz do sol pode ser. Esteja preparado para encontrar nesta sombra tudo aquilo que renegou e ao invés de batalhar com seus demônios, convide-os para dançar. Você vai ver como a vida pode ser muito mais divertida para quem realmente transita entre mundos. Somente assim você será o Xamã, o Bruxo, o Mago que busca ser. Quando olhar fundo nos olhos do abismo e reconhecer ele te olhando de volta. E se engana se você pensa que acolher a sua sombra é ser cruel, estúpido ou doente mental. A sua sombra é o tudo aquilo que te controla mas que faz você pensar que está no controle, a Sombra é aquele hábito podre, é aquela resposta automática, é aquela erva daninha tão enraizada que você achou que nasceu com ela e pronto. É o seu medo de mudar, é o seu medo de crescer, é o seu medo de ver que está errado e todas as defesas e desculpas, todos os argumentos bem armados pela sua mente para provar que você está sempre certo. É aquele orgulho besta que te faz atacar o dedo que cutuca a sua ferida ao invés de tratá-la devidamente, isto é a Sombra, isto é Thanatos – é deixar morrer quem você pensa que é para renascer inteiro.

               E para encerrar deixo outra frase célebre de Papus – “Todas as palavras mágicas do mundo, todos os talismãs, todas as cerimônias, postas em uso por tal homem, só produzirão efeitos nulos e ridículos, pois um cavalo de raça não tem o hábito de deixar-se conduzir por um menino inexperiente”. Quem você quer ser? Um cavalo de raça ou um menino inexperiente?

Que Apollo lance uma luz sobre isso.

Por Pythio

Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.

loading...