Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Envie seu texto
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Psico Textos de Psicologia Bizarra A Cotação do Ouro de Hoje

A Cotação do Ouro de Hoje


por LöN Plo

tux jesusA cada quatro anos, atletas de centenas de países se reúnem em um país pré escolhido com o objetivo de competirem e ver quem é o mais foda dentre os fodões. Para evitar mais desgraças do que as que os telejornais nos transmitem todos os dias, essas competições se restringem apenas a modalidades esportivas. Diz a lenda que o objetivo dessa disputa acerrada entre os atletas é a união de povos e raças, a paz a amizade e o bom relacionamento.

Esse período de 4 anos entre os jogos recebe o nome de olimpíada, mas curiosamente os jogos que marcam o fim e o início de uma olimpíada receberam o nome de olimpíada também. É como pegar uma forma de assar, colocar massa dentro, rechear a massa de maçãs, assar e depois de 40 minutos tirar do forno e gritar: PESSOAL A FORMA DE ASSAR ESTÁ PRONTA! Bem assim somos nós.

Outra lenda afirma que os jogos olímpicos tiveram inícia na Grécia antiga, na cidade de Olímpia, e os jogos além de não contarem com a participação feminia - afinal estamos falando de gregos - eram dedicados a Zeus, que tinha sua casa de veraneio favorita no monte Olimpo. Mas na verdade esses jogos que praticamos hoje começaram mesmo no ano de 1896. Nos primeiros jogos lendários os vencedores ganhavam ramos de oliveiras como prêmio, mas com o passar do tempo as pessoas julgaram que ninguém competiria para ganhar um galho morto de árvore e assim mas olimpíadas de 1896 o vencedor receberia uma medalha de prata e o segundo colocado levaria para casa o galho morto de árvore - talvez para lembrar a ele que o segundo colocado é o primeiro perdedor. Foi apenas nos Estados Unidos, no verão de 1904, que teve início a moda de entregar medalhas para o primero, segundo e terceiro colocados. Curiosamente a medalha de ouro na época era de ouro maciço, mas em algum momento perceberam que precisavam usar muito ouro para isso e dois jogos depois, em 1912, a medalha do primeiro lugar foi substituida por uma medalha de prata banhada a ouro, com pelo menos 6 gramas de ouro puro nessa cobertura; se quiser saber quem foram os pão-duros que tiveram essa idéia lembre-se que os jogos de 1912 foram na Suécia, o lar de grandes invenções como ABBA, Roxette e Cardigans.

 

Bem, e por que você está perdendo seu tempo com isso?

Além de servir como ótima tática de xaveco em baladas nas épocas de olimpíadas, esse costume de premiar os três melhores competidores mundiais nos mostram coisas interessantes sobre seres humanos.

Nestes jogos de 2012, que talvez sejam os últimos jogos olímpicos antes do fim do mundo da Profecia Maia, um momento me chamou a atenção. Estava eu de pé na sala, fumando um cigarro com a televisão ligada, enquanto passava minhas calças, e um frênezi insano, recheado de gritos e berros tomou conta da transmissão. Eu sabia que era uma competição de natação, porque conseguia perceber a piscina com o canto do olho, e resolvi dar uma olhada para ver se tinha sorte de conseguir captar alguma atleta de maiô pulando para cima e para baixo comemorando sua vitória. O que vi foi mais interessante - não sexualmente mas psicologicamente.

Um marmanjo peludo todo entusiasmado gritava e pulava, infelizmente com seu shorts sunga, segurando sua medalha. Um olhar mais atento revelou que a medalha que ele segurava não era a de ouro - afinal, ninguém pularia daquele jeito por "no mínimo 6 gramas de ouro" - e sim de bronze. O nome do nadador era Brendan Hansen e ele havia ganho os 100 metros de nado peito, um nome curioso para uma modalidade que se permite o uso dos braços e pernas do nadador. Bem, Brendan tinha e ainda tem inúmeras razões para comemorar daquele jeito: ele era o competidor mais velho naquela modalidade com 31 anos, ele estava voltando de uma aposentadoria, estatisticamente nadadores com mais de 30 anos não ganham muitas medalhas, ele foi o 13o a conseguir uma, e ele não era o favorito. Claro que existe mais uma razão para ele estar feliz daquele jeito, a medalha que ele ganhou foi a de bronze e não a de prata.

Se você parar para pensar agora, numa competição entre centenas de pessoas, incluindo você, se tivesse a chance de estar entre os três melhores, mas não como o melhor, preferiria chegar em segundo ou em terceiro lugar?

Em 1995 três pessoas pararam para pensar nisso. Bem não exatamente nisso, mas em algo que levou a esta pergunta. Vicki Medvec, Scott Madey e Tom Gilovich pegaram vídeos dos jogos olímpicos de Barcelona e esturam incessantemente apenas o fim das disputas, o momento exato em que os competidores de determinada competição descobriam como haviam se saído - viam as notas dos juízes ou em que posição haviam terminado. Então eles analizaram as emoções de cada um deles novamente quando subiam ao pódio para receber suas medalhas. Sabe o que eles notaram? Duas coisas:

- Medalhistas de ouro mostravam as emoções positivas mais intensas;

- Medalhistas de bronze tinham emoções positivas muito mais intensas do que medalhistas de prata.

Bem, eles pensaram, que bizarro esses competidores olímpicos. E então repetiram o estudo no Empire State Games - uma espécie de jogos olímpicos anuais para atletas amadores do estado de Nova Iorque. E então em outras competições. E eles repararam que o quadro se repetia: 

- Vencedor do ouro: feliz pra caralho;

- Vencedor da prata: putz que legal que eu tou aqui;

- Vencedor do bronze: feliz pacas;

O que os pesquisadores deduziram disso?

Antes de prosseguirmos façamos uma pequena pausa para descansar, olhar ao redor e parecer que não está lendo textos da internet no horário de trabalho. Ou para ir dar aquela mijadinha. Aproveite e veja se tem mais gente por perto e proponha o seguinte jogo:

Cada pessoa coloca R$10 reais num bolo em uma mesa. Todos ficam em volta do bolo de dinheiro. Pegue um maço de baralhos e embaralhe bem. Então decidam que carta vai ser a carta da sorte. Cada pessoa vai tirando uma carta do topo do maço, que deve estar virado para baixo, e a mostra a todos. Se a carta que a pessoa tirar a carta escolhida (um oito de paus por exemplo), ela leva a bolada. Para melhorar discutam para decidir quem começa tirando a primeira carta. Para melhorar ainda mais lembre a todos que como as cartas foram embaralhadas, estão ordenadas aleatoriamente e que a ordem de virar a carta influenciará no resultado.

Normalmente num jogo desses uma pessoa ganha, outras perdem. A que ganha leva a grana para casa, as que perdem costumam ficar pensando no que seria diferente se elas tivessem escolhido ser a segunda ou terceira ou primeira a tirar a carta. Esse tipo de pensamento acerca do que poderia ter sido diferente numa sequência aleatória de acontecimentos, quando esses acontecimentos são influenciados pela ordem em que ocorrem - parecendo assim possuir um efeito de ordem temporal (e se eu tivesse tirado antes ou depois?) - e consequentemente começam a atribuir emoções de culpa ao jogador que jogou antes delas. Ou seja, se o cara que tira a carta antes de você ganha, você olha pra ele e pensa: filho da puta!

A isso damos o nome de pensamento contrafactual.


Descansados? Voltemos ao texto.

Como dizia, os pesquisadores atribuiram as respostas emocionais dos medalhistas de prata e bronze a algo chamado "Pensamento Contrafactual". Uau! Onde já ouvimos esse nome antes? Bem o pensamento contrafactual são os pensamentos de o que poderia ter acontecido se as coisas tivessem sido diferentes ou se algo diferente tivesse acontecido no meio das coisas.

Ou seja, para os pesquisadores o medalhista de prata fica puto porque ele não venceu. Ele foi o segundo colocado, mais um pouco e ele seria ouro. O MELHOR DE TODOS! O sr. Prata não fica pulando de alegria porque ele acaba se comparando com o sr. Ouro e a comparação não é positiva para o lado dele da balança. Já o sr. Bronze não se preocupa com a prata ou o ouro, ele olha para trás e vê quanta gente atrás dele não ganhou uma medalha, assim ele acaba fazendo uma comparação onde o lado dele tem saldo positivo.

Ou seja, quando você ganha a medalha de prata é muito difícil não pensar: "Cara, que merda, se eu tivesse ido um pouquinho de nada mais rápido, um segundinho... se no final eu desse um pouquinho mais de mim...". Já quando ganha a de bronze naturalmente pode pensar "eu poderia ganhar ouro se tivesse me saído melhor", mas é muito mais fácil cerebralmente pensar "Cara... eu quase fico sem medalha... SE FODEU POVÃO... UHUUUUU BEIJEM O MEU BRONZE HAHAHAHAHAHAHA".

Isso combina com outro aspecto curioso de nosso cérebro, o enquadramento. Veja você se considera uma boa pessoa? Você se considera uma pessoa bonita, ou gorda? Repare na sua resposta a essa pergunta e se questione, por que acha isso? Nosso cérebro não é muito bom em julgar coisas de forma objetiva, para criar um julgamento ele tem que usar uma base de comparação. Assim você pode não se achar uma musa ou um Deus Grego da Beleza, mas com certeza sabe que tem muita, mas MUITA, gente mais feia do que você por ai. Sabendo disso seu cérebro cria uma tabela comparativa e responde para você onde ele se coloca nessa lista. Você é a melhor pessoa naquilo que faz, profissionalmente ou por hobbie? Existem melhores? Existem piores? Esse é um dos motivos que faz com que pessoas tenham inveja de colegas e vizinhos, já que para se classificarem elas precisam de um comparativo, seu apartamento é legal? Seus filhos são inteligentes? Seu pau é grande? Seu carro é foda? Sua bunda é um pedaço de mau caminho? Para responder isso você vai ter que procurar os apartamentos dos amigos, os filhos dos outros, os paus dos atores pornôs, aquelas vagabundas de fio dental na praia. Nós somos incapazes de julgar nossas qualidades e defeitos em um sentido absoluto. E isso inclui nossas performances.

E assim, da mesma forma que com o pensamento contrafactual, o medalhista de prata se compara com o medalhista de ouro, já o medalhista de bronze se compara com todos os que não receberam medalhas. 

Curiosamente essa resposta dos medalhistas pode explicar muita coisa da sua vida. Por exemplo, por que existe tanta insegurança sobre o que estamos fazendo? Estou tratando tal pessoa da forma certa? Será que fiz direito naquela reunião de emprego? Digo ou não digo isso pro meu chefe? Tento criar um projeto novo ou simplesmente continuou no arroz com feijão? Dependendo do seu enquadramento, se for positivo ou negativo, você pode evoluir tanto afetivamente quanto profissionalmente quanto mentalmente ou seguir o caminho oposto e apenas adotar o que todos ao redor julgam ser o correto para poder criar uma imagem positiva de si mesmo/mesma.

Se você for um freelancer, pense: porque é tão difícil fazer orçamentos que condizam com o quanto você acha que seu trabalho vale? Melhor cobrar pouco e levar bronze do que chutar alto e não ser o primeiro colocado?

É o velho conselho do sábio zen, ou ele podia ser apenas uma pessoa estúpida também nunca saberemos, comprovado psicologicamente: Basear sua felicidade na expectativa dos outros é o caminho para a infelicidade.

Desta forma a celebração de Brendan não apenas faz sentido, mas era também esperada.

olé


Mas claro, apenas como forma de manter a competição animada, não podemos deixar de lado o sensação que um medalhista deve sentir não apenas por ganhar, mas de participar nos jogos olímpicos, afinal o objetivo dos jogos é a união de povos e raças, a paz, a amizade, o bom relacionamento e a carteira cheia. Afinal, você não acha que os medalhistas levam para casa apenas um souvenir dos jogos, acha?

Nessas olimpíadas de 2012:

- A Rússia paga R$ 270 mil para cada medalhista de ouro. 

- A França paga R$ 130 mil para cada medalhista de ouro. 

- O Japão paga R$ 72 mil para cada medalhista de ouro. 

- A China paga R$ 63 mil para cada medalhista de ouro. 

- A Coreia do Sul paga R$ 600 mil para cada medalhista de ouro. 

- Cingapura nunca conquistou uma medalha de ouro. Porém, quem vencer ganhará um bônus de R$ 1,6 milhão.

- O Canadá paga R$ 40 mil para cada medalhista de ouro. 

- A Estônia paga R$ 300 mil para cada medalhista de ouro. 

- A Alemanha paga R$ 39 mil para cada medalhista de ouro. 

- A Itália paga R$ 370 mil para cada medalhista de ouro. 

- O Azerbaijão dará um bônus de R$ 1,5 milhão para cada medalhista de ouro.

- Os Estados Unidos paga R$ 50 mil aos medalhistas de ouro, R$ 30 mil aos medalhistas de prata e R$ 20 mil aos medalhistas de bronze. O pagamento é feito pelo Comitê Olímpico dos EUA.

- No Brasil, a premiação não é feita pelo governo, e sim por cada confederação. Na natação e nos saltos ornamentais, cada medalha de ouro vale R$ 100 mil. A prata de Thiago Pereira rendeu R$ 50 mil ao nadador. No judô, o ouro vale R$ 50 mil (foi o que venceu Sarah Menezes). No atletismo, a medalha de ouro vale R$ 30 mil, a prata, R$ 20 mil, e o bronze, R$ 15 mil.

Talvez os únicos atletas reais ainda nos dias de hoje sejam os ingleses, que ganham apenas um "obrigado" de seu pais. Os valores estão em reais.


Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.