Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Psico Textos de Psicologia Bizarra A Experiência Psicodélica Um tributo a W.Y. Evans-Wentz

Um tributo a W.Y. Evans-Wentz


A Experiência Psicodélica

“O dr. Evans-Wentz, que literalmente sentou-se aos pés de um lama tibetano por anos, de modo a adquirir sua sabedoria (...) não apenas demonstra um profundo interesse naquelas doutrinas esotéricas tão características do espírito do Oriente, mas igualmente possui a rara faculdade de torná-las mais ou menos inteligíveis ao leigo.” [Citação de uma resenha antropológica sobre a edição da Oxford University Press do Livro Tibetano dos Mortos.]

 

W. Y. Evans-Wentz é um grande estudante que dedicou os seus anos adultos à tarefa de construir uma ponte entre o Tibete e o Ocidente: como uma molécula de RNA ativando o último com a mensagem codificada do primeiro. Não poderíamos render maior tributo ao trabalho deste libertador acadêmico que não fosse basear nosso manual psicodélico em seus insights e citar diretamente seus comentários na “mensagem deste livro.”

 

A mensagem é que a Arte de Morrer é tão importante quanto a Arte de Viver (ou de Vir à Vida), de que é complemento e resumo; que o futuro do ser é dependente, talvez inteiramente, de uma morte altamente controlada, como a Segunda parte deste volume, sobre a Arte de Reencarnar, salienta.

 

A Arte de Morrer, como indicado pelo rito de morte associado à iniciação nos Mistérios da Antigüidade, e citada por Apuleius, o filósofo platônico, ele mesmo um iniciado, e por muitos outros ilustres iniciados, e como o Livro Egípcio dos Mortos sugere, parece ter sido bem melhor conhecida pelos antigos povos que habitavam os países mediterrâneos do que agora por seus descendentes na Europa e nas Américas.

 

“Para aqueles que passaram pela experiência secreta de morte pre-mortem, a morte é justamente uma iniciação, conferindo, assim como faz o rito iniciatório de morte, o poder de controlar conscientemente o processo de morte e regeneração.” (Evans-Wentz, p. XIII-XIV)

 

O aluno de Oxford, como seu grande predecessor do século XI, Marpa (“O Tradutor”), que trouxe os textos budistas indianos ao Tibete, desse modo preservando-os da extinção, viu a importância vital dessas doutrinas e as tornou acessíveis a muitos. O “segredo” já não está oculto: “a arte de morrer é tão importante quanto a arte de viver.”

Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.