Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Envie seu texto
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Psico Textos de Psicologia Bizarra Curso de Hipnose O hipnotismo aniquilador da dor

O hipnotismo aniquilador da dor


Lição XVIII, Curso do Hipnose

Na época em que o doutor Esdaile fazia operações cirúrgicas, nas Índias, servindo-se da anestesia hipnótica e em que o doutor Ellizon aplicava, na Inglaterra, os mesmos meios, a descoberta do valor do clorofórmio e do éter como agentes da supressão dos terrores que apresenta a cirurgia, lançou o hipnotismo completamente na sombra. Apagou-se o seu facho em realidade e o médico pode dispensar-lhe o concurso. Ainda que o clorofórmio, muito longe de satisfazer completamente, destrua quase tanta gente quanto a própria moléstia, podemos reconhecer-lhe o valor e conceder-lhe o direito de agente benéfico, contanto que seja criteriosamente utilizado. Mas isto nada tem que ver com o fato da existência no homem, de uma força capaz de prover e prevenir o retrocesso do sofrimento.

A força do homem.-Achando-se a força no interior, só temos que agir para pô-la em prática. Podemos fazê-la aparecer melhor durante o hipnotismo, pela forte sugestão de uma ordem. A ordem: "Não haverá mais padecimento", equivale à resposta do doente, que tem por efeito o não admitir que ele sofra nenhuma dor. É, pois, fácil de compreender que a força jaz essencialmente dentro do enfermo. É a sua própria força posta em ação por outrem. Ele poderia duvidar dela, deixar de crer nela. Ainda que não estivésseis nas condições de convencê-lo, essa força reside, não obstante, nele. Mais eis aqui a explicação lógica de toda a questão.

A dupla natureza da força. -As forças do corpo são sempre duplas, correm sempre paralelamente. Estamos constantemente em presença de duas forças: a impulsiva e a proibitiva; a que age e a que detém, a que sofre e a que impede o sofrimento. Só a consideração de que o doente se acha em estado de sentir a dor é um argumento suficiente para provar que ele tem também o poder de acalmá-la.

A exaltação do êxtase religioso. -Há uma condição da ação do espírito exaltado que foi caracterizado no caso dos primeiros mártires cristãos. Ele é de tal modo superior ao sofrimento físico que, ainda que as pessoas em questão não se achassem de modo algum sob a influência do hipnotismo, mas estivessem em plena posse das suas faculdades, elas não sentiriam o ferro em brasa nem o azorrague nem o eleito das cadeias. O padecimento físico se transformava em êxtase de alegria. Não se pode dizer que essas pessoas se achassem sob o império de um frenesi religioso; já não há razão tampouco para dizer-se que elas eram inspiradas por Deus para suportar o sofrimento. A pura verdade é que Deus implantou no ser humano uma força que subjuga e domina os padecimentos; ela pode ser posta em ação desde que se descubra o seu verdadeiro estimulo e a aplicação dele. Em alguns casos, esse estímulo se tem revelado sob a forma de um choque repentino, causado por notícias alarmantes, como nos casos de pessoas que se acham na cama e que repentinamente se encontram curadas dos seus achaques, ao recebimento de uma notícia aterradora. Ela pode, também, tomar perfeitamente a forma de uma sugestão hipnótica, como quando o operador ordena ao padecimento que desapareça.
 
A ação das relíquias usadas como meios de cura. -Esta forma pode transformar-se em uma superstição, como no caso da célebre grua de Sant'Ana de Beaupré, de Quebec, visto que muitas pessoas aflitas são anualmente curadas de moléstias inveteradas. Ela pode abraçar também a forma de uma auto-sugestão e de uma afirmação positiva, assim como se dá, em geral, nos casos da "ciência cristã" e do "novo pensamento". O fato a reter é que a força é sempre real. Ela ali está e, sejam quais forem os meios que as façam agir, ela é sempre a mesma. -Esta forma pode transformar-se em uma superstição, como no caso da célebre grua de Sant'Ana de Beaupré, de Quebec, visto que muitas pessoas aflitas são anualmente curadas de moléstias inveteradas. Ela pode abraçar também a forma de uma auto-sugestão e de uma afirmação positiva, assim como se dá, em geral, nos casos da "ciência cristã" e do "novo pensamento". O fato a reter é que a força é sempre real. Ela ali está e, sejam quais forem os meios que as façam agir, ela é sempre a mesma.

O alívio do sofrimento pela indução do sonambulismo passivo. -Se sois chamado a produzir a analgesia a um paciente preparado para sofrer uma operação cirúrgica, deveis hipnotizar o paciente diariamente e, pelo menos, com duas semanas de antecedência. E bom também, na prática, repetir cada dia as mesmas sugestões, que deverão ser feitas da maneira seguinte: -Quando o paciente jaz em estado de profundo sono, deveis dizer-lhe: "Penso que vos conviria dar hoje um passeio ao campo; desçamos agora para sair na carruagem que nos espera. Neste momento, eis-nos levados pelos campos a grande distância das ruas da cidade, longe de todo barulho e toda animação. Estamos agora junto à borda da floresta. Estais vendo árvores, ouvindo pássaros a cantar, vendo flores a desabrochar na orla da mata e a cena vos impressiona como se fosse um espetáculo de uma beleza prodigiosa. Vamos apear aqui e deixaremos a carruagem: divertir-nos-emos em ir a esmo pela floresta. Tomai por este carreira à esquerda, eu tomarei pelo da direita e encontrarnos-emos mais tarde. Dir-me-eis, então, onde estivestes e o que vistes na vossa excursão. Experimentareis uma sensação de contentamento e felicidade, um sentimento de liberdade, um gozo como se tivésseis, enfim, enxotado todo sofrimento e toda pena. Nada vos magoará. Não sentireis dor alguma. Seja qual for a natureza da pena, não podeis senti-la neste momento".

Experiência sobre a atividade do sonho. -Produzistes no paciente um estado de sonambulismo passivo, o que lhe faz crer que, em realidade, ele se acha na floresta. Para ele não é um sonho, mas uma realidade. As expressões de delícia que se lhe esboçam nos lábios e a mudança em toda a sua atitude mostram quanto ele acredita na realidade das coisas que se lhe apresentam. Ele sente-se agora completamente feliz. É então, conveniente que o submetais a diversas provas ligeiras como, por exemplo, beliscar-lhe fortemente a carne, fazendo-o acreditar que está no fundo da floresta. Repetindo-lhe com perseverança que ele não pode mais sentir pena e que está à vontade e completamente feliz.

A renovação do sonho. -Renovando-lhe essa visão, dia a dia, com ligeiras variações que julgardes a propósito agregar-lhes, ligai-lhe no cérebro a idéia da excursão na floresta à do prazer. Quando chega o momento da mesma operação, é bom repetir substancialmente a mesma sugestão que lhe inspirastes durante semanas antes da operação. Antes que seja levado do seu leito, adormecei-o e levai-o, em seguida, para a mesa das operações. Em todos os casos, é sempre útil ter sob a mão um colaborador competente, princiipalmente se a operação é dolorosa, a fim de que o clorofórmio seja administrado sem falta, no caso em que o estado nervoso do paciente se torne bastante forte para triunfar sobre as sugestões do operador.

A idiossincrasia dos pacientes sob a influência do hipnotismo. -O estudo da anestesia hipnótica é muito estranho, porque não há dois pacientes semelhantes. Em certos casos, o paciente está mergulhado num estado de letargia profunda e não presta atenção alguma à operação. Em outros casos, ele se levantará, assistirá ao operador e vigiará o progresso da operação com o mesmo interesse que qualquer outro assistente. Sucede também que o medo da operação é bastante para dissipar a força da sugestão hipnótica e que o paciente se desperta no momento da ação do sofrimento. Para combater esse estado nervoso é que

o médico deve ter sempre à mão clorofórmio, para dele servir-se em caso de necessidade. O efeito do coma. -Nos tempos idos, quando o profundo sono mesmérico era aplicado pelo Dr. Esdaile, os seus doentes passavam para o estado comatoso, muito semelhante ao estado de profunda letargia, e durante cinco e mesmo sete horas. Raramente o paciente acordava enquanto durava a operação, mas quando isso sucedia, um simples mandado bastava para fazê-lo readormecer profundamente. Neste caso, fazei sempre agir as vossas sugestões na direção da indução de um sono cada vez mais profundo. Tendo achado bom produzir um ligeiro sono hipnótico, os operadores hodiernos decidiram que, num grande número de casos, o hipnotismo ligeiro é tão favorável a aplicação da analgesia quanto o hipnotismo profundo.

Hipnotismo profundo. -É o fato para assinalar: -nenhum dos nossos operadores modernos pôde conseguir operar num doente sem dor, pela ação do hipnotismo ligeiro. O hipnotismo extremo tem uni grande valor; o sono profundo permite ao operador o assegurarse da cega obediência do cérebro do doente. A sugestão do desaparecimento da dor e conseqüentemente aceita pelo paciente como uma verdade. Com a aplicação do hipnotismo ligeiro, uma sugestão semelhante não seria admitida e ficaria sem efeito.


Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.