Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Satanismo Livros Satânicos A História do Satanismo A Gênese Satânica

A Gênese Satânica


Morbitvs Vividvs

Jovem LaVeyAnton Szandor LaVey foi o Pai do Satanismo Moderno, alguns diriam até do Satanismo como um todo. Embora esta filosofia e estética sejam tão antigas quanto a humanidade, foi ele que deu pela primeira vez na história uma estrutura organizada para que fossem celebradas como uma religião completa.

Entendendo que, de uma forma ou outra, sempre nos agarramos a dogmas e rituais, ele os utilizou para criar a mais laica e humana, demasiadamente humana, de todas as religiões. LaVey não foi um profeta, não foi um enviado de outro mundo, não foi à reencarnação de qualquer outra grande figura e sequer acreditava em tais bobagens. Este é um ponto importante, por isso vou ressaltá-lo: o Satanismo é uma religião que foi inventada.

É claro, todas as religiões foram inventadas. Mas os satanistas simplesmente admitem isso e não fingem ser donos de uma revelação mística. O seu fundador foi simplesmente um homem à frente de seu tempo. Libertário, de intelecto afiado e dono de um senso raro de oportunidade. Ele nasceu em 11 de Abril de 1930 e seu nome era Howard Stanton Levey. É certo que LeVey soube forjar sua imagem como ninguém, não é a toa que ele mais tarde reescreveria o próprio nome e passasse a se chamar Anton Szandor LaVey.

Pouco depois do seu nascimento sua família decide deixar Chicago e muda-se para a baía de São Francisco. Desde cedo LaVey aprendeu a importância de cultuar uma imagem poderosa e, propositalmente, encheu a história de sua vida com mitos e boatos que não podem ser confirmados, dentre os quais talvez o mais gritante seja o de foi iniciado no ocultismo graças a sua avó Cigana, Luba Koltan, que supostamente lhe contava histórias de superstições sobre vampiros e magia negra de sua terra natal, a Transilvânia. Existem sérias dúvidas se Luba sequer existiu, mas seja como for, o certo é que Anton desde jovem tinha um gosto pelas trevas e adorava ler qualquer coisa que se relacionasse a elas. Sabe-se que, em sua juventude, seus livros de estimação foram "Frankenstein" de Mary Shelly, "Drácula" de Bram Stocker e "O Médico e o Monstro" de Robert Louis Stevenson. Também era leitor assíduo da popular revista “Weird Tales” e devorava qualquer produção Hollywoodiana que flertasse como terror. 

A pré-adolescência de LaVey foi durante a Segunda Guerra Mundial e neste período fascinou-se por manuais militares e catálogos de armas. Rapidamente descobriu que, se alguém assim quisesse, poderia comprar armas e munições suficientes para criar o seu próprio exército privado. Nos idos de 1945, um dos tios de LaVey foi contratado para ser Engenheiro Civil no Exército de Ocupação da Alemanha vencida e Anton teve a chance de viajar com ele. Lá, pode ver filmes da realidade nazista confiscados, os quais tinha recebido a informação de conterem partes de rituais da Black Order of Satan, que supostamente fazia parte do Terceiro Reich. Novamente temos aqui um fato sem muita credibilidade, pois nessa época ele teria apenas 15 anos.

Algo que não pode ser questionado entretanto é sua verve artística e estética. Na prematura idade de cinco anos seus pais já haviam descoberto seu talento musical, quando entrou em uma loja de música e tocou um harpa sem qualquer instrução prévia. Mais tarde, aprendeu a tocar muitos instrumentos, incluindo o violino. Aos 10 anos aprendeu sozinho como tocar piano e aos 15 já era o segundo oboísta na Orquestra Sinfônica do Ballet de San Francisco. Foi este talento que levou LaVey a decidir deixar a escola e juntar-se ao Circo Clyde Beatty em 1947, com apenas 17 anos.

No circo foi contratado, primeiro, como estivador, depois tornou-se responsável pelas jaulas dos animais e, por fim, se tornou responsável por alimentar os grandes felinos. Anton desenvolveu então uma relação íntima com os animais e, provavelmente, começou a perceber que nossos irmãos de quatro patas não eram tão diferentes assim de nós. Ele passava boa parte de seus dias ao lado de predadores em cativeiro. Predadores em cativeiro... não é esta também uma ótima descrição do homo sapiens de hoje? A diferença é que ao contrário dos animais, nós carregamos nas mãos a chave de nossas jaulas.

Não demorou para que ele dominasse a psicologia animal e se transformasse em um ótimo domador, capaz de lidar com oito Leões Nubianos e quatro Tigres de Bengala numa única jaula. Uma noite, enquanto trabalhava no circo, o tocador de calíope habitual embebedou-se e não podia atuar. LaVey prontamente voluntariou-se para o seu lugar e foi um sucesso tão grande que se tornou no tocador de calíope oficial do Circo Beatty.

Quando a temporada do circo acabou, LaVey viu-se desempregado. Seguindo o conselho de alguns dos seus colegas decidiu procurar trabalho em feiras e parques de diversões. Devido a seus talentos musicais, rapidamente conseguiu emprego nas bares locais tocando calíope, órgão Wurlitzer e até mesmo um Hammond. Depois passou a tocar em shows de strip clubs femininos nas noites de sábado e aos domingos de manhã na tendas de espetáculos religiosos. Putas de noite e pastores de manhã. Foi ali que ele descobriu em primeira mão a hipocrisia presente na Igreja Cristã:

”Nas noites de sábado eu podia ver homens assistirem lascivamente as garotas seminuas dançando no show e, no domingo de manhã, quando eu tocava órgão na tenda do culto, eu via os mesmos homens sentando com suas esposas pedindo a Deus que os perdoasse e os purgasse de seus desejos carnais. E no próximo sábado eles visitariam o show novamente ou podiam ser vistos à noite em outros locais de indulgência. Eu soube então que as Igrejas Cristãs estão repletas de hipocrisia e que a natureza carnal do homem se manifestará não importa o quão purgada e combatida seja pelas religiões da luz branca.”

Se não somos santos, por que mentir para nós mesmos dizendo que o somos? Não podemos lutar contra nossa própria natureza. LaVey, trabalhando na indústria do entretenimento, entendeu isso com perfeição. Comédia, espetáculo, diversão, nudez, brincadeiras, delícias para todos os gostos e sentidos. Crianças querem se divertir como crianças e adultos querem se divertir como adultos. Podemos temporariamente nos enganar mas, dado tempo o suficiente, todo joelho se dobrará para a carne. Todo faquir vai acabar dormindo até mais tarde e todo padre tem uma revista pornográfica escondida debaixo da cama. Por mais que esta ou aquela religião nos proíba, inadvertidamente retornaremos para o momento em que deixaremos seus livros sagrados de lado por um tempo e nos entregaremos aos prazeres do mundo. 

LaVey não percebeu na época mas começava ai a gênese do Satanismo Moderno.


Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.

Conteúdo relacionado