Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Satanismo Livros Satânicos Anticristianismo Absurdos bíblicos

Absurdos bíblicos


Anticristianismo

O princípio de que a Bíblia10 é um livro revelado significa que deve ser a absoluta expressão da verdade divina. Tal não ocorre. É repleta de absurdos. Na impossibilidade de citar todos, o Autor comenta os mais grosseiros, evitando os que foram notoriamente erros da gráfica que os imprimiu. Para tanto, foi comparada a tradução em posse dele com a de outras editoras.

Logo em Gênesis 1:29, há o seguinte: “Tenho- vos dado todas as ervas que produzem semente, e se acham sobre a face de toda a terra, bem como todas as árvores em que há fruto que dá semente. Ser-vos-ão para mantimento.” Esta idéia dá a entender que a pessoa pode comer qualquer planta, e aí se inclui as venenosas.

Depois, em Gênesis 6:7, “Disse o Senhor: Destruirei de sobre a face da terra o homem que criei, tanto o homem como o animal, os répteis e as aves do céu; pois me arrependo de os haver feito.” Tal intenção assenta-se na postura de todos pagarem pelos erros de alguns. Que tipo de justiça é esta que não poupa nem as crianças inocentes? Além disso, que culpa possuem os animais e as plantas?

Em Gênesis 8:20, há vários sacrifícios: “Então edificou Noé um altar ao Senhor, e, tomando de todos os animais limpos, e de todas as aves limpas, ofereceu holocaustos sobre o altar.” Em primeiro lugar, esta história de animal “limpo” é absurda, caso contrário os “sujos” não teriam entrado na arca. Em segundo lugar, deve ter criado a extinção das espécies “limpas”, já que, “tomando de todos os animais limpos”, os sacrificou no altar. Em terceiro lugar, a referência à destruição total de animais e plantas, em Gênesis 6:7, impediria os animais sobreviventes da arca de se alimentarem em terra, após o desembarque. Em quarto, o rito de sacrifício animal é incondizente com a imagem cristã de um deus de suprema bondade e justiça. Justamente é o contrário, porque em Gênesis 8:21, “O Senhor sentiu o suave cheiro” da carne e promete não amaldiçoar mais o homem. Ou, seja, Deus se compraz através do sacrifício de um ser vivo, ainda que animal.

Um dos maiores absurdos encontra-se em Gênesis 30:37-43, quando Jacó “Então pôs as varas, que tinha descascado, em frente aos rebanhos, nos canais de água e nos bebedouros, onde os rebanhos bebiam; e conceberam quando vinham beber. E concebiam os rebanhos diante das varas, e as ovelhas davam crias listradas, salpicadas e malhadas”. Por conseguinte altera a estrutura genética do gado, através da presença de simples varas. Só faltou criar também a mula sem cabeça.

Gênesis 38:27-29 diz que “Estando ela para dar à luz, havia gêmeos em seu ventre. Dando ela à luz, um pôs fora a mão, e a parteira tomou um fio escarlate o atou em sua mão, dizendo: Este saiu primeiro. Mas, recolhendo ele a mão, e saindo o outro, ela disse: Como tens tu rompido! E lhe chamaram Perez. Depois saiu o seu irmão, em cuja mão estava o fio escarlate, e foi chamado Zerá”. No mínimo, os gêmeos devem ter disputado a saída do ventre, já que um coloca a mão para fora, mas em seguida é o outro quem acaba saindo. O bebê ainda não nascido deve ter segurado firme o fio escarlate, já que a parteira o descobriu na sua mão.

Outro grande absurdo está em Êxodus 12:29- 30: “À meia-noite o Senhor feriu a todos os primogênitos na terra do Egito, desde o primogênito do Faraó, que se encontrava no trono, até o primogênito do cativo que estava no cárcere, e todos os primogênitos dos animais. Levantou-se o Faraó de noite, ele e todos os seus oficiais, e havia grande clamor no Egito, pois não havia casa em que não houvesse um morto.” O Egito inteiro pagou pelo erro do Faraó, o que, por si, já revela uma enorme injustiça. Contudo, é impossível que em todas as casas do Egito houvesse um bebê primogênito.

O Autor deixa de transcrever o inteiro teor de Números 22:22-30, por ser demasiado longo, mas numa rápida verificação por parte do leitor, será facílimo notar que uma jumenta vê o anjo do Senhor e fala com Balaão na língua humana, o que revela a esquizofrenia de quem escreveu tal texto.

A lei do levirato em Deuteronômio 25:5-9 obriga o irmão a gerar um filho na própria cunhada, sob pena de ser cuspido em público por ela e “sua casa ser chamada em Israel de a casa da desolação”, o que vai contra a liberdade sexual do indivíduo. Ninguém deveria ser forçado a manter relações com quem não quer, mas a Bíblia não pensa assim.

Juízes 20:16 revela que “Entre todo esse povo havia setecentos homens escolhidos, canhotos, os quais atiravam com a funda uma pedra num cabelo, e não erravam”, o que se trata, evidente, de outra sandice, pois tal feito vai contra todas as leis da estatística e da probabilidade. Reis I 6: 2 afirma que “A casa que o rei Salomão edificou ao Senhor era de sessenta côvados11 de comprimento, vinte de largura e trinta de altura”, o que concorda com Crônicas II 3:3.

Então, o templo não era demasiadamente grande. Entrementes, em Reis I 5:15-16 aparecem 1533000 pessoas colaborando na sua construção, o que é um número estapafúrdio. Além disso, a obra teria levado 7 anos, conforme apontado em Reis I 6:38, quando o enorme número de pessoas envolvidas na sua consecução fá-la-ia terminar bem rápido. Por outro lado, em Crônicas I 23:5, aparecem 4000 porteiros, outro número incrível para se tomar conta de um templo, além de 6000 oficiais e juízes, que não existe nem no município como o Rio de Janeiro, na época atual.

Quando Elias esconde-se junto ao ribeiro de Querite, conforme Reis I 2:6, Deus provê o sustento dele desta forma: “Os corvos lhe traziam pão e carne pela manhã, como também pão e carne ao anoitecer, e bebia do ribeiro.” No mínimo, está explicada aí a origem do pombo- correio.

Reis II 6:5-7 assere que “Enquanto um deles estava derrubando um tronco, o ferro do machado caiu na água. Clamou ele: Ai! Meu senhor! Era emprestado. Perguntou o homem de Deus: Onde caiu? Mostrando ele o lugar, Eliseu cortou um pau, lançou-o ali, e fez flutuar o ferro”, o que significa que o ferro saiu nadando. Segundo Crônicas II 7:5, 8-9, Salomão sacrificou ao Senhor 22000 bois e 120000 ovelhas, no curto espaço de uma semana, o que daria 20285 animais por dia, 845 por hora e 14 por minuto, o tempo todo sem parar.

Está em Crônicas II 13:3, que “Abias ordenou a peleja com um exército de homens valentes, quatrocentos mil homens escolhidos, e Jeroboão dispôs contra ele a batalha com oitocentos mil homens escolhidos, todos homens valentes.” Este quantitativo daria praticamente a população inteira de Rondônia, conforme o senso de 1998. O caro leitor já imaginou uma batalha com 1200000 soldados?

A seguir, em 13:17, Abias realiza a matança de 500000 israelitas, maior do que a população do Acre. Nem na Segunda Guerra Mundial morreu tanta gente numa única batalha. O lançamento da bomba atômica em Hiroshima e Nagasaki rendeu 120000 mortos, se somadas as duas cidades.

Um dos piores absurdos bíblicos, que, além de mandar Copérnico para a fogueira como herege, quase impediu as grandes navegações do século XV-XVI, é justamente o que Mateus 4:8 nos conta, na terceira tentação de Jesus, quando “Levou-o novamente o Diabo a um monte muito alto, e mostrou-lhe todos os reinos do mundo e o seu explendor”, que se tornou a prova bíblica de que a terra é plana, caso contrário seria impossível mostrar os reinos do outro lado do planeta.

Mateus 27:52-3 informa que “Abriram-se os sepulcros, e muitos corpos de santos, que dormiam, ressurgiram. E, saindo dos sepulcros, depois da ressurreição de Jesus, entraram na cidade santa e apareceram a muitos”, o que dispensa maiores comentários por tamanha estultice.

Em Marcos 11:12-14, 20-21, Jesus amaldiçoa uma figueira pelo simples fato de estar sem frutos, como se ela tivesse obrigação de fornecê-los fora da sua estação. Ainda em Marcos 16:17-18, quem crer e for batizado pode expulsar demônios, falar novas línguas, pegar em serpentes e beber veneno sem problema algum.

João 12:34 prega que “A multidão respondeu: Nós temos ouvida da lei que o Cristo permanecerá para sempre, como dizes tu que o Filho do homem seja levantado? Quem é esse Filho do homem?”. São trinta palavras ao todo, será que a multidão ensaiou a pergunta antes de fazê-la?

Por Timóteo 5:09-11, “Não seja inscrita viúva com menos de sessenta anos, apenas a que tenha sido mulher de um só marido, recomendada pelo testemunho de boas obras, se criou filhos, se exercitou hospitalidade”. O que revela dois absurdos: a) a mulher, quando mais nova (5:11-12), deveria ser fiel ao seu marido mesmo depois de morto; b) a mulher deveria provar a sua condição de viúva, quando a dita condição decorre de um fato natural, que é o falecimento do seu marido, e não por simples dogmas religiosos.

Timóteo 6:10 afirma que “O amor ao dinheiro é a raiz de todos os males”, enquanto a Igreja constituiu um dos maiores patrimônios seculares de todos os tempos. Na verdade, se o dinheiro não evita males, como as doenças, serve muito bem para levar a um melhor tratamento e recuperar a saúde da melhor forma possível, quando a ausência dele só serve para levar a pessoa a morrer na fila de um dos hospitais públicos que imperam por aí. Na verdade, o dinheiro não traz felicidade, manda trazê-la. Com dinheiro, a pessoa obtém as melhores coisas da vida.

Finalmente, Hebreus 7:1-3 descreve a natureza do sacerdote Melquisedeque, rei de Salém: “Sem pai, sem mãe, sem genealogia, não tendo princípio, nem fim de vida”. Então ele deve estar por aí em algum lugar, já que não morreu.


Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.

Conteúdo relacionado