Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Satanismo Livros Satânicos Satanomicon Os irmãos animais

Os irmãos animais


Satanomicon

LaVey cita, na sétima declaração satânica que “Satan representa o homem como outro animal, algumas vezes melhor, mais freqüentemente pior do que os outros que caminham de quatro, porque, em sua divina espiritualidade e intelectualidade em desenvolvimento, ele se tornou o mais cruel de todos." O médico e antropólogo Melvin Konner conta, em The Tangled Wing, que foi a um zoológico, viu uma placa que dizia "O Animal Mais Perigoso da Terra" e se descobriu olhando para um espelho. O estudo de um paleontologista no Quênia, cujo nome o autor não se recorda, assere que o homem não passa de um "ape killer", ou seja, um macaco assassino. O homem é um macaco sim, não só pela conformação do seu corpo, mas também pela sua arcada dentária, razão pela qual a melhor alimentação seria a frugívora, mas, devido, ao péssimo condicionamento, desde criança, não mais é possível adotá-la exclusivamente. Por fim, os criacionistas devem estar passando sérias dificuldades, agora que foi constado que os homens partilham 98% dos seus genes com os chimpanzés.

É fato sabido e notório que o homem sempre foi considerado um ser superior ao resto da pangeração. Logo, não pode existir ser extraterrestre, porque Adão e Eva foram expulsos para a Terra, depois de terem aprontado no Éden, assim o restante do Universo só serviria para adorno. Do mesmo modo, os animais não possuem inteligência, apenas instinto. Vamos rebater estas duas teses obsoletas.

Através do meteorito ALH84001, achado na Antártica em 1874, foi verificada a existência de microorganismos alienígenas. Então, porque não haver macros? Do mesmo modo, a recente descoberta de água na Lua e em Europa (satélite de Júpiter), abre-se uma porta até mesmo para colonização espacial em pontos mais afastados, sem o incômodo de se criar estações espaciais, já que, na composição da água (H20), o oxigênio supriria a respiração humana e o hidrogênio converter-se-ia no combustível das naves. Então, no futuro, a prova "física" de seres extraterrestres inteligentes também ocorrerá. Por fim, todo o dispêndio de dinheiro e segredo em torno da Área 51 (tema do seriado Arquivo X), onde supostamente ter-se-ia guardado um disco-voador e feita a autopsia num extraterrestre gera uma grande inquietação. Caso contrário, qual a razão, afinal, de tanto mistério?

Quanto aos animais, há muito se verifica a inteligência deles. Os golfinhos possuem linguagem própria, ainda desconhecida. Os elefantes protegem animais menores. Uma vez um elefante tornou-se amigo e protetor de um burro, conta Blavatsky. As aranhas e os pássaros da espécie joão-de-barro fazem construções complexas, outros animais como a serpente no deserto aprendem artes de camuflagem. O peixe-piloto guia o tubarão à sua presa e, em contraprestação, come as sobras dele, o que demonstra uma sabedoria cooperativa entre ambos. A lista seria longa para ser citada aqui, então é preciso abreviar.

As formigas tem uma agricultura, uma pecuária (rebanho de pulgas, tipo "vacas de leite"), tomam banho, praticam esportes, promovem guerras, estão organizadas em diferentes classes sociais. Num texto de reportagem, extrai o seguinte: “Algumas formigas sul-americanas foram observadas passando por cima de um trem urbano. Depois de verem suas companheiras serem mortas muitas vezes pelas rodas do trem, as formigas construíram um túnel por baixo dos trilhos. Então o observador - Bates - tapou os túneis só para ver o que acontecia. As formigas, porém, não voltaram a passar por cima dos trilhos. Pararam, reprocessaram as informações e reconstruíram os túneis. Elas retomaram à passagem apenas quando esses estavam prontos.”

Na verdade, o primeiro golpe contra a suposta supremacia do homem sobre os animais aconteceu através do naturalista Charles Darwin, com a doutrina científica das espécies, que demonstrou que os animais possuem intelectualidade. Há poucos anos atrás, o estado de Kansas, nos EUA, devido, com certeza, a pressões religiosas dos criacionistas, retirou este pensador do currículo escolar, o que revela uma atitude retrógrada e preconceituosa.

O segundo golpe foi mais recente, através de outra reportagem. O casal Allen e Beatrix Gardner, da Universidade de Nevada, nos EUA, fizeram uma pesquisa com uma chimpanzé fêmea, chamada Washoe, que aprendeu, desde criança, a falar com as mãos usando a linguagem de sinais dos surdos-mudos. Depois de aprender a falar, Washoe passou a expressar sentimentos como raiva, compaixão, inveja, solidariedade e um grande senso de humor. Segundo a reportagem, “Washoe foi adotado pelo casal de cientistas em regime de ‘maternidade postiça cruzada’, ou seja, embora fosse um bebê chimpanzé, foi educada como uma criança, numa versão invertida da historia de Tarzã. Os Gardner e Roger Fouts (assistente do casal) não foram os primeiros cientistas que tentaram ensinar chimpanzés a falar. Alguns pioneiros, como Winthrop e Luella Kellog, nos anos 30, ou o psicólogo Keith Hayes, nos anos 40, pensaram nisso, mas falharam em suas tentativas. A razão do fracasso foi insistirem no aprendizado da linguagem vocal, que é própria da espécie humana. ‘De fato, o aparelho fonador dos chimpanzés e menos desenvolvido do que o homem’, explica o enologista Eduardo Ottoni, do Departamento de Psicologia Experimental do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. 'Embora eles sejam capazes de emitir alguns sons, a pronuncia das vogais requer uma estrutura anatômica muito mais complexa. Em contrapartida, são ótimos gesticuladores. Esta é a forma de comunicação que utilizam em seu estado natural na selva.'” Roger Fouts, autor do livro O Parente Mais Próximo, publicado no Brasil pela Editora Objetiva, era assistente do casal e continuou as pesquisas, mudando-se para o Instituto de Estudos Primatas da Universidade de Oklahoma. “Ali, Washoe passou a conviver com outros chimpanzés que, como ela, conheciam a linguagem dos surdos-mudos. Fouts, depois de instalar câmaras de vídeo no local onde viviam, notou que eles conversavam normalmente entre si usando os sinais aprendidos, tanto quando se preparavam para comer ou dormir, como para fazer brincadeiras uns com os outros. A sinalização já fazia parte de seus processos mentais. Isso levantava a possibilidade de que todos os membros da espécie fossem capazes de pensar na forma simbólica. Washoe não era um caso isolado de chimpanzé superdotado. Muito importante é o fato de que transmitem o ensinamento desses sinais para a própria prole. Embora o objetivo cientifico seja o estudo do uso da linguagem de sinais entre eles, a família de Washoe não é tratada como 'animais de laboratório'. As instalações do instituto reproduzem uma floresta tropical, com áreas ao ar livre e telhados especiais onde seus habitantes podem trepar e se balançar como se estivessem na selva. 'Estamos também desenvolvendo um sistema educacional para chimpanzés estudantes, entusiasma-se o pesquisador.’”

Confesso que ao ler esta reportagem, pensei logo na trilogia O Planeta dos Macacos, com Charlton Heston. Seria um tipo de premonição, como os livros de Júlio Verne? Não importa. O importante é que, na doutrina satânica, só se mata os animais em duas circunstâncias, para se alimentar ou se defender de uma agressão.  Abro aqui um parênteses, o Satanismo não advoga também o vegetarianismo, pela simples razão de que a planta também é um ser vivo, já está provado que elas possuem emoção e inteligência, então tanto faz o alimento vegetal ou animal, a não ser que, por razões médicas, uma dieta seja imposta.

Na prática de ritual, não ha necessidade do sacrifício, pois seria a emoção do animal (e não o seu assassinato) que criaria o clima mágico - e esta emoção é mais perfeita quando tirada do próprio mago. Se a pessoa mata o animal, é o terror dele, e não o seu estertor causa mortis, o que cria a carga emocional. Então, a emoção do mago é ainda a mais adequada, a mais pura, com melhor efeito, sem que se retire inutilmente uma vida. Em segundo lugar, os animais e as crianças são os grandes magos naturais, devido à própria inocência, conforme ensina LaVey. Logo, merecem todo o nosso respeito.

Não há nada de errado numa pescaria, por exemplo, se o pescador vai matar a sua fome, ou se é o seu trabalho, em prol da sua subsistência, ao mesmo tempo que fornece alimentos a outras pessoas que exercem atividades diferentes. Agora, pescaria de campeonato,  competição de peixes de briga, rinhas de galo, touradas, vaquejadas, farras do boi, caça a raposa, torneios, corridas de cavalo e de cães etc. não passam de atos cruéis contra os nossos irmãos animais. Antes que alguém rebata que correr não faz mal a ninguém, o Autor já viu, num páreo do Jóckey Club, um cavalo ser sacrificado pelo simples fato de que quebrara a perna numa curva do hipódromo. Assim, não é apenas o fato de obrigar o animal a correr, mas também as possíveis conseqüências que podem advir. É de se citar o artigo 225, inciso VII, da Constituição Federal: Proteger a fauna e a flora, vedadas, na forma da lei, as práticas que coloquem em risco sua função ecológica, provoquem a extinção das espécies ou SUBMETAM OS ANIMAIS A CRUELDADE  (caixa alta do Autor).

Várias pessoas abandonam os animais de estimação pelas ruas. Trata-se de uma atitude vil contra seres que não podem se defender. Aqui, no Rio de Janeiro, existe a SUIPA, sociedade que protege os animais. Ora, um animal de estimação abandonado corre sério perigo de vida, como morrer atropelado por um veículo, envenenado ou espancado por pessoas que os odeiam, mordido por um outro animal mais feroz etc. O ideal é levá-los a esta instituição para castrá-los ou doá-los, conforme o caso, mas nunca abandoná-los. Mais importante ainda é saber se, na aquisição do animal, a pessoa terá capacidade de ficar com ele, pois o animal passa a amar o dono e sofre com o seu posterior descaso. Nesta instituição, existe uma ala de animais que não se alimentam mais, estão morrendo de inanição devido ao enorme estresse causado pelo abandono de quem os amavam.

O que eu quero dizer é que a seleção natural, sendo uma lei da natureza, leva cada ser a se alimentar de outro, seja planta ou animal. Não há como fugir disso. Realmente, é necessário que seja assim. Contudo, um leão, ao devorar um novilho, respeita o resto da manada e os outros animais não temem a presença do leão, pois sabem que ele está perfeitamente saciado e não vai atacar inutilmente. Na verdade, o ser humano é o único que mata por futilidade ou prazer.

Niezsche compreendeu bem o problema. “Este mundo puramente fictício, para grande desvantagem sua, tem de ser diferenciado do mundo dos sonhos; esse último pelo menos reflete a realidade, enquanto o primeiro a falsifica, diminui-a e nega-a. Uma vez que o conceito ‘natureza’ se opôs ao conceito ‘deus’, necessariamente o mundo ‘natural’ assumiu a significação de ‘abominável’ – o conjunto daquele mundo fictício tem sua origem no ódio ao natural (ao real!).”  Esta é, talvez, a maior razão da destruição ao planeta. Este mundo é visto de forma deletéria, por que, originariamente, foi descrito como um local de castigo, para onde Deus expulsou Adão e Eva. Por conseguinte, nenhuma consideração há com a natureza e, enquanto o buraco na camada de ozônio aumenta e as geleiras começam a degelar, todas as outras reservas naturais estão sendo rapidamente consumidas e a poluição tornou-se global. Se não for tomada uma medida imediata para conter tudo isto, arrisco a previsão de que o homem logo terá de se mudar de planeta.

Na verdade, a única coisa que diferenciou o bicho homem do resto foi alguém ter criado a escrita, através das primeiras pinturas na caverna, o que serviu para preservar o conhecimento e permitir a sua evolução cientifica. As pessoas envolvidas em tais covardias contra os animais, sempre estão com a saúde fragilizada, situação financeira precária, afundando-se no álcool e nas drogas etc. A natureza da qual faz parte devolve na mesma moeda a quem não a respeita. O engraçado é que a grande massa relaciona o Satanismo a sacrifícios, quando tal não ocorre nesta doutrina. Vida é a grande indulgência, explica LaVey[1], e, mais ainda, a vida é o maior presente cósmico!



[1] Vida é a grande indulgência, morte é a grande abstinência.


Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.