Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Envie seu texto
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Satanismo Textos Satânicos A Cerimônia de Eorthe

A Cerimônia de Eorthe


Ad Gaia Qui Laetificat Juventutem Meam

Ordem dos Nove Ângulos 1994

 

Tradução por Diabolus Shugara

 

Introdução

A Cerimônia que segue serve para dois propósitos: I) Como uma consagração de um Templo ao ar livre; II) Como um prelúdio para a abertura de um Portal Terra (qv os vários MSS Nove Ângulos). A Cerimônia é presidida pela Senhora da Terra, como é de costume em Templos Satânicos Tradicionais a Senhora conduzir todos os ritos de Iniciação e Consagração.

 

Uma vez que uma locação ao ar livre foi escolhida, o Templo é marcado por sete pedras, de acordo com os preceitos da Tradição Satânica. Também, uma área que serve como “antecâmara” para o circulo principal é usualmente estabelecida.

 

Participantes

Senhora da Terra – Veste carmesim

Mestre do Templo – veste azul

Sacerdotisa – nua

Sacerdote – nu

Congregação – veste negra

Guardião – veste negra e mascara

 

Itens Requeridos

Tetraedro de cristal, colocado sobre uma peça de carvalho;

Incenso – uma combinação de aveleira, faia e civit.

 

Tempo

Crepúsculo; meio/fim de Maio, ou no ou por volta do Solstício de Verão. O rito deve ser programado para ocorrer durante o Fluido Vermelho da Sacerdotisa.

 

O Rito

Exatamente antes da Cerimônia, o Mestre e Senhora conduzem uma forma do “Rito de Lacrar” (qv o Livro Negro de Satan I) dentro da área do Templo, usando o tetraedro de cristal. Eles então partem (ie para a “antecâmara”). O Guardião do Templo entra. É sua tarefa preparar uma cavidade na Terra, dentro do qual o cristal será colocado e enterrado durante o Rito. Uma vez isso completo (a cavidade usualmente sendo estabelecida no centro do Templo) ele incensa a área, e parte.

Todos reunidos dentro da “antecâmara”. Há um tempo de silencio, e uma flauta é tocada, a duração é decidida pela Senhora. Quando preparada, a Senhora leva todos os presentes para dentro do Templo, e o “Agios o Baphomet” é cantado em uníssono por todos os presentes. O canto é cantado por um ciclo de sete, durante o qual o Guardião acende as lanternas posicionadas pelas pedras, e quaisquer outras velas presentes (ie. sobre o carvalho, e de cor púrpura). Mais incenso é adicionado.

Uma vez o canto completo, o Sacerdote e Sacerdotisa dão um passo a frente para encarar o Mestre e Senhora, que saúdam eles com um beijo. O Mestre segura o cristal para a Senhora, dizendo:

Agios Satanas!

 

A Senhora responde dizendo:

 

Dominus Diabolus Sabaoth. Tui sunt caeli.

 

Todos respondem:

 

Tua est terra!

 

A Senhora segura o cristal em suas mãos, palmas para cima. Mestre, Sacerdote e Sacerdote então colocam suas mãos sobre o cristal. A congregação começa uma dança circular, modo da lua, e quietamente, ritmicamente entoa:

 

Erce, eorthan modor.

 

A Senhora começa o canto “Ad Gaia...”, e o Mestre, então a Sacerdotisa, então o Sacerdote, entram no canto nos pontos apropriados. Todos performam um ciclo de nove.

 

Quando completo, a Senhora segura o cristal para a Sacerdotisa. A Sacerdotisa então fica sobre a área da cavidade, segurando o cristal, com sua cabeça ao Norte. O Sacerdote desperta ela, locis muliebribus, estimulando o Fluido Vermelho. Então a união sexual começa, durante o qual ambos visualizam um caos primal sendo trazido das estrelas para dentro de seus corpos e dentro do cristal, forçando a abertura de um Portal Estrela.

 

Durante a união, o Mestre e Senhora colocam suas mãos sobre o Sacerdote e Sacerdotisa. O Mestre entoa “Agios o Atazoth” enquanto a Senhora diz:

 

Thu art eorthe to goode seede,

Of thee spong theo edi bleede,

Sprungs blostme of one leere

Yhe is whit of lime and leere

Yhe is fayr and flur of alle.

 

Ambos visualizam a energia da união e o cristal unidos, como espalhando pelo exterior para se ligar ao Templo.

Então, Mestre, Senhora e a congregação começam “Erce eorthan modor” como um canto (a congregação continua com sua dança circular).

 

Uma vez que a união está completa (com a Sacerdotisa tendo alcançado seu clímax primeiro), a Sacerdotisa deposita um pouco do elixir dentro da cavidade. Ambos são levantados pelo Mestre e Senhora, e se juntam no canto.

 

A Senhora então, em um ponto apropriada de sua escolha, segura o cristal com a Sacerdotisa, e ambas, enquanto continuam o canto, descem o cristal dentro da cavidade. Enquanto o cristal é colocado dentro, a Senhora quietamente diz:

Suspice, Gaia, munus quod tibi offerimus memoriam recolentes Atazoth

A Senhora e Sacerdotisa então enchem a cavidade com terra, continuando o canto “Erce...”. Quando acabado, a Senhora sinaliza para o Guardião tocar o sino do Templo, uma vez. O canto e a dança circular cessam.

 

Após alguns momentos de silencio, o Mestre e Sacerdote começam o canto  “Aperiatur terra...” (veja ilustração). Eles então unidos, nas seções apropriadas, pela Senhora e a Sacerdotisa cantando em uníssono. O canto é direcionado em direção da área do cristal.

 

Uma vez terminado, outros poucos momentos de silencio; então, sozinha, a Senhora canta mais uma vez, o “Agios o Baphomet”. Durante isso, todos os presentes visualizam a área do Templo radiando uma energia primal, com o Portal Estrela completamente aberto acima, através do qual está descendo formas como dragões. Essa visualização continua, até, ao sinal da Senhora, o Guardião toca o sino do Templo sete vezes.

 

 

O que então segue, é a abertura de um Portal Terra durante o qual os cantos planetários são empregados. (com a seqüência arranjada para acabar na esfera apropriada) [para detalhes desse rito em particular, veja Naos e MSS dos “Nine Ângulos”], e/ou uma performance da Missa Negra (qv. Livro Negro I). A energia gerada por todos os ritos subseqüentes deve ser direcionada em direção da área do cristal (o altar humano é usualmente colocado sobre essa área).


Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.