Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Satanismo Textos Satânicos A estrutura do medo e seu efeito na psique

A estrutura do medo e seu efeito na psique


por King e Morbitvs

Psicologia de Bar

A premissa fundamental da sociedade é a moral e consequentemente a lei. A moral, sendo a causa primaria, configura a lei e e então cria socialmente o certo e o errado. Em todos os meios sociais do mundo, por mais estranhos que suas estruturas morais possam ser, ambas mantem consigo uma padronização e um efeito subsequente do caminho do erro - a culpa. 

A moral como em tudo em que se está na mente humana muda de acordo com os tempos. A escravidão assim como o holocausto, as barbaridades de guerra foram todas justificáveis dentro de seus contextos pelos seus líderes. Hoje em dia as mesmas são abominavelmente repudiadas e o sentimento de culpa não somente guarda a geração que gerou como também se perpetua em seus descendentes. 

Segundo Anton Szandor LaVey, a culpa é a forma que a mente usa para se castigar. LaVey dá um passo adiante e afirma que, qualquer ato magicko com sentimento de culpa é o suficiente para fazer o ato voltar contra si. Spare em seus Zos Kia flagrava a mesma ideia, afirmando que uma magia sob efeito peculiar da culpa é um tiro pela culatra. Mas precisamos entender, de onde vem essa culpa?

A magia é um efeito secundário da mente humana. É necessário ter claro em mente que quando se faz magia, você está apenas afirmando para sua cabeça que está em um ritual, mas esse efeito não se limita a ritualística. Qualquer ato de vontade é um ato com potencial de causar efeitos na realidade. Quando se aprende magia deve-se entender dois paradigmas bases para manter-se no jogo:

a) sua mente é maior que sua consciência, portanto sua consciência e sua mente não são a mesma coisa, mas partes de uma estrutura. 
b) o que sua consciência jogar para dentro da sua mente, vai refletir nela.

Usarei duas metáforas para explicar os dois paradigmas da mente x consciência:

Metáfora A

Imagine um copo de cerveja. A parte branca, a espuma, é a sua consciência. A parte amarela, a cerveja em si, é a sua mente. Embora ambas sejam "cerveja" as duas partes não se misturam. A consciência, é o que experimenta os lábios tocando a borda do copo e é a primeira a adentrar na boca do mundo experimental. Logo em seguida, a cerveja - mente - é absorvida pelo mundo experimental. Ambas experimentando a salvia do mundo experimental, porém a saliva do mundo fica misturada na mente - cerveja - não na espuma - consciência. 

Metáfora B

Se qualquer coisa cair no copo de cerveja - algum petisco que o mundo experimental está comendo ao mesmo tempo que bebe você - cerveja - essa coisa vai ultrapassar sua consciência e então ficar no fundo no copo, na cerveja, sua mente. E por um efeito secundário, isso pode refletir no gosto da cerveja. Pervertendo a cerveja, consequentemente perverte o paladar do mundo experimental e acontece o efeito de repulsão. 

 

O efeito de Repulsão

 
Quando a sua mente absorve qualquer tipo de anomalia, ela começa a se refletir na sua consciência. E então, começa a expandir para qualquer um que entrar em contato com você. E de três, uma:
 
a) Você apodrece o seu redor.
b) Você é expulso de onde estava.
c) você atrai pessoas com o mesmo estado de deterioração. 

Os mais sortudos podem ter mais de um efeito ou os três ao mesmo tempo. Mas em magia entramos em um ponto em que, a mente se castiga. A mente humana precisa de uma conduta. Crowley quando percebeu isso, estabilizou a Lei de Thelema. E antes que você dignifique a filosofia como um caráter do comunismo ( o que eu torço para que não) afirmamos: uma mente que não tem seu sistema estabilizado de moralidade incutido como um sub sistema religioso, se torna uma mente regida pela moral social vigente. 
 
Por isso que é o trabalho sumo do magista é fortalecer a própria ideologia em seu subconsciente. Quando Hitler criou uma saudação, uma bandeira, um símbolo, qualquer ato feito contrario ao senso comum era automaticamente perdoado pela nova regência moral. Eliphas Levi, em seu dogma e ritual da alta magia, afirmou sobre as correntes magicas. 
 
Mas o que acontece quando uma mente completamente caótica, sem nenhum fundamento, interage com magia para fins nocivos?
 
A mesma se auto destrói. E destrói o magista. 
 
A destruição não é um ato imediato. Nenhum magista é condenado um dia após fazer seu ritual contra um desafeto.Ela se aprofunda na mente até ser diluída e então, quando o ato está diluído/esquecido, apodrece a mente. O primeiro sintoma disso é como a pessoa se porta. O comportamento é profundamente afetado por causa disso e então os efeitos subsequentes começam a agir. Lei tríplice? Karma? Retorno?
 
Todos esses conceitos foram elaborados a partir desse efeito. A nomenclatura obviamente, fez com que seus escritores contemporâneos buscassem vários significados a mais, muitas vezes vulgares para os mesmos. O que nós agora estamos chamando de "efeito repulsa" é simplesmente quando você faz algo que sua mente sabe que está errado e então insiste. A partir dessa premissa você começa a se destruir. A moral judaico cristã impede muitas pessoas de se darem bem na magia e de fato é um empecilho. Mas desvincular-se da mesma foi parte integrante de todos as formas de magia atuais.
 
Seja um esbá wicca mensalmente celebrado, ou missas negras, ou rituais de adoração ao sol dos thelemitas, tudo visa apenas reestruturar a sua mente para que ela não sofra repulsa. É muito comum no meio magicko ouvirmos falar " ah minha vida deu tudo errado porque comecei a mexer com magia" e similares. Nada disso vem exatamente da magia, mas sim da própria mente. E a consciência, distorcida pela forma que a mente enxerga a magia, acaba mutilando a vida do buscador. 
 
Mas isso não é tudo. Ainda há um jeito da magia destruir a própria pessoa, independente do quão profundo ela já esteja ligada a outro sistema/filosofia e desligada do cristianismo. 
 

Cérebros Suicidas: como reconhecer 

 
Quando praticamos magia tendemos a sentir-nos deuses. É de fato uma filosofia comum hoje em dia, aonde o magista é seu próprio deus. Essa premissa que muito ajuda em trabalhos cabalísticos pode ser a passagem direta para a guilhotina. Uma cabeça tola cava a própria cova. Por sermos animais, nosso instinto de sobrevivência costuma falar alto demais. Nós buscamos profundamente satisfazer nossas necessidades básicas como referidas na piramide de Maslow, mas também as satisfações do ego. E isso inclui:

a) vinganças 
b) ambição/luxuria desenfreada
c) confusão mental
 
Viver pelo próprio ego tem um contra efeito aonde a pessoa busca satisfações de desejos mínimos e indulgencia muito mais fácil seus erros que os dos outros. Afinal, apontar é mais fácil que corrigir. Esse tipo de mente, quando apegada a cada detalhe de si próprio, e perdido em sua egolatria destrói a sua própria magia e a si próprio. E é fácil reconhecer: eles querem se vingar de tudo e de todos. Eles querem destruir tudo e todos. Eles querem no fundo, somente ser destruídos. Eles redirecionam as falhas de si próprios para os outros e então, cada alvo vira uma parte de si que renega e teta destruir. 
 
Qualquer mestre megalomaníaco em magia que exija extremo respeito sob ameaça está em queda livre nessa condição. Esses cérebros suicidas são totalmente vulgares e sua magia se volta contra eles mesmos e eles não percebem.  Porem e se isso de fato estiver afetando você?
 
Magia sem auto analise, não é magia, é vulgaridade, macumba, ou qualquer outra palavra bizarra que quiser se referir. Magia endorsa uma base solida de auto analise, que constantemente indica o caminho para o magista seguir. Se teu cérebro está cego o suficiente para se analisar, preste atenção nas palavras que fala: se houver mais destruir que construir, tenha certeza que você está em caminho errado. 
 
 

Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.