Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Satanismo Textos Satânicos Feitiçaria Negra

Feitiçaria Negra


(Ordo Phosphorus, Trad. Pt: Dom Wilians)

feitiçarianegraO fundamento da feitiçaria negra no mundo antigo é antinatural, ou melhor, a palavra “antinomia” é uma forma grega que significa “contra a lei”. Esta palavra faz referência à rebelião de uma estrutura ou design espiritual das massas e o que quer que seja a atual ideologia naquele momento. A feitiçaria, independentemente da intenção ou da forma, sempre esteve fora de qualquer aceitação convencional dentro da sociedade – seja pela hierarquia religiosa (embora mantenha suas organizações chamadas Igreja juntas e ganhando dinheiro) ou mesmo governamentais. Para fornecer uma compreensão distinta da feitiçaria luciferiana de que eu sou um iniciado, devo escrever diretamente sobre a experiência e a visão, quais todos no passado fizeram segredo, mas chegou na atualidade e veremos como elas se manifestam hoje.

A palavra “Black” no contexto da escrita aqui é uma referência à natureza oculta do Manejo Sinistro, é tanto a profundidade da iniciação que corre em nossas almas, quanto a possibilidade futura que através dos impulsos atávicos pode ser aproveitada como poderosa ferramenta de refinação e fortalecimento de nossa consciência. A Ordo Phosphorus é uma guilda iniciática de praticantes de feitiçaria do ponto de vista do Caminho da Mão Esquerda. A palavra “black” é descrita por Idries Shah como identificada com o som de FHM na língua árabe, que significa “sábio” e igualmente com “compreensão”. Shah escreve ainda que “Black” mantém uma conexão com a sabedoria oculta, por isso a frase iniciática “Dar tariki, tariqat” que significa “Na escuridão, o caminho”.

A Ordo Phosphorus é simbólica do fogo iluminando a argila, da luz que surge da escuridão. Os magos e as bruxas desta Guilda estão igualmente focados não apenas em feitiços baixos, mas utilizando a natureza oculta da escuridão para revelar a Luz dentro de si. Aqui encontramos o fundamento e a essência de Baphomet, o Pai da Sabedoria. O Deus sabático é a união da Besta e da Meretriz, Ahriman (Satanás, Samael) e Az (Lilith, Babalon) que geram Caim (pelo círculo de Leviatã, a Serpente das Profundezas). Uma imagem iniciática de Caim como Baphomet criada por Soror Lilitu Azhdeha pode ser encontrada no “O Livro de Caim” e representa o Senhor Negro do Sabá como uma forma do adversário. A representação deste caminho pode ser encontrada em minhas publicações como: “Feitiçaria Luciferiana: Um Livro da Serpente”, que contém os grifos, “Livro de Caim”, “Feitiço Goético”, “Yatuk Dinoih”, “Nox Umbra”, ” Paitisha”, “Azothoz “, ” Vox Sabbatum ” e muitos outros. O infame “Book of the Witch Moon” também apresenta uma base para os aspectos mais obscuros da feitiçaria e do vampirismo.

Simbolismo

“O modelo do Caminho Esquerdo da Magia Sexual é um desafio que ultrapassa os limites da limitação sociológica; é tabu sem degradação psicológica, capacitação auto-motivacional através do tornar-se Deus ou Deusa, para descobrir suas fraquezas e forças. ” -ADAMU – Magia (k) Sexual Proibida-

A definição do Caminho da Mão Esquerda tem sido uma definição obscura e muitas vezes mal entendida. O Caminho da Mão Esquerda é na percepção universal a mutação ou transformação da consciência em uma divindade ou consciência divina, isto é feito pelo processo da prática da Magia e Feitiçaria para alcançar o movimento do corpo e da mente em direção a uma percepção maior. Os Adeptos Negros da Ordo Phosphorus e a Ordem Negra do Dragão são magos que estão comprometidos com o processo de exercícios mágicos autodeterminados para aprimorar e expandir a consciência, através da atividade física e mental. Isso inclui, mas não está limitado a magia (k) sexual.

“Este não é um caminho de oração e súplica, mas reconhecimento dos poderes inerentes do feiticeiro. Forças da escuridão são chamadas como um meio de auto-expressão, auto-capacitação e auto-deificação.”
– Nathaniel Harris, (autor de Bruxaria: O Livro da Astúcia e atual Magister do Circulo Vermelho, Inglaterra) na Introdução à “Feitiçaria Luciferiana” de Michael W. Ford-

A feitiçaria negra, tal como definida nos grifos acima, é a autodeificação e também a expansão da consciência, transformando o mundano em divino, o simbolismo antinomiano e satânico. Aqui está a cifra e a pista para a essência do caminho luciferiano que é tanto o compromisso quanto a posse dos aspectos mais baixos e superiores da identificação demoníaca que habilita a forma divina encontrada nos grifos proibidos e negros no ADAMU, VOX SABBATUM, LIBER HVHI e Feitiçaria Luciferiana. Trabalhando o mero psicodrama e, dentro do círculo do sábio, o mago busca um espírito superior fora do seu ser. Qundo procura dentro de si, a coreografia e os instrumentos do ritual são meramente ferramentas auto-habilitadas para ajudar no processo de se tornar aquela forma.

“O Círculo dentro da Feitiçaria Luciferiana representa o espaço vinculativo do corpo do feiticeiro, tanto espiritual quanto celestial e também a carne / infernal. O símbolo do Sol e da Lua, são representações das esferas que geram força e o foco do Mago. ”
– ADAMU –

As ferramentas ritualísticas dentro da Tradição Negra são tão variadas quanto os próprios praticantes. Alguns criam servos como fetiche, personificações diabólicas e muitas vezes familiares demoníacos ligados a objetos, criados a partir de restos de animais, sangue ou fluidos sexuais para formar uma sombra do que tenha significado para o feiticeiro. Outros usam pouca ou nenhuma ferramenta ou implemento exterior, e o que mantém a tradição entre esses Adeptos é o compromisso do Espírito Luciférico dentro de cada um. Desse modo a mente do praticante foi libertada através de práticas e pensamentos antinomianos e por esse foco determinado que a Vontade do Adepto Negro transformou-o em um Ser Daemônico.

Certas ferramentas dentro da Via Sinistra são muitas vezes consideradas objetos “assombrados”, habilitados pela prática ritual pela bruxa ou feiticeiro que dá ao objeto uma vida independente da sua, no entanto sempre de acordo com sua vontade. Instrumentos ritualísticos como o kangling tibetano que é uma trombeta feita a partir do osso da coxa de um enforcado ou uma faca ritual conhecida como Athame, é usado no Sabbat para lançar a Mente na direção determinada pelo ritual magicko. A lâmina representa a Mente Luciférica do mago, a taça de crânio é feita a partir da parte superior do crânio humano e é como uma tigela usada na prática cerimonial ou solitária. Se essas ferramentas ritualísticas são necessárias para a prática ou não, depende unicamente dos meios e predileção do feiticeiro.

Forma Divina detém o poder específico dentro dos cultos da feitiçaria como algo habilitado pelo próprio praticante. Os deuses e deusas não existiriam de forma tangível se a humanidade não os capacitasse. Subconscientemente ou conscientemente, assim, pelo Adepto a Forma Divina tornar-se tangível. A energia tem sua fonte não só baseada no sangue do praticante, mas também nos recessos atávicos ou primitivos da mente, assim o poder de deificação pode ser recuperado na carne e na mente consciente do praticante e nisso se encontra o conhecimento realizado por seitas anteriores como a Aurora Dourada, a Mascara em tribos árabes e asiáticas.

O Deus da Feitiçaria Luciferiana é Seth-an, ou Set (o mesmo que Samael, Satã). Este é o Príncipe das Trevas egípcio, um Senhor do Caos e poderoso feiticeiro. Set não deve ser considerado apenas um deus em um sentido antropomórfico, mais sim uma força que é a própria essência do nosso ser. Quando Azazel ou Lúcifer trouxeram a Caim a Chama Negra da Consciência, este era o presente de Set também para a humanidade. Ao trabalhar a Feitiçaria Luciferiana, você está realizando apenas sua antiga herança. Alguns escolhem caminhos menos perigosos do que isso, mas a realidade da feitiçaria como uma Gnose Luciferiana não pode ser negada. O Grande Trabalho em referência a Set é do mago procurar a divindade, isso é consciência, individualidade e poder pessoal. Acreditar em si mesmo em vez de em algo “superior” do que você (o único ser angélico ou ser demoníaco é você, o Anjo Luciferico ou o Sagrado Anjo Guardião) transforma o mago em seus modelos.

Dentro da Tradição Negra, a Trindade Luciferiana, que é composta por Samael – Lilith – Cain, tem um significado especial no modelo de prática dentro do culto. Essa Trindade é o processo alquímico para tornar-se um com as associações de Samael – Lilith – Cain para transformar sua consciência na essência divina que é Baphomet, o Senhor da Sabedoria. Sobre Samael, temos uma pequena seção da sua formula em LIBER HVHI, um trabalho ritual que define a prática mais profunda e mais obscura do Caminho da Mão Esquerda em termos de feitiçaria.

“Pois o Diabo se chama Diabolus, isto é, flui para baixo: aquele que cresceu com orgulho, determinado a reinar em lugares altos, caiu fluindo para as partes mais baixas, como a torrente de um fluxo violento.”
– O Quarto Livro de Filosofia Oculta-

Está escrito na Bíblia que Samael / Satã caiu do céu como um relâmpago, sendo que antes da queda, era um serafim de guarda ao redor do trono de Deus. Antes da sua queda, ele era um mestre da morte, o próprio veneno de Deus, mas ele também era um doador de Vida, sendo agora pai entre os anjos caídos. Nos escritos judaicos posteriores, Samael está associado ao nome de Malkira, que Morris Jastrow Jr. associou a Malik-Ra, sendo “O Anjo Maligno” e o nome de Matanbuchus, sendo uma forma de Angro-Mainyush ou ahrimã.

O Senhor da Terra, sendo um nome atribuído a Samael (Satã) e seus anjos e demônios caídos, são considerados espíritos astrais, que não tomam mais forma física, mas podem manifestar-se através do feiticeiro ou da bruxa que podem fazer uma ” pacto ” com eles, sendo isso a iniciação e dedicação ao Caminho da mão Esquerda. Samael é o espírito patrono do Caminho da Mão Esquerda, pois sua Palavra é o que formou nossos pensamentos e nos deu o fogo interior da Chama Negra, nosso processo individual de pensamento e livre arbítrio. O mago que alinha sua vontade com o Caminho da Esquerda, o de Samael (o Diabo), recebe poderes sobre a terra de uma maneira ou de outra, ao mesmo tempo que se fortalece, define e amplia a sua consciência. Aqui podemos ver que Samael ou Satã / Shaitan, não é o aspecto devorador, mas também o salvador da humanidade e o plantador da semente da luz em nosso ser. Através de Cain, sua linhagem sobreviveu e continua espiritualmente poderosa até o presente momento.

Lilith, sendo a Noiva do Diabo, é uma parte do Adversário como o lado obscuro instintivo do homem e da mulher, feminino, mas horrível e amando tudo dentro da mesma medida. Ela é conhecida pelo “Layil” semítico, uma palavra que significa noite, mas também o nome do demônio da tempestade. Lilith está associada à coruja e outros animais selvagens, pois é onde ela foi depois que deixou o céu para vagar pela terra. Ela é considerada uma das três demonesas assírias sendo Ardat Lilit, Lilit e Lilu, mas isso pode ser apenas variações de seu nome.

Lilith como descrito na literatura pós-bíblica é vista como a Rainha dos Demônios, ela foi às cavernas perto do Mar Vermelho e copulou com anjos caídos para gerar outros demônios, ela também ensinou (de acordo com a sabedoria maniqueísta – Az) os anjos caídos como a formar corpos e ter relações sexuais para dar vida a outros “filhos dragões”. É dito ter se reunido com seu companheiro Samael (Ahriman) após a queda. Sendo que ele não seria despertado por seus companheiros caídos e demônios, apenas as palavras de Az (Lilith) poderiam despertá-lo. E então beijou sua forma e causou a menstruação. A Deusa da Feitiçaria Luciferiana é Lilith ou Babalon, como descrito anteriormente. Ela também é Hecate, a Deusa da Céu Escuro cuja benção é a juventude e morte.

Cain foi o filho nascido de Samael (o Diabo) e Lilith (através de EvA), o primeiro fruto satânico.

“É dito dentro das tradições obscuras que a Bíblia está equivocada em relação ao verdadeiro parentesco de Caim. Ele era, de fato, meio homem, meio demônio, bastardo, filho de Adão e Lilith. E por esta razão que o Senhor não aceitaria suas ofertas e orações, em vez de exigências específicas de sacrifícios de animais. O conto continua com Caim sendo amaldiçoado para vagar pela terra como um vagabundo, com o solo que ele não fez graça. ”
– Nathaniel J. Harris, A Marca de Cain, o Primeiro Satanista e o Primeiro Assassinato-

Em certa literatura rabínica, as Filhas de Caim eram aquelas que se juntaram em união sexual com os Anjos Caídos, os Vigilantes, e deram a luz aos Nephilim, os Gigantes que eram guerreiros e brutais. Os que haviam povoado a terra em abundância e atacaram os filhos de Seth. Na sabedoria maniqueísta, a Rainha dos Demônios e iniciadora espiritual de Caim, Lilith-Az, ensinou os anjos caídos a formar corpos físicos e se juntar com outros sexualmente. É sugerido também pelos escritores Kaufmann Kohler, WH Bennett e Louis Ginzberg que os Filhos de Cain passaram seus dias ao pé de uma montanha (Eden?) Praticando orgias selvagens com a música de Lúcifer recriada por Tubal. As mulheres, as primeiras Pairikas ou fadas / Bruxas, em suas belas aparências, convidaram os filhos de Seth (filhos de Deus) e copularam com eles, tendo outros filhos. Este folclore judaico apresenta as primeiras formas do Sabbat das Bruxas como uma celebração luciferiana e como pratica de magia sexual.

“Para Philo, da mesma forma, Caim é o tipo de avareza, de” loucura e impiedade “(” De Cherubim “, xx) e de amor próprio (” De Sacrificiis Abelis et Caini “,” Quod Deterius Potiori Insidiari Soleat, “). “Ele construiu uma cidade” (Gen. iv. 17) significa que “ele construiu um sistema doutrinário deinsolência e indulgência imoderada de prazer” (“De Posteritate”, 15); e os filósofos epicuristas são da escola de Caim “, afirmando ter Caim como professor e guia, que recomendou a adoração dos poderes sensuais em preferência aos poderes de deus”
– A Enciclopédia Judaica, compilada por Kaufmann Kohler, WH Bennett, Louis Ginzberg-

Aqui podemos ver que Caim é, portanto, uma encarnação de carne e sangue do Caminho Luciferiano em si, ele é o Filho de Satanás e Lilith, a essência escura que está profundamente relacionada com Eva, a esposa de Adão. Cain não é apenas o padroeiro da bruxaria, também o símbolo do iniciado no caminho antinomiano.

A Marca simbólico da iniciação, que Aleister Crowley denominou a Marca da Besta do Apocalipse em “O Livro de Thoth”, trouxe diferentes interpretações de sua forma, mas a própria função é clara.

“Essa marca, ou estigma, pode ter sido uma referência a alguma forma de tatuagem. A história pode referir-se originalmente à tribo nômade dos quenitas, ferreiros itinerantes que se julgaram descendentes de Caim, relacionados também com os midianitas e os israelitas que viajaram pelo riacho do deserto de Arabah em torno dos séculos XIII a IX a.e.c. Eles vingariam o assassinato de qualquer membro da tribo com severidade. A marca foi posteriormente equiparada aos tempos de perseguiçao a feiticeiros com as marcas dadas aos iniciados do culto. Historicamente Cain é reconhecido como um iniciador em várias sociedades heréticas”.
– Nathaniel J. Harris, Witcha, Um livro da astúcia (Mandrake de Oxford)-

Esta marca é representada como uma marcação simbólica do compromisso antinomiano, de ser despertado para o Caminho do Diabo e sua Noiva, para se tornar o ser Daemônico inerente ao nosso sangue. O processo dinâmico foi representado nos grifos da “Feitiçaria Luciferiana” de várias formas, em Yatuk Dinoih, apresentando um sistema coerente com os Trabalhos Cainitas com base no espírito incorporado na Carne do iniciado, sendo representado como Paitisha, o “Rito de Zohak” e outros trabalhos dentro do grimório. O espírito de Baphomet ou a Cabra Sabática, o Deus das Bruxas é revelado como o próprio Cain.

Uma vez que o mago começa o processo de separação, a ignorância cai como argila queimada com chamas enegrecidas, o espírito se levanta para dançar em formas retorcidas, o corpo, a sombra e a luz copulam com a musica de Tubal Cain e o Círculo do Sabá está completo.


Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.