Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Satanismo Textos Satânicos O Pentagrama

O Pentagrama


texto e pantáculo de apresentação por PHARZHUPH, Lucifer Luciferax III

pentagrama

Ah! que deleite, a vista tal, se estende
De súbito por todos os sentidos,
E prazer juvenil, sagrado gosto
Até à medula ardentes me penetram!
Seria um Deus quem desenhou tais signos
Que a interna tormenta em mim serenam
O pobre coração de paz me enchem
E com secreto impulso patenteiam
Em torno a mim as forças da natura?
Serei Deus? Tão claro se me torna
Tudo! E patente nestes puros traços
Vejo ante mim a natureza ativa.
Agora, compreendo a voz do Sábio:
“Não está fechado o mundo dos Espíritos:
O coração tens morto e o pensamento!”
- Goethe, Fausto, 1ª parte, cena 1ª

O pentagrama é basicamente uma figura geométrica plana em forma de estrela com cinco pontas. O traço único de seu desenho indica uma linha contínua, sem início ou fim e se a estendêssemos sobre uma mesa, como a um barbante, poderíamos formar um círculo.

É conhecido por diversos nomes dentro das diversas tradições mágickas, ocultistas e espirituais existentes: Símbolo de Baphomet, Adam Belial, Pentagrama, Estrela Flamejante, Bode de Mendes, Bode Preto e muitos outros.

O ocultismo ocidental da “falsa luz” o interpreta basicamente de duas maneiras. O desenho do pentagrama com uma das pontas voltada para cima simbolizaria o Espírito dominando os quatro elementos. Já o desenho com uma das pontas voltadas para baixo representaria o Espírito dominado pelos elementos mais grosseiros de sua própria constituição. Um pentagrama invertido representaria ainda a negação de alguma “trindade sagrada” segundo famosos escritores satanistas, muito embora não vejamos nenhuma relevância em trindades de religiões e correntes espirituais obscuras, controversas e torpes como as cristãs, por exemplo, que precisem ser negadas necessariamente.

O pentagrama simboliza o microcosmo (pequeno mundo) e o microprósopo (pequena face) que, segundo o simbolismo qabalístico e alquímico, são a imagem e a semelhança do macrocosmo (universo ou grande mundo) e do macroprósopo (grande face). A interpretação para essa sentença deve ser estruturada sob a luz da qabalah, ao invés do engodo infeliz das associações “espirituais” da ignorância.

O Homem possui em si, de maneira proporcional, todos os elementos do universo, sendo ele mesmo um universo único que pode ser comparado ao Grande Universo Ilimitado.

Ao Homem cabe a tarefa de construir e expandir seu próprio universo, assim como a tarefa única de sua própria evolução, ou como diriam os adeptos da “falsa luz”, sua própria “redenção”.

Considerando o símbolo dentro da Espiritualidade das Trevas, da Verdadeira Luz, não podemos admitir que o mesmo represente o homem dominado por seus instintos grotescos, animais, primitivos e grosseiros. Seria o mesmo que atestarmos nossa fraqueza diante dos elementos que constituem nosso Ser, elementos que não negamos e procuramos não refrear em demasia, elementos pesados na balança da alta Sabedoria e da própria Vida.

Na Espiritualidade “Luciferiana” procuramos estar além da relatividade do Bem e do Mal, além das limitações impostas por dogmatismos esdrúxulos de Branco e Preto. Nossas cabeças acima dos céus e nossos pés abaixo dos infernos!

O Pentagrama representa o número 5, a união do 2 e do 3, um princípio feminino (2) acrescido de um princípio masculino, fálico (3). O Homem comum possui 5 sentidos: visão, audição, paladar, olfato e tato. Há 5 dedos em cada mão. Na antiga astrologia havia 5 planetas errantes. A décima sephirah é Malkut e seu número místico é 55 (um duplo 5). O 5 é o número que divide o 10 de maneira perfeita, sendo o 10 o número do Ciclo Eterno. O 5 representa a Essência, o Espírito daquele que incorre nas quatro provas fundamentais do ocultismo: Querer, Saber, Ousar e Calar. O 5 é o facho luminoso que se desprende entre os 4 chifres da Divindade, coroando as 4 virtudes do Homem, a saber: Fé, Inteligência, Força e Sabedoria.

O 5 é o valor gemátrico da letra hebraica Heh, o recipiente e o reprodutor das formas.

As armas elementais são 5: a Espada (Ar), o Pentáculo (Terra), o Bastão (Fogo), o Cálice (Água/Sangue) e a Lâmpada (Espírito).

Pentagramas

O pentagrama era o emblema da escola pitagórica e nele encontramos a Razão Áurea, como apresentado na figura abaixo:

Pentagrama Áureo


Dividindo 228,25356 pela somatória de 87,1851 e 53,88336 obtemos 1,618033 (Razão Áurea).

Obtemos o mesmo valor dividindo 87,1851 por 53,88336.

Não importa a dimensão do pentagrama, se ele for construído simetricamente, a Razão Áurea estará nele.

A Razão Áurea está presente no Homem Vitruviano de Leonardo Da Vinci; nas linhas imaginárias que ligam nossos dedos; nas escamas dos peixes; no marfim dos elefantes; no crescimento das plantas; no Parthenon construído por Phidias.

O pentagrama é também o símbolo de Adam Belial (o Homem Decaído), de Adam Cadmo (o Homem Redimido) e de Adam Protoplasta (a primeira forma do homem), conceitos qabalísticos que também são utilizados para representar o Homem que se espelha em determinadas virtudes e na essência dos caminhos espirituais que “escolheu” seguir ou naqueles em que ele se “espelha essencialmente”.

A ponta inferior do pentagrama “invertido” representa a queda auto infligida pela própria vontade consciente do Homem para dentro de seus planos interiores obscuros e ctónicos. Representa a descida aos mundos inferiores, erroneamente associados à involução espiritual. É também uma alusão à cauda demoníaca que representa a exacerbada espiritualidade da Luz através de Kundartiguador, símbolo da Iluminação alcançada pela vitoriosa exploração e despertar dos chakras (a Kundalini “ao revés”, se preferirem).

Um dos pentagramas mais difundidos foi utilizado e “registrado em cartório” por Anton S. La Vey, sendo que a Church of Satan possui seus “direitos autorais”. Trata-se do símbolo de Baphomet, segundo a definição da Bíblia Satânica.

Baphomet, o andrógino incompreendido, “emprestou” seu nome ao pentagrama, embora sua cabeça não seja necessariamente a cabeça de um bode.

A figura híbrida, imortalizada pela recriação de Eliphas Levi, se tornou uma espécie de ícone satânico, principalmente pela herança medieval dos Cavaleiros Templários. Perseguidos pela Igreja, os Cavaleiros foram torturados e queimados por toda a Europa. Em suas confissões figuravam festins diabólicos presididos por Baphomet. A cerimônia Templária do beijo obsceno inspirou a imaginação de centenas de artistas pelo mundo afora e, numa criação de um “deus macaco”, surgiram estigmas diabólicos e outras imitações bizarras de um deus ainda mais bizarro.

Tradicionalmente, o Osculum Obscenum representaria a fidelidade do Adepto ao “Demônio”. Em antigas interpretações da cerimônia dizia-se que o “beijo da obediência” era dado na face mais bela e oculta. Há citações sobre um rosto escondido que ocuparia o local do ânus, o que justificaria a disposição para o ato. É um símbolo da admissão do adepto ao interior, ao inferior e ao heterodoxo.

A cabeça de Baphomet segundo o desenho de Levi, é formada por caracteres de animais sagrados em antigas tradições, entre eles estão: o burro, o bode, o cão, o touro e o homem. Seus chifres representam as virtudes do Homem. O archote luminoso representa a onisciência auto criada. As mãos humanas representam o trabalho. Os seios revelam os sinais da criação e da maternidade. Seu colo está coberto para ocultar os mistérios da criação universal. De seu manto se ergue um caduceu hermético. O pentagrama em sua fronte representa a inteligência humana.

Baphomet é considerado o guardião da chave do templo e o lado Obscuro da face divina.

Embora a literatura ocultista possua centenas de interpretações para Baphomet, não há evidências históricas que possam corroborar a origem do mito, da imagem ou de seu culto. Há muitas conjecturas e muitas hipóteses relevantes, cabendo somente ao próprio Iniciado o trabalho de reunir os elementos fundamentais para uma compreensão adequada ou assimilar as interpretações clássicas daqueles que nos procederam.

O bode representa os instintos carnais exaltados, a licenciosidade, a luxúria, a força bruta e a persistência, características inerentes, embora não dominantes na constituição da espiritualidade Luciferiana.

Em antigas celebrações judaicas, na cidade de Mendes, dois bodes eram consagrados, um para representar a pureza e outro a impureza. O puro era sacrificado e o impuro era posto em liberdade sob o pretexto da “expiação dos pecados”, esse era o Bode de Mendes. Pode-se aludir à benção de Caim, que para ser ouvido, derramou o sangue de seu irmão Abel, sendo depois marcado na fronte para que ninguém o ferisse.

Ao redor do Símbolo de Baphomet tradicional, como o utilizado pela Church of Satan, está escrito o nome Leviathan em hebraico.

O nome Leviathan é citado no Velho Testamento por 5 vezes, sendo que os primeiros cinco capítulos que o compõe são chamados de Pentateuco.

Segundo a mitologia hebraica e o Zohar, Leviathan foi criado no 5° dia e ele representa as forças pré-existentes do caos.

O valor gemátrico da palavra Leviathan é 496, o que a torna equivalente à palavra Malkut, cujo valor gemátrico também é 496. Malkut é a Esfera do planeta Terra e também sua Alma, local onde “habitamos”.

O Zohar diz que Leviathan foi criado como um monstro marinho. Ele é associado ao Dragão Theli e é o Arqui-Demônio que melhor representa Malkunofat, o 23° kala ou Túnel de Set (2+3=5). Malkunofat é conhecido como a morada dos Profundos, identificados com os deuses e demônios ctónicos.

pent4.gif

Na antiga mitologia hebraica, Leviathan está associado aos peixes marinhos da mesma forma que Behemoth é associado aos animais terrestres. A palavra e a letra hebraica “Num” significam peixe e “Mem” as águas do oceano. O peixe nada coberto pelas águas do mundo oculto. A água é também o sangue, o elemento que compõe oceanos fluídicos para a exploração dos Túneis de Set.

Concluímos então que a ponta inferior do pentagrama também representa essa jornada de queda auto infligida, rumo às regiões do submundo, do inconsciente e das profundezas abissais dos oceanos fluídicos. Uma das tarefas primordiais e primárias do Iniciado é a conquista do plano material associado à Malkut. O indivíduo deve se tornar mestre de seu redor e de si mesmo antes de se lançar abruptamente nos caminhos da magia e da espiritualidade das Trevas, da Verdadeira Luz. Como alguém poderia querer dominar a energia, as forças da natureza e a tenebrosa Sombra sem antes compreender e dominar as forças que atuam em si mesmo?

Os rituais do pentagrama costumam ser a maneira mais difundida para ajudar o Iniciado a compreender e a dominar os elementos fundamentais “presentes” em Malkut. Aleister Crowley atribuía significado especial ao ritual do pentagrama menor, sobre o qual escreveu: “Aqueles que consideram esse ritual como um mero artifício para invocar ou banir espíritos não são merecedores de possuí-lo. Propriamente entendido, ele é a Medicina dos Metais e a Pedra do Sábio.”.


Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.