Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Sociedades Secretas & Conspirações Textos Conspiracionais Nazi-Esoterismo: crenças e Magia no Reich de Hitler A Magia Sexual & A Castidade de Hitler

A Magia Sexual & A Castidade de Hitler


Nazi-Esoterismo: Crenças e Magia no Reich de Hitler

A magia de Eckart, orientada pela mitomania  e megalomania, reunia, como se viu até aqui:

1. apelo popular da mitologia nacional eivada de tradições populares [afinal, era um nacionalismo populista];
2. os aspectos mais bárbaros de rituais pagãos nórdico-germânicos;
3. influências igualmente primitivas das religiões orientais, tudo isso significando operar a magia através do uso de sangue fresco obtido pelo sacrifício de animais e, no caso mais trevoso desse tipo de prática, os sacrifícios humanos.

A mitologia nacional, para legitimar com um argumento pseudo-histórico a ideologia da superioridade ariana. O resgate do paganismo para justificar a estranheza de rituais nos quais foram perpetradas ações consensualmente consideradas criminosas segundo os padrões de sociabilidade do mundo contemporâneo ocidental. Os sacrifícios de sangue para as conjurações de entidades metafísicas [espíritos, demônios, deuses].

Para completar, Eckart incluiu um tipo de magia sexual extraída do pensamento de Aleister Crowley [1875-1947], mago negro da moda, do tipo personalidade excêntrica que escandaliza a sociedade, aquele que ficou conhecido como O Homem Mais Perverso do Mundo. No contexto da operacionalidade da magia, o metabolismo sexual, mais precisamente, o momento do orgasmo é considerado especialmente propício para alcançar um estado de consciência alterado, superior, que permitiria a percepção da realidade além do meramente visível ou palpável.

O princípio básico dessa magia sexual é se apossar da energia bruta do sexo, que é energia de geração ─ [reprodução animal] para utilizá-la em obras de regeneração e/ou transformação de determinado aspecto da natureza. Este é um dos motivos da polêmica em torno de Crowley: Ele trouxe para a luz da publicidade a idéia de que fomentar orgasmos no contexto da magia  era e/ou é  um sistema tão bom e eficiente [ou mais] quanto qualquer outro para produzir a energia concentrada em uma idéia. Enfim, o orgasmo mágico em nada se relaciona com conceitos de moral e bons costumes; é técnica; ciência ou poiesis [realização] aristotélica.

[Instalado em sua Abadia de Thelema, na Sicília, Crowley foi mais um que desejou reviver a magia de Landulf de Capua, aquele que...] "dominava todos os espíritos, fossem bons ou maus, em seu ninho de águias, o Castelo Merveille [Castelo das Maravilhas]. Esse castelo foi identificado como uma fortaleza de Catabellota, Sicília. Conta a lenda que Aleister Crowley esteve nesta fortaleza onde, à noite, invocou pela primeira vez a manifestação do Anticristo, a Besta da Revelação; a mesma Besta que os magos negros do passado tinham despertado ali mesmo [Klingsor, Landuf de Capua]; a Besta que apareceu, chamada por Dietrich Eckart e Alfred Rosenberg, nas sessões mediúnicas do fechado grupo Vril da Sociedade de Thule. [RAVENSCROFT, 1982]

Não há dúvida que Eckart estudou as semelhanças entre a magia sexual de Crowley e a Magia Astrológica de Landulf de Capua, o mago negro do século IX [IDEM, 1982]. Uma diferença significativa é que Crowley não matava pessoas. [Ainda que, eventualmente, deixasse algumas loucas]. Os sacrifícios rituais crowleyanos tinham limites. Landulf fazia sacrifícios humanos.

Segundo as lendas de Caltabellota os rituais de Landulf incluíam terríveis torturas: abrir o ventre e lentamente extrair as entranhas da vítima; introduzir estacas nos orifícios dos corpos e fazer tais coisas invocando espíritos da Trevas ─ Íncubos que estupravam virgens raptadas. [Pelo horror dos meus Eus, leitores, não sejam retardados, isso tudo é coisa de débil mental psicopata, nem pense numa coisa dessas! Digo isso, advirto, porque conheço espírito de porco possível em raça humana. Meditemos...]

Ninguém fez o filme das orgias da Sociedade Thule-Vril porém vários pesquisadores do tema garantem que Hitler jamais participou delas em sessões comuns do grupo. O que se especula é que o ditador tenha tido um preparo mais que privado, especial, pessoal. Os mesmos pesquisadores acreditam que Hitler, tendo sido escolhido pelos cabeças do Partido Nazista exatamente por ser um medium genuíno [e por isso mesmo meio miolo mole, como é comum em muitos casos de mediunidade] ─ passou pelos rituais de Iniciação mágica segundo a tradição da Magia Negra Ocidental.

Esses rituais, teatrais [lembre-se que Eckart era dramaturgo], repletos de apelos emocionais e desafios para a mente e para o corpo, consistem em provas/experiências geralmente pouco agradáveis que pretendem matar e/ou submeter no adepto seu Ego Inferior para ele possa ressuscitar como Iniciado nos mistérios consciente de seu Eu Superior. [Coisa é complicada...].

Com Hitler não foi diferente mas, segundo os estudiosos, os efeitos da Iniciação sequelaram definitivamente o já vacilante equilíbrio neuropsíquico daquele que se tornaria o Führer do Terceiro Reich. Sim, quando Hitler chegou ao poder ele já tinha sido devidamente educado por Eckart, estava inteiramente viciado em estados de espírito e consciência modificados pelo uso de drogas [morfina, cocaína, mescalina ─ GOODRICK-CLARKE 2003, p 119] e praticamente impotente; estado perfeito para quem deveria encarnar Parsifal, o herói puro e casto, único capaz de resgatar a Lança do Destino, o Santo Graal e a nobreza racial germânica.

O ato final de Eckart foi iniciar Hitler em um "ritual monstruoso e sadista de magia... após o qual ele ficou sexualmente impotente. A impotência de Hitler tinha uma profunda base psicológica. Ele atingia a satisfação sexual por meio dos extremos do sadismo e do masoquismo ... a perversão sexual teve um lugar central em sua vida... uma perversão sexual monstruosa era o centro de toda sua existência, a fonte de seus poderes mediúnicos e clarividentes e a motivação para todos os atos com os quais perpetrou uma vingança sadista na humanidade [RAVENSCROFT Apud BAY, 2001].

Ao fim de todo o processo, Hitler referia-se a si mesmo como "um possuído". Acreditando ser um Escolhido,  dizia: "Eu sou como um sonâmbulo e vou onde a Providência me leva" [WALLACE-MURPHY/RAVENSCROFT, 1997]. Para muitos, o ditador mais temido do mundo, de tanto se envolver com os círculos ocultistas, tornara-se refém de satanistas que podiam controlar suas ações porque controlavam sua consciência.


Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.