Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Sociedades Secretas & Conspirações Textos Conspiracionais Nazi-Esoterismo: crenças e Magia no Reich de Hitler Welteislehre: O Poder do Gelo & As Muitas Luas de Horbiger

Welteislehre: O Poder do Gelo & As Muitas Luas de Horbiger


Nazi-Esoterismo: Crenças e Magia no Reich de Hitler


É algo de muito surpreendente que em pleno fim da metade do século XX uma teoria como a Cosmogonia Glacial de Hans Horbiger fosse aceita nos meios acadêmicos; e mais espantoso ainda é que tenha sido adotada como "cosmogonia oficial" do Estado alemão! [Até porque não é, exatamente da competência de um poder político decidir ou responder à nação sobre a questão da origem do Universo!].

Horbiger era um engenheiro industrial que lidava com válvulas de máquinas à vapor. Em 1894, ficou rico [aos 34 anos]! Tinha inventado uma válvula para compressores cuja patente rendeu-lhe fortuna; o irmão cuidava dos negócios. ele passou a se dedicar aos "estudos". Horbiger tinha, de fato, uma inteligência inventiva; porém jamais pesquisou coisa alguma relacionada à astrofísica, astronomia, química, geologia etc..

Sobre sua Cosmogênese Glacial, dizia que tinha tido uma visão, em 1894, curiosamente, o mesmo em que inventou a [válvula milionária]. Em uma carta ao engenheiro Milliam Ley, escreveu: "Tive uma revelação quando,  jovem engenheiro, observei um dia uma corrente de aço fundido [incandescente]  sobre a terra molhada e coberta de neve: a terra explodia com certo atraso e grande violência." [BERGIER/PAUWELS].

Segundo Horbiger, no Princípio existia um enorme corpo flamejante pairando na treva do abismo frio; tão frio que condensou uma grande massa de gelo [indicando a presença de vapor d'água naquele abismo que, afinal, não era tão vazio]. Não estando mais sozinho, o corpo flamejante , dividindo o Espaço com o corpo Glacial, ambos passaram a exercer atração um sobre o outro. quanto mais próximos ficavam mais velozmente se aproximavam até que o corpo gelado precipitou-se sobre o ardente penetrando fundo as entranhas quentes. "Nada se produziu durante centenas de milha

es de anos. Depois, o vapor de água fez explodir tudo" [BERGIER/PAUWELS, p 264].
Fragmentos incandescentes foram expelidos. Alguns, perderam-se no infinito; outros, voltaram ao seio do fogo e aqueles que alcançaram uma"zona média" tornaram-se os planetas do Sistema Solar. Nesse sistema, os orbes, ou são gelados como Júpiter, Marte, Lua; ou são muito quentes, como Mercúrio e Vênus. Somente a Terra possui uma temperatura intermediária e, por isso, sobre este planeta se mantém a luta entre o fogo e o gelo.

Sobre o futuro do Universo Horbiger considera que o equilíbrio das distâncias entre as esferas depende da relação entre as forças de atração e repulsão porém, o grande corpo flamejante, em sua posição central, continua sendo o pólo mais forte. Por isso, um dia, asteróides, cometas, planetas, estrelas, precipitar-se-ão uns sobre os outros até Tudo será reabsorvido pelo Princípio ígneo de onde Tudo saiu.

As Luas Cadentes

 A Teoria das Luas cadentes de Horbiger fundamenta-se justamente nessa atração fatal que conduz, inevitavelmente, todas as coisas do Universo de volta à Unidade ardente. As órbitas dos astros são circulares porém abertas;significa que configuram-se em espiral; os menores aproximando-se, sempre mais, dos maiores. Ao longo das Eras geológicas o campo gravitacional da Terra teria capturado esses rochedos gelados e esféricos; os satélites, as Luas.

Ensina Horbiger que três luas já caíram na Terra: marcando as Eras, da Primária à Terciária. A Lua atual seria, então, Lua Quaternária. À medida em que a distância entre a Terra e seu satélite diminui [na espiral] acontecem mudanças ambientais notáveis: ecológicas, biológicas. Quanto mais distante a Lua, logo quando é capturada, menores são as formas de vida e mais mansas são as águas, as marés.  Quando chega a certa proximidade, a força atrativa lunar provoca o gigantismo da flora e da fauna, elevam-se os níveis dos oceanos, aumenta a violência das marés. A teoria horbigeriana explica: "É a gravidade que dá aos seres o seu tamanho. Eles só aumentam de tamanho em função do peso que podem suportar. No momento em que o satélite está próximo há, portanto, um período de gigantismo [BERGIER/PAUWELS, p 269].

Baseado em sua Cosmogonia Horbiger profetiza, no porvir,  uma Era de Gigantes, o Homem-Novo de Hitler é o novo gigante Atlante, uma raça que vai governar o mundo por milênios até que Lua quaternária exploda  e seus fragmentos gelados caiam sobre as louras cabeças da Humanidade futura afundando suas cidades brancas.
 


Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.