Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Sociedades Secretas & Conspirações Textos Conspiracionais Os Livros Malditos Epílogo

Epílogo


por Jacques Bergier

A paranóia ou mania de perseguição é uma doença mental que ameaça a nós todos. Por isso, não seria muito prudente imaginar vastas conspirações que se estenderiam em toda a superfície do globo, ao longo de nossa História.

Entretanto, parece-me que se outras civilizações existiram antes da nossa e que foram destruídas por abusos dos poderes da ciência e da técnica, a lembrança delas e de sua morte podem inspirar uma conspiração que visaria evitar que tais catástrofes tornassem a reproduzir-se.

Uma ideologia dessa natureza pode, talvez, ser encontrada sem dificuldade nos escritos de Joseph de Maistre, de Saint-Yves d’Alveydre ou de René Guénon. Tal ideologia consiste em admitir a existência de uma Tradição mais antiga que a História, de centros detentores dessa tradição e poderosamente protegidos; para ela, a ciência, as técnicas e os conhecimentos de toda natureza constituem um perigo permanente.
É uma ideologia reacionária. Mas há exemplos suficientes, na História, de homens ou organizações no poder que sustentaram essas teorias, hiper-tradicionais, para imaginar que uma organização secreta as coloca em ação.

Manifestações aparentemente dessa organização poderiam ser encontradas na Inquisição, no nazismo ou no lyssenquismo. Sobre este último ponto, é preciso ler o livro de Medvedev, “Grandeza e queda de Lyssenko”. Livro maldito em seu próprio país, pois não somente está proibido de publicação como seu autor foi detido em 29 de maio de 1970 e internado em um hospital psiquiátrico apesar de estar completamente são de espírito. Foi libertado aos 18 de junho do mesmo ano, graças à ação conjugada de todos os sábios soviéticos. Isto se passa em nosso tempo, em 1970, e não no passado mais ou menos longínquo, onde se situam a maior parte dos acontecimentos narrados neste livro. Como se vê, os Homens de Preto não são desprovidos de meios de ação.

O crime de Jaurès Medvedev, eminente biologista soviético, foi, segundo eles, denunciar o lyssenquismo. De que se trataria? T. D. Lyssenko, charlatão autodidata e fanático, apoiado por homens políticos, notadamente por Stálin, forjara com todas as peças uma falsa biologia e destruiria a ciência genética na URSS. Impediu, notadamente, a descoberta na URSS da dupla hélice do ADN, da qual os russos estavam próximos. Os geneticistas soviéticos foram exterminados em campos de concentração. É uma sorte que algumas pessoas gostariam de reservar ao Padre Watson e a seus colegas.

Só recentemente foi que a genética soviética começou a renascer e que as vítimas de Lyssenko foram reabilitadas. Quando a Lyssenko, está em liberdade e não tem aborrecimentos. No tempo de sua glória, o Coral do Estado soviético cantou esse hino em sua honra:

“Cante alegremente, meu acordeão,
Que eu canto com meu amigo,
A glória eterna do acadêmico Lyssenko
Mitchkourine abriu o caminho
Que ele seguiu com passos resolutos.
Graças a ele, não seremos mais
Crédulos mendelianos-morganistas.”

Durante esse tempo, massacraram os geneticistas nos campos de Stalin.

Não saberia afirmar com certeza se Lyssenko faria parte de uma organização dos Homens de Preto. Em todo caso é um bom espécime. E estou convencido de que tal organização existe.

Atualmente, estou em vias de investigar uma manifestação relativamente recente do poder dessa organização, e se os resultados que obtive até agora não são completos e definidos – sê-lo-ão algum dia? – pelo menos são interessantes.

Do fim de 1943 até o armistício de 8 de maio de 1945, houve na Itália uma república dirigida por Mussolini. A história secreta dessa república é bem menos conhecida do que a do III Reich. Mussolini, como Hitler, tinha à sua disposição conselheiros ocultos, magos negros. Sobreviveram e as leis sobre difamação impedem que seus nomes sejam citados.

Por ordem de dois deles, uma unidade especial fascista em 1944 queimou 80.000 livros e manuscritos pertencentes à Sociedade Real do Saber de Nápoles. A operação tinha como fim impedir que documentos mágicos importantes caíssem em mãos aliadas.

Certos documentos eram antigos; outros, modernos, traziam pesquisas mágicas feitas ao tempo de Mussolini, e o que pude apreender sobre tais investigações, é suficientemente apaixonante para fazer-me lamentar a destruição da biblioteca e empenhar-me em encontrar cópias. Uma dessas investigações é muito original e é este seu mérito, o que nesse campo é raro. Um mágico concentrou, com a ajuda de um telescópio sobre a água, a luz de uma estrela e obteve, assim, a água-Sírius, água-Vega, água-Antares, água-Aldebaran, etc. Cristalizou, em seguida, nessa água, substâncias particularmente sensíveis aos efeitos meteorológicos e cósmicos, como por exemplo o nitrato de urânio. E há outras.

Certos organismos científicos sérios estudam fenômenos desse gênero. Mas o mago obteve resultados que não eram totalmente científicos. Sais cristalizados na água exposta à luz das estrelas formaram agrupamentos e esses agrupamentos, segundo os desenhos que vi, pareciam, singularmente, símbolos esotéricos das estrelas em questão.

Não me perguntem a explicação desse fenômeno, não a sei.

Parece que a biblioteca de Nápoles estava cheia de descobertas fantásticas desse tipo, antigas e modernas, havendo, ainda, manuscritos inéditos de Leonardo Da Vinci e documentos apreendidos a Aleister Crowley quando a polícia fascista destruiu sua abadia maldita em Cefalu, na Sicília.

Nesse dia de março de 1944, os Homens de Preto eram aliados dos camisas-negras. Tenebrosa aliança.

Evidentemente, todos os livros malditos não são mágicos ou científicos. Há também livros políticos, como o mostra esta divertida citação do “Pato Acorrentado”, de quarta-feira, 7 de abril de 1971:

“Refugiado em Yammossokro, Cote-d’Ivoire, o antigo chefe de armas biafrense, Alexander Madiebo, vendeu, há algumas semanas, suas memórias. Memórias onde revela muitas coisas: a lista das armas fornecidas pela França, os pontos de passagem, os nomes dos agentes de Foccart em contato com os biafrenses, etc.

Isso se soube em Paris e não deu prazer a todo mundo, sobretudo num momento em que se discute com a Nigéria certos contratos petrolíferos que devem beneficiar a SAFRAP-ERAP, e acima de tudo para jazidas situadas em território ex-biafrense.

Não houve nenhum prazer, mas a pena é livre, não? Então... Então não se pode impedir de notar uma estranha coincidência: uma equipe de cavalheiros tomou o avião para a Cote-d’Ivoire e foi fazer uma investigação completa na vila de Madiebo. Sua missão foi, é preciso dizê-lo, coroada de êxito, e o manuscrito maldito desapareceu. O golpe falhou: o General Madiebo possuía dele uma cópia que pusera a salvo num cofre-forte em Londres.

É bem torpe, a desconfiança...”

Apesar de eu ter relações com o “Pato Acorrentado”, esse artigo não é meu.

Mas gostei muito da expressão “manuscrito maldito” e estou persuadido que a destruição persiste em nossos dias, e especialmente no campo deste livro, muito mais do que se pensa.


Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.