Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Thelema Livros Thelemitas Carta a um Maçon A verdadeira natureza de João Batista

A verdadeira natureza de João Batista


Carta a um Maçon

O capítulo final da disputa foi a divisão do Império em Romano e Bizantino. Desde então, a Igreja Romana tem se chamado "Católica", e a Bizantina, "Ortodoxa". Ambas, é claro, um amontoado de mentiras.

Qual o motivo, o senhor perguntará, para essa perseguição impiedosa às seitas gnósticas e essênias?

No caso dos essênios, as razões foram políticas e dogmáticas. Aproximadamente um século antes do assim-chamado "Ano Um" nascera na Palestina um rabi, cujo nome é desconhecido (embora alguns estudiosos presumam ter sido Ionas, ou Jonas). Ele criou um novo sistema de Essenismo, fundando muitos ramos dessa fraternidade judeo-cóptica, e adquirindo um grande número de seguidores na Ásia Menor. Muitos documentos foram escritos acerca dos incidentes de sua vida e doutrina. Foi um Adepto Cristão, ou seja, defendeu a tese de que todo homem é um Templo do Deus Vivo; deu testemunho do Logos e do Espírito Santo, e tal foi seu impacto no pensamento religioso de sua época que os patriarcas romano-alexandrinos, ao escreverem a "história de Jesus Cristo", foram forçados a incluí-lo, para evitar suspeitas. Chamaram-no de "João Batista"...

Acerca deste:

THE DEAD SEA SCROLLS, AN INTRODUCTION, de R.K.Harrison.

Também este livro deveria ser traduzido para o português por um maçon!


Abaixo, cito uma passagem atribuída a esse iniciado, extraída de um manuscrito cóptico intitulado "Evangelho de Maria", apócrifo, desde 1896 no Museu de Berlim. Depois de haver explicado vários pontos de sua doutrina, ele se despede de seus discípulos:

"... Quando o Abençoado havia dito isto, ele saudou a todos, dizendo: 'Paz seja convosco. Recebei minha paz para vós mesmos. Cuidai-vos de que nenhum vos desvie com as palavras "olha alí" ou "olha lá", pois o Filho do Homem está dentro de vós. Seguí-o: aqueles que o buscam o encontrarão. Ide, pois, e pregai a Boa Nova do Reino. Eu não vos deixo nenhuma regra, salvo o que vos recomendei (Amai-vos uns aos outros), e eu não vos dei nenhuma lei, qual fez o legislador (Moisés), para evitar que vos sentísseis obrigados por ela.' E quando acabou de dizer isto, ele foi embora."

(Gnosticism, An Anthology, ed. Robert M. Grant, Collins, London, pp. 65-66, "The Gospel of Mary")

Esta passagem pode ser comparada a muitas outras nos Evangelhos nas quais, quando interrogado, "Jesus" diz explicitamente: "O Reino de Deus está dentro de vós."

E que razão tinham os Romanos e Alexandrinos para perseguir e exterminar os gnósticos gregos?

Desta feita o motivo era puramente dogmático. Na época posteriormente atribuída pelos patriarcas ao "nascimento de Jesus Cristo", um iniciado grego deu vida nova aos mistérios de Apolo e Diôniso, restabeleceu o culto ao Sol Espiritual e ao Logos, praticou maravilhas taumatúrgicas e, em suma, causou tal impressão que os Romano- Alexandrinos foram forçados a incorporar diversos "milagres" em sua miscelânia evangélica, de forma que o seu "Jesus" pudesse igualar os prodígios atribuídos a Apolônio de Tyana. Ao mesmo tempo, afirmaram que Apolônio de Tyana havia sido enviado por "Satã" para reproduzir os milagres de "Jesus" e assim desviar as pessoas do "verdadeiro Cristo". destruíram também, sistematicamente, todos os documentos autênticos da vida de Apolônio, salvo um, a fantástica e inacreditável Vita, atribuída a um pretenso "discípulo" desse grande Adepto.

Novamente lhe indico ISIS DESVELADA, e o artigo "Apollonius" na Enciclopédia Britânica.


Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.