Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Envie seu texto
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Thelema Livros Thelemitas Verdade, O Látego do Conhecimento Arte Iluminatti contra o saber: O Rótulo do Ceticismo

Arte Iluminatti contra o saber: O Rótulo do Ceticismo


Por Grimm Wotan

CeticismoObservando que em vários lugares, textos, e modernamente em listas de vários tipos. Sempre encontramos os que dizem: "...estou pronto para descobrir e saber, mas isto que você afirma é somente mais um rótulo que mascara a verdade..." .

         E concordando com esta afirmação, em termos de chocar o pensamento contra o fanatismo, não há o que ser dito, realmente o cético deve ser o sadia da relação.

         Jamais um pregador poderá faze-lo doar um décimo de seus bens para poder viver sem trabalhar.

         No entanto, com o desenvolvimento deste modelo de pensamento, houve um embuste muito forte que acabou por gerar um problema que veio a servir justamente aos inimigos que homens como Nietzsche, tanto condenaram.

         Se por exemplo, nos atermos a algumas formas de desenvolvimento, desde que claramente concretas, perceberemos que elas possuem um método, e que seus efeitos podem ser repetidos, estudados e potencializados, e necessariamente isto é o que a Ciência pretende ser.

         E se estas formas de desenvolvimento podem nos mostrar o que deve acontecer quando, por exemplo, inalamos mais por Ida do que por Pingala, desencadeando um total desequilíbrio no corpo podendo leva-lo a morte. Ou se levarmos para o campo da Acumpuntura Chinesa, e observarmos os meridianos desequilibrados, alguns mais fortes ou mais fracos, o que veremos será a expressão do desencadear de formas de vitalidade que devem estar equilibradas mas não estão, mas estas formas de vitalidade não participam da experiência dos instrumentos da ciência ortodoxa, se bem que vez por outra o que escapa de sua alçada (não por não poder ser estudado, mas pela tacanhez do cientista ou do médico), acaba por gerar efeitos não esperados que deixam cabisbaixo o observador. Efeitos estes que são livremente observados dentro do estudo do ocultismo, de forma que se pode claramente entende-los.

         A muito tempo as igrejas do mundo, as mais conhecidas sejam elas de quaisquer tipo de monoteísmo que o sejam, sempre buscaram lutar contra seu inimigo, o intelecto humano e seu imenso campo de atividade. Este intelecto se baseia em leis de crescimento, e de evolução que devem necessariamente se expressar na sociedade humana como um todo, e principalmente este intelecto deve ir além de qualquer fronteira, usando de todas as suas capacidades (representadas pelos 100% de atividade tanto do cérebro quanto do corpo). E recentemente foi entendido pela ciência oficial que existem inúmeras formas de inteligência, as quais se baseiam em 8 setas, são necessariamente 8 formas de desenvolvimento da genialidade humana, e que em número gênero e grau, reafirmam algo que sempre existiu dentro das antigas tradições. Para os Sumérios eram as 8 setas de Innana, para os Druidas os 8 Gomos de Abred em Volta de Gwennwed, sempre com a mesma premissa básica, e esta é : 8 FESTAS ESPECIFICAMENTE DENTRO DE UM CICLO, EXPRESSANDO ESTAS MESMAS 8 ÁREAS DE DESENVOLVIMENTO HUMANO, E BEM COMO SEUS VÍNCULOS COM O CÉREBRO E O CORPO, ISTO SEM MENCIONAR SUAS SUTILEZAS.

         Assim se prestarmos atenção o suficiente, os antigos sabiamente usaram-se destas celebrações, polarizadas com áreas específicas do decorrer do ano que afetam os ciclos da vida, e portanto a humanidade em decorrência.

         Se uma pessoa notar, a própria mudança da lua afeta as mares, e bem como os humores das pessoas ( a sérios estudos na Inglaterra sobre a incidência de agressividade, e atividade de serial killers durante as lunações, e seus picos de desenvolvimento). E da mesma forma as estações do ano, afetam-nos mudam-nos desenvolvem-nos a ponto de estarmos ou melhorando, ou apanhando para aprender algo está errado.

         E levando em conta que há uma tendência natural para demonstrar o que está errado, e que se demonstra pelo fluxo constante de atividade e inércia, pelos ventos de musphel e nephel, mas que somente na humanidade estes efeitos podem ser aferidos e demonstrados de forma direta, e somente o ser humano de posse dos dados sobre isto, pode alterar de forma as vezes muito rápida os andamentos de sua vida, ou do que o cerca. Tal fato demonstra os 3 presentes dos Aesires primordiais para a humanidade.

         Isto é um fato que não pode ser negado, dado o que foi exposto acima.

         No entanto, ao saber que suas tentativas para minar o fato de que a Humanidade é Divina ( Toda Mulher e Todo Homem são potências incontestáveis, desde que sejam passíveis de evolução).

         E percebendo que as formas de pensar cético começavam a se desenvolver, em desespero o "monótono-teísmo" procurou apoio no que lhe estava mais próximo, antes atacado, mas agora útil.

         E os movimentos gnósticos, cabalismo hermético, e o que Dee se incumbiu de levar ao mundo, foram apoiados e postos em relativo acesso as classes que buscavam ser pensantes. É por este motivo que livros como o Goetia, e Ritual de Abramelin o mago, não foram destruídos e sim utilizados, e mais coisas absurdas nascidas do errático uso destes volumes acima citados, combinados aos preconceitos acentuados dos sacerdotes, geraram aberrações ainda piores como o Grimório do Papa Honório. E eu insisto, observe friamente o selo de Astaroth, e verá que se trata da afirmação cabalística de que o pilar do meio é o ser humano, e os outros 2 pilares a direita e esquerda, e bem como as quiliphots abaixo, numa tentativa de manter o que Astarte, chamada de Astoreth e Astaroth, mais conhecida como a Deusa Suméria Innana, eram. As detentoras do conhecimento mais perfeito em suas terras ( precisamente é isto o que é dito de Astaroth dentro do Goetia).

         A Igreja, protestante, católica, o monoteísmo no geral, somente conseguiu ficar livre das famílias de praticantes em meados do ano de 1750 da vulgar era cristã, quando então os movimentos retornaram por volta de 1860 ( ou seja apesar dos avos praticantes mortos, dos pais torturados ou mortos, os netos - mesmo que sem conhecimentos, pois muito foi para a fogueira, tendo que pegar o que lhe estava a mão - procuraram engendrar algo tanto como forma de protesto, e tentativa de retorno a algo da tradição de seus antepassados, como também pelo reconhecimento imediato da pobreza do que a igreja lhes oferecia e oferece. Afinal, qual é o brio em rastejar e ser mais um verme pedindo desculpas por Ter nascido de um saudável ato sexual, ao invés de um estupro espiritual???? E sabemos que o produto deste estupro nunca existiu, sendo somente uma maquinação para manipular a população, fraca, semi inútil e com desejo ardente de muletas).

         Quando movimentos como os Teosóficos surgiram, e bem como os seus antecessores. Já em meio a estes houveram os que estavam plantando as sementes para que em meio aos que poderiam ser potencialmente inimigos da mentira histórica.

         Estas sementes necessariamente estão no princípio que poderia Ter sido o monoteísmo no princípio, uma forma de gnose que foi perseguida, mas que veio a ser uma pedra de salvação para os roedores de cadáveres.

         Foi dito que todos os deuses são um deus apenas. Ou que são apenas emanação de um deus. E que os processos de evolução apenas levam o ser a fundir-se com este deus no final, e assim eliminam a ilusão de multiplicidade.

         Embasaram-se para tanto no conceito cabalístico de Ortz Chaim, a Árvore da Vida Cabalística, e nas emanações de ain soph. Combinadas ao conceito de Vishnu emanando seus avatares, como por Exemplo Krishna e Rama. Isto no mediterrâneo gerou, em combinação a idéia que nasceu da torpe mente de akhenathon de um monoteísmo, de que o pleroma (os deuses que vem a geral todas as coisas) são inacessíveis e indiferentes, mas que o ser humano deve individuar-se dos mesmos e sendo exatamente como ABRAXAS, estar em uma posição abissal além de sim e não. E isto se mesclou as idéias de Deus mal e Deus bom, de Zoroastro, Mani e outros em várias fazes históricas.

         Assim o conceito gnóstico de crestos (iluminado), nasceu das fusões de conceitos acima. E foi entrefundido com a história de Krishna, mas com terminologia essênia pela necessidade gerada durante a fusão do mitraísmo com o sacerdócio politeísta romano (os mitraicos em ascensão os politeístas romanos ainda com poder, e uma saída política foi necessária). Por isto tantos concílios para chegar a acordos sucessivamente pelos séculos seguintes.

         E finalmente, em tempos recentes, foi usado este método de pensar para - como foi dito acima - afirmar o fato de que o Logos emana a tudo e todos, e todos a ele voltarão, mas que devem ser eventualmente guiados por seu avatar, que é encarado como seu filho.

         Pois bem, o homem então - e sejamos observadores e francos, os ditos livros sagrados monoteístas falam da mulher como instigadora do mal, ou mesmo como a fonte do mesmo - deve ser salvo - do que até hoje não me contaram, e nem conseguiram - e ele deve manter sua alma a salvo. Esta alma é o logos no homem, e este logos ele mesmo é adorado como o sol, e sua luz é emitida pelo seu avatar diretamente para o homem. E para ele não perder a alma ele não pode julgar, e ele mesmo não pode optar por seus próprios desígnios pois o homem sem deus - sem a vontade do logos transmitida por sua esposa a igreja, nas palavras da mesma - perde sua alma.

         Esta alma ou se preferir, o ouro dos alquimistas, é transmitida pelo ato de gerar. Esta alma somente pode ser entendida nesta forma tacanha de pensar como sendo o SÊMEN, e a mulher não tem sêmen logo é dito - e isto nos livros ignóbeis destes roedores de cadáveres - que a mulher não tem alma e portanto deve ser guiada pelo, homem e este é o fato pelo qual ela não pode ser uma sacerdotiza nestes - será que o leitor me perdoará o termo? - ritos.

         E mais, todo homem que se comportar como uma mulher, age não tendo alma e portanto está condenado ao dito inferno.

         Em essência busca-se gerar uma bomba psicológica, com o objetivo de dominar as massas - nem vou entrar no mérito da drenagem vital das próprias massas pois o termo é evidente, e explica-se a si mesmo. E esta bomba se embasa na geração de ódio contra a liberdade, e contra os que não precisam dos símbolos que os roedores de cadáveres utilizam. Toda Mulher e Todo Homem passível de evoluir, é visto como símbolo supremo do mal para as multidões atuais.

         Bem, ocorreu que a filosofia, que já capengava a muito, foi assaltada e assediada até o estupro pelos refinados analfabetos funcionais - termo recente que na verdade define o antigo adjetivo "burrice" - que diziam o homem é nada sem deus, ou que o homem é um prolongamento do logos.

         Pensadores a mais de 150 anos criticaram isto - Rabelaer, Nietzsche, etc. - , mas seu ato de pensar além dos limites, e de usar o ceticismo incondicionado, de maneira a ser científico em tudo, levou a duas situações :

 

A)       Realmente foi gerada uma casta de pensadores que criticou o abuso fanático mundo afora;

B)      Dos que procuraram pelo ocultismo, dos mais promissores aos mais medíocres, foram intoxicados pelo idéia de que toda verdade é meia verdade. Que existe Maya, a ilusão dos sentidos, e que sua forma de vê-la e sair dela, pertence ao seu universo, mas não ao meu universo, e que todo método é valido e chegará ao mesmo lugar (ou seja houve uma densificação da idéia de Logos, extendida a todo o mundo que se propunha a praticar seriamente algo). Assim tudo são RÓTULOS.

 

Obcecados pela ideia de que "Todo Homem e Toda Mulher é uma Estrela", ideia está que evoluiu para a afirmação "Nada é Verdadeiro, Tudo é Permitido". Que culminou com a célebre frase: "Nós criamos e destruímos deuses a todo momento" (isto nasceu da estranha ideia fixa do criador do sistema chaoísta, de que seus sigilos, forma de magia sexual ao estilo de A. O. Sper , eram deuses pois realizaram funções especificamente. O que ele próprio não declarou é que seus sigilos, são elementais artificiais, nada além disto). E sabendo que estas idéias foram a culminação do desenvolvimento da idéia do Homem Deus que muitos afirmaram no passado recente. E bem como que este Homem Deus, é afirmado como ele próprio uno com o Logos através de seu Santo Anjo Guardião (O Self de cada um tem haver com o lar dos Sdhee Alf, Hossalfheim ou se preferir Gwennwed, mas o dever de cada um é crescer livremente para as bordas emissoras de sua conciência, Aesgaard ou se preferir por direito de prática Keugant, Tiamat, ou equivalentes.).

         Note que se você retorna a um ponto dito como uno emissor de tudo, indissociado, então você retornará como a mais baixa forma de ser para em seguida evoluir nas ditas escalas cíclicas de crescimento até ser de novo humano, e então querer crescer e de novo voltar ao dito logos, e daí o ciclo se repetirá indefinidamente. E isto por que se ele próprio é a fonte indissociada de todas as coisas, e como bem o sabemos de seus livros, que emite constantemente tudo quando algo a ele se funde perde toda a sua individualidade e seus méritos pessoais, sua própria divindade pessoal, tornando-se apenas o que o logos é e assim ele se emitirá para a parte mais baixa do esquema de criação dos gnósticos-vishnaístas de novo.

         Isto não somente é estúpido, como atesta a total falta de bom senso de que integralmente assim reage e prossegue.

         Foi claramente desenvolvido acima o esquema de como o ser reage as 8 festas do ano, sejam o Valpurgsnat ou o Disablot, e de que as mesmas podem auxilia-lo a entender o que ele é e o que deve fazer, se a pessoa for passível de evoluir, pois em caso contrário será somente mais um a estar um symbel, uma rodada de libações, apenas porque o curso dominical dos roedores de cadáveres, proíbe a bebida.

         Para finalmente concluir, os assim ditos senhores do conhecimento (já que gnose em grego quer dizer conhecimento), afirmam que tudo são apenas rótulos de mesma coisa, pois somente há deuses porque o inconsciente coletivo dos povos é semelhante. E afirmam mais, dizem que as formas com que são representados os deuses do passado, em tempos presentes somente obedeceriam o armário de nossa época, pois nossas roupas e costumes não são mais aqueles dos antigos.

         Responde-se a isto de forma aprazível e pacífica, pode-se danificar o pseudo encéfalo de coisas como estas, com informação demais.

         Somente há sempre um Deus do Trovão, e uma Deusa feiticeira da sexualidade em todas as tradições. Não porque os povos queriam representar algo que os fazia temer de maneira a adora-lo e assim aplaca-lo (afinal lembrem-se que tomando um exemplo que está ao alcance de todos, os Egípcios, nos tempos de seu pleno politeísmo a geometria o número PHI, que os gregos "afanaram", a astronomia, a radiestesia e eletricidade eram conhecidas, entre outras coisas, e o politeísmo era a simples força de propulsão de todo o império), gerando sempre o mesmo arquétipo com nomes diferentes. O motivo real comprovado pela arqueologia e antropologia, e bem como as formas de ciências como a física do Chaos, simplesmente começa no fato de que um povo migrou por toda a Ásia, África, e Europa (alguns dizem que o Quetzaqtl, homem claro de cabelos claros que levou os Incas a não erguer a mão contra os espanhóis por acharem que seu deus voltou, era também do mesmo biotipo da migração citada, e que veio para a América do Sul tempos antes), produzindo um efeito tal que a chamada árvore da vida dos cabalistas, e seu alfabeto, são filhos de sua Yggdrasil e de seu Futhark, assim como cultos como o culto Tebano a ASAR, ou os Zigurares sumérios - em que vemos os perfeitos paralelos com o Irminsul por exemplo . E que da mesma forma que os Índios Sioux dizem que somos na verdade uma imensa onda de energia, e que nossos sentidos nos enganam (termo que se usa em física quântica para definir aos átomos e suas partículas, como ondas de energia e campos magnéticos), e isto através de seus Xamãs. Os Xamãs das tribos dos povos que vieram a migrar acima, por meio do galdhr e no caso vanir do seidhr, definiram em forma de símbolos muito bem acessíveis ao povo estas Regras, e seus campos de Consciência. E como em toda regra de Xamanismo, o praticante une-se a uma regra afim para tornar-se ele mesmo perfeito no que melhor faz, mas de maneira a desenvolver outras capacidades a partir daí, vivenciando a níveis inacreditáveis todo o drama de existência de Seu Deus Pessoal, a Regra Física em Questão, de maneira que ele mesmo e o Deus São Um Só, mas que sua individualidade criará projeções infinitas de desenvolvimento, e isto necessariamente é indicado pelas imensas regiões de morada de cada uma destas consciências, seus castelos).

         Assim conclui-se que os povos acostumaram-se a chamar certas regras físicas, e estas se acostumaram a responder ( se um físico newtoniano observa em um aparelho um átomo, este aparelho lhe mostrará partículas em movimento. Se um físico Quântico usar o mesmo aparelho, ele lhe mostrará ondas e oscilações e vibrações de campos energéticos. E não é questão de ponto de vista, simplesmente é o fato de que a matéria está se comportando em relação ao que o observador quer) . Mas que há símbolos que não somente pela antiguidade de seu uso, mas pelo perfeito e exímio modo de expressar aquela regra, tornam perfeitos os seus usos.

         Assim a tentativa de dizer isto é somente um rótulo que não expressa o pensamento puro, mostra sua verdadeira face e demonstra sua fragilidade e pouca aplicabilidade.


Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.