Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Envie seu texto
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Tradição Nórdica Textos Nórdicos A História dos Visigodos do passado aos tempos presentes

A História dos Visigodos do passado aos tempos presentes

vikiVindo do Sul das Terras Suecas, segundo os romanos, das regiões Bálticas da Alemanha e Polônia, veio a se estabelecer a Leste do Rio Dniester, atualmente Moldávia e Ucrânia, durante um período que compreendeu do Século I ao Século III, da era vulgar, um povo que demarcou profundas transformações na Europa, em todos os locais por eles tocados.Estes eram os Povos Godos.
   

A princípio, possuíam uma qualidade natural de outros povos das regiões de onde vieram.

   

Sendo então, nômades, e estando organizados em Clãs e Tribos, com um chefe para cada Clã, sob o qual pesava o encargo dos costumes, das celebrações, da r

ligiosidade e o passar da tradição, para o posterior Líder do Clã. Estes líderes não possuíam poder executivo, uma vez que todas as grandes decisões eram tomadas na assembleia dos Homens livres onde, em momentos de Guerra, normalmente efetuavam a eleição de um Líder, que os comandaria até que o perigo passasse.

   

Os Godos normalmente trabalhavam a terra em que estavam, e todos os homens eram Livres, e não havia uma diferença de classes sociais entre eles mesmos.

Possuíam os costumes Tribalistas Religiosos ligados aos Deuses Germânicos, já que suas raízes tem proveniência de lá, saudando então a Wotan, Donnar, Lauka, Freya, Frigg, Gullveig,
Idunna, Tir e haimdallr, entre outros Deuses e Deusas. Tendo assim uma particular visão do Mundo, entrecortado por outros mundos, onde o contato do Ser Humano com o ambiente a sua vota, causa uma alteração neste ambiente e no próprio humano, havendo portanto uma relação direta entre a 

Natureza e a Humanidade.

   

Quando viéram a se estabelecer na região do Rio Dniester, ocorreu uma primeira divisão entre os costumes dos Godos, movida por um processo nem muito lento nem muito rápido.

   

Ocorre que os Godos vem a cruzar o Rio Danúbio, e passam a se estabelecer na Dácia, onde começam a explorar as riquezas minerais daquele local.Isto desencadeou o nascimento de várias castas, onde anteriormente haviam apenas irmãos e homens livres, unidos em um Clã e estes Clãs em uma Tribo.

   

A casta dos agricultores torna-se livre de ter que entrar nas batalhes, pois nasceu uma casta de guerreiros profissionais, e todo o povo Godo passa então a procurar o estabelecimento de uma Nação em terras férteis.Daqui ocorreu a diferenciação, pois os Godos que passaram a viver em situação mais afável a Oeste, entraram nesta alteração de costumes, mais densamente do que os Godos que estavam a Leste do Danúbio.

   

Esta divisão causou a diferenciação entre os Visigodos, os que estavam a Oeste, e os Oustrogodos, os que estavam a Leste, pois os Oustrogodos estavam em permanente contato e guerra com os Hunos.Durante muito tempo, o próprio Império Romano utilizou-se dos Godos, para manter os Hunos longe e afastados da Fronteira do Rio Dniester. Para isso pagavam em altos valores, que em dado momento não mais foram enviados aos Godos.

   

Durante o confronto "diplomático", Os Godos atacaram as Tropas Imperiais, e quase obtiveram êxito, se os Hunos nãos os tivessem atacado pela retaguarda, forçando-os a pedir auxílio e residência nas terras após o Danúbio, em que foram aceitos aproximadamente 200.000 Godos, dos quais alguns eram Oustrogodos.

   

Isto desencadeou em decorrência outros conflitos, com o próprio Valente, que os aceitou ali, para mantê-los sob vigia.

   

No decorrer do tempo, ao Vencer a Valente, tornaram-se Senhores da região das Balcãs, e dali em diante, contidos algumas vezes (por Estilicon por exemplo), mais sempre em constante expansão posterior, acabaram tendo seu território reconhecido, e ali naquele período da história nasceu o Reino Godo de Tolosa.

   

No entanto, o "morbus gothorum" e a instabilidade acabaram desencadeando no final de 200 anos, o fim do Reino de Gothland, pois tudo que fazia dos Godos o Povo forte que dominou a tantos povos em tão pouco tempo, havia sido perdido em função da aproximação com a forma de ser dos Romanos, e com a perda de sua cultura superior anterior.

   

Notemos que a natureza de matar o Rei para colocar outro mais afim aos interesses desta ou daquela pessoa, caracteriza apenas e tão somente a falta de FIDELIDADE.Além disso, vemos claramente o desenrolar quando de sua saída das Terras a Oeste de Dniester, o engendrar da perda da liberdade pessoal, em função da criação de castas, aos moldes do que podemos observar como sendo o contato com as culturas estrangeiras.

   

Esta característica gerou a enorme absorção, séculos depois, da maneira de ser dos romanos, de toda a sua burocracia, e sua forma de atividade. Isto criou entre os Visigodos, costumes inertes. Não eram mais uma Grande Família disposta a lutar pelo crescimento e bem estar do Clã, tornaram-se uma Cópia dos Fracos "Impérios" que derrotaram após sua saída do Dniester.

   

A perda desta cultura superior original, lenta e fatal, levou-os a terem cada vez mais influencias cristãs dentro de suas terras, e este verme doentio, causou a debilidade maior e mestra, que por sua vez levou-os a derrota nas mãos dos muçulmanos, quando estes invadiram a Espanha.Não mais existia Lealdade, os Clãs eram coisa do passado.

   

Não mais existia Honra, as traições múltiplas, desencadearam dor e sofrimento, e mataram a muitos que poderiam ter dado um estado forte aos Godos.

   

Não mais existia a coragem de lutar, e a prontidão para lutar.

   

Não mais existia a Verdade de uns para com os Outros.

   

A burocracia e a corte copiadas dos cristãos, enfraqueceu a Força e a Disciplina dos Godos.

   

Não mais erguiam suas Armas com Vontade e Trabalho, a saída tornou-se a mesma do enfraquecido e tolo império cristão, ou seja, os acordos e as tramas, onde se busca deixar que outros trabalhem e o esforço seja mínimo.

   

Não mais confiavam em Si Mesmos, pois não mais existia a Identidade de ser Godo, na maioria da população, embora muitos ainda levassem o emblema da força dentro de si.A Hospitalidade foi estendida a estranhos, com o intuito de assassinar ao Dono da casa, fato que causou o fim da de Gothland, e o maior emblema disto foi o "morbus gothorum".

   

Os Godos naqueles tempos estavam divididos entre os Nacionalistas e os Hispanos-Romanos, em em meio a todos os termos e meias palavras que residem nestes dois meios de designá-los, temos então a ideia clara dos que acima foram citados como portadores em seus corações da Força que provinha no sangue dos Godos.Assim, nos tempos que se seguiram quase que imediatamente a isso, vieram as chamadas grandes navegações.

   

Entre os navios que cruzaram o oceano, para o chamado Novo Mundo, muitos descendentes dos Visigoth, entre os espanhóis que estavam naquele navio, e mesmo entre os Descendentes Galegos, quando estenderam seus reinos pela Região da Gália, influenciando ao posterior estado de Portugal, acabaram aportando nos Continentes do Novo Mundo.

   

Houveram problemas, infelizes costumes cristãos entranhados na minoria, choques com as culturas já existentes nos continentes chamados de novos, muitas vezes massacres, mas havia também a presença inquestionável da herança Visigoth no sangue de alguns.

   

Posso citar os inúmeros casos de Execução Sumária por Prática de Feitiçaria, da Época do Brasil Colônia de Portugal, por exemplo, que testemunham para a presença de uma herança Européia, presente nos hábitos dos povos que entraram no continente, e que não tendo morrido, sobreviveu um tanto quanto distorcida pela falta de contato com suas origens, é verdade, mas que serviu de ponte para o futuro. A mesma coisa veio a acontecer em todo o território continental abaixo do Norte dos Estados Unidos.

Com  o decorrer dos tempos, influenciada pela existência de costumes e hábitos mantidos na clandestinidade, dentro de organizações diretas ou indiretas, e em alguns casos, destituídos de entendimentos a respeito das tradições antigas, começou um pequeno retorno público de algo do conhecimento ancestral germânico.
   

Infelizmente, a presença crescente de formas de expressão cristãs, que como uma doença contaminaram fontes de informação e locais onde esta era divulgada, e pela também forte presença Vehmica, assim como a presença de abominações de abominações, como a teoria de um certo padre ário, veio a nascer algo que sob o pretexto de proteção,  veio a ser uma fonte de bloqueio para o conhecimento que tentava retornar a público.

   

Em meados do começo do século, até a quase metade deste, o nascimento do Termo Odinista, veio a existir em meio a estes dois movimentos citados.

   

No entanto, o natural racismo presente em livros como o deuteronômio bíblico, fonte para as abominações de abominações, influenciou o retorno do conhecimento por uma fonte que carecia de sentido, e nas palavras de um pensador de nome Évola: "...A preocupação com a pele, veio a ser apenas o meio para que o incapaz, e néscio, mantenha-se em cargos altos de comando...".

   

Os Odinistas passaram então a serem tão maltratados como o restante o era, e muitos forma atirados em campos de concentração, e o objetivo "iluminatticamente" elaborado pelas facções diferentes do Renascer da Cultura Germânica daquela época, saborearam isso.

   

Pouco depois do fim da II Guerra, nasceu um movimento e características religiosas, com o intuito de continuar os trabalhos nascidos daquele período.Infelizmente, abarrotado de todos os preconceitos e formas inexatas de ser, que estavam presentes na Alemanha, e outros locais, durante a primeira metade do Século 20 e todo o período do Século 18 e 19.

   

Este vetor durante a década de 70, do Século XX, causou uma rachadura em toda a instituição, engendrando formas diferentes de abordagem, e causou um dos piores males que existem no campo de existência de um Odinista, o Asatru nasceu da irresponsabilidade daquela época.Pois se sua original propostas seria a de não ser racista, seus grupos ativos mais expressivos, alegam que somente os descentes puros europeus podem participar dele.

E pior do que isso, nele o termo "Religiosidade ao Pé da Letra", existe no sentido estrito da palavra, em muitos casos inclusive há o costume quase"evangélico/gosphel", de citar as Eddas a moda do pentateuco, em alguns casos ocorrendo a visão de Donnar, como um outro "arcanjo miguel" que expulsa  serpente (que fique bem entendido jourmungandr), do paraíso.E indo nos extremos bíblicos do dízimo, há a cobrança e envio de valores de todos para o Foco central principal, irradiador deste tipo de abordagem do "antigo caminho". Levando-se em conta as vertentes que nasceram no pós impacto dentro da Church of Odin, acabou ocorrendo algo proveitoso.

Que a orientação de muitos discordantes do sectarismo e racismo, acabaram propiciando a aparição de vertentes do Odinismo, que poderiam realmente vir a abraçar a Raíz Germânica Tradicional, sem maneirismo, preconceitos, e formas de abordagem absurdas.Estas Linhagens Nascidas desta orientação em retorno ao caminho Germânico, com deveriam ter sido, podem ter muitas linhas e subdivisões.No entanto seus Guardiões dentro da conceitualização Tribal, como foi nos tempos dos Godos antes de sua chegada as margens do Dniester, somente pode ser encontrada em expoente de poder e força, dentro do Tribalismo Odinista Visigoth.
   
Assim depois de um largo tempo, correndo contra o próprio tempo, e lutando contra tudo que estava em oposição direta, que em resumo não foram poucas coisas, lentamente o Tribalismo Visigoth veio a se reorganizar, no entanto inicialmente apenas com efeito dentro do território Europeu. Mas o chamado dos Ancestrais no Sangue, causou a procura dos que naturalmente vem a ser herdeiros dos Antigos Godos.Assim com muito esforço o primeiro foco Visigoth de Odinismo Tribalista, nasceu no Continente Americano, no México, levando em conta a forma como as atitudes e comportamentos, e a maneira correta de ser deveria ser empregada desde tempos imemoriais.
 
Levando em conta as lições que a história ensinou a todos nós, mas que puderam se acompanhadas de novo, de novo e de novo.
   
Não sem sangue, não sem dor, pois a total falta das 9 Virtudes, acarretou muitos problemas e tramitações em todos os sentidos, no contado com outras facções e formas de "abordagem". Pois inúmeros foram os casos de mentiras, acusações de racismo (incompatíveis com a Linhagem de Tribalismo Visigoth Odinista), movidas em infinitas vezes por pessoas diversas, mas especificamente por agentes atuantes não odinistas, por asatruares em que o meteórico caso de Okimoto, e seu gosto por causar intrigas e criar inimigos, atuaram decisivamente para causar, embates, lutas e má interpretação do conhecimento antigo, em poucas palavras, o ato do enlamear lhe caia bem.
 
E após uma década, o Odinismo Tribalista Visigodo saído da Raiz Germânica, começou a se expandir e crescer e a gerar Clãs.
Clãs em torno de um Chefe Tribal, como deveria ser no passado.
Clãs que procuram as livres assembleias, para realizar e discutir o que é melhor para todos.
Clãs Unidos, no Norte, Leste e no Sul.
Clãs que envolvidos com as Virtudes e o Estudo, procuram ser mais do que apenas outra religião.
Clãs que estudam, que procuram o desenvolvimento, que não se chocam com a ciência, e que acima de tudo, buscam nas raízes das tradições, suas mais alta norma para conduta, aplicando-a em evolução aos tempos atuais.
   
Como Herdeiros destes tempos, assim vieram em Primeiro Lugar os Irmãos, Brothru´s da Hermandade Odinista do Fogo Sagrado em volta do Gothi Hoen Falker, e mais contemporaneoda Gythia Alfrun Falker.
   
Que estenderam este anel de influência, levando o chamado Visigoth a Europa, e a América do Sul, em retorno.
A presente força nos países Latinos, que estão procurando se sintonizar com este vetor de influência do Tribalismo Odinista Visigoth, em que no Brasil temos o Clã Falkar, em volta da Gythia Adeltrud Falkar e do Gothi Aistan Falkar, procurando crescer e expressar tudo o que a Tradição Tribal Odinista Visigoth, emite de si para o desenvolvimento de todos e de cada um, dentro do Clã.
   
Para o futuro, temos o crescimento, e a prosperidade de todo o Tribalismo Visigoth Odinista, apoiado na Severidade e no Esforço, dentro das 9 Virtudes, da Edda, e do desenvolvimento baseado em sabedoria antiga e evolutiva, e bem como, no que a história nos ensinou.

Gothi Aistan Falkar.
Clã Falkar.
Aliança Odinista da Águia Visigoda América.

Hails Tribos Unidas do Norte e do Sul.
Hails Folk Visigoth.
Hails Ancestrais e Nossa Família.
Gutane Jer Weihailaig

Por Grimm Wotan