Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Envie seu texto
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Vampirismo Vampirismo Astral Manual Prático do Vampirismo Combate ao Vampiro de Sangue

Combate ao Vampiro de Sangue


Manual Prático do Vampirismo

É difícil destruir aquilo que já está morto. E o vampiro é antes de tudo um ser em eterno processo de ressurreição noturna. Nesse período possui poderes capazes de dominar qualquer criatura humana, tanto no plano físico como psicológico. Por isso, quando está com vida para saciar sua sede de sangue, o máximo que se pode conseguir é afugenta-lo, com o uso de objetos sagrados como a cruz, a hóstia, a Bíblia, os paramentos eclesiásticos, a água benta, etc. Apesar desses símbolos poderem causar a sua destruição, durante a noite fatalmente ele fugirá da presença deles, utilizando seus poderes de mutação animal, e sua capacidade de iludir uma pessoa através da hipnose. Isso lhe garante rapidez e agilidade para escapar de qualquer local, por mais hermeticamente fechado que seja. Portanto, tem que ser levado em conta a diferença entre as coisas que protegem momentaneamente de seus ataques e aquelas que são capazes de destruí-lo definitivamente.

Um vampiro não suporta o cheiro do alho; por isso, quando pressentir a presença dele no ar, imediatamente se afastará do local impregnado por essa substância. Também os espinhos das rosas podem ser letais para a sua eternidade caso o firam. É obvio então, que ao ver as flores, imediatamente procurará se afastar.

Portanto, o momento propício para a sua destruição é quando os raios solares estão mais intensos e o vampiro repousa no seu esquife, normalmente escondido num local de difícil acesso, e muitas das vezes protegido por um dos seus servos. Depois de se conseguir localiza-lo, normalmente numa câmara mortuária, deve se retirar a tampa do caixão e, com uma estaca pontiaguda, transpassar seu coração com a ajuda de um martelo. Para se realizar essa operação é necessário, no entanto, Ter nervos de aço, pois se houver ruídos, o vampiro pode despertar e contra-atacar com a fúria dos demônios. Além disso, apesar de estar repousando, o seu rosto tem uma expressão capaz de causar terror em qualquer ser humano, e também é possível que outros vampiros repousem no mesmo local, e possam despertar com o grito daquele que se converte em pó.

Outra maneira para destruí-lo é esperar o anoitecer, escondido próximo a sua cripta, quando ele sair à procura de suas vítimas, aproximar-se do seu caixão e retirar a terra natal que está dentro, e substituí-la por água benta ou hóstia consagrada. Quando o ser noturno retornar à sua tumba com os primeiros cantos do galo, não poderá descansar, e no desespero, terá que sair a céu aberto, onde os raios do sol o secarão até transforma-lo em carcaça. Também outro elemento capaz de destruí-lo completamente é a água corrente de um rio. Mas para isso é necessário fazer com que caia dentro da corrente. Nesse caso será necessário fazer com que caia dentro da corrente. Nesse caso será necessário atraí-lo para a beira de um rio, e um grupo de pessoas cercá-lo, empunhando objetos sagrados e rezando em voz alta esconjuros, para que acuado não tenha outra alternativa a não ser lançar-se nas águas que se encarregarão do resto.

Todo tipo de elemento que se renova constantemente, envolvido pelo poder do criador, é letal para o vampiro; a transparência é uma terrível inimiga, pois a sua energia vem das raízes que frutificam o mal. Dessa forma, todas as nascentes da natureza representam as forças opostas ao seu domínio, a explicação é que tudo que brota naturalmente na terra, o faz para transformar-se, depois de um tempo, em outro tipo de matéria, o que significa a morte. O vampiro luta exatamente contra essa renovação. Para ele, a eternidade significa a preservação do seu corpo, através da sucção de outros, o que representa poder de vencer o tempo que envelhece a matéria. Dessa maneira, irá adquirindo sabedoria capaz de eternizar o mal, modificando para o seu benefício as leis que regem o planeta, onde pretende reinar absorto sobre todas as coisas.

Portanto, um curandeiro que domina os elementos primitivos da vida, poderá evocá-los e concentra-lo num recipiente que se aberto pelo vampiro, o varrerá com a fúria dos séculos. Era dessa maneira que agiam os feiticeiros, maias, astecas e incas, quando notavam que dentro da comunidade alguém estava contaminado pelos fluídos do vampiro. Com o poder das montanhas eles o convertiam em pó, pronunciando ao vento, as palavras mágicas que varrem as sementes do mal sobre a terra. Todas as culturas do mundo conhecem os símbolos que contem as forças criativas da natureza; portanto, seja uma cruz, um ídolo de bronze, ou uma estrela, se glorificando a perpetuação positiva do universo, terá o poder de combater o vampiro.


Quer publicar seu texto no Morte Súbita inc? Envie para nós.