Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Alta Magia Cabala A Cabala Mística A Cabala Não-escrita

A Cabala Não-escrita

1. O ponto de vista do qual abordo a Cabala Sagrada difere, nestas páginas, até onde eu saiba, do adotado por todos os outros escritores que se ocuparam do assunto, pois, para mim, a Cabala é um sistema vivo de desenvolvimento espiritual, não uma curiosidade histórica. Poucas pessoas, mesmo entre aquelas que se interessam pelo ocultismo, sabem que há uma tradição esotérica ativa em nosso meio, que se transmite por meio de manuscritos particulares a "de boca a ouvido". E menos pessoas ainda sabem que essa tradição consiste na Cabala Sagrada, o sistema místico de Israel. Mas onde poderíamos buscar a nossa inspiração oculta, a não ser na tradição legada pelo Cristo?
2. A interpretação da Cabala não se encontra, contudo, entre os rabinos do Israel Externo, que são hebreus apenas pela carne, mas entre aqueles que são o povo escolhido segundo o espírito - em outras palavras, os iniciados. A Cabala, como a compreendo, tampouco é um sistema puramente hebreu, pois ela foi suplementada, durante a Idade Média, por muitos conhecimentos alquímicos a pela estreita associação a este extraordinário sistema simbólico que é o Tarô.
3. Por conseguinte, em minha apresentação do assunto, não recorro muito à tradição, em apoio às minhas concepções, bem como à prática moderna, quanto aqueles que fazem use da Cabala como seu método de técnica oculta. Poder-se-ia alegar contra mim que os antigos rabinos nada sabiam de alguns dos conceitos aqui expostos. Replico que seria mesmo impossível que eles os conhecessem, pois tais idéias não eram conhecidas em seus dias, resultando, ao contrário, do trabalho dos herdeiros do Israel Espiritual. De minha parte - embora não pretenda desviar ninguém dos ensinamentos do mundo antigo a querendo, no tocante aos assuntos de precisão histórica, que estes permaneçam sujeitos à correção de todo aquele que estiver mais informado do que eu a respeito desses assuntos (e seu número é legião) -, atribuo escassa importância à tradição quando ela impede o livre desenvolvimento de um sistema de tanto valor como a Cabala Sagrada, a utilizo as obras de meus predecessores como uma pedreira de onde retiro as pedras para construir minha cidadela. Mas não me limito a essa pedreira por qualquer ordem de que tenha conhecimento, colhendo também o cedro do Líbano e o ouro de Orfir, se isso convém ao meu propósito.
4. Fique bem claro, portanto, que não digo "Este é o ensinamento dos amigos rabinos", mas sim "Esta é a prática dos modernos cabalistas, que constitui, para nós, assunto de vital importância, por se tratar de um sistema prático de desenvolvimento espiritual"; é a ioga do Ocidente.
S. Depois de me ter assim precavido, na medida do possível, contra a acusação de não ter feito aquilo que jamais pretendi fazer, julgo conveniente definir agora minha própria posição, no que toca à erudição a às qualificações gerais para a tarefa a cumprir. No que concerne à erudição real, estou na mesma classe de William Shakespeare, pois tenho pouco latim e nenhum grego, conhecendo do hebraico apenas o aspecto cultivado pelos ocultistas, ou seja: a habilidade para transliterar a difícil escrita hebraica em função dos cálculos gemátricos. Da acusação de não possuir nenhum conhecimento do hebraico enquanto língua, sou inocente.
6. Não sei se este franco reconhecimento de minhas deficiências servirá para desarmar as críticas; não há dúvida de que se alegará contra mim e não sem justificativas - que uma pessoa assim tão mal-equipada não deveria empreender a tarefa. Posso perguntar, em minha defesa, se alguém, encontrando um homem ferido, deveria, na ausência de qualificação médica, recusar-se a socorrê-lo e a dar-lhe a ajuda que pudesse, esperando, ao contrário,.a chegada da assistência qualificada? Minha obra sobre a Cabala tem a natureza dos primeiros socorros. Procuro desvelar um inestimável sistema até agora negligenciado, a por mais desqualificada para a tarefa que eu possa ser, procuro chamar a atenção para as suas possibilidades a restaurar-lhe o lugar adequado como chave do ocultismo ocidental; e é minha esperança que esta obra possa atrair a atenção dos eruditos a animá-los a continuar a tarefa de tradução a investigação dos manuscritos cabalísticos, que constituem, até agora, um veio do qual apenas os afloramentos superficiais foram aproveitados.
7. Posso alegar, contudo, uma qualificação para a minha tarefa: nos últimos dez anos, vivi a existi na Cabala Prática; utilizei-lhe os métodos tanto subjetiva como objetivamente, até que eles se tomassem parte de mim mesma, a conheço por experiência própria os resultados psíquicos a espirituais que podem produzir, tanto quanto seu incalculável valor como método de manipulação mental.
8. Aqueles que desejam utilizar a Cabala como sua ioga não precisam obter necessariamente um extenso conhecimento da língua hebraica; tudo o de que precisam é ler a escrever os caracteres hebraicos. A Cabala moderna ganhou certificado de naturalização nas línguas ocidentais, mas retém, e deve reter, as suas Palavras de Poder em hebraico, que é a língua sagrada do Ocidente, assim como o sânscrito é a língua sagrada do Oriente. Muitos são aqueles que se opuseram ao livre emprego dos termos sânscritos na literatura ocultista, a poderiam eles objetar ainda mais fortemente contra o emprego de caracteres hebraicos; mas sua utilização é inevitável, porquanto cada letra é também um número, a os números que as letras compõem são não apenas uma importante pista para o seu significado, mas podem também expressar as relações existentes entre diferentes idéias a poderes.
9. Segundo MacGregor Mathers, no admirável ensaio que constitui a introdução de seu livro, a Cabala é comumente classificada sob quatro categorias:

a Cabala Prática, que trata da magia talismânica a cerimonial; a Cabala Dogmática, que consiste na literatura cabalística;
a Cabala Literal, que trata do use das letras e dos números; e a Cabala Não-escrita, que consiste no conhecimento correto da maneira pela qual os sistemas simbólicos estão dispostos na Árvore da Vida, e a respeito da qual diz MacGregor Mathers: "Nada mais posso dizer sobre esse ponto, nem mesmo se eu o recebi ou não." Mas, como essa valiosa sugestão foi desenvolvida pela falecida Sra. MacGregror Mathers em sua introdução à nova edição do livro ("Simultaneamente à publicação da Cabala, em 1887, ele recebeu instruções de seus mestres ocultos para preparar o que posteriormente se tornou a sua escola esotérica"), é justificável dizer que, embora Mathers tenha recebido a Cabala Não-escrita, .esta deixou por alguns anos de ser não-escrita, pois, após uma disputa com esse autor, Aleister Crowley, o conhecido autor a erudito, publicou integralmente o conjunto. Seus livros são agora raros a difíceis de encontrar e, por serem muitos estimados pelos esoteristas mais eruditos, seu valor se tomou extraordinário a raramente chegam às livrarias de sebo.

10. A violação de um juramento iniciático é um assunto sério a uma coisa que, de minha parte, não pretendo fazer; mas não acredito em nenhuma autoridade que me impeça de coletar a comparar todo o material disponível já publicado sobre qualquer assunto a de interpreta-lo de acordo com a minha melhor habilidade. Nestas páginas, é ao sistema referido por Crowley que recorro para complementar os pontos sobre os quais silenciam MacGregor Mathers, Wynn Westcott a A. E. Waite, principais autoridades modernas da Cabala.
11. Quanto a ter recebido eu própria qualquer conhecimento da Cabala Não-escrita, seria muito inconveniente para mim, tanto quanto o foi para MacGregor Mathers, discorrer sobre esse ponto; e, seguindo seu clássico exemplo de enterrar a cabeça na areia a balançar a cauda, volto à consideração do material de que disponho.
12. A essência da Cabala Não-escrita repousa no conhecimento da ordem em que determinadas séries de símbolos estão dispostas na Árvore da Vida. Essa Árvore - Otz Chiim - consiste em Dez Sephiroth Sagradas, dispostas num padrão particular a unidas por linhas, as quais recebem o nome de Trinta a Dois Caminhos da Sepher Yetzirah, ou Emanações Divinas (ver Lhe Sepher Yetzirah, de Wynn Westcott). Aqui está um dos "labirintos" ou armadilhas em que se deleitavam os rabinos. Se contarmos os Caminhos, descobriremos que há vinte a dois, não trinta a dois deles; mas, para seus propósitos, os rabinos trataram as próprias Dez Sephiroth como Caminhos, enganando dessa maneira os não-iniciados. Os dez primeiros Caminhos da Sepher Yetzirah estão, portanto, atribuídos às Dez Sephiroth, a os vinte e dois seguintes, aos próprios Caminhos reais. Vemos, assim, que também as vinte a duas letras do alfabeto hebraico podem ser associadas aos Caminhos, sem discrepâncias ou sobreposições. Associam-se também a eles os vinte a dois trunfos do Tarô, os Atus, ou Moradas de Thoth. No que concerne às cartas do Tarô, há três autoridades dignas de nota: o Dr. Encausse, ou "Papus", o escritor francês; o Sr. A. E. Waite; a os manuscritos da Ordem da Aurora Dourada, de MacGregor Mathers, que Crowley publicou sob sua própria responsabilidade. Essas três autoridades apresentam pontos de vista muito diferentes. Quanto ao sistema dado pelo Sr. Waite, diz ele: "Há um outro método conhecido pelos iniciados". É razoável supor que esse seja o método utilizado por Mathers. Papus discorda de ambos em seu método, mas, como seu sistema violenta muitas vezes as correspondências com os padrões da Árvore - a prova final de todos os sistemas -, a como os sistemas de Mathers a Crowley se ajustam admiravelmente, penso que podemos concluir com exatidão que o método de ambos constitui a ordem tradicional correta, a pretendo ater-me a ele nestas páginas.
13. Os cabalistas depuseram, ademais, sobre os Caminhos da Árvore, os signos do Zodíaco, os planetas a os elementos. Ora, existem doze signos, sete planetas a quatro elementos, perfazendo vinte a três símbolos. Como se ajustam eles aos vinte a dois Caminhos? Aqui está outra "emboscada",
mas a solução é simples. No plano físico, encontramo-nos no elemento Terra e, por essa razão, tal símbolo não aparece nos Caminhos que conduzem ao Invisível. Deixemos de lado esse símbolo a teremos vinte a dois símbolos, que correspondem perfeitamente, corretamente colocados, aos trunfos do Tarô, pois eles se esclarecem mutuamente de forma notável a fornecem as chaves da Astrologia Esotérica a da adivinhação do Tarô.
14. A essência de cada Caminho reside no fato de que ele constitui a união de duas Sephiroth. Só podemos compreender-lhe o significado levando em conta a natureza das Esferas unidas na Árvore. Mas uma Sephirah não pode ser entendida num único plano: ela tem uma natureza quádrupla. Os cabalistas o afirmam claramente ao dizerem que existem quatro mundos (ver MacGregor Mathers, Lhe Qabalah Unveiled).

Atziluth, o mundo Arquetípico, ou Mundo das Emanações; o Mundo Divino;
Briah, o Mundo da Criação, também chamado Khorsia, o Mundo dos Tronos;
Yetzirah, o Mundo da Formação a dos Anjos;
Assiah, o Mundo da Ação; o Mundo da Matéria.

15. Afirmam eles, também, que as Dez Sephiroth Sagradas têm, cada uma, seu próprio ponto de contato com cada um dos Quatro Mundos dos cabalistas. No Mundo Atzilútico, elas se manifestam por meio dos Dez Nomes Sagrados de Deus; em outras palavras, o Grande Imanifesto, simbolizado pelos Três Véus Negativos da Existência, que pendem atrás da Coroa, manifesta-se em dez diferentes aspectos, representados pelos diferentes Nomes utilizados para denotar a Divindade nas Escrituras hebraicas. Esses Nomes são traduzidos de diversas maneiras na Versão Autorizada, e o conhecimento de seu verdadeiro significado, aliado ao das Esferas às quais esses Nomes pertencem, permite-nos elucidar muitos enigmas do Velho Testamento.
16. No mundo Briático, as Emanações Divinas manifestam-se=por meio dos Dez Poderosos Arcanjos, cujos nomes exercem um importante papel na Magia Cerimonial; são eles os vestígios gastos a apagados dessas~Palavras de Poder que constituem os "bárbaros nomes de evocação" da Magia medieval, "nenhuma de cujas letras pode ser alterada". A razão disso é que, em hebraico, uma letra é também um número, a os números de um Nome têm um significado importante.
17. No Mundo Yetzirático, as Emanações Divinas manifestam-se, n$o

por meio de um único ser, mas através de diferentes tipos de seres, chamados de Hostes ou Coros Angélicos.
18. O Mundo Assiático não é, estritamente falando, o Mundo da Matéria, se o encararmos do ponto de vista Sephirótico, mas antes os planos astral a etéreo inferiores, que, juntos, formam a base da matéria. No plano físico, as Emanações Divinas manifestam-se por meio do que poderíamos chamar, com propriedade, de Dez Chakras Cósmicos, porque esses centros de manifestação correspondem perfeitamente aos centros que existem no corpo humano. Os chakras consistem no Primum Mobile, ou Primeiro Remoinho, a Esfera do Zodíaco, os sete planetas a os elementos - perfazendo o total de dez.
19. Pelo que precede, pode-se observar que cada Sephirah se compõe, em primeiro lugar, de um chakra cósmico; em segundo lugar, de uma hoste angélica de seres, Devas ou Archons, Principalidades ou Poderes, de acordo com a terminologia empregada; em terceiro lugar, de uma Consciência Arquiangélica, ou Trono; a em quarto lugar, de um aspecto especial da Divindade. Deus como Ele é, em Sua Integridade, está absolutamente oculto atrás dos Véus Negativos da Existência, sendo, por essa razão, incompreensível à consciência humana não-iluminada.
20. Podemos considerar corretamente as Sephiroth como macrocósmicas a os Caminhos como microcósmicos, pois as Sephiroth, unidas, como às vezes o são nos velhos diagramas, por um raio de luz, ou por um punho provido de uma espada de fogo, representam as sucessivas Emanações Divinas, que constituem a evolução criadora, ao passo que os Caminhos representam os estágios sucessivos do desdobramento da compreensão cósmica na consciência humana; nas imagens antigas, uma serpente enrodilhada aparece às vezes nos ramos da Árvore. Trata-se da serpente Nechushtan, "que morde a própria cauda", símbolo da sabedoria a da iniciação. As espirais dessa serpente, quando corretamente dispostas na Árvore, cruzam todos os Caminhos a servem para indicar a ordem na qual eles devem ser enumerados. Com a ajuda desse hieróglifo, toma-se muito fácil dispor os símbolos estampados pelas tabelas em suas posições corretas na Árvore, desde que tais tabelas apresentem os símbolos na ordem exata. Em alguns livros modernos, considerados como autoridades sobre o assunto, não se dá a ordem correta, pois seus autores acreditam, aparentemente, que essa ordem não deva ser revelada ao não-iniciado. Mas, como essa ordem é corretamente explicitada em alguns livros antigos e, de mais a mais, na própria Bíblia e na literatura cabalística, não vejo razão para confundir os estudantes com informações espúrias. A recusa à divulgação de algum assunto pode ser justificável, mas como
se pode explicar a transmissão de informações que semeiam a confusão? Ninguém será perseguido hoje por seus estudos em ciências heterodoxas, de modo que existe um único objetivo para ocultar os ensinamentos referentes à teoria do universo e à filosofia que dela resulta, a de maneira alguma aos métodos da Magia Prática, a esse objetivo é reter o monopólio do conhecimento que confere prestígio, se não poder.
21. De minha parte, acredito que tal egoísmo exclusivista constitui, antes, a ruína do movimento oculto do que a sua salvaguarda. Trata-se do antigo pecado de reter o conhecimento de Deus nas mãos de um clero e nega-lo aos que se encontram fora do c1ã sagrado; retenção que se justificava quando as pessoas eram selvagens, mas que é absolutamente injustificável no caso do estudante moderno. Além do mais, pode-se obter a informação desejada consultando-se a literatura existente ou adquirindo-se, em troca de valores muitos elevados, livros que são hoje muito raros. É certamente a disponibilidade de muito tempo a de muito dinheiro que constitui o teste de habilidade para a obtenção da Sabedoria Sagrada.
22. Não duvido de que estarei sujeita às críticas dos auto-constituídos guardiões desse conhecimento, os quais poderão afirmar que seus preciosos segredos foram traídos. A isso replico que não estou traindo nada que seja secreto, mas coordenando o que já foi revelado ao mundo a que é de natureza simples a bem conhecida. Quando tive acesso pela primeira vez a certos manuscritos, eu acreditava que eles eram secretos a desconhecidos para o mundo em geral, mas uma familiaridade maior com a literatura ocultista revelou que a informação já havia sido comunicada fragmentariamente por meio dessa mesma literatura. Muitas coisas, de fato, que os iniciados juraram manter em segredo já haviam sido publicadas pelos próprios Mathers a Wynn Westcott, a já em 1926 encontramos, numa nova edição da obra de Mathers sobre a Cabala, publicada sob a supervisão de sua viúva (que lhe conhecia certamente as intenções), muitas das tabelas que publico nestas páginas. Como esses catálogos de seres foram originalmente conferidos ao mundo por Isaías, Ezequiel a diversos rabinos medievais, podemos afirmar, com propriedade, que, em razão do tempo transcorrido, essas listas não pertencem a nenhum autor determinado. Em todo caso, a propriedade de tais idéias foi adquirida do autor original a não de um determinado comentarista posterior, a esse autor, segundo a própria Cabala, é o arcanjo Metatron.
23. Muito do que era outrora conhecimento comum foi reunido e ocultado sob o juramento de segredo do iniciado. Crowley zomba de seus mestres porque eles o obrigaram ao silêncio com juramentos terríveis a então "lhe confiaram o alfabeto hebraico para que o salvaguardasse".
24. A filosofia da Cabala é o esoterismo do Ocidente. Nela encontramos exatamente a mesma cosmogonia apresentada pelas Estâncias de Dyzian, que foram a base da obra de Mme. Blavatsky. Ela encontrou nessa obra a estrutura da doutrina tradicional, que expôs em seu grande livro, A doutrina secreta. A cosmogonia cabalística é a gnose cristã. Sem ela, nosso sistema religioso fica incompleto, e é essa lacuna que constitui a fraqueza do Cristianismo. Os primitivos padres, como diz o adágio familiar, "jogaram a criança fora juntamente com a água do banho". Um estudo ainda que superficial da Cabala revela que esse sistema subministra as chaves essenciais dos enigmas das Escrituras em geral a dos livros proféticos em particular. Existirá alguma razão para que os iniciados dos tempos modernos encerrem todo esse conhecimento numa caixa secreta a se sentem sobre a tampa? Se eles consideram que estou errada em passar informações cuidadosas sobre assuntos que julgam sua prerrogativa privada, replico que este é um país livre e que cada um tem direito às suas próprias opiniões.

A Cabala Mística - Dion Fortune

Conteúdo relacionado