Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Alta Magia Cabala A história da cabala judaica em onze nomes Yehuda Ashlag

Yehuda Ashlag

Baal HasulamQuando: Século XX

Onde: Polônia

Livro: Sulam

Importância: Abriu o estudo da cabala para mulheres e não-judeus


"Em uma geração como a nossa não há nada a ser temido em desvelar a verdadeira sabedoria abertamente."
- Baal HaSulam, Entrada na Árvore da Vida

Já vimos que a cabala brotou entre os patriarcas hebraicos (Abraão, Isaque, Jacó),  formou-se com Moisés no Monte Sinai e vazou para as nações gentias graças a Yeshua. Não ouvimos falar muito dela durante a era das religiões (judaísmo, cristianismo, islamismo) mas em seguida ela atingiu seu esplendor com o Zohar do Rashib e entrou na sua fase histórica com o Ramak e o Ari.

Mas a sombra da Inquisição foi reforçada pela desolação dos progroms russos e pelo horror do holocausto nazista. Não é de se espantar que os judeus continuassem mantendo o estudo da cabala em segredo. Mesmo entre os judeus era muito difícil ter acesso a essa sabedoria. Em muitos casos os ensinamentos só eram passados entre os homens altamente religiosos, casados e com filhos. Estas restrições só começaram a cair graças ao trabalho de Yehuda Ashlag.

O primeiro grande passo foi abrir em 1922 o primeiro Centro de Kabbalah na cidade de Jerusalém. Qualquer pessoa com estudos religiosos e mais de 40 anos poderiam ir lá para aprender Cabala. Comparado com a abertura de hoje este centro parece até mesmo retrogrado, mas mesmo assim a resistência de parte das liderenças rabínicas foi grande. Ashlag foi inclusive posto para fora de sua sinagoga enquanto levava uma surra e deixado sangrando aos pés do templo simplesmente por tornar a Cabala disponível. Mas este era apenas o primeiro passo.

Esta abertura só chegou ao seu ápice pelo esforço de seu filho e também rabino Baruch Shalom Halevi Ashlag (o Rabash) que tornou a obra de seu pai muito mais acessível, não só por escrever de maneira didática mas por definitivamente concluir a missão do seu pai de abrir o estudo da Cabalá a qualquer um que estivesse interessado, não importando a idade, raça, sexo ou religião. 

Rav Ashlag foi o grande cabalista do século XX e o responsável pelo renascimento da Cabala na contemporaneidade. Participante ativo do movimento chassídico, Rav Ashlag criou uma nova maneira de ensinar que é uma síntese entre a Kabbalah Luriânica e os conhecimentos da Ciência e da Filosofia modernas.  Seu gênio estava em sua habilidade de extrapolar os segredos do Ari de quinhentos anos trás de uma forma clara para o homem moderno. Seus dois trabalhos principais são "Estudo das Dez Sefirot" e seu comentário sobre o livro do Zohar, "Sulam" (A Escada) que lhe rendeu o título de "Baal HaSulam" ("O Dono da Escada"). Entre 1945 e 1953 publicou ainda os dezoito volumes de "O Livro do Zohar com os comentários de Sulam", entre várias outras obras.

Outra contribuição importantíssima foi a primeira tradução do Zohar do aramaico para o hebraico moderno. A partir deste momento este valioso texto tornou-se muito mais acessível. Em pouco tempo haveriam traduções para o inglês e muitos outros idiomas. Mas Baal HaSulam não se contentou em colocar suas ideias no papel, ele trabalhava pesado para promovê-las o máximo possível, e embora abrisse seu conhecimento a todos, se esforçava ainda mais para que todos os judeus tivessem essa oportunidade. Como parte de seus esforços ele se encontrava com pessoas proeminentes como David Ben Gurion, primeiro ministro de Israel, Chaim Nachman Bialik, Zalman Shazar entre outros. Baal HaSulam foi um grande defensor do Socialismo Espiritual baseado nos princípios humanisticos da cabala como uma forma de curar as chagas da humanidade como desigualdade social, corrpução, pobreza, guerra, pestes, entre outros.

 Praticamente todo grande instrutor do século XX ou foi seu aluno direto ou aluno de um aluno seu. Sua influência cresce de forma exponencial. Philip Berg, fundador do Kabbalah Centre, foi aluno de Rabbi Yehudah Brandwein, um de seus principais pupilos.  Dr. Michael Laitman foi discipulo do Rabash e continua seu trabalho por meio do Bnei Baruch o maior grupo de cabalista de Israel dedicado a promoção da cabala no mundo inteiro.Conheceremos agora estes dois cabalistas que moldaram a cabala judaica do século XXI.

A contribuição de Baal HaSulam na história da cabala