Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Alta Magia Cabala A Arca da Aliança: A Bateria de Deus

A Arca da Aliança: A Bateria de Deus

Arca da AliançaAs pessoas estão acostumadas com os célebres 10 Mandamentos que Moisés trouxe aos hebreus. Mas se você tem problemas em não cobiçar a mulher do próximo, saiba que segundo Maimônides, a Torá na verdade apresenta mais de 600 mandamentos que devem ser seguidos para agradar ao Eterno.  Algumas destas ordens envolviam a famosa Arca da Aliança. Uma das regras é semelhante as regras de algumas casas de strip-tease: “Você pode olhar, mas não pode por as mãos.” Quando um hebreu chamado Uzá ficou assanhado e resolveu colocar as mãos sobre na Arca da Aliança, isso acendeu a ira de Deus que o atingiu e causou morte instantânea. (2 Samuel 6:1-7 e 1 Crônicas 13:9-12)

Até hoje poucas pessoas entendem porque  Deus não quer que ninguém encoste em suas coisas, mas se as razões ainda são um mistério, talvez seus métodos comecem a ser revelados. Em 1933, um professor de engenharia teorizou que a verdadeira causa da morte foi de 10.000 volts de eletricidade estática. Segundo esta teoria a Arca da Aliança, aquele bau sagrado e misterioso que tirou o sono até do Indiana Jones, foi um capacitor gigante

A edição de 5 de março de 1933 edição do Chicago Daily Tribune, trouxe este artigo de Frederick Rogers, na época decano do Departamento de Engenharia no Instituto Lewis of Technology. Ele realizou um estudo cuidadoso da construção da Arca, conforme descrito no bíblia e concluiu que seu projeto corresponde a um simples, contudo enorme condensador elétrico.

O interesse científico do professor Rogers foi que a grande caixa de madeira de acácia não só era revestida de ouro na parte interna e externa. Madeira é um conhecido isolante e ouro um excelente condutor e desde que as placas de ouro não se toquem temos aqui os mesmos princípios usados na construção de uma garrafa de Leiden, com apenas duas diferenças: a garrafa de Leyden usa vidro e estanho e a Arca da Aliança é muito mais charmosa.

Uma Garrafa de Leyden pode ser usados como brincadeira de salão ao dar pequenos choques. Quanto maior, maior a capacitância da garrafa. Uma garrafa de 15 cm é o suficiente para uma descarga de 8 pessoas de mãos dadas em corrente. Mas a Arca da Aliança é muito maior do que isso, com 1 metro de comprimento por 75 de largura e 75 de altura (sem contar os querubins). Estes querubins segundo Prof. Rogers fazem a parte do polo positivo e negativo do circuito sem nunca se tocarem. Some isso ao ar seco e carregado de energia estática do deserto e Kaboom! - Uzá cai ao chão. O professor calculou que em condições extremas e seguindo as condições expressas do Torá a arca poderia descarregar até 10.000 volts de eletricidade estática. E não se esqueça que a partir de 500 volts a eletricidade já é capaz de matar.

Arca da Aliança

 

Esse efeito é conhecido entre os físico como a “diferença de potencial" entre a terra e o ar que pode ser coletada em cargas elétricas sob determinadas condições favoráveis. Além das Tábuas da Lei, o interior da arca deveria conter a vara de Aarão (com a qual Moisés fez os milagres do Êxodo e um vaso de Maná, a misteriosa comida/óleo que Deus enviou dos céus). Não temos detalhes destes itens de forma que não sabemos como eles poderiam ou não potencializar o capacitor da arca. Note que a arca também nunca podia encostar no chão, sendo sempre amparada por um suporte de madeira. Quando tinha que ser movimentada era trocada de lugar por duas varas da mesma madeira e carregada por homens que tinha que usar roupas e sapatos especiais.

A arca foi construída seguindo instruções detalhadas que ainda podemos ler na bíblia. Se quiser ter uma em casa, você vai em primeiro lugar precisar assaltar um banco para conseguir ouro o suficiente. Depois disso é só seguir as instruções do capítulo 25 do livro do Êxodo. A arca foi construída e era tratada como uma arma de guerra. Por várias vezes lemos na Torá, o relato dos hebreus carregando a arca á frente de seus exércitos no campos de batalha e isso foi essencial durante a conquista de Canaã. O próprio Templo de Salomão onde a arca era guardada foi construído mais como um forte para conter uma arma perigosa do que como uma casa de adoração. Lemos no livro de Samuel que certa vez ela foi roubada pelos Filisteus, mas acabou sendo devolvida quando eles descobriram que ela matava qualquer um que se aproxima se demais e não seguisse os rígidos preceitos mosaicos.

Ele explicou que mesmo o calor e a fumaça de sacrifícios podem ter causados descargas menores acompanhado de faíscas.  Isso explica uma dos mais estranhos detalhes das antigas celebrações de Yom Kippur. No décimo dia do mês de Tishrei o Sumo Sacerdote de Israel precisava entrar sozinho no templo e jorrar sangue de sacrifício sobre a arca. Era um momento tenso pois desta cerimônia dependia o perdão de Deus e só assim os israelitas saberiam que seus pecados foram lavados. Até ai, nada diferente dos rituais que os egípcios e babilônicos também faziam aos seus deuses uma ou duas vezes por ano.  

Mas no caso dos hebreus havia amarrada em suas pernas uma corda cuja outra ponta descansava sob as mãos de seus amigos fora do templo. Segundo relato do Êxodo (25:22) nestas horas mais sagradas Deus podia se fazer presente entre os dois querubins de ouro em uma manifestação misteriosa que os judeus chamavam Shekinah ou 'presença de Deus'.  Diz a tradição que algumas vezes o sumo sacerdote explodia e não apenas isso, mas nestas ocasiões o local mais sagrado ficava tão repleto de fogo e fumaça e o pobre sacerdote tinha que ser puxado para fora pela corda. No ano seguinte o novo sumo sacerdote entraria com muito mais temor e sem dúvida teria garantido que o povo se comportaria melhor. O sumo sacerdote precisava ser um homem corajoso, provavelmente o mais corajoso de todos os hebreus para entrar nesta roleta russa semita. Os que sentissem o poder da divindade e tivessem a sorte de sobreviver transformavam-se em verdadeiros homens santos, com todos os sintomas de docilidade dos pacientes das terapias de choque do século 19.

 

Rabi Baruch Habas