Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Alta Magia Magia Cerimonial História da Magia Os Últimos Pagãos

Os Últimos Pagãos

Este é mais um dos capítulos onde Eliphas Levi promete e não cumpre. O autor fornece um quase nada em termos de dados biográficos das personagens sobre as quais pretende escrever: Apolônio de Tiana (ou Thyana), Juliano, o Imperador, Jâmblico e Máximo de Tiro. No sumário, também consta o subtítulo "Começo das sociedades secretas e práticas proibidas", tópico praticamente inexistente no corpo do texto. Os trechos escolhidos seguem abaixo:
  
Apolônio de Thyana

Diante da ação civilizadora do Cristianismo nascente, as paixões amigas da desordem entraram em ação. O politeísmo expirante [moribundo] pediu forças à magia dos antigos santuários; aos mistérios do Evangelho opuseram-se os de Eleusis. Apolônio de Tiana foi posto em paralelo com o Salvador do mundo [Jesus]; Filóstrato encarregou-se de fazer uma lenda a esse deus novo. ...A história de Apolônio por Filóstrato, absurda se quisermos tomá-la ao pé da letra, é muito curiosa ...É uma espécie de Evangelho pagão oposto aos Evangelhos do Cristianismo. (p 163)

Toda a vida de Apolônio, escrita por Filóstrato segundo Damis, o Assírio [principal discípuo de Apolônio] é um tecido de apólogos e parábolas. ...Apesar de sua grande ciência e de suas brilhantes virtudes Apolônio não era o continuador da escola hierárquica dos magos. Sua iniciação vinha das Índias e ele, para inspirar-se, entregava-se às práticas enervantes dos Brâmanes; ele pregava abertamente a revolta e o regicídio: era um grande caráter desviado. (p 166)

[Ao invés de falar de Apolônio do ponto de vista histórico biográfico, Levi se detém em descrever determinados conteúdos da biografia escrita por Filóstrato, Vida de Apolônio a fim de demonstrar que Apolônio era um Iniciado. Fervoroso defensor do cristianismo católico romano, Eliphas Levi preocupa-se em demonstrar a inferioridade de Apolônio comparado a Jesus. ]
 
Imperador Juliano

A figura do imperador Juliano nos aparece mais poética ...que a de Apolônio. Juliano ...queria transfundir a seita nova do Cristianismo no corpo do helenismo envelhecido ...Para contrabalançar a potência realizadora do dogma cristão, tomou também a Magia Negra em seu auxílio e entregou-se ...a tenebrosas evocações. Seus deuses, cuja beleza e juventude queria ressucitar, apareceram-lhe velhos e decrépitos, inquietos da vida e da luz e prestes a fugir diante do sinal da cruz!


Depois da morte deste imperador, a idolatria e Magia foram envolvidas numa mesma reprovação universal. Foi então que nasceram estas sociedades secretas de adeptos às quais se ligaram mais tarde os gnósticos e os maniqueus; sociedades depositárias de uma tradição misturada de verdades e erros.

Como se vê, o autor trata da vida destes "Ultimos Pagãos" de forma superficial e literária. Informações sobre Jâmblico e Máximo de Éfeso simplesmente não constam no capítulo e estes nomes são mencionados de passagem em um parágrafo exíguo sobre o imperador Juliano. O leitor fica curioso; fica sedento de dados mais precisos. Neste estudo, buscaremos resolver este problema fornecendo links que conduzem a páginas que contêm biografias bem mais completas de Apolônio. Uma delas, hospedada no site Sobrenatural, foi extraída da edição on-line de um dos poucos escritos atribuídos a Apolônio de Thyana que chegou aos nossoa dias: o Nuctameron, livro que também pode ser obtido na internet.

História da Magia