Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Biografias Biografias Nicolas Flamel

Nicolas Flamel

comp_nicolas_flamel.jpgNicolas Flamel nasceu em 1330 em Pontoise. Após a morte de seus pais, ainda jovem foi trabalhar em  Paris como escrivão. Tudo indica que até esta época Flamel ainda não se interessava pela Alquimia mas, segundo relato seu, certa noite ele teve um sonho em que um anjo segurava um grande livro com capa de cobre, do qual lhe mostrou a página de guarda e disse: "Flamel, olha bem para este livro, não percebes nada do que ele contém, nem tu nem muitos outros, mas um dia verás nele o que ninguém seria capaz de ver."

O sonho se acabou aí mas não saiu da lembrança de Flamel, até que um dia ele se viu na presença do tal livro, que, por força de seu ofício, havia adquirido de alguém, como ele mesmo narra na sua obra Explicação das Figuras Hieroglíficas, ou O Livro das Figuras Hieroglíficas: "Pois eu, Nicholas Flamel, escrivão, logo que, após a morte dos meus pais, comecei a ganhar a vida com a nossa arte da escrita, fazendo inventários, pondo contas em ordem e suspendendo as despesas dos tutores de menores, veio cair-me nas mãos, pela soma de dois florins, um livro dourado muito velho e bastante grande; não era de papel ou de pergaminho, como são os outros, mas era feito apenas de delgadas cascas (segundo me parecia) de arbustos tenros.

A capa era de cobre muito fino toda gravada com letras ou figuras estranhas e, em minha opinião, creio que podia muito bem tratar-se de caracteres gregos , ou de uma outra língua antiga semelhante. Tanto assim que eu não era capaz de as ler e que sabia muito bem que não eram sinais ou letras latinas ou gaulesas, pois nós, disso percebemos um pouco. Quanto ao interior, as suas folhas de casca estavam gravadas e escritas com grande habilidade, com uma ponta de ferro, em belas e nítidas letras latinas coloridas.

Continha três vezes sete folhas (pois estas encontravam-se assim numeradas no alto da folha), a sétima das quais nunca estava escrita, e, em vez disso, tinha pintadas uma vara e serpentes a devorarem-se; na sétima folha a seguir, uma cruz em que uma serpente estava crucificada; e na última destas sétimas folhas estavam pintados desertos no meio dos quais brotavam fontes belíssimas, de onde saiam muitas serpentes que corriam por aqui e por ali.

Na primeira folha estava escrito, em grandes letras maiúsculas douradas: ABRAÃO O JUDEU, PRÍNCIPE, PADRE, LEVITA, ASTRÓLOGO E FILÓSOFO AO POVO DOS JUDEUS OU DISPERSOS PELA IRA DE DEUS NAS GÁLIAS, SALVE D. I. Depois disto, encontrava-se cheio de grandes blasfêmias e maldições (com a palavra MARANATHA, que estava repetida muitas vezes) contra toda a pessoa que pusesse os olhos nesse livro se não fosse sacrificante ou escrivão."

Achou  muito intrigante o livro e passou a estudá-lo, descobrindo que se tratava de cabala e alquimia. Nesta  época, ele nem sabia o que realmente significava a alquimia. Estudou anos a fio e descobriu que o  livro relatava diretamente a Grande Obra, sem contudo indicar a matéria-prima.

Casou-se com Dame Perrenelle, que era viúva, por volta de 1364 e a partir de então consegue uma  pequena quantia de dinheiro para se dedicar totalmente a alquimia, quantia esta que a vi úva havia  herdado do falecido marido. Percorre o caminho de Santiago de Compostela, padroeiro dos  alquimistas, e encontra um mestre que lhe passa ensinamentos sobre a matéria-prima.

Flamel, a partir  de 1380, começa a se dedicar a experimentos alquímicos, consegue produzir prata em torno de 1382 e  depois finalmente a transmutação em ouro. Cerca de dez anos mais tarde ao início dos experimentos,  começa a realizar um grande número de obras de caridade como a construção de hospitais, igrejas,  abrigos e cemitérios e os descora com pinturas e esculturas contendo símbolos alquímicos. 

Flamel, apesar de sua súbita fortuna, possuía uma modesta residência e usava roupas humildes. Mas  suas vultuosas doações levantaram suspeitas do rei Carlos V que havia proibido, jáem 1379, todas as  práticas alquímicas mandando inclusive, destruir todos os laboratórios que supostamente fabricasse  ouro alquímico. O rei enviou o chefe das finanças para investigar a origem de sua fortuna. Acredita-se  que Flamel tenha sido franco com o emissário do rei, tendo inclusive lhe dado um pouco da pedra  filosofal. Este voltou sensibilizado com dignidade de Flamel, nada relatando ao rei e durante muitas  gerações a pedra ficou guardada em sua família.

Escreveu "O Livro das Figuras Hieroglíficas" em 1399, "O Sumário Filosófico" em 1409 e "Saltério  Químico" em 1414 .

Relatos mencionam que o casal, aos 60 anos de idade, possuía um aspecto jovem não condizente com  as pessoas da mesma faixa etária da época. Flamel faleceu em 1417, porém alguns viajantes relatam  terem o encontrado no oriente com sua esposa , após sua suposta morte. Ele teria sido um ser  iluminado que quis viver entre os homens.
Acredita-se que todo o relato de Flamel desde o encontro do livro até  a peregrinação a Santiago de  Compostela e seu encontro com o mestre são alegorias para explicar a matéria-prima e o  conhecimento adquirido através do estudo da alquimia.

Oração de Nicolas Flamel

Ao que parece Flamel precedia toda operação alquimica com uma oração que lhe era particular.  Ela é ainda hoje usada pelos praticantes que desejam enveredar pelo caminho da alquimia. Ela deve ser memorizada e repetida mentalmente todas as noites até adormecer e também em qualquer momento de ócio mental, durante a ginástica, no banho, cozinhando etc. Isto irá fazer com que você tente atingir os objetivos alquímicos involuntariamente, lendo e se dedicando mais as práticas alquímicas.

Deus todo-poderoso, eterno, pai da luz, de quem provém todos os bens e todos os bens perfeitos, imploro vossa misericórdia infinita; deixai-me conhecer vossa sabedoria eterna; aquela que circunda vosso trono, que criou e fez, que conduz e conserva tudo.

Dignai-vos enviá-la do céu a mim, de vosso santuário, e do trono de vossa glória, a fim de que ela esteja em mim e opere em mim; é ela que é a senhora de todas as artes celestes e ocultas, que possui a ciência e a inteligência de todas as coisas.

Faz com que ela me acompanhe em todas as minhas obras que, por seu espírito, eu tenha a verdadeira inteligência, que eu proceda infalivelmente na nobre arte à qual estou consagrado, na busca de miraculosa pedra dos sábios que ocultastes ao mundo, mas que tendes o hábito de descobrir ao menos a vossos eleitos.

Que essa grande obra que tenho a fazer cá embaixo seja começada, continuada e concluída ditosamente por mim; que, contente, goze-a para sempre. Imploro-vos, por Jesus Cristo, a pedra celeste, angular, miraculosa e estabelecida por toda eternidade, que comanda e reina convosco.

1330 - 1417