Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Biografias Biografias Salman Rushidie

Salman Rushidie

Salman Rushidie“Deus, Satã, Paraíso e Inferno, todos desapareceram um dia nos meus quinze anos, quando abruptamente perdi minha fé e, além disso, para provar meu ateísmo recém-descoberto, comprei um sanduíche de presunto, e então partilhei pela primeira vez a proibida carne do suíno. Nenhum raio caiu em mim. Desde esse dia até hoje eu me considero uma pessoa completamente secular." - Salman Rushdie, "In God we Trust”


Tempos atrás uma escritor poderia passar meses na cadeia se não tomasse cuidado com o que colocasse no papel, poderia arruinar toda a sua vida com uma simples estrofe. Eram tempos difíceis, mas as palavras, talvez por serem armas de poucos eram muito mais temidas e perigosas. Hoje estamos acostumados a ler todo o tipo de coisa, não existe mais aquele lado romântico aonde mesmo indo a forca o escritor sabia que sua mensagem havia mexido com alguém e realizado alguma coisa. São poucos os artistas que conseguem irritar as autoridades com uma idéia e uma caneta na mão, e é exatamente este o caso do Indiano Salman Rushdie

De personalidade assumidamente anti-islâmica e rebelde o autor confessa. “Tenho um talento especial para irritar as pessoas. Sou um inimigo natural.”. Salman é declaradamente  anti-religioso se considerarmos como religião as manifestações institucionalizadas encontradas ao redor do mundo. Segundo ele ”inventamos Deus só por duas razões: para saber de onde viemos e como devemos nos comportar. Mas as origens das religiões são falsas e quando impõem uma ética, as pessoas começam a ser torturadas e mortas". Ou seja o escritor coloca-se desde inicio contra toda a religião oficial, e talvez por ter nascido no oriente devotou-se a ser um inimigo especial do Islamismo.

Sua carreira começou com a publicação daquele que talvez exatamente por ser o mais ousado e criticado seja até hoje é seu livro mais vendido; “Versos Satânicos” conta de forma romanceada a experiência pessoal do autor com o islamismo e sua subseqüente frustração. O livro conta com diálogos inteligentes, narrações surrealistas e fatos concretos e históricos. O livro todo de forma implícita ou explicita reserva criticas acidas ao niilismo, ao cristianismo, ao hinduismo, ao ocidente ao oriente, e, mas especialmente as nações islâmicas.

Entre diversas outras criticas encontramos, por exemplo, as evidências de que o Alcorão foi inventado por Mohammad, e que esta suposta revelação surgia de acordo com as necessidades, políticas, econômicas, e até mesmo pessoais do período em que o dito profeta vivia em determinado momento. Segundo Salman e diversos outros estudiosos, Mohamad sofria de ataques epiléticos e soube da mesma forma que os xamãs ameríndios transformar sua estranheza em uma ferramenta de controle sobre os outros homens. O profeta do Islam soube servir-se de sua debilidade para confirmar suas revelações, afirmando que suas crises eram devidas a contatos diretos e diálogos espirituais que tinha com o Arcanjo Gabriel.

No meio do romance Rushdie ainda faz referência aos primórdios pré-islamicos quando Allah ainda era somente o nome de um entre centenas de ídolos adorados  do panteão árabe.  Allah e suas filhas Al Lat, Al Uzza e Manat eram largamente adorados em toda a Meca e região. No inicio da pregação de Maomé era permitido adorara Allah e parar pela intercessão de suas filhas, somente mais tarde quando sua influência cresceu é que o culto único a Allah foi imposto.

Como se não fosse o bastante Rushdie expôs de forma nua e crua a opressão contra a mulher e o fascínio e medo do mundo islâmico de ser dominado pelos valores do Novo Oeste. Segundo o autor “Para um número imenso de muçulmanos "crentes", "o islã" representa, de maneira confusa e apenas semi-analisada, não apenas o temor a Deus -e, desconfia-se, é realmente mais de temor do que de amor que se trata-, mas também um conjunto de costumes, opiniões e preconceitos que incluem as práticas alimentares, a reclusão ou quase reclusão forçada de "suas" mulheres, os sermões proferidos pelos mulás de sua preferência, a aversão à sociedade moderna em geral, repleta de música, sexo e a ausência do divino e uma aversão (e medo) mais específica diante da perspectiva de que o mundo que os cerca possa ser dominado pelo estilo ocidental de vida -"ocidentoxicado", por assim dizer.”

Seu livro seria visto com curiosidade e interesse por ocidentais, já menos ligados a forças religiosas do que o restante do mundo, mas no oriente, especialmente nas nações islâmicas onde a teocracia ainda está acima do individuo, o livro foi declarado uma das maiores blasfêmias já escritas e a reação muçulmana foi fortíssima. Protestos e manifestações titânicas vieram das massas muçulmanas da Turquia, Índia e Paquistão. Em outros países a reação foi ainda mais forte.

Com a publicação de Versos Satânicos, o aiatolá Khomeini, a figura mais forte e carismática do mundo muçulmano naquele período, declarou através de um decreto religioso que " é obrigações de todo o glorioso povo muçulmano cooperar para que o autor dos Versos Satânicos, livro que é contra o Islam, o Profeta e o Alcorão, e todos os que estão envolvidos na sua publicação e estavam conscientes do seu conteúdo, sejam desde agora condenados à morte por ofensas graves contra Allah." Livrarias foram saqueadas, e incendiadas. Uma fundação iraniana conhecida como Khordad ofereceu a recompensa de dois milhões e meio de dólares  a quem desse provas de ter matado Rushdie.  Além disso mais de quinhentos iranianos ofereceram vender um dos seus rins voluntariamente para financiar a execução do autor.

Rushdie passou toda a década seguinte vivendo na clandestinidade fugindo de país em país, trocando constantemente de identidade e endereço.  Companhias aéreas se recusavam a transporta-lo sob a alegação deste ser uma ameaça para a segurança dos outros passageiros. Em 1989 Khomeini morreu e segundo as leis islâmicas em que um decreto religioso só pode ser anulado por que o decretou, a condenação de Salman passou a ser eterna. Dois anos depois, Hitoshi  Igarashi, tradutor de Versos Satanicos para o japonês foi morto a facadas por radicais islâmicos, Ettore Capriolo, tradutor italiano teve mais sorte e sobreviveu por pouco de um ataque em Milão e em 1993 William Nygarrad, editor norueguês do livro escapa da morte após levar quatro tiros nas costas. Os Editores Chineses da obra receberam mais de cinco mil cartas ameaçadoras inclusive mais de vinte ameaças de bomba.

Hoje em dia Rushidie já aparece mais na mídia, mas ainda faz parte do programa de proteção da policia britânica para a qual pediu exílio.  De cabelos grisalhos com sua terceira esposa e talvez mais sarcásticos do que antes o autor é um dos inimigos mais ativos do fundamentalismo religioso. Seu nome tornou-se símbolo de uma nova forma critica de se  pensar e se expressar que vem contribuindo na luta contra o fundamentalismo no Oriente. A cada ano mais e mais “Rushies” surgem. Como o próprio autor gosta de colocar: “Ou os muçulmanos reformulam o Islam, ou os Rushdies farão isso por eles.” Mesmo perseguido e condenado à morte, Salman foi autor de mais alguns livros, todos é claro primando por sua própria dose de rebeldia contra o status quo. Segundo suas próprias palavras, seu plano pessoal para a vida é escrever livros até cair e morrer nesse processo. “Sinto que minha cabeça está cheia de livros", diz ele. De qualquer forma, o escritor arca com as responsabilidades de dizer para a massa ignorante o que ela não quer ouvir. A grande ironia é que o homem que “matou” o Profeta profetizou seu próprio futuro em sua própria obra, como lemos no seguinte trecho de Versos Satanicos:

“Um livro é o produto de um contrato com o Diabo que inverte o contrato Faustiniano,  disse ele à Allie. Dr. Faustus sacrificou  sua eternidade em troca de dois anos de poder; o escritor concorda em arruinar sua vida e ganhar (se tiver sorte!) senão a eternidade, pelo menos a posteridade. De qualquer forma é sempre o Diabo que sai ganhando.” Salman foi um destes que teve sorte e saiu ganhando talvez por ser o próprio Diabo. Ele realizou o sonho romântico de todo artista, afinal seus inimigos foram no fim os maiores promotores da própria obra que os denegria. Rushidie tornou-se imortal no exato momento em que foi condenado à morte.

1947 - ...