Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Espíritos & Fantasmas Textos sobre Fantasmas Doppelgangers: mau agouro na certa

Doppelgangers: mau agouro na certa

Será que existe um clone seu em algum lugar do mundo ? Uma pessoa pode estar em dois lugares ao mesmo tempo? Existem muitos casos intrigantes ao longo da história, de pessoas que afirmam ter deparado-se com aparições de si mesmo - seus doppelgangers - ou sofreram o fenômeno da bilocação/desdobramento, estar em dois locais distintos ao mesmo tempo.

"Doppelganger" é um termo alemão para algo que dificilmente teríamos uma boa tradução para o português; uma sombra/espírito que se pensa poder acompanhar cada pessoa e que têm sua aparência exata, embora sua imagem não tenha reflexos. Tradicionalmente, diz-se que só o dono do doppelganger pode ver este auto-fantasma, e que ele pode ser um prenúncio de morte. Ocasionalmente, no entanto, um doppelganger pode ser visto por uma pessoa da família ou amigos, resultando em casos muito confusos.

O Caso de Emilie Sagée

Um dos mais fascinantes relatos de um doppelganger vem do escritor americano Robert Dale Owen, que ouviu a história de um Doppelganger por Julie von Güldenstubbe, a segunda filha do barão von Güldenstubbe. Em 1845, quando von Güldenstubbe contava 13 anos de idade, ela foi enviada ao Pensionato von Neuwelcke, um colégio exclusivo para meninas; perto de Wolmar no que é agora a Letônia. Um de seus professores era uma francesa de 32 anos chamada Emilie Sagée.

Embora a administração da escola estivesse muito contente com o desempenho de Sagée junto aos alunos, ela logo se tornaria objeto de rumores e especulações estranhas. Sagée, ao que parece, possuía um Doppelganger que a perseguia por todos os lugares. O caso deixou de ser tratado como insanidade quando os próprios alunos de Sagée puderam ver ambas ao mesmo tempo, o que não é o mais comum, já que alguns estudiosos têm a opinião de que somente o próprio dono pode vê-los.

Um dia, no meio da turma na sala de aula, enquanto Sagée estava escrevendo no quadro negro, seu Doppelganger apareceu precisamente ao lado dela; copiando cada movimento da professora tal como ela escrevia, com a exceção de que não detinha qualquer pedaço de giz entre os dedos. O evento foi testemunhado por 13 alunos na sala de aula. Um incidente semelhante foi relatado em um jantar na qual seu Doppelganger foi visto em pé atrás dela, mimetizando os movimentos de sua alimentação, embora não utiliza-se nenhum dos utensílios como garfos ou facas.

No entanto, o Doppelganger nem sempre retrata o eco dos seus movimentos. Em várias ocasiões, Sagée seria vista em uma parte da escola, quando era conhecido de que ela estava em outro lugar, no exato mesmo horário. O mais espantoso exemplo do caso Sagée teve lugar em plena vista de todo o corpo estudantil de 42 alunos em um dia no verão 1846. As meninas estavam todas acomodadas no hall da escola para suas aulas de costura e bordado. A medida que sentaram-se ao longo das mesas de trabalho, elas podiam ver claramente Sagée no jardim da escola colhendo flores.

Um outro professor foi supervisionar as crianças. Quando este professor deixou a sala para falar com a diretora, o Doppelganger de Sagée apareceu em sua cadeira - enquanto a verdadeira Sagée ainda podia ser vista no jardim. As alunas observaram que os movimentos de Sagée no jardim pareciam muito cansados enquanto o doppelganger continuava sentado e imóvel na mesa da professora. Duas meninas munidas de uma coragem incomum para suas idades abordaram o "fantasma" na tentativa de tocá-lo, mas sentiram uma estranha resistência do ar em torno dela; quando finalmente consegui "tocá-la", o Doppelganger então desapareceu lentamente.

Sagée alegou nunca ter visto seu próprio Doppelganger, mas que sempre era tomada por um extremo cansaço, como se suas forças estivessem sendo drenadas para fora de seu corpo; ela empalidecia e sentia fome, apesar de jamais conseguir comer após essas aparições.

Famosos Doppelgangers

Temos muito relatos de Doppelgangers envolvendo figuras ilustres:

  • Guy de Maupassant, o romancista francês em um de seus contos, alegava ter sido assombrado pelo seu Doppelganger perto do fim de sua vida. Numa ocasião, ele disse que esta "cópia" sua entrou no quarto, tomou um assento frente ao dele e começou a ditar o que ele deveria escrever. Ele menciona esta experiência, em seu conto "Lui".
  • John Donne, poeta Inglês do século XVI, cujo trabalho muitas vezes aflorou assuntos voltados para metafísica, foi visitado por um Doppelganger enquanto ele estava em Paris - e não o seu, mas o de sua mulher. Ela apareceu-lhe para mostrar um bebê recém-nascido. Sua esposa estava grávida na época, mas a aparição foi um sinal de grande tristeza. Ao mesmo momento que o Doppelganger apareceu, sua esposa havia dado à luz um filho nati-morto.
  • Percy Bysshe Shelley, ainda considerado um dos maiores poetas da língua Inglesa, encontrou seu doppelganger na Itália. O fantasma silenciosamente apontou em direção ao Mar Mediterrâneo. Pouco tempo depois, e pouco antes de seu trigésimo aniversário, em 1822, Shelley morreu em um acidente na pequena vela em que navegava - morrendo afogado no mesmo mar Mediterrâneo.
  • Rainha Elizabeth I da Inglaterra ficou chocada ao ver seu Doppelganger repousando em seu leito. A rainha morreu pouco tempo depois. A ocasião foi assunto dos jornais da época.
  • Em um caso que sugere que Doppelgangers podem ter algo a ver com o tempo ou dimensões extra-sensoriais, Johann Wolfgang von Goethe, o poeta alemão do século 18, encontrou seu Doppelganger enquanto cavalgava por uma estrada rumo a Drusenheim. Cavalgando em direção a ele estava seu Doppelganger, mas usando um terno cinza com reluzentes detalhes em ouro. Oito anos mais tarde, Goethe novamente viajava pela mesma estrada, mas no sentido oposto. Ele então percebeu que ele estava vestindo o mesmo terno cinza que tinha visto em seu Doppelganger oito anos antes e repetindo os mesmíssimos movimentos. Teria Goethe visto o seu próprio futuro?

Irmã Maria de Jesus

A Bilocação parece mesmo ser a outra face da moeda Doppelganger. Um dos mais espantosos casos ocorreu no século XV. Em 1622, ao Padre Alonzo de Benavides foi confiada a missão catequizadora de Isolita; no que é agora o estado americano do Novo México. Ele ficou perplexo ao encontrar índios Jamanos que, apesar de nunca antes terem se deparado com povos europeus; pareciam ter aprendido todos os rituais e liturgias Católicos Romanos, havia altares e cruzes; orações, todas em sua língua nativa.

Benavides escreveu para ambos Papa Urbano VII e Rei Felipe da Espanha para saber quem tinha estado lá antes dele, evidentemente, para trabalhar no sentido de converter os índios ao cristianismo. A resposta foi que ninguém tinha sido enviado anteriormente. Os índios, disseram-lhe, que tinham sido instruídos no cristianismo por uma bela jovem "vestida de azul" que viera entre eles há muitos anos e ensinou-lhes esta nova religião na sua própria língua.

Ela também disse-lhes que as pessoas de pele branca iriam em breve chegar às suas terras. "Ela veio aqui para baixo vindo das alturas", disseram os Índios ", ela nos ensinou a nova religião, permanecendo entre nós por algum tempo, ela nos disse que viriam e para que vocês fossem bem recebidos por nós, em seguida, ela se foi para longe. Isso todos nós sabemos. disseram, referindo ao que Benavides tentava lhes ensinar."

Quem foi essa misteriosa mulher em azul? Padre Benavides sabia que as freiras dos conventos das Pobres Clarissas usavam hábitos azuis e logo associou a elas esta possibilidade. Ele encontrou uma pintura de uma freira e mostrou-a para o Jamanos. "Esta é a mulher?" ele perguntou. O vestido era o mesmo, os índios disseram a ele, mas esta não era a mulher. A mulher na pintura era bastante bonita, mas a senhora em azul que os visitou era muito jovem e muito bela.

Quando o padre retornou para a Espanha, voltou determinado a resolver o mistério. Como poderiam os índios encontrar uma freira Clarissa quando elas fossem enclausuradas a partir do dia em que tiveram seus votos confirmados e isso até a sua morte, as freiras nunca deixaram seus conventos, muito menos viajaram a terras distantes em missões catequizadoras. Sua investigação o levou a Irmã Maria de Jesus em Agreda , na Espanha, que alegou ter convertido índios norte-americanos - sem sair de seu convento. A freira então com 29 anos de idade; disse que ela tinha visitado os índios "não com seu corpo material, mas na sua essência, espiritualmente."

Irmã Maria de Jesus disse que ela caía regularmente  em um transe cataléptico, depois ela recordava de "sonhos", na qual ela era levada para um lugar estranho e muito selvagem, onde ensinava o evangelho. Como prova da sua alegação, ela foi capaz de fornecer todas as descrições detalhadas dos índios Jamano, incluindo a sua aparência, roupas e costumes, nenhum dos quais ela poderia ter aprendido através de alguma investigação anterior, uma vez que haviam sido recentemente descobertos pelos europeus. Como é que ela havia aprendido a sua língua nativa? "Eu não aprendi", respondeu ela. "Eu simplesmente falei com eles - e Deus deixou-nos compreender mutuamente."

Outros casos


  • Santo Afonso Liguori foi bispo de Santa Agata de Goti em 1774, quando ele sofreu sua primeira bilocação. Enquanto estava em repouso em seu palácio perto de Nápoles, o bispo caiu em um transe e então apareceu no Vaticano, em Roma, na câmara mortuária do Papa Clemente XIV, que estava agonizando. O bispo amparava todos aqueles que visitavam o Pontífice e rezou com todos os presentes. Ele permaneceu até o Papa morrer, em seguida, "acordou" de volta em seu palácio, capaz de descrever o que ele tinha acabado vivenciar, para espanto de todos que confirmaram a história.
  • Em 1905, Sir Gilbert Parker, um membro do Parlamento britânico, estava participando de um debate na Câmara dos Comuns. Durante o debate, ele observou que Sir Frederick Carne Rasch esteve também presente, sentado no seu local habitual. No entanto, isto era impossível uma vez que Sir Frederick estava acometido de uma terrível gripe e, de acordo com sua governanta, permaneceu na cama durante todo o dia sem comparecer ao parlamento. Aparentemente, o Doppelganger de Sir Rasch estava determinado a ouvir o precioso debate que ali deveria ocorrer e que muito interessava ao futuro político.
  • Um caso recente aconteceu em Beslan, na Rússia em Agosto de 2004, uma menina de 11 anos de idade passou a questionar a mãe se ela tinha uma irmã gêmea. Frente as negativas maternas, a menina insistia em afirmar que via uma "cópia" sua, que a perseguia do outro lado da calçada, sempre que retornava da casa da avó, que vivia a três quadras de sua residência. A cópia segundo a menina, não falava com ela, mas imitava seus movimentos, às vezes sorrindo zombeteiramente para ela, o que assustava a menina. Ao ser levada a um médico, o doutor Viktor Gushniev, psiquiatra local afirmou que a menina sofria de um problema neurofisiológico e foi "devidamente" medicada. Seguindo a rota dos acontecimentos em que afirma-se peremptoriamente, que ao se deparar com seu Doppelganger é sinal de tragédia a vista, a menina foi uma das vítimas do massacre de Beslan, um atentado terrorista que deixou 331 pessoas mortas, em sua maioria crianças. Gushniev que tinha conhecimento sobre a teoria Doppelganger, recusou-se a falar com a revista semanal alemã Der Spiegel sobre o caso. Mais de três anos após o caso, ele ainda se recusa a falar e reage com severa fúria quando é abordado sobre Beslan.

Por: Paulie Hollefeld