Ir para o conteúdo. |

  • A Empresa
  • Apoie
  • Contato
  • Seções:
siga a estrada de tijolos amarelos: Jesus Freak Cristandades Os Santos Mais Estranhos de Todos os Tempos São Kuksha de Odessa

São Kuksha de Odessa

O poderoso Stalin dizia não ter medo da igreja. Perguntava com ironia: “Quantas divisões de soldados o Papa tem?”. Mas ele temia. Ao contrário dos Bórgia e dos Republicanos tinham na Igreja instrumentos de poder os soviéticos a viam apenas como inimigo. A União Soviética interditou 98% das suas igrejas tornando aquele um dos piores momentos históricos para os cristãos... E o timing de São Kuksha de Odessa não poderia ser pior.

 

Ele nasceu quase junto de Lenin, assistiu a revolução russa, a ascensão dos stalinismo e só morreu depois que Khrushchev foi deposto. Em 1938 já estava em um campo de concentração sob a acusação de “membro de culto” e em seguida foi exilado. Aos sessenta anos ainda cumpria trabalhos forçados de lenhador 14 horas por dia nas tundras da Sibéria. O problema é que assim como santos não podem ser verdadeiramente mortos, também não podem ser efetivamente presos.

 

Onde quer que São Kuksha estivesse ele encontrava tempo e energia para o evangelho. Na quarentena orava. No trabalho pregava. Atraia atenção popular demais para ser executado e por essa razão frequentemente o obrigavam a mudar de prisão. Ele nunca resistiu e o ciclo sempre recomeçava. Ensinava o que sabia sobre Jesus a quem quer que lhe desse ouvidos e realizava curas a companheiros de prisão e mesmo a guardas teoricamente sem fé.

 

São Kuksha impressionou particularmente Leon Tolstoi que se encarregou de transformar seu exemplo em livros sobre anarquia cristã e pacifismo. Tolstoi por sua vez inspirou gigantes como Gandhi e Martin Luther King e Nelson Mandela. Poucos sabem, mas a própria queda do muro de Berlim começou com um grupo de orações luterano que semanalmente se reunia para protestar pacificamente na Igreja de São Nicolau. O grupo começou com meia dúzia de pessoas e cresceu até que em 1990 derrubou o muro em uma marcha de dezenas de milhares de pessoas. A pergunta irônica de Stalin estava respondida.